Karl Marx: consciência de classe e crítica ao capitalismo

Entenda como Karl Marx contribuiu para a compreensão do sistema capitalista e como seu pensamento influenciou os movimentos sociais do século XX.

Karl Marx buscou compreender a gênese do capitalismo industrial e a condição social dos trabalhadores nos países europeus no final do século XIX. Junto com Friedrich Engels, formulou a principal crítica científica ao sistema capitalista, de grande importância para os campos da sociologia, história, filosofia, economia e ciência política.

O pensamento de Karl Marx influenciou grande parte dos movimentos políticos do século XX. Assim, o marxismo se tornou ao mesmo tempo uma importante teoria da sociedade moderna e uma influente doutrina para movimentos sociais de contestação ao capitalismo e de promoção do comunismo ou do socialismo.

As principais obras de Marx são O Capital e o Manifesto Comunista, este escrito em parceria com Engels. Além dos livros mais conhecidos, Marx também escreveu outras obras de destaque para a sociologia e a ciência política, tais como O 18 Brumário de Luís Bonaparte e Contribuição à crítica da economia política.

O método do materialismo histórico

O ponto de partida do pensamento de Marx é o desenvolvimento histórico dos meios materiais de produção e reprodução das sociedades. Por isso, o seu método é conhecido como materialismo histórico, em oposição ao idealismo da filosofia alemã (que concebia a realidade como resultado do pensamento dos indivíduos).

Do ponto de vista do materialismo histórico marxista, o motor da história é a dialética, ou seja, o conflito entre as forças produtivas e as relações de produção. Por isso, podemos afirmar que para Marx a história das sociedades é a história da luta de classes.

Modos de produção, infraestrutura e superestrutura

Karl Marx divide a história em ciclos de modos de produção:

  1. O modo de produção primitivo, na pré-história, onde os bens materiais providos pela coleta e caça eram de todos da comunidade;
  2. O modo de produção asiático, presente nas civilizações antigas com base no escravismo;
  3. O modo de produção feudal, na idade média, com relações hierárquicas entre senhores e servos;
  4. O mode de produção capitalista, onde temos duas classes: os donos dos meios de produção (denominados por Marx de burgueses) e os proletários (trabalhadores).

As sociedades se organizam em relações de produção que correspondem a uma determinada etapa de desenvolvimento das suas forças produtivas materiais. O conjunto dessas relações de produção forma a estrutura econômica de determinada sociedade.

A estrutura econômica é a base real sobre a qual se ergue a superestrutura correspondente a expressões da consciência social. Para Marx, o modo de produção da vida material é que condiciona o processo da vida social, política, intelectual e espiritual.

 

superestrutura infraestrutura karl marx sociologia

Ou seja, a estrutura econômica determina a superestrutura, e não o contrário. Veja na imagem acima. A infraestrutura ou estrutura econômica (os modos de produção) determina a superestrutura social (religião, direito, cultura, artes, ciência, etc.)

marx e engels manifesto comunista

Marx defende que as revoluções ocorrem por causa das contradições da estrutura material, isto é, do conflito existente entre as classes.

No “Manifesto do Partido Comunista”, Marx e Engels chegam à conclusão de que os conflitos entre burgueses e proletários levarão à destruição do capitalismo e, consequentemente, conduzirão ao comunismo (sociedade sem classes). Marx e Engels, no “Manifesto Comunista”, incitam os trabalhadores à tomada de consciência de classe: “Proletários de todo o mundo, uni-vos!”.

O Capital: o estudo da mercadoria e da mais-valia

Em “O Capital”, Marx e Engels se propõem a fazer um estudo detalhado e científico do capitalismo. Para isso, eles começam sua análise pela “célula básica” da sociedade capitalista: a mercadoria. Vamos seguir o raciocínio de Marx e Engels?

Cada mercadoria tem um valor, que é medido pela quantidade de trabalho humano. Ou seja, podemos determinar o valor de uma mercadoria pelo trabalho que deu para fazê-la: foi necessário 1 hora ou 12 horas de trabalho para produzir uma mercadoria, por exemplo.

Os autores diferenciam dois tipos de valores: valor de uso e valor de troca.

  • Valor de uso é quando a mercadoria satisfaz uma necessidade humana.
  • Valor de troca é quando ela é trocada por outra mercadoria.

Quando uma mercadoria é trocada por dinheiro, falamos que ela foi vendida. Quando uma mercadoria é vendida, ela tem um preço. Preço é a expressão monetária do valor de troca.

Na lógica de Marx, os burgueses são aqueles que detêm os meios de produção. Já os proletários são aqueles que nada mais têm além da sua força de trabalho. A força de trabalho também é uma mercadoria, a qual os proletários vendem para o burguês em troca de dinheiro (salário).

Porém, o valor de sua força de trabalho durante o tempo que está produzindo é muito maior do que o salário recebido. Por exemplo, todos os dias o trabalhador produz uma quantidade X de valor, mas recebe apenas um terço de X. Logo, os dois terços não-pagos ao trabalhador se transformam em riqueza para o burguês.

Esse trabalho excedente é o que Marx chama de mais-valia e constitui na expressão primordial da exploração da força de trabalho pelo capital.

Veja na tirinha abaixo uma boa explicação sobre mais-valia

mais-valia marx

Marx se pergunta: por que homens e mulheres não percebem a condição de exploração em que vivem? O autor chama de alienação quando o operário desconhece o funcionamento do modo de produção e não percebe que está sendo “roubada” parte do seu trabalho.

Nesse contexto, a ideologia seria o meio usado pelos dominantes para exercer tal dominação, fazendo com que esta não seja percebida como tal pelos dominados. Assim, Marx considera que a ideologia dominante é a da classe dominante.

Para fixar o conteúdo, assista ao vídeo do canal Explicaê sobre o pensamento de Karl Marx

Para finalizar a sua revisão, resolva os exercícios que selecionei para você.

1 – (ENEM, 2016)

TEXTO I

Cidadão

Tá vendo aquele edifício, moço?

Ajudei a levantar

Foi um tempo de aflição

Eram quatro condução

Duas pra ir, duas pra voltar

Hoje depois dele pronto

Olho pra cima e fico tonto

Mas me vem um cidadão

E me diz desconfiado

“Tu tá aí admirado

Ou tá querendo roubar?”

Meu domingo tá perdido

Vou pra casa entristecido

Dá vontade de beber

E pra aumentar meu tédio

Eu nem posso olhar pro prédio

Que eu ajudei a fazer.

BARBOSA, L. In: ZÉ RAMALHO. 20 Super Sucessos. Rio de Janeiro: Sony Music, 1999 (fragmento).

TEXTO II

O trabalhador fica mais pobre à medida que produz mais riqueza e sua produção cresce em força e extensão. O trabalhador torna-se uma mercadoria ainda mais barata à medida que cria mais bens. Esse fato simplesmente subentende que o objeto produzido pelo trabalho, o seu produto, agora se lhe opõe como um ser estranho, como uma força independente do produtor.

MARX, K. Manuscritos econômicos-filosóficos (Primeiro manuscrito). São Paulo: Boitempo Editorial, 2004 (adaptado).

Com base nos textos, a relação entre trabalho e modo de produção capitalista é

a) baseada na desvalorização do trabalho especializado e no aumento da demanda social por novos postos de emprego.

b) fundada no crescimento proporcional entre o número de trabalhadores e o aumento da produção de bens e serviços.

c) estruturada na distribuição equânime de renda e no declínio do capitalismo industrial e tecnocrata.

d) instaurada a partir do fortalecimento da luta de classes e da criação da economia solidária.

e) derivada do aumento da riqueza e da ampliação da exploração do trabalhador.

2 – (ENEM, 2016)

conceito de alienação marx
THAVES. Jornal do Brasil, 19 fev. 1997 (adaptado)

A forma de organização interna da indústria citada gera a seguinte consequência para a mão de obra nela inserida:

a) Ampliação da jornada diária.

b) Melhoria da qualidade do trabalho.

c) Instabilidade nos cargos ocupados.

d) Eficiência na prevenção de acidentes.

e) Desconhecimento das etapas produtivas.

3- (IFMG, 207) Leia o trecho destacado abaixo:

A história de todas as sociedades até o presente é a história das lutas de classes. Homem livre e escravo, patrício e plebeu, senhor feudal e servo, membro de corporação e ofícial-artesão, em síntese, opressores e oprimidos estiveram em constante oposição uns aos outros, travaram uma luta ininterrupta, ora dissimulada, ora aberta, que a cada vez terminava com uma reconfiguração revolucionária de toda a sociedade ou com a derrocada comum das classes em luta.

MARX, Karl. FRIEDRICH, Engels. I Burgueses e Proletários. In: Manifesto do Partido Comunista. Disponível em: Revista Estudos Avançados. Volume 12, número 34. São Paulo, setembro/dezembro, 1998.

O Manifesto do Partido Comunista foi publicado em 1848 e se tornou a principal obra de divulgação da teoria do socialismo científico. Marx e Engels analisaram a sociedade capitalista e seus destinos a partir de uma corrente de pensamento, uma teoria conhecida como:

a) Materialismo histórico

b) História econômica

c) Análise estatística

d) Idealismo

4 – (UCB, 2016) O termo capital era usado, em latim, como adjetivo. Na expressão pars capitalis debiti, por exemplo, significava “a parte principal de um débito”. Com o tempo, a palavra passou a ser sinônimo de “conjunto de bens em comércio ou na produção”. No século 17, começou a ser usada como substantivo e sinônimo de “riqueza, valor; um cabedal, a maior expressão da riqueza do homem”.

COTRIM, Gilberto. História global: Brasil e geral. Vol. 2. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2013, com adaptações.

Quanto ao modo de produção capitalista, assinale a alternativa correta.

a) Karl Marx (1818-1883) definiu o capitalismo como uma economia baseada no mercado, na compra e venda de mercadorias, independentemente da forma como se organiza a produção dos artigos comercializados.

b) A economia capitalista se caracteriza pela planificação. Segundo Karl Marx e Weber, isso evitará as injustiças sociais.

c) Para Max Weber (1864-1920), só existia capitalismo nas sociedades em que predominava o pagamento de um salário ao trabalhador.

d) Para Marx, a base de cada sociedade humana é o processo de trabalho, seres humanos cooperando entre si para fazer uso das forças da natureza e, portanto, para satisfazer suas necessidades.

e) Segundo Max Weber (1864-1920), o capitalismo teria se desenvolvido com a Revolução Industrial, a partir das últimas décadas do século 18.

Gabarito:

1 – E

2 – E

3 – A

4 – D