Crustáceos: o que são, características, reprodução e exemplos

Os crustáceos pertencem ao filo dos artrópodes. Eles e caracterizam pelo seu exoesqueleto quitinoso e a maioria habita ambientes aquáticos.

Os crustáceos são animais muito apreciados na culinária brasileira. Camarões, lagostas, caranguejos e siris são frutos do mar altamente valorizados e utilizados em uma enorme variedade de pratos, especialmente no litoral brasileiro.

Caracterizados pela carapaça rígida, os crustáceos têm uma a maior variedade de formas e hábitos do Reino Animal.

O que são crustáceos

Os crustáceos são animais invertebrados pertencentes ao filo dos Artrópodes. Dentro do grupo dos crustáceos encontramos mais de 67.000 espécies descritas, habitando especialmente ambientes aquáticos.

Características dos crustáceos

Assim como os demais animais desse filo, os crustáceos apresentam um exoesqueleto quitinoso. Porém, o exoesqueleto desses animais é enriquecido com cálcio, fazendo com que seja mais rígido e resistente, formando uma espécie de carapaça.

Dentro do grupo dos crustáceos encontramos uma enorme variedade de tamanhos e formas. Há desde espécies de crustáceos microscópicas até espécies realmente grandes, como o caranguejo-aranha do Japão que chega a ter mais de 4 metros de abertura entre as pernas.

caranguejo-aranha crustáceos
Caranguejo-aranha, a maior espécie de crustáceo conhecida. Ele pode atingir mais de 4 metros de uma pata à outra. Imagem: Getty Images.

Como você viu acima, os crustáceos possuem uma grande variedade anatômica.

Há crustáceos que possuem o corpo dividido em 3 tagmas: cabeça, tórax e abdômen. Porém, há também crustáceos cujos corpos são divididos em dois tagmas: cefalotórax (cabeça + tórax).

Na cabeça dos crustáceos (ou no cefalotórax) encontramos dois pares de antenas que variam de tamanho de acordo com a espécie. Mas, em geral, um dos pares de antenas é um pouco menor que o outro e é chamado de par de antênulas.

Além das antenas, encontramos na cabeça também um par de olhos simples (nas fases larvais) ou compostos (geralmente nos adultos). Esses olhos frequentemente são pedunculados. Ou seja, possuem um “cabinho” que os liga à cabeça facilitando seus movimentos.

Na cabeça há ainda apêndices bucais. Geralmente caracterizados por um par de mandíbulas ao redor da boca.

Já os apêndices locomotores são extremamente variados, tanto em número quanto em formatos. Comumente as patas partem de segmentos do tórax ou do cefalotórax, como o que ocorre no siri e no caranguejo. Essas patas são comumente chamadas de pereiópodes.

Porém, alguns crustáceos podem apresentar apêndices locomotores partindo do abdômen, como os camarões. Esses apêndices comumente têm o formato de pequenas pás ou nadadeiras chamados de pleópodes. Esses apêndices são também chamados de apêndices birremes. Isso porque eles têm dois ramos que estão presos a uma base única no abdômen.

Muitos crustáceos também apresentam um par de apêndices em forma de pinças e garras (quelas) para a manipulação do alimento e defesa, como é o caso dos siris, caranguejos e lagostas.

caranguejo da praia
Fotografia de um caranguejo da praia. Na imagem é possível observar os olhos pedunculados, que permitem uma ampla movimentação para a observação do ambiente. Vemos também o par de apêndices em forma de pinça utilizados na captura de alimentos. Por fim, podemos também notar logo abaixo dos olhos e da boca, na parte ventral do animal, que seu abdômen se encontra dobrado e apoiado no cefalotórax (parte esbranquiçada e ovalada entre as patas). Imagem: Getty Images.

Habitats e hábitos

A grande maioria dos crustáceos é aquática, sendo especialmente abundantes no ambiente marinho. Nesses ambientes é onde encontramos a maior variedade de crustáceos, configurando-se como o grupo mais biodiverso e mais bem distribuído dos oceanos.

Porém, também podemos encontrar crustáceos em ambientes dulcícolas e até mesmo algumas espécies de crustáceos em ambientes terrestres, como os tatuzinhos-de-jardim.

crustáceos
Apesar do tatuzinho-de-jardim ser terrestre, ele também respira por pequenas brânquias que precisam estar sempre úmidas. Imagem: Getty Images.

A maioria dos crustáceos tem hábitos de vida livre, habitando tanto ambientes bentônicos quanto planctônicos. Porém, há também espécies de crustáceos que vivem fixos sobre o substrato, como as cracas. Há ainda algumas espécies de crustáceos ectoparasitas, parasitando especialmente peixes ósseos.

Boa parte dos crustáceos se alimenta de outros animais, atuando como predadores. Há também várias espécies que se alimentam de restos de outros animais (detritívoros) ou de algas e musgos (herbívoros). Também encontramos algumas espécies filtradoras, como é o caso das cracas.

Desenvolvimento embrionário nos crustáceos

Assim como os demais artrópodes, os crustáceos são animais triblásticos. Simplificadamente falando, isso quer dizer que na fase de gástrula (uma das fases do desenvolvimento embrionário) esses animais apresentam três folhetos embrionários (endoderme, mesoderme e ectoderme) que darão origem aos vários tecidos do animal.

São também chamados de animais celomáticos, já que no interior de seus corpos apresentam uma cavidade onde se alojam os seus órgãos internos e que é derivada da mesoderme.

Por fim, em relação ao desenvolvimento embrionário desses animais podemos dizer que eles são animais protostômios. Ou seja, a boca dos crustáceos surge antes do ânus durante o seu desenvolvimento.

Simetria dos crustáceos

Os crustáceos possuem simetria bilateral. Isso quer dizer que se dividirmos esses animais longitudinalmente obteremos duas partes iguais.

Anatomia dos crustáceos

Sistema digestório

Os crustáceos, assim como todos os artrópodes, possuem sistema digestório completo começando em boca e terminando em ânus. Em geral, a boca é ventral, ou seja, voltada para baixo e possui um par de mandíbulas para macerar o alimento.

Respiração

A respiração dos crustáceos, mesmo os que habitam o ambiente terrestre, é branquial. Para isso, esses animais apresentam brânquias filamentosas comumente encontradas na base dos apêndices locomotores.

Algumas espécies muito diminutas podem respirar através de difusão.

Sistema circulatório

O sistema circulatório dos crustáceos, assim como nos demais artrópodes é aberto, já que o tecido transportador sai dos vasos principais e circula entre os tecidos.

Para que isso ocorra, no dorso desses animais há um grande vaso dorsal, também chamado de coração tubular. Essa estrutura bombeia a hemolinfa pelo corpo do animal.

Essa hemolinfa, por sua vez, sai desse grande vaso e permeia os tecidos, passando por entre as células transportando substâncias.

Depois disso, a hemolinfa retorna ao vaso principal, de onde será bombeado novamente.

Outro detalhe importante da circulação dos crustáceos é o fato de que a hemolinfa possui um pigmento respiratório chamado de hemocianina. Esse pigmento possui uma cor azulada, derivada do átomo de cobre presente em sua constituição.

Sistema nervoso:

Os crustáceos possuem um sistema nervoso ganglionar. Na região da cabeça ou do cefalotórax encontramos um cérebro formado pela fusão de três gânglios que ficam próximos aos olhos, antenas e início do tubo digestório.

Partindo do cérebro há um cordão nervoso que se estende ventralmente no corpo do animal, indo até o fim do abdômen. Ao longo desse cordão, encontramos vários pequenos gânglios nervosos.

Sistema excretor

Talvez você já tenha ouvido falar que camarões têm coco na cabeça, certo? Isso porque eles apresentam em sua cabeça ou cefalotórax suas estruturas excretoras.  Essas estruturas têm coloração esverdeada ou amarronzada, o que leva muitas pessoas a acreditarem que são fezes.

Porém, como dito acima, essas estruturas são na verdade órgãos excretores. Essas estruturas excretoras dos crustáceos são chamadas de glândulas verdes, glândulas antenais ou glândulas antenares. Estão localizadas na cabeça ou no cefalotórax.

Logo, o que encontramos na cabeça é algo que se aproxima da urina. Já as fezes são eliminadas pelo ânus que fica no último segmento do abdômen.

Reprodução dos crustáceos

Os crustáceos são, em geral, animais dioicos. Isso quer dizer que há exemplares fêmeas e exemplares machos. Ou seja, possuem sexos separados. Porém, há também exemplos de crustáceos hermafroditas, como é o caso das cracas.

Todos irão realizar reprodução sexuada. Para isso, eles realizam fecundação externa. Na fecundação externa, os ovos se formam na água. Há, porém, muitas espécies em que as fêmeas seguram seus óvulos entre os apêndices abdominais, onde ocorrerá a fecundação.

Quando nascem, os crustáceos em geral apresentam uma fase larval. Sendo assim, dizemos que esses animais têm desenvolvimento indireto. Há, porém, espécies cujas fases larvais são suprimidas, tendo então desenvolvimento direto, como é o caso dos lagostins.

Agora que você já sabe tudo sobre os crustáceos, veja esta videoaula do canal Biologia Prof Guilherme:

Para finalizar, teste seus conhecimentos resolvendo as questões sobre crustáceos que selecionei para você:

Questão 01 – (UNITAU SP/2019)    

O Censo da Vida Marinha, estudo publicado em 2010, revelou que os oceanos são praticamente dominados pelos crustáceos, que representam 19%, ou um quinto, da vida marinha. É interessante notar que os artrópodes, além de serem os reis da terra (insetos) são também os senhores dos mares (crustáceos).

Disponível em: https://educacao.uol.com.br/
disciplinas/biologia/crustaceos-os-senhores-do mar. Adaptado.

Os crustáceos podem ser diferenciados dos demais artrópodes pela presença de algumas características exclusivas, as sinapomorfias, que não são verificadas em outros animais desse mesmo filo.

Assinale a alternativa que reúne apenas as características dos crustáceos.

a) quelíceras; 1 par de antenas; 4 pares de patas no tronco.

b) pedipalpos; antenas ausentes; corpo dividido em cefalotórax e abdome.

c) mandíbulas; 2 pares de antenas; 2 pares de patas em cada segmento do tronco.

d) mandíbulas; 1 par de antenas; corpo dividido em cefalotórax e abdome.

e) quelíceras ausentes; 2 pares de antenas, apêndices primitivamente birremes.

Questão 02 – (UTF PR/2018)    

Assinale a alternativa correta.

Uma pessoa que tenha alergia a crustáceos vai a um restaurante onde servem frutos do mar. Ela pode consumir apenas pratos com:

a) mexilhões e lulas.

b) lagostas e polvos.

c) caranguejos e camarões.

d) ostras e lagostas.

e) caranguejos e polvos.

Questão 03 – (UDESC SC/2013)    

Existem diferenças entre a organização das estruturas dos artrópodes. Em relação ao enunciado, associe as colunas.

(1)   Insetos

(2)   Aracnídeos

(3)   Crustáceos

(4)   Diplópodes

 (   )  Em geral são aquáticos, seus corpos apresentam duas regiões (cefalotórax com dois pares de antenas e abdome). Possuem um par de mandíbulas na abertura da boca e tubo digestório completo. A respiração é feita por ramificações laterais (brânquias) localizadas nas patas.

(   )  São terrestres, seus corpos apresentam cabeça com um par de antenas, pequeno tórax e um longo abdome segmentado com dois pares de patas locomotoras por segmentos, podendo variar de 20 a 100 segmentos. A respiração é traqueal.

(   )  Em geral são terrestres, seus corpos apresentam três regiões (cabeça com um par de antenas, tórax e abdome). Possuem tubo digestório completo (o aparelho mastigador pode ser sugador, lambedor ou mastigador). A respiração é feita por traquéias.

(   )  São terrestres, a maioria deles apresentam seus corpos em cefalotórax e abdome, não possuem antena nem mandíbulas, possuem quatro pares de patas. A respiração é feita por filotraquéias, também denominadas pulmões foliáceos.

Assinale a alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo.

a) 3 – 4 – 2 – 1

b) 3 – 4 – 1 – 2

c) 4 – 2 – 1 – 3

d) 1 – 3 – 2 – 4

e) 1 – 3 – 4 – 2

GABARITO

1) E

2) A

3) B

Sobre o(a) autor(a):

Juliana Evelyn dos Santos é bióloga formada pela Universidade Federal de Santa Catarina e cursa o Mestrado em Educação na mesma instituição. Ministra aulas de Ciências e Biologia em escolas da Grande Florianópolis desde 2007 e é coordenadora pedagógica do Blog do Enem e do Curso Enem Gratuito.

Compartilhe: