Moluscos: conheça suas características, exemplos e reprodução

Os moluscos são animais de corpo mole com uma grande variedade de formas e tamanhos. Ostras, polvos e caracóis são exemplos de animais do filo dos moluscos.

Os moluscos são animais muito importantes nos ecossistemas e também em nossa alimentação. O Brasil, por exemplo, é um dos maiores produtores de moluscos do planeta! Nesta aula vamos conhecer um pouco mais sobre esses animais e sobre sua importância para os ecossistemas.

Caramujo, lesma, ostra, marisco, polvo, lula… Vários são os exemplos de moluscos que poderíamos citar para representar o Filo Mollusca. Esse filo, extremamente biodiverso, abriga mais de cem mil espécies. Ele é o segundo maior filo de animais, perdendo apenas para o Filo dos Artrópodes.

Fazenda de ostras - moluscosFazenda de ostras na comunidade de Santo Antônio de Lisboa, em Florianópolis. O cultivo de ostras é uma atividade essencial para Santa Catarina. O estado é o maior produtor de moluscos do Brasil, sendo responsável por 95% da produção nacional. Fonte da imagem: https://bit.ly/3mRSp6j

Habitats e hábitos dos Moluscos

Por serem um grupo extremamente biodiverso, encontramos moluscos em grande parte dos ambientes do planeta.

Esses animais são muito abundantes nos ambientes aquáticos, ocorrendo tanto em ecossistemas dulcícolas quanto marinhos. Podem ser encontrados em águas rasas e zonas entremarés, e também em água muito profundas, como as zonas abissais. Nesses ambientes apresentam-se de diversas formas: livres-natantes (como os polvos), bentônicos livres (como as lesmas marinhas) ou ainda bentônicos sésseis (como os mariscos).

Em ambientes terrestres, são mais abundantes em locais úmidos, como nas florestas tropicais. Porém, há espécies encontradas até mesmo em ambientes secos.

Em relação aos hábitos alimentares, os moluscos também apresentam grande diversidade. Podem ser predadores, herbívoros, parasitas, comensais etc.

Características gerais dos Moluscos

No filo dos Moluscos encontramos animais de corpo mole com uma grande variedade de formas e tamanhos. Podem ser muito pequenos, como os berbigões, ou enormes, como as lulas colossais que atingem mais de 20 metros de comprimento.

Eles podem apresentar uma concha espiralada protetora, como no caso dos caracóis e caramujos (Gastrópodes). Ou ainda terem duas valvas calcárias cobrindo seus corpos, como as ostras e mariscos (Bivalves).

Outros possuem vários pés modificados em forma de tentáculos, como os polvos e lulas (Cefalópodes). Há ainda aqueles que possuem várias placas calcárias no dorso, como os quítons (Poliplacóforos) e os que têm conchas na forma de chifres, como os dentálios (Scafópodes).

Apesar dessa grande variedade anatômica, há um certo padrão na divisão de seus corpos. A maior parte dos moluscos possuem o corpo dividido em pé (utilizado para locomoção, fixação e captura de presas), massa visceral (onde se encontram os órgãos internos) e cabeça (onde se localiza a cabeça e órgãos dos sentidos).

Partes dos moluscosEsquema demonstrando as principais partes dos moluscos. Fonte da fotografia: Chonesstock.

A concha, presente em grande parte dos moluscos, é secretada por um tecido especial que recobre o animal dorsalmente chamado de manto manto ou pálio

Desenvolvimento embrionário dos Moluscos

Os moluscos são animais triblásticos. Isso significa que eles possuem três folhetos embrionários (endoderme, mesoderme e ectoderme) na fase de gástrula, que darão origem a todos os tecidos do animal.

São também animais celomados e protostômios. Ou seja, possuem uma cavidade interna gerada a partir da mesoderme que abriga os órgãos internos do animal. Além disso, no desenvolvimento do embrião, a boca surgirá antes do ânus.

Simetria

Os moluscos são animais que apresentam simetria bilateral. Isso quer dizer que se os dividirmos longitudinalmente, obteremos duas partes simétricas.

Anatomia dos Moluscos

Sistema digestório

Os Moluscos são animais que possuem sistema digestório completo, iniciado em boca e terminado em ânus. Ao longo desse sistema encontramos órgãos como o papo, o estômago e o intestino. Sendo assim, a digestão nos moluscos ocorre exclusivamente através de processos extracelulares.

As estruturas na boca dos moluscos podem variar bastante.

Nos moluscos gastrópodes (como a lesma e o caramujo) e nos cefalópodes (como os polvos e lulas) encontramos uma estrutura chamada de rádula.

A rádula é uma espécie de língua bastante áspera que os moluscos utilizam para raspar superfícies, obtendo matéria orgânica para se alimentarem.

Nos gastrópodes, normalmente a rádula é utilizada para raspar algas sobre rochas ou colônias de seres unicelulares.

Já nos gastrópodes, além da rádula, é comum encontrarmos uma estrutura que se assemelha a um bico córneo. Essa estrutura tem como objetivo cortar e dilacerar o corpo das presas desses animais, já que a grande maioria dos gastrópodes é carnívora.

Esquema de uma rádula - MoluscosDesenho esquemático da boca de um gastrópode ao lado de uma fotomicrografia de uma rádula feita a partir de microscópio eletrônico.

Já os bivalves têm características bastantes diferentes na região oral. Esses animais são, em geral, animais filtradores. Sendo assim, para se alimentarem, a rede formada por suas brânquias é essencial.

Dessa maneira, além de filtrarem o oxigênio da água, as brânquias ainda irão capturar partículas de matéria orgânica e encaminhar até a boca, para que o animal possa se alimentar.

Respiração

A respiração dos moluscos depende, obviamente, do ambiente em que cada espécie se encontra.

Em geral, os moluscos que habitam ambientes aquáticos possuem brânquias para filtrarem o oxigênio presente na água. Essas brânquias, nos gastrópodes e bivalves, são encontradas aos pares entre o manto e a concha.

Nos bivalves, inclusive, essas brânquias possuem movimentos que fazem com que haja um constante fluxo de água dentro da concha. Isso é importante não só para a oxigenação do animal, mas também para a alimentação desses animais como vimos acima.

Já nos cefalópodes, as brânquias também se localizam no manto, porém não possuem cílios como nos demais moluscos. A movimentação da água para que o fluxo oxigene as brânquias é feito pela forte musculatura do animal.

Os moluscos terrestres por sua vez, podem respirar tanto através de pulmões primitivos, como no caso de caracóis, como fazer as trocas gasosas através da superfície corpórea, como no caso das lesmas.

Circulação

Os moluscos são animais que contam com um sistema circulatório. Na grande maioria das espécies (gastrópodes e bivalves) o sistema circulatório é do tipo aberto.

Isso quer dizer que nesses animais, o “sangue” não circula apenas dentro dos vasos sanguíneos, como o que ocorre normalmente nos seres humanos. No caso de um sistema circulatório aberto há vasos principais de maior calibre que ajudam a bombear o sague pelo corpo. Porém, o sangue sai desses vasos e permeia as células, oxigenando-as. Após isso, esse sangue retorna aos vasos principais.

Já nos cefalópodes, o sistema circulatório é mais complexo. Nesse caso, o sistema circulatório é fechado, ou seja, o sangue circula apenas dentro dos vasos sanguíneos.

Excreção

Os moluscos possuem órgãos excretores chamados de metanefrídeos. Os metanefrídeos são tubos onde uma das pontas está voltada para a cavidade celomática e a outra desemboca para fora do animal, podendo estar entre o manto e a concha (região chamada de cavidade palial).

A ponta do metanefrídeo voltada para a cavidade celomática tem o formato de funil com uma série de cílios nas suas bordas. Isso porque esta estrutura irá filtrar o líquido celomático, retirando dele as excretas celulares para a produção da urina.

Sistema nervosos

O sistema nervoso nos moluscos é ganglionar. Isso quer dizer que há regiões do sistema nervosos desses animais onde se acumulam neurônios. Essas regiões têm função de coordenação do organismo e se encontram especialmente na cabeça, no caso dos gastrópode e cefalópodes.

Os gânglios do sistema nervoso dos moluscos são unidos através de cordões nervosos ventrais.

Reprodução dos moluscos

Boa parte das espécies de moluscos que conhecemos são dióicas, ou seja, possuem sexos separados, como a maior parte dos cefalópodes.

Porém, há também muitas espécies de moluscos monoicas ou hermafroditas. Ou seja, espécies que possuem os dois sexos em um mesmo indivíduo, como o caso de alguns caracóis terrestres.

No filo dos Moluscos há uma grande variedade de formas de reprodução. Existem tanto espécies que realizam fecundação interna (em geral as espécies livres natantes têm essa característica), quanto externa (geralmente as espécies fixas realizam esse tipo de reprodução).

Assim como há grande variação na fecundação, temos também bastante diversidade no desenvolvimento desses animais. Algumas espécies podem ter desenvolvimento indireto, formando larvas que farão parte do plâncton durante um tempo. Mas também podem apresentar desenvolvimento direto, onde esses animais saem dos ovos muito semelhantes

Muitos moluscos são dioicos, ou seja, possuem sexos separados. Porém, há também representantes hermafroditas. Neste filo, há uma grande diversidade reprodutiva, podendo haver espécies que realizam fecundação interna ou externa (a grosso modo, as espécies fixas realizam fecundação externa, enquanto as natantes realizam fecundação interna).

Principais classes atuais de moluscos

Classe Polyplacophora

Os animais mais famosos desse grupo são os chamados quítons. Esses animais marinhos, encontrados próximos a costões rochosos, são caracterizados por terem uma concha formada por oito placas localizadas em seus dorsos.

Quíton - MoluscosFotografia de um quíton. Fonte da imagem: https://naturezaterraquea.wordpress.com/tag/quitons/

Essas placas possuem relevos (são imbricadas). Porém, elas se encaixam perfeitamente entre si, permitindo que a musculatura abaixo consiga se movimentar livremente.

Assim como as conchas dos demais moluscos, as conchas dos poliplacóforos têm a função de proteger esses animais. Quando eles se sentem ameaçados, podem se enrolar sobre si mesmos, deixando a concha exposta e protegendo as partes moles.

Os poliplacóforos, assim como os gastrópdes e cefalópodes, possuem uma rádula utilizada para raspar superfícies e capturar matéria orgânica.

São animais dióicos e possuem desenvolvimento indireto, formando uma larva planctônica chamada de tacófora.

Classe Gastropoda

A classe dos gastrópodes é a casse mais biodiversa dos moluscos. Podemos citar como representantes desse grupo as lesmas, os caramujos e os caracóis.

Nestes moluscos é possível distinguir bem as diferentes partes de seus corpos: cabeça, pé e massa visceral. Boa parte das espécies desse grupo possuem uma concha única espiralada produzida pelo manto do animal à medida que ele cresce.

Assim como os poliplacóforos, os gastrópodes possuem uma rádula que auxilia em sua alimentação. A maior parte dos gastrópodes são herbívoros ou detritívoros. Porém, há espécies carnívoras também.

Boa parte dos animais desse grupo são aquáticos e respiram por brânquias. Porém há espécies terrestre que irão respirar através e pulmões ou pela superfície corpórea.

Nudibrânquio, lesma do marFotografia de um nudibrânquio, popularmente conhecido como lesma do mar. Os nudibrânquios são assim chamados por conta das suas brânquias expostas na forma de buquê. Fonte da imagem: Getty Images.

Classe Cephalopoda

Os cefalópodes são todos animais aquáticos marinhos. A principal característica desse grupo é o fato de que possuem uma cabeça bem desenvolvida e os pés, diretamente ligados a ela, são modificados em tentáculos.

A boca dos cefalópodes encontra-se rodeada por esses tentáculos. Essas estruturas contêm milhares de sensores capazes de detectar substâncias químicas no ambiente, facilitando a procura de presas. Podem ainda ter milhares de ganchos, que irão aderir à superfície das presas durante sua captura.

Além disso, na cabeça, encontramos dois olhos bem desenvolvidos, capazes de perceber imagens. Isso porque esses moluscos são os invertebrados com o sistema nervoso mais complexo.

São animais dioicos, realizam reprodução sexuada com fecundação interna, tendo desenvolvimento direto.

Para exemplificar esse grupo, veja o vídeo a seguir. Nele você verá a incrível camuflagem de um polvo.

Classe Sacaphopoda

Os escafópodes são moluscos cuja concha é comprida, com um formato de chifre que se abrem nas duas extremidades. Em volta da boca há pequenos tentáculos que ajudam na alimentação.

Todos os animais desse grupo vivem em ambientes bentônicos marinhos, enterrados no substrato.

Conchas de escafópodesFotografia de várias conchas de escafópodes.

Classe Bivalvia

Os bivalves são animais exclusivamente aquáticos, encontrados tanto em ambientes dulcícolas quanto marinhos. Podem viver encrustados sobre superfícies, enterrados no substrato ou ainda se movimentarem no ambiente bentônico.

A principal característica desse grupo é o fato de que possuem uma concha composta por duas valvas. Além disso, não possuem cabeça, apenas massa visceral e pé, que é utilizado para escavar ou para a fixação do animal.

Como vimos acima, os bivalves são animais filtradores, capturando matéria orgânica com o auxílio de suas brânquias.

Em algumas espécies o manto forma uma camada brilhante chamada de nácar. Quando algum corpo estranho penetra nessa região, o manto secreta maior quantidade de nácar, envolvendo-o. Isso forma o que conhecemos como pérolas.

Muitas espécies desse grupo são apreciadas na gastronomia. Ostras e mariscos são largamente consumidas por várias populações.

Videoaula

Para finalizar sua aula, veja esta videoaula sobre o Filo dos Moluscos do canal Biologia Prof Guilherme:

Exercícios

Agora é com você! Teste seus conhecimentos sobre os moluscos com os exercícios que selecionei para você:

1- (UECE/2020)    

O corpo dos representantes do filo Mollusca apresenta

a) simetria bilateral, cabeça, pé e massa visceral.

b) simetria radial, cabeça, pé e massa visceral.

c) simetria bilateral, cabeça, pé e membros articulados.

d) simetria radial, cabeça, pé e membros articulados.

2- (FM Petrópolis RJ/2020)    

Lithoredo abatanica é a nova espécie de molusco bivalve descrito nas Filipinas, que inaugurou um novo gênero na taxonomia. Seu termo específico, abatanica, vem do nome do local onde é encontrado: às margens do rio Abatan. Esse animal, com corpo de verme e cerca de 10 centímetros, cava túneis na rocha para se abrigar, “tritura” os minerais em seu sistema digestivo e solta areia como excremento.

Lithoredo abatanica compartilha a mesma classe que a(o)

a) minhoca

b) sanguessuga

c) polvo

d) ostra

e) caramujo

3- (UFT/2020)    

Cinco classes do filo Mollusca apresentam organismos com as seguintes características:

  1. vivem enterrados na areia ou no lodo, têm um pé afilado e a concha se assemelha a uma pequena presa de elefante.
  2. são exclusivamente marinhos, a concha é dividida em placas e o pé é achatado.
  3. muitas espécies vivem aderidas a rochas e outros substratos, enquanto outras escavam túneis em madeira e provocam estragos no casco de embarcações.
  4. são os mais diversos dentre os moluscos, vivem nos ambientes marinho, água doce e terrestre, havendo espécies com e sem concha.
  5. são animais marinhos e alguns têm concha espiralada; muitos têm células que permitem mudar rapidamente de cor.

De acordo com as características enumeradas, assinale a alternativa CORRETA que indica, respectivamente, os nomes das classes:

a) Polyplacophora, Scaphopoda, Bivalvia, Gastropoda e Cephalopoda.

b) Scaphopoda, Polyplacophora, Bivalvia, Cephalopoda e Gastropoda.

c) Bivalvia, Cephalopoda, Gastropoda, Polyplacophora e Scaphopoda.

d) Scaphopoda, Polyplacophora, Bivalvia, Gastropoda e Cephalopoda.

GABARITO: 

  1. A
  2. D
  3. D

Sobre o(a) autor(a):

Juliana Evelyn dos Santos é bióloga formada pela Universidade Federal de Santa Catarina e cursa o Mestrado em Educação na mesma instituição. Ministra aulas de Ciências e Biologia em escolas da Grande Florianópolis desde 2007 e é coordenadora pedagógica do Blog do Enem e do Curso Enem Gratuito.

Compartilhe: