Fontes de energia e a matriz energética brasileira

Revise as fontes de energia que compõem a matriz energética brasileira, ou seja, o conjunto de recursos de energia utilizados por um país, região ou estado e suas formas de uso!

A matriz energética é um conjunto de recursos de energia utilizados por um país, região ou estado e suas formas de uso. A energia é essencial para o funcionamento de todos os setores da sociedade, por isso é importante ter recursos provenientes de diversas fontes de energia.

Estudar as diferentes fontes de energia que compõem a matriz energética brasileira é muito importante, especialmente quando a cada dia mais fica evidente o impacto ambiental causado por fontes não renováveis. Pensar em alternativas de energia limpa é uma necessidade cada vez maior para a nossa sociedade e para todos os países! Vamos lá?

Fontes de energia

Todos os países calculam quanto recursos possuem quanto gastam e quais são os usos dessa energia. Dessa forma, desenvolvem um relatório anual: no Brasil esse relatório é publicado pelo Balanço Energético Nacional, o BEN.

Uma das formas de elaborar a matriz é calculando a produção e o consumo de fontes primárias e secundárias:

  • Fontes de energia primárias

São os recursos obtidos diretamente da natureza: petróleo, xisto, carvão mineral, lenha, cana de açúcar, mamona e soja, urânio, água, sol, ventos.

  • Fontes de energia secundárias

São os recursos derivados dos primários: óleo cru e diesel, gasolina e querosene, biodiesel, bagaço de cana, etanol (álcool), carvão vegetal e eletricidade, entre outros.

fontes de energia do Brasil

A energia é classificada também como renovável e não renovável:

  • Energia renovável

É aquela produzida com fontes primárias que se renovam ou podem ser renovadas, poluentes ou não: a energia obtida da água, do sol, e dos ventos. A madeira está entre os renováveis, pois pode ser replantadas, apesar de haver a controvérsia de ser fortemente poluente quando é queimada.

  • Energia não renovável

É aquela produzida com fontes primárias que , em princípio acabarão, como o petróleo, o carvão mineral e o gás natural. Pode ser mais barata e prática sendo a mais utilizada no mundo, porém gera grandes preocupações com a escassez no futuro.

A matriz energética brasileira

A industrialização de uma sociedade sempre provoca um notável aumento do consumo energético. As fontes de energia constituem um dos pré-requisitos básicos para o desenvolvimento da atividade industrial, pois para haver fábricas é necessário que existam petróleo, carvão, além de matérias-primas – minérios, madeiras, etc.

No Brasil, notamos que o setor que mais gasta energia é o industrial, com mais de 40% do total. Em segundo lugar, vêm os transportes, com mais de 20%. Depois aparecem, como maiores consumidores de energia, o setor residencial, o comércio e o setor público.

Energia hidroelétrica

O potencial hidráulico brasileiro é considerado o 3° do mundo, e sua utilização, apesar de cerca de 70% desse potencial permanecer ainda aproveitado, tem sido intensa, pois cerca de 93% da eletricidade do país provém das usinas hidrelétricas. Como podemos observar, a energia hidráulica pode perfeitamente suprir todas as necessidades brasileiras de eletricidade até bem depois do ano 2000.

E ela apresenta uma série de vantagens em relação à em usinas termelétricas e atômicas. Uma delas é que a água não se esgota, outra que seu custo operacional é menor que o das usinas nucleares e termelétricas. Outra vantagem é o fato de ser menos poluente que essas outras formas de obtenção de eletricidade.

A grande desvantagem das usinas hidroelétricas é o espaço que ocupa com o lago artificial imposto pela construção da usina: com o represamento do rio e a formação do lago, sempre há perda de bons solos agricultáveis e a necessidade de remoção de populações.

Carvão mineral

As maiores reservas nacionais de carvão mineral encontram-se no sul do país, em formações sedimentares do Paleozóico, e vão do Rio Grande do Sul ao Paraná. As jazidas de melhor qualidade encontram-se em Santa Catarina, de onde se extrai a maior parte de carvão utilizado no país. O Brasil é um país importador de carvão mineral, não tanto devido à carência desse produto e sim pelo fato de os altos-fornos das siderúrgicas necessitarem de carvão de boa qualidade, que não deixa resíduo.

Energia nuclear

No final da década de 60, o governo brasileiro começou a definir o Programa Nuclear Brasileiro, em especial o acordo nuclear com a Alemanha, que vem sendo objeto de inúmeras críticas, por vários motivos:· Em primeiro lugar, foi uma decisão tomada de “cima para baixo”, isto é, sem consulta à população e nem a associações científicas do país.

Em segundo lugar porque se percebeu que o argumento usado para assinatura do Acordo Nuclear era falso, pois o potencial hidráulico do país não estava se esgotando (como foi dito). Devemos lembrar, ainda, que os custos de construção e operação das usinas nucleares são bastante altos, cerca de 3 vezes mais que os de uma usina hidroelétrica equivalente. Além disso, os riscos que a energia nuclear envolve são muito enormes.

Termelétricas – biomassa, gás, óleo e carvão mineral

Há uma diversidade de fontes de produção de energia térmica no Brasil. Na prática são ‘máquinas a vapor’ que consomem combustível na queima para produzir vapor que gira as turbinas que produzem a energia elétrica.

As Usinas a Gás lideram o grupo, com 10,5% da matriz energética. Em seguida vêm a queima de matéria orgânica como a palha da cana de açúcar, palha de arroz, aparas de madeira e outros rejeitos vegetais, e mesmo resíduos orgânicos de origem animal como estrume de gado, com 5,5% da produção.

A produção de energia em usinas a óleo combustível(petróleo) responde por 5,8% da matriz energética. Em seguida as usinas a carvão produzem 1,5% da energia no Brasil.

Energia eólica

A busca por fontes de energia limpas se acentuou em razão do aquecimento global. No Brasil, que já possuía uma matriz equilibrada por produzir eletricidade principalmente em represas, a produção de biocombustíveis se acentuou com a fabricação de automóveis com motores flex, que combinam gasolina ou diesel com etanol. Nos anos recentes, cresce a produção de biodiesel de cana e cereais, de energia eólica e a solar.

A eletricidade de energia eólica experimenta um crescimento muito forte.

Em 2014, o Brasil investiu 6,6 bilhões de dólares nessa energia, o quarto maior valor do mundo. Em 2015, a produção eólica cresceu mais de 50% em apenas um ano, passando de 2% para 3,5% do total da eletricidade gerada. Em 2016, o país possuía 417 parques eólicos ativos ( a maioria no Nordeste que possui ventos predominantes), 133 em construção e outros 202 previstos.

Agora espera-se crescimento semelhantes na energia solar. Em 2016, o país possuía 42 usinas solares de eletricidade, 12 em construção e 99 em estudo.

Para finalizar sua revisão, assista ao vídeo sobre fontes de energia, gravado pelo prof. Carrieri

Exercícios sobre fontes de energia

Questão 01

(UFMT – Universidade Federal de Mato Grosso). Leia o texto abaixo.

Biocombustíveis revolucionarão a geopolítica mundial. E o Brasil está no centro disso. Definitivamente não resta mais dúvida alguma que os biocombustíveis vieram pra ficar. Uma combinação inédita na história econômica mundial entre, de um lado, uma alta dos preços do barril de petróleo […] e, de outro lado, o desenvolvimento de tecnologias de uso que asseguraram conforto e segurança ao consumidor final para mudar de combustível sem maiores traumas. Tudo isso levou-nos a um estágio decisivo em que nos encontramos hoje: o momento crítico para a conquista definitiva da credibilidade e consolidação dos biocombustíveis na matriz energética mundial.

Disponível em: <www.biodieselbr.com>. Acesso em 06/07/2009.

Sobre o assunto, assinale a afirmativa correta.

a) Na categoria biocombustíveis estão incluídos, por exemplo, o álcool, o biodiesel, o petróleo, o querosene e o gás natural.

b) A obtenção do biocombustível se dá a partir do chorume oriundo do processo de compactação do lixo orgânico.

c) O biocombustível é uma alternativa viável que apresenta vantagens ambientais, econômicas e sociais, como a redução da poluição.

d) A cana-de-açúcar é a única fonte da biomassa que pode ser aproveitada para a produção do biocombustível.

e) Para a produção do biocombustível, o Brasil importa tecnologia em todo processo de produção devido à ausência de incentivos governamentais.

Questão 02

(UERN – Universidade do Estado do Rio Grande do Norte). Para responder a essas questões, assinale com V as afirmativas verdadeiras e com F, as falsas. Marque a alternativa que indica a sequência correta, de cima para baixo, de acordo com o seguinte código:

( ) A preocupação com o meio ambiente e a possibilidade de esgotamento das fontes não renováveis de energia são fatores que levaram ao desenvolvimento da produção de biocombustíveis.

( ) O espaço físico do país favorece a produção de biocombustíveis, pelo fato de apresentar condições adequadas para o cultivo do milho e da beterraba, matérias-primas para a produção do etanol.

( ) A redução da área plantada destinada à produção de alimentos e o aprofundamento da questão fundiária constituem-se riscos socioeconômicos da produção de biocombustíveis.

( ) Os riscos ambientais são de intensa gravidade, na produção dos biocombustíveis, pois a expansão de policulturas compromete a biodiversidade dos ecossistemas regionais.

Sobre a produção de biocombustíveis, no Brasil, é correto afirmar:

a) V V F F

b) F F V V

c) V F V F

d) V V V V

Sobre o(a) autor(a):

Priscila é formada em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Compartilhe: