Conheça Merleau-Ponty e seus estudos sobre fenomenologia

Filósofo, combatente da Segunda Guerra e assunto cobrado no Enem, Merleau-Ponty foi um pensador do século XX que você vai conhecer nesta aula de Filosofia!

Nascido na França no início do século XX, meu “camarada” Maurice Merleau-Ponty foi um sujeito curioso que se dedicou a investigar os fenômenos do mundo. Companheiro de estudos de outros grandes filósofos, como Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir, ele colaborou para expansão de uma nova filosofia após a Segunda Guerra Mundial.

A fenomenologia de Merleau-Ponty

Maurice Merleau-Ponty (1908 – 1961) era particularmente fascinado pelas investigações da nossa vida cotidiana. O cara analisava os fenômenos do mundo desde os mais banais aos mais exóticos. Isso incluiu ele na corrente filosófica chamada fenomenologia. Além Merleau-Ponty, a fenomenologia conta com outros grandes pensadores, como Edmund Husserl, Max Scheler, Karl Jaspers, Ernesto Grassi e muitos outros.Maurice Merleau-Ponty Retrato de Merleau-Ponty. Assim como Sartre, Merleau-Ponty também lutou na II Guerra Mundial, se alistando na infantaria.

Para compreensão das ideias de Merleau-Ponty, é importante entender um pouco sobre a fenomenologia, uma metodologia de investigação criada por Edmund Gustav Albrecht Husserl, no início do século XX.

Como o próprio Husserl explicou certa vez: “Fenomenologia é o método filosófico que se propõe a uma descrição da experiência vivida da consciência, cujas manifestações são expurgadas de suas características reais ou empíricas e consideradas no plano da generalidade essencial.”

A fim de entender melhor o pensamento de Husserl, assista a esta aula do prof. Alan canal do Curso Enem Gratuito:

O corpo enquanto crítica ao dualismo

A visão de Husserl inspirou a abordagem utilizada por Merleau-Ponty. Entretanto, há uma diferença fundamental entre as duas teorias. Para Merleau-Ponty a análise de Husserl é falha, pois não reconhece algo fundamental: o corpo.

Desde Descartes, existe uma certa tradição na filosofia que tende a separar a mente do corpo. Merleau-Ponty vai romper com essa ideia, colocando o corpo como uma das figuras centrais de sua teoria. Com isso, a mente e o corpo não são coisas separadas, mas juntos compõe um todo experiencial.

Para Merleau-Ponty, nossa percepção de mundo se dá através do corpo. Isto é, nosso corpo e nossa consciência são partes de um sistema único de apreensão da realidade. Essa ideia é uma forma de antagonizar o pensamento dualista que ganhou notoriedade com René Descartes.

Conceito de forma para Merleau-Ponty

Outra ideia importante para compreensão do filósofo francês é o conceito de forma – Gestalt – utilizado para formular essa distinta visão fenomenológica. A “parada” é centrada no papel do formato que as coisas possuem. Na visão de Merleau-Ponty, as formas são a síntese entre a natureza e a ideia.

Todavia, o que importa nesse pensamento não é propriamente o formato da forma, mas a estrutura que possibilita o entendimento das coisas no mundo. “Se liga”: você consegue perceber algo de maneira pura? Uma cor por exemplo, você consegue perceber o vermelho sem atrelá-lo a alguma “parada” mundana?

Bom, as coisas são perceptíveis para nós quando elas tomam forma, o azul se torna algo perceptível quando vislumbramos o mar ou quando devaneamos ao olhar para o céu. Todavia, sem uma forma não seria possível perceber as cores.

Meu “camarada” Maurice, afirmava que essas percepções se dão de maneira espontânea. É interessante notar essa espontaneidade é bastante parecida com aquela que Aristóteles se referiu ao falar de Filosofia, quando disse algo como: ‘A Filosofia é a nossa capacidade de se espantar com o mundo’.Merleau-Ponty Merleau-Ponty ofereceu uma nova perspectiva de interpretação de mundo, prezando primeiramente pela não aceitação do habitual.

Por fim, as investigações de Merleau-Ponty são uma importante adição à fenomenologia. Apesar de sua morte ter sido prematura, o destaque que ele deu para o corpo, bem como suas teorias acerca da mente, se tornaram uma base sólida para as investigações que os cientistas cognitivos fariam depois.

Videoaula sobre a filosofia de Meleau-Ponty

Para finalizar sua revisão, veja mais esta videoaula do professor Alan no nosso canal do YouTube:

Exercícios sobre Meleau-Ponty

1- (Uem 2012)

“O pensamento moderno, não por objeção frontal, mas pelo desenvolvimento do próprio saber, leva a uma revisão das categorias clássicas, a uma reforma da ontologia clássica do sujeito e do objeto. O núcleo desse desenvolvimento – que deve levar, por sua vez, a uma nova filosofia – consiste na descoberta de que a situação, seja do ‛objeto’, seja do ‛sujeito’, não é mais passível de exclusão da trama do conhecimento.

Dito de outra forma: o objeto ‛verdadeiro’, aquele de que a ciência trata, não é mais aquele objeto absoluto de que falavam os clássicos, mas se torna, intrinsecamente, relativo. Em suma, não há mais um objeto puro, em si, um objeto tal como o próprio Deus (isto é, um observador absoluto) o veria. Também não há mais esse sujeito absoluto, aquele que começava por afastar toda manifestação sensível, isto é, que começava por afastar, correlativamente, seu próprio corpo para colocar-se como puro espírito.”

(MOUTINHO, L. D. Merleau-Ponty: entre o corpo e a alma. In: Antologia de textos filosóficos. Curitiba: SEEDPR, 2009, p. 494.)

Sobre a nova filosofia de que fala o texto, assinale o que for correto.

01) A fenomenologia critica as distinções clássicas, tais como alma e corpo, sujeito e objeto, matéria e espírito, coisa e representação.

02) O ponto de vista de Deus não é mais possível, nem necessário, para a renovação da filosofia.

04) O positivismo é esta filosofia nova, pois revoga a ontologia clássica.

08) Merleau-Ponty privilegia o corpo, pois, através dele, o homem constitui-se de uma consciência fática ou concreta.

16) A situação do objeto e do sujeito é relativa, pois a fenomenologia é o retorno à isegoria dos gregos e ao “meio termo” de Aristóteles.

2- (Uem 2010)

A fenomenologia é um dos fundamentos da Filosofia de Maurice Merleau-Ponty. No âmbito da escola da fenomenologia, ele contesta princípios basilares da Psicologia clássica, de cunho mecanicista-racionalista.

Com base na afirmação acima, assinale o que for correto.

01) A sensação é concebida, por Merleau-Ponty, pelos efeitos que os estímulos externos dos objetos exercem sobre os sentidos. O campo visual, por exemplo, é concebido como um mosaico de sensações despertadas pelos estímulos do objeto sobre a retina

02) Para Merleau-Ponty, a percepção é o conhecimento sensorial de formas ou de totalidades organizadas e dotadas de sentido.

04) Conforme um dos princípios da fenomenologia de Edmund Husserl, a consciência, para Merleau-Ponty, não exerce nenhuma atividade na produção de conhecimentos científicos.

08) Para Merleau-Ponty, a consciência de si é o resultado de um esforço intelectual de conhecimento e não depende da facticidade de nosso engajamento.

16) Para Merleau-Ponty, imanência e transcendência são conceitos antitéticos que se comunicam, dada a configuração de nosso corpo no mundo.

Gabarito

  1. 11 (01+02+08)
  2. 18 (02+16)

Sobre o(a) autor(a):

Os textos e exemplos acima foram preparados pelo professor Ernani Silva para o Blog do Enem. Ernani é formado em Filosofia pela Universidade Estadual Paulista. Ministra aulas de Filosofia em escolas da Grande Florianópolis. Facebook: https://www.facebook.com/ErnaniJrSilva

Compartilhe: