A filosofia de Sócrates para o Enem e o vestibular

Vem com a gente arrasar no Enem, aprendendo sobre o filósofo dos filósofos: Sócrates! Estude Filosofia com o Curso Enem Gratuito!

O pensador Sócrates tem uma importância visível dentro da caminhada filosófica de mais de 27 séculos, tendo em vista que a busca pela verdade, o afirmar que nada sabe e o fato de colocar a dúvida como princípio do conhecimento, o coloca num patamar dos filósofos que mais contribuíram para o diálogo racional na antiguidade.

O filósofo, nascido em Atenas (469-399 a.C), na Grécia, é um marco na história da filosofia, uma vez que os que vieram antes são conhecidos como pré-socráticos e os que apareceram posteriormente, de pós-socráticos. Apesar de sua importância, Sócrates não deixou nada escrito, o que se sabe sobre ele e de suas ideias veio a partir de seus discípulos. O mais ilustre deles é Platão.

Sócrates era de família humilde e simples, filho de um escultor e de uma parteira. Usava sua origem como uma dupla simbologia para ilustrar suas ideias, principalmente seu método, o de ajudar as pessoas a “dar à luz” às suas próprias ideias.

Você lembra como era a relação dos sofistas com Sócrates? Não? Então revise nesta aula.

Sócrates se parecia com os sábios professores gregos, embora não “vendesse” seus ensinamentos. Ficava na praça pública (ágora, do grego), desenvolvendo seu saber junto aos mais jovens, mostrando que era preciso a concretude do pensamento, unir o saber e o fazer, consciência intelectual à prática.

O filósofo grego abandona a tradição dos pré-socráticos, de explicação do mundo a partir dos elementos da natureza e concentra-se na problemática do ser humano. Por isso, o autoconhecimento era um dos pontos básicos da filosofia socrática. “Conhece-te a ti mesmo”, frase escrita no Oráculo (local para escutar a resposta de uma divindade), foi uma fala repetida inúmeras vezes por Sócrates para seus discípulos.

Acusado de corromper a juventude e de renegar os deuses atenienses (devido à crença remanescente do período dos mitos), foi condenado a morte por ingestão de um veneno chamado cicuta.

Sócrates

Sócrates e a Dialética

A filosofia de Sócrates era toda baseada em diálogos críticos (dialética) com seus interlocutores, fazendo isso com um método muito claro, dividido em dois momentos:

– a ironia: primeiro passo era o de duvidar de todas as certezas que o interlocutor carregava consigo, questionando o que eles achavam saber, fazendo-lhes perguntas e procurando mostrar as contradições de suas ideias. O objetivo desse primeiro momento era fazer com que a pessoa que dialogasse com ele tomasse consciência de sua própria ignorância.

– a maiêutica: você se recorda da profissão da mãe de Sócrates? Pois bem, ele remonta a tradição de sua querida mãe que era parteira, para dar base imaginária a esse segundo passo do diálogo socrático.

O diálogo socrático consiste em continuar as várias questões e perguntas ao interlocutor, mas não para perceber suas contradições como vimos na Ironia, mas sim, com o objetivo de ajudar o interlocutor a construir suas próprias ideias, livre de preconceitos, ou seja, um “dar à luz” a conceitos e afirmativas novas, assim como o próprio nome Maiêutica se refere.

Para entender melhor as ideias de Sócrates, veja a videoaula do Professor Allan, no nosso canal no Youtube:

Faça o Simulado

Sobre o(a) autor(a):

O texto acima foi produzido pelo professor Leonardo Alves de Melo. Leonardo é professor de Filosofia formado pela Faculdade Bagozzi (2012), graduando em Teologia pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) e pós graduado em Pastoral Juvenil pelo Unisal (Universidade Salesiana de São Paulo). E-mail: [email protected]