Características utilizadas na classificação dos seres vivos

Eucariontes, procariontes, unicelulares, pluricelulares... Esses termos te dão arrepios? Não se preocupe! Esta aula de Biologia Enem vai te ajudar a relembrar as principais características utilizadas na classificação dos seres vivos!

A biologia é famosa por usar vários nomes considerados muito difíceis pelos estudantes. Aeróbios, anaeróbios, procariontes, eucariontes… todos estes são termos que costumam causar estranhamento em quem não está habituado à linguagem científica.

Porém, por mais difícil que possa parecer para você, não tem como escapar. Conhecer o significado de cada um desses termos que utilizamos para caracterizar e classificar os seres vivos é “básico” para você conseguir se dar bem nas questões de Biologia do Enem e dos vestibulares!

Para estudar a enorme biodiversidade da Terra, os cientistas possuem uma série de termos utilizados a fim de ordenar o conhecimento sobre os seres vivos e permitir a comparação entre eles, auxiliando no entendimento do seu funcionamento e do seu parentesco evolutivo.

Para fazer esta classificação, usamos termos que levam em consideração o tipo de célula, a quantidade de células, o tipo de respiração e também o tipo de nutrição dos seres vivos. Veja os termos mais usados na biologia:

Classificação quanto ao tipo de célula:

Seres vivos Procariontes x Seres vivos Eucariontes

Entenda os Procariontes:

São procariontes os seres vivos cujas células não possuem carioteca (membrana nuclear) envolvendo seu material genético (DNA). Nesse caso, o DNA encontra-se “misturado” ao citoplasma, em uma região chamada de nucleoide. Porém, apesar de ser a mais famosas de suas características, a ausência de núcleo organizado não é a única diferença dessas células para as demais.

As células procariontes também não possuem organelas celulares membranosas, ou seja, não há compartimentos internos delimitados por membrana e especializados em determinadas funções.

Todas os processos metabólicos ocorrem juntos no citoplasma. Apesar de não apresentarem organelas membranosas, as células procariontes possuem ribossomos. Os ribossomos são organelas responsáveis pela produção de proteínas e são constituídos de RNA ribossômico. Os únicos seres vivos que possuem células procariontes são os indivíduos do Reino Monera (como as bactérias e as cianobactérias).

Seres vivos Eucariontes:

São seres vivos eucariontes aqueles que possuem células cujo material genético é delimitado por uma membrana nuclear chamada de carioteca. Sendo assim, dizemos que os eucariontes são os seres vivos com núcleo organizado. O núcleo nestas células é um centro de comando que vai organizar todas as funções celulares.

Isto ocorre porque o DNA é uma molécula que contém os genes, as “receitas”, para a produção de inúmeras substâncias importantes para o metabolismo celular.

Além disso, as células eucariontes possuem membranas internas que delimitam espaços para a realização de diferentes funções, chamadas de organelas membranosas (como as mitocôndrias e o complexo golgiense).

Esta organização e setorização de funções permite que as células eucariontes sejam mais complexas e maiores que as células procariontes. Todas as células, exceto as dos moneras, são eucariontes.

classificação dos seres vivos - célula

Classificação quanto à quantidade de células:

Seres vivos Unicelulares:

Os seres vivos unicelulares são aqueles cujo organismo é constituído de apenas uma célula. São exemplos de seres vivos unicelulares todos os indivíduos do Reino Monera, todos os protozoários, algumas algas e alguns fungos.

classificação dos seres vivos - protozoário
O protozoário Paramecium sp é um ser vivo unicelular.

Seres vivos Pluricelulares:

São pluricelulares os seres vivos constituídos de muitas células, podendo ou não haver a organização dessas células em tecidos. São exemplos de pluricelulares todos os animais, todas as plantas, alguns fungos e algumas algas.

Classificação quanto ao tipo de respiração:

Seres vivos Aeróbios:

São chamados de aeróbios aqueles seres vivos que utilizam gás oxigênio no processo de produção de energia, onde moléculas energéticas (obtidas pela alimentação ou processos autotróficos) são quebradas em um conjunto de processos que chamamos de respiração celular. Os animais vertebrados, assim como as plantas, são exemplos de organismos aeróbios.

Seres vivos Anaeróbios:

São organismo que não utilizam oxigênio na quebra de nutrientes para a obtenção de energia. Esses seres podem ser de dois tipos:

Anaeróbios facultativos:

São seres vivos que na ausência de O2 fazem processos de quebra de nutrientes sem a presença Do gás, como a fermentação. Porém, quando o gás oxigênio está disponível, realizam respiração aeróbia, uma vez que rende mais energia. Os fungos utilizados na fermentação de pães são exemplos de anaeróbios facultativos.

classificação dos seres vivos - fungo
Saccharomyces cerevisiae é um fungo anaeróbio facultativos

Seres anaeróbios obrigatórios ou estritos:

São os seres vivos anaeróbios que morrem na presença do gás oxigênio. Estes seres vivos realizam apenas fermentação. São exemplos de anaeróbios obrigatórios as bactérias causadoras do tétano.

classificação dos seres vivos - bactérias
Bactérias Clostridium tetani, causadoras do tétano, são bactérias anaeróbias estritas. Elas são um dos motivos pelos quais utilizamos água oxigenada para limpar ferimentos.

Classificação quanto ao tipo de nutrição:

Seres autótrofos:

Os seres autótrofos são aqueles que podem produzir moléculas energéticas através de processos metabólicos realizados por suas estruturas celulares, onde energia presente no ambiente é capturada e transformada.

A nutrição autotrófica é realizada por cianobactérias, algumas bactérias, algas e plantas. Existem alguns tipos de processos autotróficos, os mais conhecidos são a fotossíntese e a quimiossíntese.

classificação dos seres vivos - autótrofo fotossintético
Vitória-régia, exemplo de autótrofo fotossintético. Foto da autora.

Na fotossíntese (realizada por plantas, algas e cianobactérias) os seres vivos capturam a energia luminosa proveniente do sol (absorvida pela clorofila ou outros pigmentos) e produzem glicose unindo gás carbônico, água e sais minerais retirados do ambiente pelo organismo.

Já na quimiossíntese (realizada por algumas bactérias), os seres vivos utilizam outras fontes de energia presentes no ambiente, como a que encontramos contida em moléculas mais simples que são quebradas para que essa energia seja liberada.

Seres vivos heterótrofos:

Os seres heterótrofos são aqueles que não conseguem produzir “seu próprio alimento” através de processos realizados por sua maquinaria celular. Por tal motivo, precisam ingerir ou absorver outros seres vivos ou seres em decomposição para conseguirem obter a energia e os nutrientes de que necessitam para manter seu metabolismo.

A nutrição heterotrófica é realizada por várias bactérias, protozoários, fungos e animais.classificação dos seres vivos - heterótrofo

Abelha, exemplo de ser heterótrofo. Foto da autora.

Para finalizar sua revisão, veja esta videoaula da prof. Ju:

Sobre o(a) autor(a):

Juliana é bióloga formada pela Universidade Federal de Santa Catarina, ministra aulas de Ciências e Biologia em escolas da Grande Florianópolis desde 2007 e é coordenadora pedagógica do Blog do Enem.