População indígena no Brasil e demarcação de terras

A população indígena brasileira, base de toda a história do Brasil e do início das demais etnias existentes, representa somente 0,2% de toda população brasileira. Vamos compreender a situação atual indígena no Brasil para a prova do Enem!

Em tempos como os de hoje, a discussão sobre a população indígena e seu direito pelas suas próprias terras não pode mais ser um tabu. O Brasil, um país de origem indígena, teve desde o “início” de sua história o genocídio das etnias indígenas presentes que se mantêm presentes e de forma cada vez mais violenta.

charge população indígena
Fonte: https://www.conic.org.br

 

População Indígena: da colônia aos dias atuais

Ao chegar ao Brasil, os colonizadores portugueses, de forma agressiva, passaram a reconstruir o espaço geográfico brasileiro de acordo com seus costumes. Os portugueses viam o território brasileiro como um território fruto de sua conquista, ignorando os costumes dos povos que já habitavam o Brasil.

Como a pintura de Victor Meirelles (abaixo) representa, a tentativa de reconstrução dos costumes dos povos nativos foi intensa.  Diversas ações nesse sentido tiveram o intuito de obrigar os indígenas a se adequarem ao padrão europeu e não se revoltarem contra o processo de colonização.

Como exemplo das mudanças de costumes, a primeira missa se tornou um símbolo, pois representou o processo de catequização do povo indígena. As diferenças culturais entre os indígenas e os europeus era extrema não só pelas crenças.

Os indígenas viviam em um sistema social onde não havia moeda ou posse sobre propriedade e recursos, diferente dos europeus que já possuíam o interesse pela posse de terras e de recursos naturais.

A colonização europeia obteve o sucesso desejado pois suas técnicas e estratégias já eram avançadas. Como já haviam colonizado outras terras antes do Brasil, os europeus já sabiam como conquistá-las. Seu armamento era mais avançado que o dos povos indígenas, facilitando a sua dominação.

pintura de victor meirelles
Figura 2: Pintura de Victor Meirelles – A primeira missa.

 

Durante o processo de colonização, alguns povos conseguiram fugir para o interior do país e se esconder por certo tempo. Enquanto outros foram mortos ou submetidos ao trabalho escravo. Não só a resistência aos costumes europeus foi responsável pela morte do povo indígena, mas junto com as embarcações europeias, muitas doenças chegaram ao território.

A maior parte das vezes que ouvimos a história da colonização do Brasil, ela é contada com uma perspectiva onde os povos indígenas são retratados como ignorantes ou com menos atributos que o povo europeu. Essa é uma visão preconceituosa e extremamente equivocada propagada pelo próprio povo brasileiro.

Os povos indígenas desta época não eram povos sem conhecimento.  Apenas possuíam costumes, crenças e valores culturais que não correspondiam ao padrão europeu. Além de viver em um sistema de sociedade completamente diferente dos demais continentes.

População indígena nos dias atuais

A perseguição indígena, não só continua até hoje, como cada está cada vez mais intensa. O genocídio indígena no Brasil é violento e pouco é veiculado nos meios de comunicação populares. Este genocídio ocorre principalmente por conta do conflito entre os grandes latifundiários do agronegócio em oposição à população indígena que luta pela demarcação de suas terras.

Segundo dados do ano de 2015 da Fundação Nacional do Índio (FUNAI), por volta de 460 mil índios residem em terrar indígenas, que estão em sua maior parte concentradas no norte do país. Esta concentração maior no norte do país, mais especificamente no estado do Amazonas, é um indício da fuga dos povos durante o período de colonização para o interior do país.

Fora de terras indígenas vivem mais 100 mil índios, totalizando então 560 mil indígenas no país, ou seja, somente 0,25% da população brasileira. Todos estes dados são já ultrapassados, considerando que nos últimos 2 anos o genocídio dos povos indígenas só vem aumentando. Em relação ao número de etnias são aproximadamente 225, totalizando 185 dialetos.

distribuição da população indígena
Figura 3: Mapa de distribuição das terras indígenas (2015). Fonte:  http://patriota1964.blogspot.com.br

 

Através da violência e boicote contra as comunidades indígenas por conta da bancada ruralista e dos demais grandes proprietários do agronegócio, os povos indígenas estão sendo cada vez mais pressionados para entregarem suas terras ao agronegócio.

É por isso que a partir de 1973 com a criação do Estatuto do Índio, a população indígena vem lutando fortemente pela demarcação e homologação de suas terras. Eles exigem que o governo federal proteja as terras que são dos povos indígenas por direito.

Fique ligado (a)! Esse é um conteúdo que está muito em alta e provavelmente aparecerá na prova do Enem! Para revisar e aprender mais sobre, indicamos a videoaula a seguir e a resolução dos exercícios!

Entenda mais sobre o tema com as videoaulas

Questões sobre a população indígena

(UERJ/2019)

ÍNDIOS DO PARÁ TENTAM FECHAR GARIMPO QUE POLUI RIO

Os 225,8 km de água enlameada que cruzam a Floresta Amazônica anunciam a tragédia adiante: megagarimpos ilegais encravados na Terra Indígena Munduruku e na Floresta Nacional do Crepori, no sudoeste do Pará. Mas, ao contrário do rio Doce, a destruição do remoto rio das Tropas acontece de forma oculta – menos para os índios. Cansados de esperar uma intervenção do Estado, guerreiros e lideranças da etnia, incluindo o cacique geral, Arnaldo Kaba, organizaram uma expedição para expulsar os garimpeiros não indígenas do local. Em seis lanchas, dezenas viajaram armados com flechas e espingardas de caça, incluindo mulheres, crianças e idosos.

Adaptado de Folha de
São Paulo, 04/02/2018.

A reportagem aborda conflitos que simbolizam as muitas diferenças culturais entre grupos na região amazônica, como indígenas e garimpeiros, em especial no que diz respeito à relação com o ecossistema.

O uso da terra e de seus recursos nas sociedades indígenas é baseado no seguinte princípio:

a) estabilidade climática

b) preservação ambiental

c) hierarquização produtiva

d) sustentabilidade comercial

Gab: B

(ESPM SP/2018)    

Leia o texto:

Por unanimidade o STF (Supremo Tribunal Federal) negou pedido do governo de Mato Grosso em demanda do estado contra indígenas.

(Folha de São Paulo; 17/08/2017)

A questão entre o Mato Grosso e os indígenas era relativa:

a) ao pedido de indenização reclamado pelo governo de Mato Grosso por causa de desapropriação de terras incluídas na Reserva Raposa Terra do Sol;

b) à concessão de terras mato-grossenses, pela FUNAI, aos índios pataxós, o que fez o governo do estado reclamar a revogação da concessão;

c) ao pedido de indenização, reclamado pelo governo de Mato Grosso, por causa de desapropriação de terras incluídas no Parque do Xingu e em reservas ocupadas por índios nambiquaras e parecis;

d) à disputa pelos territórios da chamada Reserva Nacional de Cobre e seus Associados (RENCA);

e) à disputa de territórios da Reserva Indígena de Amambaí habitada por índios guarani e kaiowá.

Gab: C

(ENEM/2010)    

Coube aos Xavante e aos Timbira, povos indígenas do Cerrado, um recente e marcante gesto simbólico: a realização de sua tradicional corrida de toras (de buriti) em plena Avenida Paulista (SP), para denunciar o cerco de suas terras e a degradação de seus entornos pelo avanço do agronegócio.

RICARDO, B.; RICARDO, F. Povos indígenas do Brasil: 2001-

  1. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2006 (adaptado).

A questão indígena contemporânea no Brasil evidencia a relação dos usos socioculturais da terra com os atuais problemas socioambientais, caracterizados pelas tensões entre

a) a expansão territorial do agronegócio, em especial nas regiões Centro-Oeste e Norte, e as leis de proteção indígena e ambiental.

b) os grileiros articuladores do agronegócio e os povos indígenas pouco organizados no Cerrado.

c) as leis mais brandas sobre o uso tradicional do meio ambiente e as severas leis sobre o uso capitalista do meio ambiente.

d) os povos indígenas do Cerrado e os polos econômicos representados pelas elites industriais paulistas.

e) o campo e a cidade no Cerrado, que faz com que as terras indígenas dali sejam alvo de invasões urbanas.

Gab: A

Sobre o(a) autor(a):

Este texto foi elaborado pelo geógrafo e professor de Geografia Marcelo de Araújo para o Curso Enem Gratuito. Marcelo é formado em Geografia (licenciatura) pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Atualmente trabalha como autônomo. https://www.facebook.com/mdearaujo22

Compartilhe: