Do Geocentrismo ao Heliocentrismo

As teorias filosóficas da antiguidade influenciaram bastante o pensamento Ocidental. Venha descobrir como esse conteúdo do ENEM foi importante para a humanidade.

Oriunda da Grécia há mais de dois mil anos, a Filosofia alterou os paradigmas desse mundão por incontáveis vezes. Coisas que eram antes reconhecidas como verdade foram abaladas pela força destruidora dos argumentos filosóficos. Nessa aula, vamos estudar as contribuições filosóficas do Geocentrismo ao Heliocentrismo.

Os filósofos e o formato da Terra

O filosofo grego Pitágoras, por exemplo, foi quem derrubou a ideia – que na época não era cretina – da Terra ser plana. Já no século VI a.C. o cara implantou o paradigma da Terra esférica, que perdura por anos.

Naquela época a ideia da Terra esférica, proposta por Pitágoras, foi embasada em evidências empíricas. Isto é, Pitágoras ficou observando o céu e  o ambiente ao seu redor tentando achar padrões. Foi assim que, a partir de Pitágoras, tornou-se possível determinar com um certo grau de certeza que a Terra era esférica.

Em seguida, corroborando com ele, veio Aristóteles, um dos mais proeminentes filósofos da história. Assim como Pitágoras, ele dedicou seu tempo na investigação sobre o formato da Terra. Preocupado com a ideia de Homero, que afirmara que a Terra era uma espécie de disco plano, Aristóteles se debruçou sobre os trabalhos de Pitágoras. Com isso, consolidou, através de experimentos empíricos, a noção de Terra Esférica.

modelo de homero - do geocentrismo ao heliocentrismo
Figura 1. O modelo homérico data do século X a.C. foi superado pelo modelo de Pitágoras que se consolidou com o modelo de Aristóteles no século V a.C.

Ao contrário do argumento de Homero, o argumento Aristotélico se deu pelo uso de uma observação empírica e da formulação de experiências para demostrar o que foi observado.

Os experimentos que comprovaram o formato da Terra

Ademais, no que se refere ao formato da Terra, foi o filósofo Eratóstenes quem provou empiricamente as ideias de Aristóteles. O cara leu as obras aristotélicas e decidiu prová-las de maneira matemática. Partindo de uma ideia bastante simples – e diga-se de passagem genial – Eratóstenes colocou postes de madeira em diferentes regiões da Grécia e mediu suas sombras.

Como os valores das medições – feitas com certo rigor – foram diferentes, a sacada de Eratóstenes foi que isso só seria possível se a Terra tivesse uma curvatura. Não obstante, o cara foi além e com base dos ângulos das medições ele mediu a circunferência da Terra! Um feito muito impressionante.

Geocentrismo

Retomando as teorias de Aristóteles, outra proposta que perdurou por bastante tempo foi o Geocentrismo. Segundo este modelo cosmológico, a Terra estaria parada no centro do universo e os demais corpos celestes (Sol, Lua, Planetas, demais astros) estariam girando ao seu redor.

Todavia, foi um sujeito chamado Ptolomeu quem apresentou a versão mais lapidada – e mais aceita – do Geocentrismo em sua grande síntese conhecida como “Almagesto”.

Nesse trabalho, Ptolomeu defendia que os planetas moviam-se em círculos, semelhante ao conceito de órbitas, girando em torno da Terra. Além disso, existia uma ordem desses círculos. Partindo da Terra, viriam a Lua, Mercúrio, Vênus, Sol, Marte, Júpiter, Saturno.

geocentrismo
Figura 2. O modelo acima ilustra a ideia do Geocentrismo, com a Terra ao centro e os demais planetas a circulando em “Órbitas”.

Com isso, o Geocentrismo foi adotado pela Igreja durante a Idade Média. Isso porque haviam passagens bíblicas que supostamente a justificavam.

Em contrapartida, os filósofos da época, aqueles que fizeram parte da Patrística e da Escolástica, tiveram que contornar esse episódio do Geocentrismo ser considerado um dogma. Isto é, algo que não poderia ser contrariado.

Aliás, se você se interessa por esse conflito entre a igreja do Ocidente os pensadores que se contorciam para continuar suas pesquisas, se liga no post que a gente tem sobre o assunto: Razão e Fé.

Heliocentrismo

A “treta” entre a religião e a Filosofia se acirrou ainda mais quando as teorias de um sujeito chamado Aristarco de Samos foram trazidas à tona após 1800 anos da sua elaboração. Em seguida, um novo modelo proposto a partir das ideias de Aristarco fora elaborado por um polonês chamado Nicolau Copérnico.

Esse modelo propunha que os astros se moviam ao redor do Sol em detrimento do modelo anterior em que a Terra era o centro das coisas. Ora, a palavra grega para Sol é Hélios, portanto o modelo ficou conhecido como Heliocentrismo, ou seja, o Sol no centro.

Depois, o astrônomo Johannes Keppler aperfeiçoou o modelo ao criar as chamadas leis de Kepler. Elas são usadas para descrever os movimentos dos planetas do sistema solar a partir de modelos heliocêntricos.

O bacana foi que as teorias de Keppler eram empíricas. Isto é, para confirmar seus modelos, o astrônomo fez uso de métodos que possibilitaram o teste e a generalização das leis de Keppler.

do geocentrismo ao heliocentrismo - tirinha
Figura 3. Foi bastante complicado, durante a Idade Média, colocar a certeza acima da dúvida para aqueles cuja ocupação se baseava em duvidar das coisas, os filósofos.

Heranças Filosóficas: do Geocentrismo ao Heliocentrismo

O Heliocentrismo teve uma grande repercussão, sendo destaque através do Ocidente. Isso levou a igreja a iniciar um debate para contestar as ideias de Copérnico. Todavia, não se engane,: nada disso foi feito visando um debate filosófico que buscava a verdade ou o aperfeiçoamento dos conhecimentos astronômicos.

O motivo por trás desse confronto de ideias – Heliocentrismo X Geocentrismo – era político. A igreja não poderia admitir que uma ideia dogmática pudesse ser contestada por um simples polonês. Dentro do discurso religioso, isso abriria precedente para a contestação de diversas outras “paradas” que sustentavam as bases da religião cristã.

Claro que do ponto de vista do universo, toda essa discussão não fazia o menor sentido, pois ele continua a ser o mesmo, quer você ache que a Terra ou Sol é seu centro. Entretanto, retirar a Terra do centro do universo consiste em admitir que o discurso científico é o verdadeiro e, como consequência, as explicações religiosas são uma falácia.

Embora o modelo atual (século XXI) seja bastante diferente de ambos, para a história do pensamento o conflito entre o Heliocentrismo e o Geocentrismo foi bastante importante. Isso porque inaugurou o renascimento da Ciência e dos ideais filosóficos de outrora. Assim, a Filosofia mudava seu foco de uma “parada” teológica (deus como tema) para algo mais focado nas pessoas, isto é, um “rolê” mais humanista.

do geocentrismo ao heliocentrismo - tirinha 2
Figura 4. O documento do Santo Ofício de 1616 dizia “que o Sol seja o centro do mundo e imóvel de movimento local é proposição absurda e falsa em Filosofia, e formalmente herética por ser expressamente contrária à Sagrada Escritura”.

As contribuições filosóficas, do Geocentrismo ao Heliocentrismo, no desenvolvimento do pensamento ocidental

Por fim, é importante entendermos o processo pelo qual se desenvolveu o pensamento ocidental para que possamos nos orientar em relação ao nosso futuro. As contribuições filosóficas que dão início à revolução que tomou corpo na Europa durante o Renascimento ocorreram a partir de ideias vindas da Antiguidade.

Ainda que o debate envolvendo o Heliocentrismo e o Geocentrismo seja só uma das múltiplas formas em que a Filosofia do Renascimento se manifestou, os ideais empregados nesse debate são comuns a todo o pensamento revolucionário da época.

Para finalizar esta aula sobre as contribuições filosóficas do Geocentrismo ao Heliocentrismo, veja esse vídeo muito bacana do canal “Um sábado qualquer”:
Agora, resolva os seguintes exercícios sobre as contribuições filosóficas do Geocentrismo ao Heliocentrismo que separei para você:
01. (Udesc) Analise as proposições a seguir sobre as principais características dos modelos de sistemas astronômicos.

I. Sistema dos gregos: a Terra, os planetas, o Sol e as estrelas estavam incrustados em esferas que giravam em torno da Lua.

II. Ptolomeu supunha que a Terra encontrava-se no centro do Universo e os planetas moviam-se em círculos, cujos centros giravam em torno da Terra.

III. Copérnico defendia a ideia de que o Sol estava em repouso no centro do sistema e que os planetas (inclusive a Terra) giravam em torno dele em órbitas circulares.

IV. Kepler defendia a ideia de que os planetas giravam em torno do Sol, descrevendo trajetórias elípticas, e o Sol estava situado em um dos focos dessas elipses.

Assinale a alternativa correta.

a) Somente as afirmativas I e IV são verdadeiras.

b) Somente a afirmativa II é verdadeira.

c) Somente as afirmativas II, III e IV são verdadeiras.

d) Somente as afirmativas III e IV são verdadeiras.

e) Somente as afirmativas II e III são verdadeiras.

02. Marque a alternativa correta a respeito do modelo astronômico proposto por Cláudio Ptolomeu.

a) O modelo ptolomaico propunha que o Sol girava ao redor da Terra e todos os outros planetas giravam ao redor do Sol.

b) Nicolau Copérnico no século XVI propôs que a Terra era o centro do sistema planetário, proposta que era contrária à de Ptolomeu.

c) O sistema planetário proposto por Ptolomeu trazia a ideia de que a Terra era o centro do Universo e os demais astros giravam ao seu redor.

d) A proposta de Ptolomeu era a de um universo simples, por isso, o Sol deveria ser o centro e os demais planetas girariam ao seu redor.

e) O modelo planetário proposto por Ptolomeu não foi aceito por muito tempo porque confrontava as ideias da Igreja.

03. (ENEM 2009) Na linha de uma tradição antiga, o astrônomo grego Ptolomeu (100-170 d.C.) afirmou a tese do geocentrismo, segundo a qual a Terra seria o centro do universo, sendo que o Sol, a Lua e os planetas girariam em seu redor em órbitas circulares. A teoria de Ptolomeu resolvia de modo razoável os problemas astronômicos da sua época. Vários séculos mais tarde, o clérigo e astrônomo polonês Nicolau Copérnico (1473-1543), ao encontrar inexatidões na teoria de Ptolomeu, formulou a teoria do heliocentrismo, segundo a qual o Sol deveria ser considerado o centro do universo, com a Terra, a Lua e os planetas girando circularmente em torno dele. Por fim, o astrônomo e matemático alemão Johannes Kepler (1571-1630), depois de estudar o planeta Marte por cerca de trinta anos, verificou que a sua órbita é elíptica. Esse resultado generalizou-se para os demais planetas. A respeito dos estudiosos citados no texto, é correto afirmar que

a) Ptolomeu apresentou as ideias mais valiosas, por serem mais antigas e tradicionais.

b) Copérnico desenvolveu a teoria do heliocentrismo inspirado no contexto político do Rei Sol

c) Copérnico viveu em uma época em que a pesquisa científica era livre e amplamente incentivada pelas autoridades

d) Kepler estudou o planeta Marte para atender às necessidades de expansão econômica e científica da Alemanha

e) Kepler apresentou uma teoria científica que, graças aos métodos aplicados, pôde ser testada e generalizada

Gabarito: 1. C; 2. C; 3. E.

Sobre o(a) autor(a):

Os textos e exemplos acima foram preparados pelo professor Ernani Silva para o Blog do Enem. Ernani é formado em Filosofia pela Universidade Estadual Paulista. Ministra aulas de Filosofia em escolas da Grande Florianópolis. Facebook: https://www.facebook.com/ErnaniJrSilva

Compartilhe: