Teoria das placas tectônicas

A teoria das placas tectônicas foi fundamental para a explicação da separação dos continentes e também para justificar eventos que ocorrem até hoje no planeta Terra. Vamos relembrar o que esta teoria tem para nos contar!

Muitos eventos ocorreram até chegarmos ao estágio atual da formação dos continentes. A teoria das placas tectônicas é a responsável por explicar a movimentação da crosta terrestre e suas fragmentações, além de comprovar de fato a teoria da deriva continental. Saiba mais sobre este assunto nesta aula de Geografia para o Enem!

falha de san andreas e placas tectonicas
Figura 1: Falha de San Andreas no estado da Califórnia (EUA).
Teoria da deriva continental

A teoria da deriva continental, postulada por Alfred Wegener em 1912, dizia que um dia os continentes foram apenas uma grande massa continental chamada “Pangea”. Segundo Wegener, com o passar dos anos, esta grande massa foi se fragmentando até chegarmos ao estágio atual da formação e distribuição dos continentes.

Esta teoria, apesar de se basear em algumas evidências de estudos empíricos, passou a ser completamente aceita pelo meio científico somente após a Segunda Guerra mundial. Com o avanço das técnicas de mapeamento e o aperfeiçoamento das tecnologias utilizadas para este tipo de estudo, foi possível perceber que a crosta terrestre possui fragmentações, dividindo-se em placas.

A explicação para a movimentação das massas continentais surge com a teoria da tectônica de placas, que parte do princípio que as placas tectônicas são estes fragmentos da crosta terrestre que se movimentam sobre o magma. Estas placas abrangem não só a região dos continentes, mas também o assoalho oceânico.

Esta teoria foi fundamental pois pôde comprovar a teoria de Wegener sobre a deriva continental, acabando de vez com a ideia de que a superfície terrestre seria imóvel.

As placas tectônicas

As placas tectônicas encontram-se divididas em 14 placas principais e outras 38 menores. É importante lembrar que o tamanho das placas não define a frequência e a intensidade das atividades tectônicas.

Muitas áreas de encontro de placas menores possuem grande atividade tectônica. Como exemplo das placas principais, temos a Placa Sul-Americana, a Placa Africana e a Placa Euro-Asiática. Como exemplo das placas menores temos a Placa das Marianas.

No conteúdo escolar, as placas tectônicas mais estudadas são: Placa Sul-Americana, Placa de Nazca, Placa do Pacífico e Placa Euro-Asiática. Veja na imagem abaixo a localização de cada uma destas placas.

as placas tectônicas no mundo
Figura 2: Limite das principais placas tectônicas do mundo.
Movimento das placas tectônicas

Mas como as placas tectônicas conseguem se movimentar? A movimentação das placas tectônicas se dá por conta das correntes de convecção do magma. Essas correntes permitem que o calor do núcleo da Terra chegue até as camadas mais externas, gerando sua movimentação. O movimento pode ocorrer de formas diferentes, acarretando em efeitos também diferentes para a superfície terrestre.

Dica: Para entender melhor as correntes de convecção, veja este pequeno vídeo

A movimentação das placas tectônicas pode ocorrer de forma lateral, de colisão, ou de afastamento. Estes movimentos ocorrem de forma bastante lenta e são responsáveis (além da separação ou união de continentes) pela formação de estruturas geomorfológicas, como a formação de vulcões, montanhas e pela ocorrência de terremotos.

As placas tectônicas são divididas em três categorias: placas oceânicas, placas continentais e placas continentais e oceânicas. Estas classificações são bem intuitivas. As placas oceânicas, são aquelas que se encontram no assoalho oceânico, as continentais, são as que se encontram sob os continentes e por fim, as continentais e oceânicas, encontram-se sob os continentes e no assoalho oceânico.

As “margens” ou zona de encontro das placas tectônicas são chamadas de limites de placas e são classificados em três tipos: limite divergente, limite convergente e limite transformante.

O limite divergente consiste no limite onde as placas afastam-se umas das outras, abrindo uma fenda entre elas que permite que, com a corrente de convecção, o magma suba para a superfície. Quando o magma chega à superfície, logo ele é resfriado e temos então o aumento da borda das placas envolvidas no processo.

O afastamento de placas é responsável também pela formação de cadeias montanhosas no fundo oceânico, chamadas de dorsais mesoceânicas.

O limite convergente consiste no limite onde as placas se chocam por conta da aproximação de uma com a outra. Quando acontece o choque entre uma placa oceânica e uma placa continental, uma afunda em parte de volta para o magma (placa oceânica) e a outra (placa continental) forma dobras.

Já no choque entre duas placas oceânicas afunda a que possuir menor densidade. E por fim, no choque entre duas placas continentais, não há afundamento, porém, temos a ocorrência de dobramentos, podendo formar por exemplo, cadeias montanhosas.

No limite transformante, as placas deslizam de forma horizontal “raspando” uma na outra provocando falhas na superfície no local onde ocorreu a movimentação. Como exemplo destas falhas, temos a Falha de Samambaia no estado do Rio Grande do Norte e a Falha de San Andreas no estado da Califórnia nos Estado Unidos.

placas tectonicas e limite divergente e convergente
Figura 3: Ilustração dos três tipos de limite de placas.

Como o Brasil encontra-se no centro da Placa Sul-Americana, e não em um limite, não há grande ocorrência de atividades tectônicas no país.

Os únicos eventos tectônicos que podem atingir o Brasil são pequenos abalos provocados pelo desgaste da placa, ou então grandes abalos que podem vir a ocorrer em regiões próximas, mas também em pequena escala.

Para fixar e descobrir mais sobre o conteúdo, assista à aula do professor Carrieri sobre as placas tectônicas

(UEM PR/2017) Sobre os movimentos tectônicos, a teoria da tectônica de placas e as características das placas tectônicas, assinale o que for correto.

01) O fenômeno conhecido como subducção de placas tectônicas ocorre quando a placa oceânica, mais densa, mergulha sob a placa continental.

02) A teoria da tectônica de placas foi aprimorada, na comunidade científica, com o uso de sonares que mapearam o fundo oceânico.

04) Os topos das cadeias oceânicas que são formadas por tectonismo podem configurar um arquipélago como o do Havaí (Estados Unidos).

08) As rochas que compõem as placas tectônicas são formadas pela mesma composição do núcleo da Terra, ou seja, pelo lítio e pelo bário.

16) Os movimentos verticais lentos, de subida ou de descida, em camadas rochosas rígidas e espessas, são chamados de epirogenéticos.

Gabarito: 23

(UEPG PR/2017)   Sobre a tectônica de placas da Terra, assinale o que for correto.

01. A subducção ocorre em áreas de convergência de placas tectônicas onde uma delas mergulha embaixo da outra, podendo causar sismos.

02. O Brasil está localizado em área mais centrada na placa sul-americana. Esta placa tem um desloca-mento à oeste onde encontra-se em maior extensão neste lado com a placa de Nazca.

04. O anel de fogo do Pacífico localiza-se, basicamente, em áreas entre placas tectônicas. É a área do planeta com a maior incidência de terremotos.

08. O vulcanismo pode ser gerado em áreas divergentes das placas tectônicas. O vulcanismo também é um fator endógeno de formação do relevo.

16. O limite de placas tectônicas transformante ocorre quando as placas deslizam lateralmente. Um bom exemplo disso ocorre na falha de San Andreas, no estado da Califórnia, nos EUA.

Gabarito: 31

(PUC – MG) A teoria da Tectônica de Placas explica como a dinâmica interna da Terra é responsável pela estrutura da litosfera, sendo INCORRETO afirmar:

a) A litosfera é a parte rígida que compõe a crosta terrestre; é segmentada em placas que flutuam em várias direções sobre o manto.
b) O movimento das placas pode ser convergente ou divergente, aproximando-as ou afastando-as, ou ainda deslizando-as uma em relação à outra.
c) A tectônica é responsável por fenômenos como formação de cadeias montanhosas, deriva dos continentes, expansão do assoalho oceânico, erupções vulcânicas e terremotos.
d) As placas continentais e oceânicas possuem semelhante composição mineralógica básica, uma vez que essas placas compõem a crosta terrestre.

Gabarito: D

Sobre o(a) autor(a):

Este texto foi elaborado pelo geógrafo e professor de Geografia Marcelo de Araújo para o Curso Enem Gratuito. Marcelo é formado em Geografia (licenciatura) pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Atualmente trabalha como autônomo. https://www.facebook.com/mdearaujo22

Compartilhe: