Guerra dos Sete Anos e a revolta dos colonos norte-americanos

A Guerra dos Sete Anos foi uma série de conflitos entre 1756 e 1763, envolvendo monarquias nacionais europeias por conta do controle de exploração colonial.

Que os EUA surgiram da independência das 13 Colônias Britânicas você já deve saber. Mas, você sabe explicar como a França está envolvida nesta história? Mergulhe nesta aula conosco e descubra! Este texto tem um enfoque maior na Guerra dos Sete Anos e suas consequências para a Inglaterra.

Recomendamos que, para um melhor aproveitamento da leitura, confiram as aulas sobre “A independência dos Estados Unidos” e “As 13 colônias britânicas

Contexto da Guerra dos Sete Anos

A História é a disciplina do contexto. Nesse sentido, é sempre necessário, no estudo de um processo histórico, saber quem estava envolvido, onde e quando ocorreu e por quais motivos. Do contrário não é possível entender muita coisa. O contexto deste tema é o da América colonial em meados do século XVIII.

Devemos nos lembrar que neste período da história os reinos europeus eram em sua maioria monarquias mercantilistas. Ou seja, o poder daqueles reinos era muito centralizado e havia uma grande disputa por mercados e acumulação de riqueza.

A Inglaterra já vivia em uma monarquia parlamentar, mas isso não significava dizer que sua competitividade por recursos era menor. Pelo contrário, a Grã Bretanha entrou naquele momento em um crescimento econômico sem precedentes, que ficou conhecida como Revolução Industrial.

No outro lado do Atlântico, vastos territórios eram explorados e disputados entre aquelas nações europeias, através de seus colonos, e diferentes grupos indígenas. Portugal, Espanha, França, Inglaterra e Holanda eram os principais concorrentes por riquezas, mercado e terras neste período.

Assim, conflitos entre estas nações por mais espaço para agropecuária, controle de rios e jazidas de mineiros não eram raros. Nesse sentido, a guerra dos Sete Anos foi um destes conflitos.

A Independência dos EUA está muito atrelada a Guerra dos Sete Anos. Relembre um pouco deste processo com este vídeo do canal Nerdologia:

mapa contexto da guerra dos sete anos
Figura 1: Mapa mostrando os domínios franceses, ingleses e indígenas durante o período colonial. Imagem disponível em < https://bityli.com/iE4OQ>, acessada em 25 de maio de 2020.

Alianças e disputas

A maior parte do território que hoje pertence aos EUA era, em meados do século XVIII, dominada pela Espanha e pela França. A Lousiana (observe que Louis remete à Luiz XIV, o Rei Sol), vendida aos norte-americanos por Napoleão só em 1803, correspondia a praticamente um terço do atual país.

Além disso, os franceses também controlavam terras mais ao norte, que correspondem ao território do atual Canadá. Dessa maneira, eles mantinham acordos comerciais com os indígenas e tinham controle sobre rios importantes, como o rio São Lourenço e o Mississippi.

Apesar disso, os franceses estavam em grande desvantagem numérica em relação aos britânicos. Controlar os domínios franceses na América do Norte era com certeza algo muito interessante para um adversário como a Inglaterra.

Além de enfraquecer um forte concorrente do mercado europeu, os britânicos passariam a controlar os domínios de seu adversário. Além disso, vale lembrar que franceses e ingleses já acumulavam desavenças desde a Idade Média, quando lutaram na Guerra dos Cem Anos.

O que foi a Guerra dos Sete anos (1756-1753)

A Guerra dos Sete anos se inicia por conta da disputa daquelas duas nações pela região do Vale do rio Ohio. O Ohio desembocava no Mississippi, portanto seu valor era tanto estratégico quanto territorial. Além disso, a Guerra ainda contou com a participação dos indígenas iroqueses ajudando cada um dos lados.

O conflito não foi resolvido rapidamente e necessitou de grandes investimentos de cada uma das metrópoles envolvidas. O próprio George Washington, futuro general e primeiro presidente norte-americano chegou a ser prisioneiro dos franceses no conflito.

Contudo, a França levou a pior e acabou tendo que ceder os territórios onde hoje se encontra o Canadá. No processo de sua derrota destaca-se William Pitt, político inglês, que liderou os ingleses. Seu plano de atacar diferentes domínios franceses na América, na África e até na Europa traria a vitória britânica, todavia, com um alto custo. O nome da atual cidade de Pittsburgh vem de William Pitt.

As consequências da guerra

Guerras são sempre caras de manter e quem paga a conta, com recursos e com a própria vida, são as populações envolvidas. De cada lado do campo de batalha estavam soldados enviados da metrópole e colonos. Estes últimos não só pegaram em armas, como também subsidiaram a guerra com impostos.

Apesar disso, nem sempre os acordos de paz ao término dos conflitos traziam benefícios aos colonos, que muitas vezes tinham que abandonar terras pelas quais arriscaram suas vidas.

ilustração guerra dos sete anos
Figura 2: Gravura em favor da união das 13 colônias. Na ilustração uma serpente aparece cortada em diversos pedaços, representando as colônias. Em baixo está escrito “Join, or die”, que significa “junte-se ou morra”. Imagem retirada do livro História dos Estados Unidos. KARNAL, Leandro … [et al.]. História dos Estados Unidos: das origens ao século XXI. São Paulo: Contexto, 2007, pp 73.
Na França, uma crise econômica passou a assolar a população camponesa que já convivia com a fome. Além disso, nas 13 colônias britânicas, além do aumento dos impostos, a maior presença dos soldados ingleses não agradava os colonos.

Até então eles sofriam menos com a intervenção da metrópole em comparação com as colônias latinas, mas a partir daquele momento isto iria se alterar cada vez mais.

Já desde antes da Guerra dos Sete Anos o governo britânico via com desconfiança a organização dos colonos. Já em 1754, Benjamin Franklin teria proposto a união das colônias em uma conferência ocorrida em Albany. Também é importante lembrar que nas colônias do norte, mais inclinadas à independência, o mercado interno era mais desenvolvido que as colônias do sul.

As Leis Intoleráveis

Dessa forma, os colonos tinham muitas razões para se rebelar contra os ingleses, assim como o próprio governo inglês tinha muitas razões para querer aumentar seu controle sobre aquelas populações. Com as leis intoleráveis que aumentaram os impostos, limitaram o comércio e aumentaram a presença militar nas colônias, o cenário se agravou.

Ao fim do II Congresso Continental, na Filadélfia, os colonos apresentam a sua Declaração de Independência. Logo inicia-se o processo de emancipação das 13 colônias britânicas.

Por fim, veja o vídeo sobre o tema e resolva os exercícios para continuar estudando!

Resumo Guerra dos Sete Anos
Exercícios
Questão 01 – (UEM PR)

Sobre a colonização inglesa da América do Norte, assinale o que for correto.

01) Ao contrário do que ocorreu na América Espanhola, não foi o Estado o articulador da colonização inglesa da América do Norte. No caso inglês, a colonização ficou a cargo de particulares e de Companhias de Comércio.

02) O processo de cercamentos de terras e a expropriação dos camponeses e as perseguições religiosas e políticas foram fatores que contribuíram decisivamente para que os ingleses se dispusessem a vir para a América.

04) Ao contrário do que ocorreu na colonização portuguesa, a Inglaterra não utilizou o trabalho dos escravos na colonização da América.

08) A região das treze colônias da Inglaterra era, originalmente, ocupada pelos Iroqueses e pelos Algonquianos. Esses grupos indígenas foram respeitados pelos europeus e integraram–se à colonização. Os choques entre brancos e índios somente ocorreram posteriormente, com a chamada “marcha para o oeste” que levou à interiorização da colonização.

16) Entre as milhares de pessoas que chegaram às colônias inglesas da América do Norte, até meados do século XVIII, um grande número era de “servos por contrato”, ou seja, eram imigrantes europeus que pagavam as despesas de viagem com um período de trabalho não–remunerado obrigatório, na colônia.

Gab: 19

Questão 02 – (FM Petrópolis RJ)

A Guerra dos Sete Anos, iniciada em 1756, foi um confronto direto entre Inglaterra e França, devido à disputa pela posse do Vale do Ohio e, posteriormente, por outras áreas geográficas importantes para a configuração territorial do que se tornaria os Estados Unidos da América. A paz foi selada, em 1763, pelo Tratado de Paris, mediante uma série de disposições.

Uma das disposições pertinentes a esse tratado de paz foi a

a) entrega espanhola da Flórida para ingleses e franceses

b) entrega aos ingleses do Haiti e da Martinica, nas Antilhas

c) desistência francesa de fortificar seus entrepostos na Índia

d) retomada francesa do controle da região da Luisiânia

e) cessão do Canadá ao domínio político da Inglaterra

Gab: E

Questão 03 – (PUC RS)

Dentre os fatores que condicionaram a eclosão do processo revolucionário na França, em 1789, NÃO é correto apontar

a) a inflação produzida pelas dificuldades crônicas do Tesouro Público francês.

b) a crise agrícola, que produzia desabastecimento e carestia.

c) a perda de colônias e rotas de comércio, determinada pela derrota francesa na Guerra dos Sete Anos.

d) os privilégios legais e tributários previstos pelo ordenamento jurídico do Estado Absolutista.

e) a perda da Luisiana, em função da derrota militar francesa na guerra de independência dos Estados Unidos.

Gab: E

Sobre o(a) autor(a):

Os textos acima foram preparados pelo professor Angelo Antônio de Aguiar. Angelo é graduado em história pela Universidade Federal de Santa Catarina, mestrando em ensino de história na mesma instituição e dá aulas de história na Grande Florianópolis desde 2016.

Compartilhe: