Esquistossomose

Vem com a gente revisar a esquistossomose, uma doença causada por um platelminto que pode aparecer no seu Enem e vestibular!

Programas de saúde são temas comumente abordados nas questões de Biologia do Enem e dos vestibulares. E, em geral, as questões versam sobre diferentes doenças e como elas podem ser prevenidas. E essas provas gostam de lembrar especialmente aquelas doenças cuja prevenção pode ser realizada através da implementação de medidas de saneamento básico. Sendo assim, é extremamente importante que você conheça algumas dessas doenças que podem atingir os seres humanos. E quando pensamos nessas doenças, as verminoses se destacam. Então, vem comigo estudar uma verminose importantíssima: a esquistossomose!

O que é Esquistossomose?

A esquistossomose é uma doença crônica muito grave que atinge cerca de 200 milhões de pessoas em todo o planeta, especialmente nas áreas tropicais, matando milhares todos os anos. Por tal motivo, ela é figurinha carimbada nos vestibulares. Para você ter uma ideia, só no Enem essa verminose já apareceu em dez questões!

A esquistossomose é também conhecida pelo seu nome popular: barriga d’água. Em algumas regiões do Brasil, a doença também é chamada de bilharzíase.

Esquistossomo – o verme causador da esquistossomose

É causada por vermes platelmintos (de corpos achatados) da classe Trematoda. Os vermes dessa classe são todos endoparasitas e possuem ventosas na boca e no ventre. A espécie causadora da doença no Brasil é o Schistosoma mansoni.

Essa espécie possui um acentuado dimorfismo sexual. Ou seja, os machos são bastante diferentes das fêmeas. Os machos possuem um formato semelhante à uma banana e têm um sulco na região abdominal. Esse sulco é chamado de canal ginecóforo. Isso porque dentro dele uma fêmea se aloja, formando com o macho um casal para o resto de suas vidas. As fêmeas, por sua vez, são mais alongadas. Enquanto um macho adulto possui cerca de 1 centímetro, as fêmeas têm aproximadamente 1,5 centímetro.

Schistosoma Mansoni
Imagem 1: Fotomicrografia de Schistosoma mansoni produzida a partir de um microscópio eletrônico de varredura.

Os esquistossomos possuem um ciclo de vida complexo, que envolve um hospedeiro intermediário e um hospedeiro definitivo. Os seres humanos são os hospedeiros definitivos dos esquistossomos (daí sua importância médica), já que realizam reprodução sexuada em nosso organismo. E os caramujos do gênero Biomphalaria são seus hospedeiros intermediários (onde realizam a maturação de suas larvas).

Esquistossomose Enem
Imagem 2: Fotografia de um espécime da espécie Biomphalaria glabrata. Esse animal é originalmente encontrado no continente africano e foi artificialmente introduzido no Brasil, onde proliferou. É o principal hospedeiro intermediário dos esquistossomos. Medem entre 3 e 4 cm, são herbívoros e dulcícolas.
Ciclo de vida dos esquistossomos

Os esquistossomos adultos vivem nos vasos sanguíneos dos intestinos e do fígado de seres humanos. Quando adultos, formam casais para toda a vida. Durante boa parte do tempo, a fêmea se encontra alojada no canal ginecóforo do macho.

Nesse ambiente, os vermes esquistossomos realizam reprodução sexuada. Após a fecundação, as fêmeas colocam ovos dentro dos vasos sanguíneos do intestino. Em seguida, esses ovos atravessam as paredes dos vasos e vão para o interior do órgão. Dessa maneira, os ovos são eliminados juntamente com as fezes do hospedeiro.

Se a pessoa contaminada viver em uma localidade onde não há condições adequadas de saneamento básico, suas fezes podem ir parar em ambiente de água doce, como rios e lagos.

Ao encontrarem o ambiente dulcícola adequado, os ovos liberam larvas ciliadas microscópicas. Essas larvas são chamadas de miracídios. Os miracídios precisam, então, encontrar rapidamente um caramujo para completarem parte do seu ciclo vital.

miraíidio esquistossomose
Imagem 3: Fotomicrografia de larva miracídio feita a partir de microscópio óptico.

No interior do caramujo as larvas miracídios amadurecem e sofrem modificações, transformando-se em uma nova larva: a cercária. As cercárias são as formas infectantes do esquistossomo para os seres humanos. Essas larvas possuem um formato de seta e são capazes de penetrar a pele de pessoas que entram em contato com a água onde elas se encontram. Em geral, esse contato se dá quando as pessoas vão se banhar nessas águas contaminadas.

cercária esquistossomose
Imagem 4: Fotomicrografia de uma cercária, a forma contaminante de seres humanos do verme esquistossomo.

Após penetrarem na pele dos seres humanos, as larvas passam por uma outra pequena transformação e se tornam “schistosumulas”. Elas então entram na corrente sanguínea do indivíduo e migram até o fígado. Nesse órgão essas larvas irão sofrer novas transformações até se tornarem vermes adultos.

Quando adultos, os vermes podem permanecer no fígado ou migrar para as veias intestinais, onde irão realizar reprodução sexuada e reiniciar o seu ciclo vital. Alguns ovos podem eclodir dentro dos vasos sanguíneos, aumentando a infestação, enquanto outros são eliminados nas fezes do hospedeiro.

Está um pouquinho complicado de entender o longo ciclo vital dos esquistossomos? Então veja este diagrama que resume todo esse assunto:

ciclo da esquistossomose
Imagem 5: Desenho esquemático demonstrando o ciclo de vida do esquistossomo.
Sintomas da esquistossomose

Assim que as cercárias penetram na pele de uma pessoa, o indivíduo pode sentir muita coceira nos locais onde as larvas perfuraram a pele. Além disso, a pessoa contaminada pode ter tosse, enjoos, vômitos e grande emagrecimento em um curto espaço de tempo. Esses sintomas são considerados como pertencentes à fase aguda da doença.

Porém, se não for tratada, a esquistossomose pode seguir seu curso para uma fase de maior gravidade: a fase crônica. Nesse caso, o doente pode ter episódios frequentes de diarreia e vômito, seguida de prisão de ventre. Esses sintomas podem causar uma maior dificuldade de recuperação, uma vez que causam desidratação.

Além disso, a multiplicação dos vermes no interior dos vasos sanguíneos pode causar uma série de inflamações. Essas inflamações irão causar o aumento do fígado e do baço, assim como cirrose e hemorragias nos vasos sanguíneos do sistema digestório.

Dessa maneira, o doente passará a apresentar sangramento nas fezes, o que poderá causar um caso de anemia. Por fim, com a degradação dos vasos sanguíneos, ocorrerá o vazamento de plasma sanguíneo para a cavidade abdominal. Esse fato, juntamente com o aumento dos órgãos abdominais irá ocasionar o inchaço da barriga, característico da doença e que dá seu nome popular: barriga d’água.

Diagnóstico da esquistossomose

Ao contrário de outras verminoses, que muitas vezes são assintomáticas durante um longo período, a esquistossomose tem sintomas bastante característicos que tornam mais fácil seu diagnóstico. Porém, a doença só pode ser confirmada através de um exame de fezes. Neste exame as fezes do paciente são observadas em um microscópio óptico e é feita uma busca pelos ovos do verme.

ovos de esquistossomo
Imagem 6: Os ovos do esquistossomo são facilmente identificáveis. Eles possuem essa ponta característica na sua lateral.
Tratamento da esquistossomose

Quando o indivíduo está na fase aguda da doença, a esquistossomose pode ser facilmente tratada com medicamentos antiparasitários. Esses medicamentos são bastante eficazes e matam todos os vermes em poucos dias.

Porém, na fase crônica, dependendo dos órgãos afetados, podem ser necessários outros tratamentos e intervenções médicas.

Prevenção da esquistossomose

Assim como outras verminoses onde os ovos do parasito são liberados nas fezes do hospedeiro, a principal medida de prevenção é a implementação de serviços de saneamento básico adequados nas comunidades atingidas. Além disso, é preciso estar atendo em épocas de enchentes ou enxurradas, onde as águas das chuvas podem dificultar o funcionamento das fossas sépticas.

Além disso, outra medida preventiva contra a esquistossomose é o controle das populações de seus hospedeiros definitivos, os caramujos Biomphalaria.

Nas áreas endêmicas (onde há grande quantidade de casos) a OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda um tratamento em massa da população. Assim, boa parte da população recebe os medicamentos antiparasitários, mesmo que não apresente sintomas da doença.

E aí? Conseguiu aprender um pouco mais sobre a esquistossomose? Beleza! Então, para tirar todas as suas dúvidas, veja esta videoaula do canal “Biologia com Prof. Guilherme”:

Agora, para finalizar sua revisão e testar seus conhecimentos, faça os exercícios que selecionei para você! Bons estudos!

Questão 01 – (ENEM/2017)    

No Brasil, a incidência da esquistossomose vem aumentando bastante nos estados da Região Nordeste e em Minas Gerais. Para tentar diminuir estes números, a Fundação Oswaldo Cruz anunciou a primeira vacina do mundo contra essa doença. A expectativa é que o produto chegue ao mercado em alguns anos.

Disponível em: www.fiocruz.br. Acesso em: 11 nov. 2013.

A tecnologia desenvolvida tem como finalidade

a) impedir a manifestação da doença.

b) promover a sobrevida do paciente.

c) diminuir os sintomas da doença.

d) atenuar os efeitos colaterais.

e) curar o paciente positivo.

TEXTO: 1 – Comum à questão: 2    

Em uma aula de Biologia, o seguinte texto é apresentado:

LAGOA AZUL ESTÁ DOENTE

Os vereadores da pequena cidade de Lagoa Azul estavam  discutindo a situação da Saúde no Município. A situação era mais grave com relação a três doenças: doença de Chagas, Esquistossomose e Ascaridíase (lombriga). Na tentativa de prevenir novos casos, foram apresentadas  várias propostas :

Proposta 1: Promover uma campanha de vacinação.

Proposta 2: Promover uma campanha de educação da população com relação a noções básicas de higiene, incluindo fervura de água.

Proposta 3: Construir rede de saneamento básico.

Proposta 4: Melhorar as condições de edificação das moradias e estimular o uso de telas nas portas e janelas e mosquiteiros de filó.

Proposta 5: Realizar campanha de esclarecimento sobre os perigos de banhos nas lagoas.

Proposta 6: Aconselhar o uso controlado de inseticidas.

Proposta 7: Drenar e aterrar as lagoas do município.

Questão 02 – (ENEM/1998)    

Em relação à Esquistossomose, a situação é complexa, pois o ciclo de vida do verme que causa a doença tem vários estágios, incluindo a existência de um hospedeiro intermediário, um caramujo aquático que é contaminado pelas fezes das pessoas doentes. Analisando as medidas propostas, o combate à doença terá sucesso se forem  implementadas:

a) 1 e 6, pois envolvem a eliminação do agente causador da doença e de seu hospedeiro intermediário.

b) 1 e 4, pois além de eliminar o agente causador da doença, também previne o contato do transmissor com as pessoas sãs.

c) 4 e 6, pois envolvem o extermínio do transmissor da doença.

d) 1, 4 e 6, pois atingirão todas as fases do ciclo de vida do agente causador da doença, incluindo o seu hospedeiro intermediário.

e) 3 e 5, pois prevenirão a contaminação do hospedeiro intermediário pelas fezes das pessoas doentes e a contaminação de pessoas sãs por águas contaminadas.

Questão 03 – (ENEM/2005)    

Cândido Portinari (1903-1962), um dos mais importantes artistas brasileiros do século XX, tratou de diferentes aspectos da nossa realidade em seus quadros.

enem esquistossomose

Sobre a temática dos “Retirantes”, Portinari também escreveu o seguinte poema:

(….)

Os retirantes vêm vindo com trouxas e embrulhos

Vêm das terras secas e escuras; pedregulhos

Doloridos como fagulhas de carvão aceso

Corpos disformes, uns panos sujos,

Rasgados e sem cor, dependurados

Homens de enorme ventre bojudo

Mulheres com trouxas caídas para o lado

Pançudas, carregando ao colo um garoto

Choramingando, remelento

(….)

(Cândido Portinari. Poemas. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1964.)

No texto de Portinari, algumas das pessoas descritas provavelmente estão infectadas com o verme Schistosoma mansoni. Os “homens de enorme ventre bojudo” corresponderiam aos doentes da chamada “barriga d’água”. O ciclo de vida do Schistosoma mansoni e as condições sócio-ambientais de um local são fatores determinantes para maior ou menor incidência dessa doença. O aumento da incidência da esquistossomose deve-se à presença de

a) roedores, ao alto índice pluvial e à inexistência de programas de vacinação.

b) insetos hospedeiros e indivíduos infectados, à inexistência de programas de vacinação.

c) indivíduos infectados e de hospedeiros intermediários e à ausência de saneamento básico.

d) mosquitos, a inexistência de programas de vacinação e à ausência de controle de águas paradas.

e) gatos e de alimentos contaminados, e à ausência de precauções higiênicas.

GABARITO: 

1) Gab: A

2) Gab: E

3) Gab: C

Sobre o(a) autor(a):

Juliana é bióloga formada pela Universidade Federal de Santa Catarina e cursa o Mestrado em Educação na mesma instituição. Ministra aulas de Ciências e Biologia em escolas da Grande Florianópolis desde 2007 e é coordenadora pedagógica do Blog do Enem.