Cubismo

Você já ouviu falar em Cubismo? E em Pablo Picasso? Pelo sim, pelo não, vem com a gente entender mais sobre um dos momentos mais importantes da História da Arte para mandar bem no Enem!

O Cubismo talvez seja um dos mais disseminados movimentos artísticos. Surgiu e se desenvolveu em Paris nas duas primeiras décadas do século XX. Mas você sabe quais foram os motivos para tamanho sucesso?

Para começo de conversa, no ano de 1907, Pablo Picasso (1881-1973) pintou o quadro Les demoiselles d’Avignon”. Essa obra é considerada a primeira pintura cubista e retrata prostitutas em um bordel de Barcelona.

Em princípio foi exposta exclusivamente para críticos e artistas, tais como Matisse e Braque (o primeiro, líder do Movimento Fauvista; o segundo, após transitar algum tempo no Fauvismo, passa para o Cubismo), e não foi vista com bons olhos pelos presentes.

cubismo - Les demoiselles d’Avignon
PICASSO, Pablo. “Les demoiselles d’Avignon”, 1907. Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/Les_Demoiselles_d%27Avignon#/media/File:Les_Demoiselles_d%27Avignon.jpg

Por tratar-se de uma obra com estilo absolutamente inovador e inédito, causou estranheza e rejeição. Podemos notar que tanto os corpos quanto o fundo são geometrizados. A perspectiva também perturba e foge aos padrões da academia.

Quanto aos rostos, são fruto da influência das máscaras africanas e são bastante angulosos. As cores não possuem muita variedade.

Essa obra, portanto, quebrou inúmeros padrões e foi uma ruptura, tanto com as obras do próprio Picasso quanto com a arte em si, pois fragmenta as figuras.

Esse artifício viria a ser largamente utilizado por artistas do século XX e seria o precursor de técnicas que surgiriam adiante, tais como a colagem.

Além de Picasso, naturalmente houverem outros adeptos. Georges Braque (1882-1963) é um deles. Com alguma resistência e após romper com o Fauvismo, aderiu ao movimento e, junto com Picasso, foi um dos precursores Cubistas. Dentre suas obras, está “Casas em L’Estaque”.

cubismo - Casas em L’Estaque
BRAQUE, Georges. “Casas em L’Estaque”, 1908. Fonte: https://br.pinterest.com/pin/278308451947932636/

Esta obra, assim como a de Picasso, apresenta angulosidades que não condizem com a realidade. É igualmente geometrizada. Existe a distorção dos elementos e a paleta de cores, embora simplificada, é uma das grandes marcas do artista. Na época, a obra foi analisada por um crítico que acusou o artista de reduzir tudo a contornos geométricos e cubos.

Em 1912, o movimento entra em uma nova fase: o Cubismo sintético. Nela, os artistas passaram a utilizar a colagem juntamente à pintura. Além disso, utilizava cores mais fortes, as figuras passaram a ser representadas de forma mais reconhecível. Outros representantes do Cubismo sintético são Fernand Léger (18881-1955) e Marcel Duchamp (1887-1968).

No Brasil, o Cubismo ganhou espaço após a Semana de Arte Moderna, em 1922. Embora não haja nenhum artista que se dedicou exclusivamente ao movimento por aqui, diversos artistas passearam e produziram obras mescladas ao Cubismo. Dentre eles estão Tarsila do Amaral (1886-1973), Anita Malfatti (1889-1964) e Di Cavalcanti (1897-1976).

Veja a aula do prof. Rolo e conheça todas as vanguardas europeias:

Agora que você já relembrou Cubismo, que tal testar seus conhecimentos?

1. No início do século XX, em Paris, Pablo Picasso e Georges Braque criaram um novo estilo que mudou a ideia de como se fazer arte. Estamos falando do Cubismo. Quanto a esse movimento, marque uma ÚNICA alternativa FALSA. Os cubistas:

a) romperam com a ideia de arte como imitação da natureza.

b) passaram a valorizar as formas geométricas.

c) acreditam que a cor é o elemento mais importante da obra.

d) reproduziam os objetos e figuras em dezenas de pedaços.

2. (ENEM/2011) O pintor espanhol Pablo Picasso (1881-1973), um dos mais valorizados no mundo artístico, tanto em termos financeiros quanto históricos, criou a obra Guernica em protesto ao ataque aéreo à pequena cidade basca de mesmo nome. A obra, feita para integrar o Salão Internacional de Artes Plásticas de Paris, percorreu toda a Europa, chegando aos EUA e instalando-se no MoMA, onde sairia apenas em 1981. Essa obra cubista apresenta elementos plásticos identificados pelo

a) painel ideográfico, monocromático, que enfoca várias dimensões de um evento, renunciando à realidade, colocando-se em plano frontal ao espectador.

b) horror da guerra de forma fotográfica, com o uso da perspectiva clássica, envolvendo o espectador nesse exemplo brutal de crueldade do ser humano.

c) uso das formas geométricas no mesmo plano, sem emoção e expressão, despreocupado com o volume, a perspectiva e a sensação escultórica.

d) esfacelamento dos objetos abordados na mesma narrativa, minimizando a dor humana a serviço da objetividade, observada pelo uso do claro-escuro.

e) uso de vários ícones que representam personagens fragmentados bidimensionalmente, de forma fotográfica livre de sentimentalismo.

3. (ENEM/2002) O autor da tira utilizou os princípios de composição de um conhecido movimento artístico para representar a necessidade de um mesmo observador aprender a considerar, simultaneamente, diferentes pontos de vista.

cubismo - tirinha

Das obras reproduzidas, todas de autoria do pintor espanhol Pablo Picasso, aquela em cuja composição foi adotado um procedimento semelhante é:

cubismo - exercício

GABARITO:

1-C, 2-A, 3-E