Climatologia: os elementos e fatores do clima

Revise nesta aula os principais conceitos geográficos sobre os elementos e fatores do clima. Revise Geografia para o Enem e para os vestibulares!

O que é o clima? Como ele se forma e por que varia de uma região para outra? Tempo e clima não são a mesma coisa? Leia a aula a seguir e fortaleça seus conhecimentos sobre climatologia pra arrebentar no Enem! Vamos lá?

Primeiramente, é fundamental sabermos diferenciar clima e tempo. O tempo depende da variação dos fenômenos atmosféricos em determinado momento. Já o clima é o conjunto das variações das condições do tempo no decorrer do ano em certa região, determinado após rigorosa análise.

O clima é formado principalmente pela junção de duas características de uma região específica: a temperatura e a pluviosidade. A temperatura média é medida em graus Celsius, já a média de pluviosidade é medida por milímetros (a pluviosidade de 1mm equivale ao volume de 1L de água de chuva acumulada sobre uma superfície de área 1m²). Porém, há muitos fatores que influenciam em uma região e que resultam na caracterização de sua temperatura e pluviosidade.

Além de temperatura e umidade, outro elemento importante a ser considerado é a pressão atmosférica, que é a razão entre o peso do ar sobre uma superfície (força exercida pelo ar sobre uma região) – sendo medida em milibares (mb). Regiões com temperaturas mais baixas têm a pressão atmosférica mais elevada, devido à concentração das moléculas do ar (quanto menor a temperatura, menos as moléculas vibram e ficam mais juntas, aumentando a densidade de um corpo).

Isso é regra exceto em casos de altitude elevada, que combinam temperaturas frias com pressão menor, devido ao fato de o ar ser rarefeito (ou seja, menos partículas de gases por volume). Sendo assim, ao nível do mar o ar se encontra mais denso e concentrado, apresentando maior pressão atmosférica que em altitudes maiores. Se a temperatura for baixa, a pressão será maior, e no caso de temperatura alta, menor será a pressão.

Como você pode ver, são diversos os fatores responsáveis pela constituição do clima de uma região, influenciando a dinâmica de seus elementos e, portanto, devemos sempre considerá-los no momento de análise.

Fatores responsáveis pelo clima

Latitude

Nas baixas latitudes (mais próximo à Linha do Equador), entre os trópicos de Câncer a Capricórnio (Zona Intertropical), estão as regiões de temperatura mais elevada e menor variação anual. Quanto mais altas as latitudes em direção aos polos, menores serão as temperaturas, devido à menor incidência de luz e calor solares.

Nas Zonas Polares temos climas muito frios e nas Zonas Temperadas uma variação grande ao longo do ano, com estações bem definidas.

climatologia - Representação das Zonas Climáticas do Planeta Terra
Representação das Zonas Climáticas do Planeta Terra. Fonte: Atlas Geográfico Escolar. São Paulo: IBEP, 2012
Altitude

conforme aumenta a altitude, diminui a temperatura. A cada 1.000m, a temperatura cai cerca de 6°C. Isso ocorre devido à rarefação do ar, que faz com que o calor se dissipe ao encontrar baixa concentração de moléculas.

Por exemplo: La Paz, na Bolívia, está em uma latitude aproximada de Brasília, no Brasil. No verão, em Brasília temos temperaturas alta. Já em La Paz, que está a 3640m acima do nível do mar, as temperaturas são muito mais amenas. Nas montanhas que cercam a cidade, com mais de 5000 metros, há inclusive, a formação de neves eternas.

A disposição do relevo

Além da altitude, o relevo influencia as diferentes regiões de outras maneiras, como a posição das vertentes em relação ao Sol e a disposição de cadeias montanhosas ou outras elevações do relevo, que podem facilitar ou dificultar a circulação dos ventos e, logo, a troca de calor e umidade entre as regiões.

Vegetação

Nesse caso, podemos considerar o exemplo da Amazônia, que com suas florestas influi nas condições climáticas regulando o volume de chuvas e as médias de temperatura.

Localização em relação ao mar

A maritimidade (proximidade em relação ao mar) e a continentalidade (distância em relação ao mar) de uma região provocam mudanças na dinâmica climática de uma região.

As localidades mais próximas dos oceanos apresentam menor amplitude térmica, pois a água leva muito mais tempo para se aquecer e resfriar. Já em áreas mais interioranas dentro dos continentes, a amplitude térmica é mais elevada.

É por isso que, por exemplo, nas regiões desérticas (de baixíssima umidade) faz muito calor durante o dia e muito frio durante a noite.

Correntes marítimas

As correntes frias sofrem menor evaporação e podem ocasionar a queda na temperatura de regiões costeiras sob sua influência, bem como podem influenciar na formação de climas mais secos, como semiárido e árido.

Já no caso das correntes quentes, o oposto se verifica. Devido à maior evaporação, o ar torna-se mais úmido nas áreas litorâneas próximas e tende a ter sua temperatura elevada.

Massas de ar e a circulação geral da atmosfera

As diferenças de pressão fazem com que o ar esteja em constante movimento na atmosfera e decorrem das distintas temperaturas que predominam nas diferentes regiões, por conta dos níveis desiguais de energia solar que chega às localidades.

O ar acaba por deslocar-se das áreas de alta pressão para as áreas de baixa pressão. O movimento de rotação da Terra também influencia a atmosfera que se movimenta no sentido oposto a ele. Uma massa de ar vai sempre circular carregando características de sua região de origem, alterando as condições do tempo nas áreas que estão no seu caminho. Mas ao se deslocar, a massa de ar também perde aos poucos suas características de temperatura, pressão e umidade.

Frentes

Nos seus deslocamentos, as massas de ar se encontram sem se misturar, entrando numa espécie de disputa em que uma empurra a outra. O

resultado desse “conflito” é que aquela que avança com mais força obriga a outra a voltar, forçando a hegemonia momentânea de suas características. A zona de contato entre duas massas recebe o nome de Frente. Quando uma massa de ar frio avança, fazendo o ar quente retroceder, chamamos de Frente Fria. Já a Frente Quente é quando uma massa de ar quente obriga o ar frio a recuar.

A relação entre as frentes tem tudo a ver com a dinâmica das chuvas, que são as precipitações que ocorrem quando a atmosfera em determinada região atinge seu grau de saturação em termos de vapor d’água.

Ação antrópica

A formação de grandes cidades, o desmatamento e queimadas, a queima de combustíveis fósseis pelas indústrias e meios de transporte, dentre outras atividades antrópicas, são fatores que alteram sensivelmente o microclima em diferentes regiões do planeta.

Uma quantidade expressiva de cientistas também defende a teoria de que a intensificação do efeito estufa e o aquecimento global têm sido causados pela intensa emissão de gases poluentes à atmosfera por conta das atividades humanas.

Revise os principais conceitos de climatologia e prepare-se ainda mais com a aula do prof. Carrieri:

Exercícios sobre climatologia:

.

Referências:

Atlas Geográfico Escolar. São Paulo: IBEP, 2012.

LUCCI, Elian A.; BRANCO, Anselmo L.; MENDONÇA, Cláudio. Território e sociedade no mundo globalizado: Geografia geral e do Brasil, volume único. São Paulo: Saraiva, 2014.

TAMDJIAN, James Onnig; MENDES, Ivan Lazzari. Geografia geral e do Brasil: estudos para a compreensão do espaço. São Paulo: FTD, 2013.

Sobre o(a) autor(a):

O texto acima foi preparado pelo professor João Marcelo Vela para o Curso Enem Gratuito. João é licenciado e mestre em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Dá aulas de Geografia e Filosofia em escolas da Grande Florianópolis desde 2015, além de atuar como articulador de Ciências Humanas. E-mail para contato: [email protected]

Compartilhe: