Modos de produção e suas relações de trabalho

Você sabia que a humanidade arranjou maneiras diferentes de organizar sua força física para produzir seus bens essenciais? Conheça alguns modos de produção diferentes nesta revisão de História para o Enem!

Durante aproximadamente 40.000 anos o ser humano teve que desenvolver diversas maneiras de produzir as ferramentas necessárias para sua sobrevivência. Sejam com armas para o intuito de caçar, utensílios agrícolas para auxiliar (ou mesmo iniciar) o processo de produção agrícola, ou ainda meios para organizar as forças de trabalho. Dessa forma, é muito importante estudar os modos de produção e nossas relações de trabalho.

Em nossa sociedade atual, quase sempre participamos mais do processo de distribuição dos bens de consumo do que de sua produção. Isto não significa passividade, é muito mais fácil sermos expostos ao processo de distribuição e consumo do que o de produção.

Quando vamos ao supermercado, por exemplo, nos deparamos com diversos setores de nosso processo produtivo. Na seção das frutas e verduras, na seção das carnes, na seção de bebidas e assim por diante. Participamos da primeira etapa deste processo, a produção como trabalhadores, nas fábricas e campo, por exemplo.

Podemos utilizar estas informações para definir o que é modo de produção, que seria o processo pelo qual a sociedade passa para organizar e distribuir os produtos para a população. Os modos de produção podem ser classificados de acordo com seus produtores e as relações de poder entre eles.

etapas do processo produtivo, supermercado, modos de produção
O supermercado agrupa diversos setores de nosso processo produtivo. Já experimentou andar pelos corredores pensando nas etapas deste processo? Retirado de: https://goo.gl/CQ47Ve

As diferentes definições de modos de produção surgiram das análises do sociólogo e economista Karl Marx, são eles: primitivo, escravista, feudal, capitalista, socialista e comunista. Entretanto, o economista alemão definiu estes modos de produção com base nas experiências europeias, portanto devemos tomar cuidado ao transpor os modelos de produção definidos para outros contextos e períodos.

O modo de produção asiático, por exemplo, é um ponto fora da curva destas análises econômicas sobre a Europa, pois suas relações de trabalho não se davam pela servidão entre nobres nem pela escravidão, mas sim por meio de uma subordinação coletiva ao Estado.

Os modos de produção

Modo de produção primitivo

Também considerado um comunismo primitivo por Marx, neste modo de produção a população trabalhava conjuntamente e seus resultados eram divididos coletivamente. O Estado e a propriedade privada não existiam, portanto as terras eram coletivas, e as relações eram consolidadas por laços familiares e de lealdade.

Este modo de produção compreendeu grande parte do período considerado pré-história e sofreu modificações na medida que os povos deste período passaram a dominar uns aos outros.

Modo de produção escravista

Também denominado como modo de produção escravista antigo, nesta forma de organização os escravizados são os principais produtores, sendo propriedade, geralmente com respaldo jurídico, dos senhores de escravo. A terra é o meio de produção, os escravizados a força de trabalho e os senhores os detentores dos meios produtores.

Modo de produção feudal

O modo de produção feudal é uma organização específica do contexto europeu, principalmente na França, entretanto é utilizada, dadas as devidas proporções, para entender como as relações de trabalho se deram no restante do continente europeu.

Estas relações são constituídas pelos servos e senhores nobres, o que não configura uma dominância de propriedade como acontece com os escravizados. Dentro desta relação, os meios de produção, as terras, são de propriedade dos nobres, os servos apenas as utilizam e repassam parte de suas produções agrícolas aos donos.

feudalismo, terra, servo, modos de produção
Utilização da terra no modo de produção feudal. Retirado de: https://goo.gl/vJLCyA

Modo de produção capitalista

As relações de trabalho dentro do capitalismo não funcionam com vínculo de nobreza ou mesmo jurídico no formato escravocrata. Dentro do modo de produção capitalista os detentores do meio de produção são a burguesia, a qual ascendeu por meio da acumulação de capital, através do comércio durante o período feudal.

Tendo os meios de produção relegados à propriedade privada, as relações de trabalho são feitas por meio do trabalho assalariado visando o lucro. Duas etapas, além da pré-capitalista e comercial, são as industrial e financeira, onde, respectivamente, o capital se concentrava no investimento da indústria e o capital, posteriormente, passa a ser investido nas relações bancárias por meio das instituições econômicas.

modo de produção capitalista, industrial, trabalhadores, modos de produção
Modo de produção capitalista em escala industrial. Retirado de: https://goo.gl/5vcmWr

Modo de produção socialista

Por fim, envolto em seu contexto europeu, Marx acreditava que todas estas divisões dos modos de produção eram etapas pela qual a sociedade do velho mundo perpassaria até chegar no socialismo, que culminaria no comunismo. O modo de produção socialista se organiza além do escopo da propriedade privada, os meios de produção são coletivos, não existem empresas privadas e o Estado deveria suprir as necessidades populacionais.

No comunismo, estas estruturas como Estado e classes sociais seriam banidas e a população utilizaria a condição pública dos meios de produção para engendrar organizações sociais de ajuda mútua.

Agora, que tal aprofundar o assunto assistindo esta videoaula bem diferente?

Revise também o tema nesta videoaula focada em vestibulares do canal Parabólica:

Questões para fixar:

1- (UFU 1º dia 2016/2) Marx e Engels em seu Manifesto do Partido Comunista, consideram que “a nossa época, a época da burguesia, caracteriza-se por ter simplificado os antagonismos de classes. A sociedade divide-se cada vez mais em dois vastos campos opostos, em duas grandes classes diametralmente opostas: a burguesia e o proletariado. ” Em vista disso, assinale a alternativa que define corretamente a burguesia e o proletariado.

a) Os burgueses utilizam o trabalho escravo para a produção, e o proletariado é desprovido de liberdade para vender sua força de trabalho.
b) Os burgueses são proprietários que utilizam da manufatura do proletariado para a produção de mercadorias, e o proletariado impulsiona o desenvolvimento da manufatura.
c) Os burgueses são os grandes proprietários de terras, e o proletariado detém o poder social e econômico.
d) Os burgueses são os detentores dos meios de produção, e o proletariado vende sua força de trabalho.

Resposta: D

2- (UNIP) O feudalismo:

a) deve ser definido como um regime político centralizado;
b) foi um sistema caracterizado pelo trabalho servil;
c) surgiu como conseqüência da crise do modo de produção asiático;
d) entrou em crise após o surgimento do comércio;
e) apresentava uma considerável mobilidade social.

Resposta: B

3- (ENEM 2001) Um operário desenrola o arame, o outro o endireita, um terceiro corta, um quarto o afia nas pontas para a colocação da cabeça do alfinete; para fazer a cabeça do alfinete requerem-se 3 ou 4 operações diferentes (SMITH, Adam. A riqueza das nações. Investigação sobre a sua natureza e suas causas. Vol. I. São Paulo: Nova Cultural, 1985.)

modos de produção, exercício
Jornal do Brasil, 19 de fevereiro de 1977

A respeito do texto e do quadrinho são feitas as seguintes afirmações:

I – Ambos retratam a intensa divisão do trabalho, à qual são submetidos os operários.
II – O texto refere-se à produção informatizada, e o quadrinho, à produção artesanal.
III – Ambos contêm a ideia de que o produto da atividade industrial não depende do conhecimento de todo o processo por parte do operário. Dentre essas afirmações, apenas:

a) I está correta.
b) II está correta.
c) III está correta.
d) I e II estão corretas.
e) I e III estão corretas.

Resposta: E

Faça o Simulado

Sobre o(a) autor(a):

Guilherme Silva é formado em História pela Universidade Federal de Santa Catarina. Dá aulas de História em escolas da Grande Florianópolis desde 2016.