A Filosofia de Platão e o Mundo das Ideias

Veja a essência da Filosofia de Platão e o Mundo das Ideias, e também conheça a Alegoria da Caverna. Ele foi pupilo de Sócrates, e cai muito no Enem.

Você provavelmente já deve ter ouvido falar sobre o mundo das ideias e de Platão, esse grego barbudo de ombros largos é um dos principais filósofos da antiguidade.

Ele foi aluno de Sócrates. Acredita-se que que Platão conheceu seu mestre por volta dos 30 anos de idade. Aliás, grande parte dos escritos deixados por Platão são os diálogos socráticos, isto é, uma espécie de contos no qual Sócrates é a personagem principal porta-voz das ideias de Platão.

platao e o mundo das ideias
Figura 1. O nome Platão foi dado à Arístocles ainda em sua juventude por causa de seus atributos físicos. A palavra correspondente em grego, Platon, significa ombros largos, característica marcante desse barbudo.

Em razão disso, é um pouco complicado separar as teorias genuínas de Platão daquilo que tenha sido pensado por Sócrates. Todavia, é fácil enxergar a importância e a influência de Sócrates na vida e nas obras de Platão.

Existe aí um modo característico de se filosofar que de Sócrates a Platão influenciou o desenvolvimento de ideias pioneiras nos campos da epistemologia, metafisica, ética, estética e política.

Uma dessas ideias revolucionárias é justamente a ideia de um “Mundo de Ideias”! Parece confuso, né? Para que você entenda os motivos que levaram Platão a desenvolver essa “parada” de Mundo das Ideias, devemos antes falar um pouquinho do pensamento pré-socrático.

meme de platao e o mundo das ideias
Figura 2. Platão criou a teoria das almas que dividia as pessoas conforme sua proximidade com o mundo das ideias.

 

Os pré-Socráticos

Dentre as várias ideias que surgiram na Grécia na tentativa de explicar o mundo e seu funcionamento, duas delas foram imprescindíveis para que Platão desenvolvesse essa parada de Mundo das Ideias.

Os autores dessas ideias foram Heráclito e Parmênides. Filósofos de correntes de pensamento diferentes que tentavam explicar o mundo a partir de pontos de vistas antagônicos.pai da dialeticaFigura 3. Heráclito de Éfeso considerado o pai da dialética. Recebeu a alcunha de “Obscuro”. 

Na vulgata filosófica, Heráclito é o pensador do panta rei “tudo flui” e do fogo, que seria o elemento do qual deriva tudo o que nos circunda. Sintetizando a ideia de um mundo em movimento perpétuo.

O Heráclito, vulgo Skoteinós, algo como “O Obscuro” em grego antigo, era um cara que entendia o mundo de maneira mais caótica. Muitos o consideravam contraditório pelo fato de suas ideias parecerem muitas vezes sem sentido.

Heráclito falou sobre um mundo que é contínuo pois, está sempre em constante movimento. Esse movimento era importante de maneira tal que coisa nenhuma é idêntica tampouco imutável, ao contrário, transforma-se.

Deixa-me exemplificar as ideias desse nosso filósofo obscuro. Pense em quando você olha para a chama de uma vela. Parece meio óbvio que a chama ardendo é sempre igual, embora tremule e crepite, parece sempre a mesma. Mas não é. Na realidade, o que estamos vendo é um processo de transformação!

A vela está numa constante transformação: a cera da vela é transformada em fogo, o fogo em fumaça e a fumaça em ar. Louco, né? Tudo isso acontecendo num mesmo instante em um eterno caos de transformações.

É nesse caos de transformações que Heráclito desenvolve suas ideias. Isso vai de encontro ao que pensa a outra personagem desse post, nosso querido Parmênides. Ele dizia que o ser é imutável, infinito e imóvel, assim ele não se transforma mas permanece sempre idêntico a si mesmo.

parmenides filosofia
Figura 4. Parmênides foi um filósofo grego natural de Eleia. O único trabalho conhecido de Parménides é um poema, sobre a natureza, que sobreviveu apenas na forma de fragmentos.

É importante entender que nas ideias de Parmênides a aparência sensível do mundo não existe. Isto é, as coisas irão sempre parecer em movimento, mas isso não passa de ilusão.

Vamos olhar uma vela de novo para entender melhor. É possível perceber a luz vinda da vela e em decorrência disso a escuridão. Para Parmênides a escuridão não passa de uma negação da luz, uma não-luz. Sabendo disso já dá para você olhar aquela famosa citação “O Ser é e o Não-Ser Não é” além do tom de obviedade!

Platão analisou que enquanto a unidade de Parmênides é idêntica e imutável, a de Heráclito está entre dois polos. Isto é, mesmo que o “Ser e o Não-Ser” sejam parte e coabitem o mesmo, não podem ser descartados como simples ilusões.

A partir dessas ideias, Platão elaborou uma teoria metafísica dualista, ou seja, ele dividiu o mundo em duas categorias: o Mundo das Ideias e das Formas e o mundo sensível.platao e a dialetica

Figura 5. Platão se utiliza da dialética como técnica de aquisição de uma nova ideia, uma síntese a partir de duas ideias opostas. Nesse caso Heráclito e Parmênides.

Mundo das Ideias e o Mundo Sensível

Esse tal de Mundo das Ideias é o local onde estaria a essência de tudo, sejam conceitos ou coisas. No Mundo das Ideias encontramos as Ideias fixas e imutáveis (olha o Parmênides aqui) que geram essencialmente cada coisa que existe seja ela ser ou objeto.

Ora, o tal do Mundo Sensível, em oposição ao Mundo das Ideias, é a realidade do dia a dia, esse cotidiano que vive se transformando (olha o Heráclito aqui) e que experienciamos através de nossos sentidos (daí o nome sensível).

alegoria caverna de platao
Figura 6. Na alegoria da Caverna de Platão, ele nos convida a imaginar uma caverna na qual tudo lá dentro não passam de ilusões.

Para Platão o mundo sensível é uma realidade “fake”. A realidade não passa de uma ilusão e, como toda fakenews, nos leva ao erro. Portanto, por percebemos o mundo com nossos sentidos, enxergamos as aparências das coisas do mundo e não sua essência. Essa essência aí estaria em outro mundo, o das Ideias.

O mundo das Ideias está relacionado com a chamada teoria da alma. Num livro chamado a Republica, Platão vai afirmar que as pessoas possuem corpo e alma.

O corpo, como você sabe, é uma parada que se transforma (espera só a puberdade que você vai ver), mas a alma é imutável. (Ah! Agora ficou ainda mais fácil entender a inspiração dialética de Heráclito e Parmênides).

Veja Platão e o Mito da Caverna:

Podemos ver essa teoria de Platão ao longo de todas as suas obras. Essa ideia é pioneira no estabelecimento do conceito de idealismo pois, quando Platão criou seu Mundo das Ideias passamos a nos questionar a respeito da verdadeira essência em sua forma ideal, o que seria a verdade absoluta e imutável.

Por fim, segundo nosso camarada Platão, o que conhecemos por meio de nossos sentidos seriam apenas ilusões, por conseguinte, são apenas imitações da verdade. O verdadeiro conhecimento se encontra no Mundo das Ideais.

Veja também Justiça e Política na Filosofia de Platão:

Exercícios sobre Platão e o Mundo das Ideias

1 – Universidade Estadual Paulista (UNESP) 2009

O que é terrível na escrita é sua semelhança com a pintura. As produções da pintura apresentam-se como seres vivos, mas se lhes perguntarmos algo, mantêm o mais solene silêncio.

O mesmo ocorre com os escritos: poderíamos imaginar que falam como se pensassem, mas se os interrogarmos sobre o que dizem (…) dão a entender somente uma coisa, sempre a mesma (…) E quando são maltratados e insultados, injustamente, têm sempre a necessidade do auxílio de seu autor porque são incapazes de se defenderem, de assistirem a si mesmos.

Platão, Fedro ou Da beleza. São Paulo; Guimarães, 1998

Nesse fragmento, Platão compara o texto escrito com a pintura, contrapondo-os à sua concepção de filosofia.

Assinale a alternativa que permite concluir, com apoio do fragmento apresentado, uma das principais características do platonismo.

a) A forma de exposição da filosofia platônica é o diálogo, e o conhecimento funda-se no rigor interno das argumentações, produzido e comprovado pela confrontação dos discursos

b) O platonismo se vale da oratória política, sem compromisso filosófico com a busca da verdade, mas dirigida ao convencimento dos governantes das Cidades

c) Platão constrói o conhecimento filosófico por meio de pequenas sentenças com sentido completo, as quais, no seu entender, esgotam o conhecimento acerca do mundo

d) O discurso platônico tem a mesma natureza do discurso religioso, pois o conhecimento filosófico modifica-se segundo as habilidades e a argúcia dos filósofos

e) A poesia rimada é o veículo de difusão das ideias platônicas, sendo a filosofia uma sabedoria alcançada na velhice e ensinada pelos mestres aos discípulos

  1. (ENEM 2012)

Para Platão, o que havia de verdadeiro em Parmênides era que o objeto de conhecimento é um objeto de razão e não de sensação, e era preciso estabelecer uma relação entre objeto racional e objeto sensível ou material que privilegiasse o primeiro em detrimento do segundo. Lenta, mas irresistivelmente, a Doutrina das Ideias formava-se em sua mente.

ZINGANO, M. Platão e Aristóteles: o fascínio da filosofia. São Paulo: Odysseus, 2012 (adaptado).

O texto faz referência à relação entre razão e sensação, um aspecto essencial da Doutrina das Ideias de Platão (427 a.C.-346 a.C.). De acordo com o texto, como Platão se situa diante dessa relação?

A). Estabelecendo um abismo intransponível entre as duas

B). Privilegiando os sentidos e subordinando o conhecimento a eles

C). Atendo-se à posição de Parmênides de que razão e sensação são inseparáveis

D). Afirmando que a razão é capaz de gerar conhecimento, mas a sensação não

E). Rejeitando a posição de Parmênides de que a sensação é superior à razão.

  1. (ENEM 2014)

Platão e o mundo das ideias

No centro da imagem, o filósofo Platão é retratado apontando para o alto.

Esse gesto significa que o conhecimento se encontra em uma instância na qual o homem descobre a:

a) Suspensão do juízo como reveladora da verdade.

b) Realidade inteligível por meio do método dialético.

c) Salvação da condição mortal pelo poder de Deus.

d) Essência das coisas sensíveis no intelecto divino.

e) Ordem intrínseca ao mundo por meio da sensibilidade.

 

 

Gabarito 1.A, 2.D, 3.B.

 

Sobre o(a) autor(a):

Os textos e exemplos acima foram preparados pelo professor Ernani Silva para o Blog do Enem. Ernani é formado em Filosofia pela Universidade Estadual Paulista. Ministra aulas de Filosofia em escolas da Grande Florianópolis. Facebook: https://www.facebook.com/ErnaniJrSilva

Compartilhe: