Funções dos advérbios como modificadores e circunstanciadores

Você sabe o que são e para que servem os Advérbios? Vamos relembrar um pouco para que serve esta classe gramatical e como podemos utilizá-la em textos. Revise mais este conteúdo e esteja preparado para enfrentar as provas do Enem.

A classe gramatical dos advérbios, na Língua Portuguesa, está diretamente relacionada aos Verbos. Os advérbios podem estar relacionados, também, a um adjetivo ou a outro advérbio. Os Advérbios funcionam para conferir uma circunstância às palavras da frase que são modificadas por eles.

Quando pensamos na estrutura e funcionamento das frases, e do papel que os advérbios têm na configuração deste tipo de estruturas, precisamos entender que eles se referem a um termo específico na frase (verbo, adjetivo ou advérbio). Podem, ainda, se referir a toda a frase.

Os advérbios também são chamados de modificadores. Esta denominação é usada porque os advérbios, ao conferirem uma circunstância, modificam o sentido original das palavras a que se referem.

Em resumo, o advérbio é uma classe de palavras que pode se referir a um verbo, a um adjetivo, a um outro advérbio ou até mesmo à sentença inteira.

De acordo com o que afirma o linguista Evanildo Bechara, no livro “Moderna Gramática Portuguesa” (2009), os advérbios também podem exercer a sua função de modificador de um Substantivo, quando este é compreendido como uma característica que a substância apresenta. Veja no exemplo a seguir: Escritores assim não merecem leitores.

O uso do advérbio como modificador de uma oração, geralmente ocorre com o termo destacado no início ou no fim da oração. Deste modo, o advérbio pode se separar por uma pausa clara na oralidade, ou registrada na escrita por vírgula.

Classificação dos advérbios

De acordo com a classificação feita pela Nomenclatura Gramática Brasileira (NGB), os advérbios podem ser divididos da seguinte forma:

  • Advérbios de afirmação: sim, certamente, efetivamente, realmente, etc.;
  • Advérbios de dúvida: acaso, porventura, possivelmente, provavelmente, quiçá, talvez, etc.;
  • Advérbios de intensidade: bastante, bem, demais, mais, menos, pouco, muito, quanto, quão, quase, tanto, tão, etc.;
  • Advérbios de lugar: abaixo, acima, adiante, aí, além, ali, aquém, aqui, atrás, através, cá, defronte, dentro, detrás, fora, junto, lá, longe, onde, perto, etc.;
  • Advérbios de modo: assim, bem, debalde, depressa, devagar, mal, melhor, pior e quase todos terminados em –mente: fielmente, levemente, etc.;
  • Advérbios de negação: não;
  • Advérbios de tempo: agora, ainda, amanhã, anteontem, antes, breve, cedo, depois, então, hoje, já, jamais, logo, nunca, ontem, outrora, sempre, tarde, etc.

Locuções Adverbiais

Além dos advérbios, existem também as chamadas Locuções Adverbiais, que são o conjunto de duas ou mais palavras que funcionam como advérbio. As locuções adverbiais são compostas por uma preposição, que se liga com um substantivo, com um adjetivo ou com um advérbio.

Classificação das Locuções Adverbiais:

As locuções adverbiais podem ser:

  • DE AFIRMAÇÃO (ou DÚVIDA): com certeza, por certo, sem dúvida.
  • DE INTENSIDADE: de muito, de pouco, de todo, etc.;
  • DE LUGAR: à direita, à esquerda, à distância, ao lado, de dentro, de cima, de longe, de perto, em cima, para dentro, para onde, por ali, por aqui, por dentro, por fora, por onde, por perto, etc.;
  • DE MODO: à toa, à vontade, ao contrário, ao léu, às avessas, às claras, às direitas, às pressas, com gosto, com amor, de bom grado, de cor, de má vontade, de regra, em geral, em silêncio, em vão, gota a gota, passo a passo, por acaso, etc.;
  • DE NEGAÇÃO: de forma alguma, de modo nenhum, etc.;
  • DE TEMPO: à noite, à tarde, à tardinha, de dia, de manhã, de noite, de quando em quando, de vez em quando, de tempos em tempos, em breve, pela manhã, etc.
Dica: Assista o vídeo do Prof. Noslen sobre os Advérbios, como uma forma de ajudar você a compreender um pouco melhor o conteúdo que estamos abordando

Com relação aos Advérbios, eles podem ainda ser classificados da seguinte forma:

Advérbios Modificadores – são aqueles que, em geral, não estão relacionados diretamente ao verbo e, por isto, podem ser eliminados da frase sem que a compreensão do enunciado (sua gramaticalidade) seja comprometida.

Ex.: Ana vai a Lisboa (amanhã).

Advérbios Circunstanciadores (ou Circunstanciais) – são os que expressam situações de lugar, modo, tempo, instrumento, companhia, entre outros.

O quadro abaixo demonstra, de forma completa, os Advérbios Circunstanciadores:quadro de adverbios circunstanciadores

Agora que você já pode entender a função dos Advérbios nas frases e a diferença entre Advérbios Modificadores e Circunstanciadores, vamos praticar um pouco?

(NCE-UFRJ) Em todos os advérbios terminados em “–mente”, a seguir transcritos, vê-se claramente a sua formação a partir da forma feminina do adjetivo, exceto em:

a) predominantemente;

b) basicamente;

c) negativamente;

d) diariamente;

e) humanamente.

GABARITO: letra A

(Mackenzie) – Imagina um relógio que só tivesse pêndulo, sem mostrador, de maneira que não se vissem as horas escritas. O pêndulo iria de um lado para outro, mas nenhum sinal externo mostraria a marcha do tempo. Tal foi aquela semana da Tijuca. Considerado o parágrafo transcrito, é correto afirmar:

a) A forma verbal no imperativo indica que o narrador se dirige ao leitor tratando-o por “vós”.
b) A expressão de maneira queexpressa, no contexto, ideia de finalidade.
c) Em de maneira que nãose vissem as horas escritas, se o verbo “ ver” fosse substituído por “ poder ver”, a correção gramatical exigiria a forma “pudesse ver”.
d) Se o segundo período fosse iniciado com Nenhum sinal externo, para que se mantivesse o sentido original, a conjunção a ser empregada seria “porém”.
e) Em Tal foi aquela semana da Tijuca, o termo destacado é um advérbio.

GABARITO: letra E

Sobre o(a) autor(a):

Os textos e exemplos acima foram preparados pelo professor Eduardo Bugs Gonçalves para o Blog do Enem. Eduardo é formada em Letras – Língua Portuguesa pela Universidade Federal de Pelotas. Cursou Especialização em Leitura e Produção de Textos pela Universidade Federal de Pelotas. È Mestre em Linguística Aplicada. Dá aulas de Português, Literatura e Redação em escolas da Grande Florianópolis desde 2011. Facebook: https://www.facebook.com/eduardogonçalves