Demografia e estatísticas geográficas

Você já ouviu falar de demografia? Conhece sua importância? Não? Então fique ligado(a) neste post e revise Geografia para o Enem!

A demografia – ou geografia da população – é a ciência que estuda a distribuição da população no espaço e os motivos que levaram essa população a ocupar o espaço de tal forma.

A principal ferramenta da demografia é a estatística, mas mais do que saber o número absoluto de pessoas em uma região, a demografia se preocupa em como e por que essa população está onde está. Para isso é importante estudar os diferentes fenômenos que afetam a população como migrações, boons populacionais, aumentos das taxas de mortalidade.

Demografia e estatísticas

Mas, como falei acima, a estatística é a grande ferramenta dos estudos de população e aqui vamos falar de algumas taxas que são importantes para essa ciência:

População absoluta: essa é uma taxa que diz respeito à quantidade de pessoas que vivem em determinada região, país, continente ou até mesmo no mundo. Aqui podemos falar de lugares populosos que possuem um alto índice de população absoluta.

Densidade demográfica: é a relação entre o número de habitantes e o tamanho da área estudada. É a partir da densidade que surge o conceito de lugares povoados. Lugares povoados possuem uma alta densidade demográfica, ou seja, muitas pessoas em um espaço muito pequeno. Vale lembrar que os conceitos de povoado e populoso não são nem dependentes nem excludentes. Ou seja, podemos ter lugares povoados e populosos ou populosos e pouco povoados ou vice e versa.

Taxa de natalidade: essa taxa representa o número absoluto de nascimentos.

Taxa de fecundidade: é o número que exprime a quantidade de filhos que uma mulher teria no final da vida reprodutiva, sendo 2,1 considerado o número de reposição. Essa taxa é importante para que a manutenção da população seja assegurada. A taxa de fecundidade não pode ser inferior a 2,1 filhos por mulher, pois as duas crianças substituem os pais e a fração 0,1 é necessária para compensar os indivíduos que morrem antes de atingir a idade reprodutiva.

Taxa de mortalidade: diz respeito a quantidade de óbitos ocorridos.

Crescimento vegetativo: é a relação entre a taxa de natalidade e a taxa de mortalidade. Esse número vai nos mostrar a que velocidade a população está crescendo ou diminuindo.

Um outro dado importante é o que diz respeito à população economicamente ativa. Esse dado mostra a população que está em idade de ser empregada nos diferentes setores da sociedade.

A melhor forma de lermos os dados relativos a idade e sexo é a pirâmide etária, onde a população economicamente ativa ficaria no centro da pirâmide, os jovens na base e os idosos no topo. A pirâmide nos ajuda a visualizar os dados de forma fácil e rápida.

A pirâmide ajuda, por exemplo, a perceber se o país passa por uma tendência de envelhecimento da população. Nesse caso, a pirâmide vai apresentar um meio mais largo que a base, como observado na imagem abaixo.

piramide etária demografia
Pirâmide etária de Braga, Portugal. Fonte: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Braga-piramide_etaria.png

 

Essa pirâmide é típica de países desenvolvidos, onde a medicina mais desenvolvida faz com que mais pessoas cheguem a idades avançadas, além da urbanização, controle de natalidade e a entrada quase que total das mulheres no mercado de trabalho, que faz com que as taxas de fecundidade e natalidade sejam reduzidas.

As pirâmides como a de Moçambique, mostrada abaixo, mostram uma distribuição populacional mais saudável do ponto de vista do envelhecimento da população. Podemos notar que haverá uma boa reposição populacional mantendo assim um número razoável de pessoas em idade de trabalhar em um futuro próximo.

demografia moçambique
Pirâmide etária de Moçambique. Fonte: http://cultura.culturamix.com/blog/wp-content/gallery/piramides-etarias-2/piramidemonc.jpg

 

Essa pirâmide é típica de países em desenvolvimento e indicam uma população pouco urbana, com uma medicina pouco desenvolvida e com uma menor presença de mulheres no mercado de trabalho.

Agora você deve estar se perguntando qual a relação entre urbanização e a presença das mulheres no mercado de trabalho com o número de crianças nascidas em uma região. Certo?

Urbanização

Vamos começar com a urbanização. As sociedades agrárias favorecem o aparecimento de um número maior de filhos. Isso porque os pais têm a capacidade de produzir o sustento sem ter grandes gastos. Além disso, um número maior de filhos significa mais mão de obra para trabalhar na roça.

O maior número de mulheres no mercado de trabalho faz com que essas mulheres não dependam mais economicamente de homens para a manutenção de seu sustento, fazendo com que a mulher tenha um maior controle sobre sua reprodução.

Somado a isso temos o fato de que mulheres que trabalham tendem a casar mais tarde e a começar a ter filhos mais tarde na sua vida. Isso faz com que seu tempo reprodutivo seja menor do que das mulheres que vivem em sociedades onde essa parte da população tem menor acesso ao mercado de trabalho.

Atenção: Não se esqueça de que a entrada em massa das mulheres no mercado de trabalho no ocidente se dá a partir da segunda guerra mundial. A partir desse momento as mulheres vêm aumentando cada vez mais sua contribuição para a economia mundial.

Migração

As migrações são fenômenos que têm um grande potencial de alterar a demografia de um lugar, devido tanto ao afluxo de imigrantes quando de emigrantes. Um bom exemplo disso são os últimos movimentos migratórios com origem em países pouco desenvolvidos com destino a países desenvolvidos.

Esses movimentos, apesar de serem vistos com desconfiança pelos países desenvolvidos, podem trazer muitos benefícios para os mesmos. Temos como exemplo o enriquecimento cultural e principalmente o rejuvenescimento da população.

Lembre-se de que os países desenvolvidos, como dito acima, têm passado por um processo de envelhecimento que vai trazer consequências para o futuro com a diminuição da população economicamente ativa e as dificuldades de pagamento da previdência dos mais velhos.

Para finalizar a sua revisão sobre demografia, veja as videoaulas a seguir:

Bibliografia:

http://sedis.ufrn.br/bibliotecadigital/site/pdf/geografia/geo_pop_Livro_Iva_WEB.pdf

Costa, José Eloísio da. Geografia da População. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, CESAD, 2009.

Sobre o(a) autor(a):

O texto acima foi preparado pelo professor João Garcia Neto para o Blog do Enem. João é graduado em Geografia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) e professor de Geografia em escolas da Grande Florianópolis desde 2012. E-mail para contato: [email protected]