Arte japonesa: conheça o teatro Nô e a pintura criada no Japão

A arte japonesa é marcada pela influência do zen-budismo e das artes chinesas. Entre suas principais manifestações estão o teatro Nô e a pintura de painéis.

O Japão é uma nação marcada por significativas influências artísticas vindas de outros povos. Entretanto, apesar de incorporar ao seu fazer artístico técnicas estrangeiras, criaram um estilo único e peculiar. Que tal aprender mais sobre a arte japonesa para mandar bem no Enem?

Influência chinesa na arte japonesa

Bodhidharma, um indiano fundador do zen-budismo, foi um importante monge que viajou até a China para passar adiante seus ensinamentos. O zen é uma filosofia que prega a prática da meditação e a autoconfiança. E por que isto está relacionado com a arte japonesa? Será que entrei na aula errada?

Então, eis que, no século XIII, monges japoneses viajaram para a China com o intuito de estudar doutrinas mais recentes. Atributos como a disciplina e a simplicidade, defendidos pelo zen, acabaram por atrair samurais (ou seja, guerreiros) à filosofia.

Dessa forma, diversos templos foram construídos no Japão entre os séculos XIII e XV, influenciando profundamente a criação artística. Após a viagem para a China, os monges introduziram hábitos como beber chá em pó em tigelas de cerâmica. Levaram ainda diversas obras de arte, como pinturas a nanquim e caligrafia.

Paralelamente, entre os anos de 1368 a 1644, a China era governada pela dinastia Ming. Nessa época, o governante militar japonês (os xóguns) incentivava o comércio entre as duas nações. O que, naturalmente, favoreceu também a troca artística e cultural entre ambos. Assim, a pintura com nanquim e a caligrafia tornaram-se atividades do cotidiano dos monges.

Dessa maneira, a prática do zen foi um fator determinante para o desenvolvimento da cultura do Japão. Diversos costumes da época foram perpetuados e perduram ainda hoje, como a pintura com nanquim, a cerimônia do chá, arranjos florais e o teatro Nô.

O teatro Nô

O teatro Nô é reconhecido por sua característica principal que é a simplicidade. A presença e interação do público são muito importantes, já que é ele quem vai interpretar a peça de acordo com sua forma de enxergar e de ouvir o mundo. O teatro Nô une três linguagens artísticas: a dança, a música e o canto.

Também é marcado por muitos simbolismos. Por exemplo, quando o cenário tem a presença de pinheiros, fica subentendido que a história se passará em um mundo espiritual. Existem também algumas convenções, como a posição da máscara indicando se o personagem está triste ou alegre. Outra característica do teatro Nô é o fato de que a peça não possui muitos diálogos.

Arte japonesa - teatro NôImagem 1: Fotografia de uma cena de uma peça Nô. (fonte: https://narano.exblog.jp/m2012-01-01/)

Pinturas japonesas

Quanto às pinturas, um artista e estudioso das obras chinesas viria a se destacar mais tarde. Sesshu Toyo (1420 a 1506) foi um monge que iniciou seus estudos artísticos com um grande mestre chinês que produzia pintura de paisagens com nanquim. Fez ainda viagens à China para melhor compreender a estética e poética das obras de artistas da dinastia Ming.

Assim, Toyo viria a desenvolver um estilo único, incorporando à sua bagagem de estudos a espontaneidade própria do artista e a influência da cultura japonesa. É por esse motivo que se tornou uma referência quando se fala sobre a arte produzida no Japão antigo.

Uma das principais obras do artista é a que veremos a seguir:

Pássaros e flores das quatro estações - Arte japonesaImagem 2: Pássaros e flores das quatro estações: outono e inverno. Nanquim e tinta colorida sobre papel. (Fonte: https://bit.ly/3iyQ9O0)

A obra, composta por seis painéis dobráveis, retrata duas estações: outono, representado à direita, e inverno, à esquerda. A técnica e conhecimento de perspectiva de Toyo são muito evidentes nessa composição, que apresenta uma rica profundidade espacial. A obra nos transmite a sensação de que as montanhas estão realmente distantes.

Período Momoyama

Assim como os painéis dobráveis de Toyo, diversas outras obras foram constituídas dessa forma. O motivo é que essas estruturas eram agregadas à arquitetura a fim de dividir ambientes.

Durante o período Momoyama (1573 a 1592), esse mobiliário ganhou popularidade quando guerreiros construíram suntuosos castelos e pediram para que artistas fizessem a decoração. Dessa forma, os guerreiros viriam a se tornar os maiores mecenas (ou seja, aqueles que possuem um vasto acervo artístico).

Também foi no período Momoyama que as pessoas da nobreza procuravam por obras grandes, com imagens coloridas e fundo dourado. Para tal resultado, folhas de ouro muito finas eram aplicadas sobre a superfície para que, posteriormente, os desenhos fossem pintados sobre esta camada com tintas feitas a partir de uma mistura de pigmentos naturais e cola. O artista mais renomado da época foi Tohaku.

Pintura “Bordo” de Tohaku - Arte japonesaImagem 3: Parte da pintura “Bordo” de Tohaku. Observe o fundo dourado feito com finas películas de ouro.

Mais tarde, a pintura japonesa alcançaria uma nova abordagem de sofisticação técnica. As representações de Daruma, o fundador do zen-budismo, feitas por artista desconhecido, apresentam um contraste muito interessante entre as linhas finíssimas do cabelo e da barba em relação às pinceladas rápidas e imponentes nas vestes do mestre religioso.

Período Edo

Os anos que sucederam foram marcados como um período de paz e florescimento cultural. O Período Edo, compreendido entre 1603 a 1867, trouxe consigo a arte do ukiyoy-e (em tradução livre, mundo flutuante). Muito pautado no budismo, o ukiyoy-e busca expressar a busca pelo prazer efêmero.

Obra “A grande onda” - arte japonesaImagem 4: Obra “A grande onda” de Kanagawa.

Uma temática largamente explorada pelos artistas na produção de suas obras durante o período Edo foram as gueixas. Os comerciantes, embora ainda fossem considerados pertencentes a uma classe menos abastada, tornaram-se grandes consumidores de arte. Dessa forma, a arte deixou de ser de consumo exclusivo da elite e passou a ser apreciada pelo povo.

O desenvolvimento da técnica da xilogravura (técnica de gravura com matriz de madeira) permitiu que uma mesma obra fosse repetida e reproduzida em larga escala. Os exemplos mais antigos de xilogravura apresentavam impressões em preto e branco, por vezes coloridas à mão.

Literatura

No início do século XVII, a literatura clássica japonesa ganhou versões impressas, produzidas na região de Saga, em Kyoto. Os Saga-bon, como foram batizados em alusão à região da cidade onde eram produzidos, eram livros luxuosos, com caligrafia impecável e impressos com ilustrações em preto e branco.

Estes livros marcaram o início de uma disseminação de livros impressos no Japão e ganharam versões mais baratas e acessíveis à toda a população, contando lendas populares e contos de fadas e ilustrados. Devido ao grande interesse da população pela leitura, no século XVIII já havia mais de 1500 editoras no país.

As primeiras ilustrações foram criadas por artistas anônimos. Porém, o artista Hishikawa Moronobu (1618 – 1694) ficou muito famoso e passou a assinar suas obras. A partir dele, que é lembrado ainda nos dias atuais, os artistas passaram a assinar suas obras com maior frequência.

A arte japonesa, portanto, foi influenciada pela cultura de outros países. Entretanto, este foi um fator determinante para o enriquecimento e para posterior construção da identidade do país, incorporando suas crenças se costumes à produção da arte.

Videoaula sobre arte japonesa

Para encerrar os seus estudos, assista ao vídeo a seguir:

Exercícios

1- Inicialmente, a cultura e produção artística do Japão foi influenciada especialmente por:

A) Pela perspectiva egípcia e a lei da frontalidade

B) Pelo fundador do zen budismo, Daruma, e sua filosofia

C) Pela rica simetria dos gregos

D) Pelo uso da perspectiva, de acordo com os povos mesopotâmicos

E) N.D.A

2- Sobre o teatro Nô, é correto afirmar:

a) Trata-se de peças com roteiros que imitam a realidade

b) Possui diálogos complexos e linguagem rebuscada

c) É repleto de simbolismos e busca a simplicidade

d) É uma herança da invasão indiana no Japão

e) N.D.A

3- Dentre as técnicas e materiais mais utilizados pelos artistas no Japão, encontra-se:

a) A tinta acrílica

b) Pedras coloridas transformadas em pigmentos

c) Esculturas em pedra

d) Xilogravura

e) N.D.A

Gabarito:

  1. B
  2. C
  3. D

Sobre o(a) autor(a):

Renata Gambagorte é formada em Licenciatura em Artes Visuais pela Universidade Estadual do Paraná com pós graduação em Cenografia pela Universidade Federal do Paraná. Atualmente atua na rede de ensino em Curitiba. Facebook: https://www.facebook.com/renatagmbgrt

Compartilhe: