Surrealismo – Revisão de Artes para o Enem

Você conhece o movimento artístico chamado de surrealismo? Conhece suas principais obras e artistas? Não? Então veja este post para arrebentar em Artes no Enem!

Nascido na década de 1920, o Surrealismo é um movimento mundialmente difundido e que prega a manifestação, especialmente, do inconsciente.

No ano de 1924, em Paris, o escritor francês André Breton (1826 – 1966) idealizava um movimento artístico e literário que geraria uma profunda repercussão: o Surrealismo.

Breton lançou o primeiro e principal manifesto, o Manifesto Surrealista. Neste manifesto, defendia que todos os artistas deveriam buscar criar sempre a partir do interior, e não do exterior. O instinto deveria, portanto, ser o ponto de partida para toda e qualquer criação artística.

O termo francês “sur-reálisme” (em português surrealismo, que significa super-realidade) surgiu em 1917, mas só com Breton e Louis Aragon (1897-1982) foi que ganhou um significado mais prático e que deu nome ao movimento.

MIRÓ - surrealismo
MIRÓ, Joan. “Hirondelle Amour”, 1933. fonte: www.joan-miro.net

Esses artistas defendiam que a criatividade tem a função de trazer à tona o inconsciente, e que o ser humano constitui-se em cima de três pilares básicos e instintivos: o sexo, a violência e a morte. Na sociedade ocidental, era impossível agir de forma instintiva. Originou-se, portanto, como uma forma de reação ao racionalismo e materialismo.

Os surrealistas propunham, através da alteração de seus estados mentais, a valorização do que é fantasioso. Para pintar, muitos utilizavam-se do álcool e de outras drogas e realizavam jogos de respostas rápidas a fim de revelar associações ocultas entre palavras.

Dentre os artistas que marcaram o movimento, está André Masson (1896 – 1987). Masson fez diversas experiências jogando de forma aleatória areia e cola em cima da tela. Sobre a areia que ficava colada, criava formas que seriam posteriormente pintadas. Joan Miró (1893 – 1983), artista catalão apresentado aos surrealistas por Masson, também se utilizou da criação a partir de elementos do acaso.

Nessa obra de Miró podemos constatar a presença de seres estranhos, com formas amebóides. A paleta de cores fortes e formas fantásticas são uma marca recorrente na pintura do artista.

Desse universo dos sonhos, surgiu uma nova vertente, o surrealismo onírico, período em que os artistas regressaram às técnicas mais formais de desenho e pintura para representar os universos e visões de sonhos e pesadelos. Todos eles foram influenciados por um artista precursor do movimento, Giorgio de Chirico (1888 – 1978).

A este período pertencem artistas como Salvador Dalí (1904 – 1989), René Magritte (1898 -19670 e Yves Tanguy (1900 – 1955).

Salvador Dalí tem um dos quadros mais conhecidos da história da arte:

surrealismo - DALÍ
DALÍ, Salvador. “A persistência da memória”, 1931. Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/A_Persist%C3%AAncia_da_Mem%C3%B3ria

Essa tela tem apenas 24cm X 33cm e é uma das mais emblemáticas do surrealismo. Nela, Dalí apresenta um universo irracional e independente. A distorção dos relógios, que são estruturas físicas robustas, leva o espectador a questionar nosso entendimento real do mundo. É ainda uma alusão à Teoria geral da relatividade, onde Einstein questiona: “Se o próprio tempo se curva, por que não os relógios?”

Também dentre os mais ovacionados artistas surreais, encontra-se Magritte, que pinta imagens com extravagância e pintadas de forma naturalista, ou seja, os objetos são representados de forma fiel à realidade, embora colocados em cenas improváveis. Praticava, portanto, um surrealismo realista.

Por tamanhas desconstruções e rupturas com a realidade, trazendo uma nova forma de pensar e de dar forma à arte através do irreal, o Surrealismo conquistou muitos adeptos e simpatizantes ao redor do mundo, trazendo um marco triunfal para a história, tanto da arte quanto da humanidade.

Veja a aula do prof. Rolo e conheça todas as vanguardas europeias:

Agora, vamos responder às questões a seguir!

1. Em 1924, os surrealistas lançaram um manifesto no qual anunciaram a força do inconsciente na criação de novas percepções. Valorizavam a ausência de lógica das experiências psíquicas e oníricas, propondo novas experiências estéticas. Sobre o Surrealismo, é correto afirmar:

a) Acredita que a liberação do psiquismo humano se dá por meio da sacralização da natureza.

b) Baseia-se na razão, negando as oscilações do temperamento humano.

c) Destaca que o fundamental, na arte, é o objeto visível em detrimento do emocionalismo subjetivo do artista.

d) Concede mais valor ao livre jogo da imaginação individual do que à codificação dos ideais da sociedade ou da história.

e) Busca limitar o psiquismo humano e suas manifestações, transfigurando-os em geometria a favor de uma nova ordem.

2. (UFAM) A respeito do Surrealismo, um dos movimentos de vanguarda relacionados ao Modernismo brasileiro, pode-se afirmar:

a) Pierre Garnier, que o sistematizou, declarava que as profundezas de nosso espírito abrigam forças capazes de superar o aparente equilíbrio da superfície.

b) Sua história se confunde com a de seu líder, Marinetti, que, em 1909, lançou em Paris o manifesto do movimento.

c) Teve como líder o romeno Tristan Tzara, que privilegiava a exploração do inconsciente, as narrações dos sonhos, as experiências hipnóticas.

d) Tendo como referência o pintor Picasso, seus adeptos pregavam a deformação dos objetos naturais, privilegiando a subjetividade do artista.

e) André Breton, que lançou o manifesto do movimento em 1924, considerava o racionalismo absoluto como algo absolutamente desprezível.

3. “Todas as manhãs quando acordo, experimento um prazer supremo: o de ser Salvador Dalí.”

NÉRET, G. Salvador Dalí. Taschen, 1996.

Assim escreveu o pintor dos “relógios moles” e das “girafas em chamas” em 1931. Esse artista excêntrico deu apoio ao general Franco durante a Guerra Civil Espanhola e, por esse motivo, foi afastado do movimento surrealista por seu líder, André Breton. Dessa forma, Dalí criou seu próprio estilo, baseado na interpretação dos sonhos e nos estudos de Sigmund Freud, denominado “método de interpretação paranoico”. Esse método era constituído por textos visuais que demonstram imagens

a) do fantástico, impregnado de civismo pelo governo espanhol, em que a busca pela emoção e pela dramaticidade desenvolveram um estilo incomparável.

b) do onírico, que misturava sonho com realidade e inconsciente como um universo único ou pessoal.

c) da linha inflexível da razão, dando vazão a uma forma de produção despojada no traço, na temática e nas formas vinculadas ao real.

d) do reflexo que, apesar do termo “paranoico”, possui sobriedade e elegância advindas de uma técnica de cores discretas e desenhos precisos.

e) da expressão e intensidade entre o consciente e a liberdade, declarando o amor pela forma de conduzir o enredo histórico dos personagens retratados.

GABARITO:

1-D, 2-E, 3-B