As grandes navegações: principais viagens portuguesas e espanholas

Cinco séculos antes de explorar outros planetas, os seres humanos se lançavam no desconhecido Oceano Atlântico. Entenda as motivações para esta empreitada nesta aula de História para o Enem, vestibulares e ensino médio!

Antes de entendermos um pouco mais sobre as Grandes Navegações, se faz necessário um exercício de contextualização. A quem interessava navegar por mares temidos e, até então, desconhecidos? Quem eram os sujeitos destas viagens? Que propósitos estas incursões vislumbravam?

Quais os custos, condições e consequências de uma empreitada desta magnitude? Essas questões buscam entender quais as necessidades, interesses e mentalidades que moveram europeus a navegar pelo Mar Tenebroso (Oceano Atlântico).

mar tenebroso - grandes navegações
Figura 1: Antes das grandes navegações inmaginava-se que o mar era habitado por criaturas monstruosas. Por isso, o Oceano Atlântico era chamado de “Mar Tenebroso”. Gravura
de Sebastian Münster, século XVI.

Navegar é preciso, mas por quê?

Imaginemos uma Europa totalmente distinta da que conhecemos hoje, uma Europa de mais de cinco séculos atrás. As nações muçulmanas ocupavam a Península Ibérica e muitas divisas territoriais ainda eram baseadas no direito feudal.

A nobreza detinha privilégios políticos, a Igreja Católica era a religião soberana no Ocidente e nem sequer havia indústrias. Porém, este não era um cenário consolidado. Transformações políticas, econômicas e culturais vinham manifestando a passagem da Idade Média para a Modernidade.

Neste texto, nosso foco será sobre a Península Ibérica, pois ao falar sobre as Grandes Navegações estamos nos referindo a Portugal e Espanha. Esses dois países foram os pioneiros na exploração de novas terras através do Oceano Atlântico.

O pioneirismo de Portugal e da Espanha

Dois fatores básicos permitiram que as coroas portuguesa e espanhola se lançassem antes de qualquer outra nação às expedições ultramarinas. O primeiro foi sua localização geográfica e o segundo foi a constituição de governos absolutistas em seu território.

O fato de aquelas nações se localizarem justamente na “porta de entrada” do Oceano Atlântico facilitava o investimento na exploração náutica. Porém, foi com a consolidação do poder absoluto que esses reinos expulsaram a presença árabe da península e ampliaram seus domínios.

Portugal passou a dominar o oeste da península e, posteriormente, a Espanha surgiu da unificação dos reinos de Castela, Navarra e Aragão.

Mas o que fez com que estes governos, em aliança com suas respectivas burguesias, investissem em expedições náuticas no Atlântico? A resposta se baseia na mentalidade mercantilista. A competição pela acumulação de metais preciosos ascendia cada vez mais.

O renascimento urbano e comercial e a prática do escambo aumentavam a necessidade do uso de moedas feitas a partir de metais preciosos. Porém, estes estavam cada vez mais escassos na Europa.

Para agravar ainda mais o problema, as rotas comerciais do Oriente pelo Mar Mediterrâneo tornaram-se reduzidas devido à conquista de Constantinopla pelos Turcos Otomanos. Apenas os reinos da Península Itálica mantiveram o comércio com os muçulmanos, criando um monopólio das especiarias orientais.

Era necessário encontrar um outro caminho para as Índias, para o Oriente. Assim, o Atlântico surgia como uma nova oportunidade.

noz moscada
Figura 2: Noz moscada, especiaria oriental. Além de serem utilizadas como tempero, eram usadas na fabricação de remédios naquele período. Eram produtos muito caros por causa de sua difícil obtenção.

A experiência portuguesa nas grandes navegações

Portugal tem suas origens no século XII, em meio à Guerra de Reconquista contra os muçulmanos. Porém, o absolutismo só foi consolidado no século XIV com a Revolução de Avis.

A partir de então, os lusitanos passaram a reunir os pré-requisitos necessários para explorar novos território: a autoridade do rei e os recursos financeiros da burguesia. Ambos estavam interessados em encontrar novas rotas comerciais para o Oriente a fim de aumentar suas riquezas.

O imaginário português também foi afetado. Se antes o desconhecido oceano era habitado por terríveis monstros, agora passou a ser também sinônimo de oportunidades e riquezas.

Tendo sido o primeiro reino a expulsar os muçulmanos e consolidar um governo absolutista, Portugal iniciou as navegações pelo Atlântico no século XV. Esta vantagem lhe garantiu o privilégio de criar uma rota através da costa ocidental da África.

portugueses na costa africana - grandes navegações
Figura 3: Mapa das expedições portuguesas na costa da África.

Assim, os lusitanos dão início ao chamado Périplo Africano. Ao longo do caminho, os navegadores atracavam em diversos pontos do litoral e estabeleciam feitorias. Elas eram entrepostos comerciais para abastecer as embarcações que ali passavam.

Navegadores portugueses

Por mais que as caravelas necessitassem de diversas pessoas para navegar, apenas os nomes dos principais comandantes das grandes navegações são lembrados. Destacamos aqui, entre as expedições portuguesas, os nomes de Bartolomeu Dias, Vasco da Gama e Pedro Álvares Cabral (ou Gouveia).

Bartolomeu Dias entrou para a história após liderar sua tripulação na travessia do temido Cabo das Tormentas, no extremo sul do continente africano. A região, próxima de onde hoje se situa a Cidade do Cabo, era temida pelas tripulações das embarcações que ali passavam por causa da possibilidade de naufrágios.

Após conseguir superar uma tempestade naquela região, perceberam ter atravessado o cabo, mas a pedido dos tripulantes, a expedição retornou para Portugal. Lá, informando a proeza ao rei D. João II, a região foi rebatizada de Cabo da Boa Esperança.

cabo da boa esperança - grandes navegações
Figura 4: Cabo da Boa Esperança, África do Sul. Disponível em <encurtador.com.br/xBGPW>.

Dando continuidade à busca pelo caminho para o Oriente, Vasco da Gama liderou a chegada dos portugueses à Calicute, nas Índias. Lá, ele e seus subordinados deram início ao estabelecimento de relações comerciais com as lideranças nativas. Assim, romperam o monopólio comercial das cidades italianas no Mediterrâneo.

Completando a tríade dos mais reconhecidos navegadores portugueses, está Pedro Álvares Gouveia (o sobrenome Cabral teria sido adotado apenas após a morte de seu irmão mais velho, o que ocorreu após sua chegada à América).

Ele ficou conhecido por liderar a esquadra que atingiu Pindorama, que hoje chamamos de Brasil, no dia 22 de abril de 1500. Após estabelecer contato com os nativos na atual cidade de Porto Seguro, Pedro Álvares Gouveia teria seguido viagem para as Índias. Se o propósito de sua viagem era atingir um novo continente ou chegar às Índias ainda é uma controvérsia entre historiadores.

A experiência espanhola

O início das grandes navegações espanholas é posterior às expedições portuguesas. Foi com o casamento de Isabel de Castela e Fernando de Aragão que a unificação do território espanhol se completou. A partir desse momento,  e a expulsão muçulmana da Península Ibérica foi fortalecida.

O casal real, então, reuniu esforços para financiar a exploração do navegador genovês Cristóvão Colombo. Com base na crença da esfericidade da Terra, Colombo já tinha tido propostas de navegação recusadas pela coroa portuguesa.

colombo - grandes navegações
Figura 5: Cristóvão Colombo se despedindo de Isabel e Fenando, reis da Espanha. Gravura “Cristóvão Colombo partindo para sua primeira viagem”, de Victor A. Searles, 1892.

Foi com o financiamento da coroa espanhola que ele partiu em busca de uma nova rota para as Índias navegando em direção ao Oeste. No dia 12 de Outubro de 1492, Colombo, liderando as naus Pinta, Maria e Nina, atingiu a região São Salvador, no Caribe.

Apesar do feito, Colombo acreditou ter cruzado o globo e atingido as Índias. É por esse motivo que os nativos deste continente passaram a ser chamados de índios. Colombo realizou quatro viagens entre a Europa e o novo continente, sempre acreditando ter chegado às Índias.

Novas expedições

Foi apenas com outro navegador italiano, Américo Vespúcio, que se oficializou a chegada em outro continente, que foi nomeado como “América” em sua homenagem.

Além de Colombo, Fernão de Magalhães entrou para a história das navegações espanholas. O navegador era português, mas trabalhava em favor da coroa espanhola. Ele foi o primeiro a liderar a travessia do Oceano Atlântico para o Pacífico pelo sul da atual Argentina.

A região onde foi realizada essa travessia ficou conhecida como Estreito de Magalhães. Em 1521, Fernão de Magalhães foi morto na região da atual Filipinas por nativos que lá habitavam. Juan Sebastian Elcano concluiu o retorno para a Espanha, completando a expedição de Magalhães e realizando a primeira circum-navegação do globo terrestre. Foi comprovada então, a esfericidade da Terra.

Para finalizar sua revisão e reforçar o conteúdo de grandes navegações, veja esta videoaula do professor Felipe para o nosso canal no YouTube:

Exercícios sobre as grandes navegações:

1 – (FATEC SP)

O idioma árabe exerceu forte influência na língua portuguesa que, desse idioma, incorporou palavras como alambique, álcool, alface, açúcar, arroz, álgebra e azeitona, entre outras.

Assinale a alternativa correta sobre os contatos entre árabes e portugueses que possibilitaram essa influência.

a) No início do século XXI, a eclosão da Primavera Árabe possibilitou o estreitamento dos laços entre os países muçulmanos e Portugal que, ao receber refugiados desses países, sofreu forte influência em seu idioma e hábitos alimentares.

b) A partir do século XX, o advento das Grandes Navegações possibilitou o contato da Europa com regiões até então desconhecidas, como o Oriente Médio, cuja sofisticação cultural influenciou os hábitos e costumes da elite letrada de Portugal.

c) Em meados do século XVI, durante a Conferência de Berlim, as potências europeias partilharam os territórios do Oriente Médio e, ali, Portugal estabeleceu intercâmbios comerciais, culturais e linguísticos com as populações de origem árabe.

d) No final do século XII, fugindo da perseguição religiosa islâmica exercida pelo Império Turco, árabes cristãos migraram para Portugal e lá influenciaram a língua portuguesa com a introdução de cantigas tradicionais e histórias folclóricas.

e) A partir do século VIII, populações de língua árabe se estabeleceram na Península Ibérica como resultado da expansão e conquista islâmicas, e sua influência se tornou visível na arquitetura, na arte, na medicina e na ciência ibéricas, marcando, também, a formação da língua portuguesa.

2 – (Famerp SP)

A base comum das ideias mercantilistas consiste na atuação de dois novos fatores: os Estados modernos nacionais, ou seja, as monarquias absolutas, e os efeitos de toda ordem provocados pelas grandes navegações e descobrimentos sobre a vida das sociedades europeias.

(Francisco Falcon. Mercantilismo e transição, 1986. Adaptado.)

Os dois fatores mencionados no texto expressam-se, respectivamente,

a) no intervencionismo econômico dos Estados modernos e no aumento dos metais nobres entesourados.

b) na redução significativa do comércio interno europeu e na colonização da América e da África.

c) no desenvolvimento de teorias voltadas à defesa do livre comércio e na política de degredo de encarcerados.

d) na difusão das ideias sociais libertárias e no aperfeiçoamento dos instrumentos e das técnicas de navegação.

e) no controle político burguês dos Estados modernos e no surgimento de órgãos regradores do comércio internacional.

3 – (FGV)

Nas vésperas dos Descobrimentos e no próprio momento das viagens de Colombo, de Vasco da Gama e de Vespúcio, nenhuma das cinco representações da Terra descritas por Crates, Aristóteles, Parmênides (as zonas), Lactâncio e Ptolomeu parece prevalecer. Embora elas nos apareçam como absolutamente incompatíveis, as quatro primeiras tendem, com efeito, a conjugar-se para preservar o paradigma medieval de uma ecúmena plana, colocada sobre uma esfera “cosmográfica”.

RANDLES, RW.G.L Da Terra Plana ao Globo Terrestre. Uma rápida mutação epistemológica

(1450-1520). Lisboa: Gradiva, 1990, p. 35.

ecúmena: área da Terra habitada pelos seres humanos.

Acerca das concepções sobre a Terra e da expansão marítima Europeia afirma-se:

I. À época dos Descobrimentos, não havia nenhuma teoria acerca da esfericidade da Terra, o que reforçava a posição de setores religiosos que ainda sustentavam o mito bíblico da Terra Plana.

II. A viagem de circum-navegação realizada por Fernão de Magalhães, entre 1519 e 1522, tornou-se um marco na História mundial por ter comprovado a tese da esfericidade da Terra.

III. As lendas acerca da existência de monstros e de seres fantásticos que habitariam os mares e terras desconhecidos faziam parte do imaginário europeu à época dos Descobrimentos.

Está correto o que se afirma em

a) I e III, apenas.

b) I, II e III.

c) II, apenas.

d) II e III, apenas.

e) I e II, apenas.

1- Gab: E

2- Gab: A

3- Gab: D

Sobre o(a) autor(a):

Os textos acima foram preparados pelo professor Angelo Antônio de Aguiar. Angelo é graduado em história pela Universidade Federal de Santa Catarina, mestrando em ensino de história na mesma instituição e dá aulas de história na Grande Florianópolis desde 2016.