Reino Fungi: o que é, reprodução e classificação dos fungos

O Reino Fungi possui organismos eucariontes e heterótrofos que podem ser uni ou pluricelulares. Atuam como decompositores e são encontrados em ambientes úmidos ou aquáticos.

Os organismos do Reino Fungi (ou “Reino dos Fungos”) são essenciais para a manutenção dos ecossistemas. Além de atuarem como decompositores, muitas espécies são ainda importantes fontes de nutrientes dentro das cadeias alimentares.

Nesta aula de Biologia, você irá estudar os quatro filos mais conhecidos do Reino Fungi: Zygomycota, Ascomycota, Basidiomycota e Chytridiomycota. Bora revisar?

Características do Reino Fungi

Os integrantes do Reino Fungi são extremamente biodiversos. Para você ter uma ideia, estima-se que existam mais de 1,5 milhão de espécies de fungos.

Contudo, por dificuldades de classificação e por poucos cientistas estudarem esse Reino, estima-se que apenas cerca de 5% desse montante esteja oficialmente descrita.

Dentro do Reino Fungi encontramos organismo eucariontes com células revestidas por uma parede celular de quitina. Boa parte das espécies é pluricelular. Entretanto, também há muitas espécies unicelulares, como as leveduras.

Os fungos são, em geral, encontrados em ambientes terrestres úmidos ou aquáticos, sendo mais diversos nas regiões quentes do planeta.

Esses organismos são todos heterótrofos e atuam principalmente como decompositores. Mas também podem ser simbiontes, como as micorrizas e líquens, e parasitas.

Zigomicetos ou Filo Zygomycota

Representantes dos zigomicetos

Este grupo do Reino dos Fungos possui pouco mais de mil espécies descritas, sendo a mais conhecida o mofo ou bolor negro de pão (Rhizopus stolonifer).

Mofo - Reino Fungi
Fotografia feita com o uso de lentes macro de um bolor negro do gênero Rhizopus sobre uma laranja Fonte: Getty Images.

Características gerais dos zigomicetos

Os zigomicetos são fungos bastante simples que apresentam hifas cenocíticas. Nesse sentido, queremos dizer que entre as células que formam suas estruturas filamentosas (chamadas de hifas), não há separação.

Ou seja, é como se a hifa desses fungos fosse uma grande célula polinucleada.

Zigomiceto - Reino Fungi
Fotomicrografia feita através de microscópio óptico de hifas cenocíticas de um fungo classificado como zigomiceto. Fonte: Getty Images.

São, em geral, encontrados nos solos úmidos, decompondo material animal ou vegetal. Bem como algumas espécies que parasitam animais e plantas.

Segundo estudos recentes, esse grupo de fungos possui origem polifilética. Em outras palavras, isso quer dizer que eles não possuem um ancestral em comum. Dessa maneira, é possível que em breve sejam divididos e distribuídos em filos menores.

Reprodução dos zigomicetos

Uma característica importante é a reprodução do Reino Fungi. Nesse sentido, a reprodução dos zigomicetos é bem característica: eles formam estruturas reprodutivas chamadas de zigósporos ao longo de seu ciclo de vida. Os zigósporos são formados após a conjugação de duas hifas haploides.

Logo depois da união dos núcleos dessas duas hifas, o zigósporo “germina” e passa a produzir esporos através de meioses em uma estrutura apical chamada de esporângio.

Como resultado, esses esporos fazem diversas mitoses originando as hifas de um novo fungo.

Zigóspero
Fotomicrografia feita através de um microscópio óptico de um zigósporo colorido artificialmente. Na ponta do zigósporo está o esporângio que produzirá os zigósporos. Fonte: Getty Images.

Ascomicetos ou Filo Ascomycota

Representantes dos Ascomicetos

Dentro desse filo de fungos há mais de 32.000 espécies descritas. Entre as espécies de ascomicetos, destacam-se:

A espécie Saccharomyces cerevisiae

É um fungo unicelular conhecido popularmente como levedura. As leveduras são aeróbios facultativos. Nesse sentido, realizam fermentação alcoólica em ambientes de baixa oxigenação.

Por conta disso, essas leveduras são amplamente utilizadas pelos seres humanos na fermentação de pães e de bebidas alcoólicas.

Saccharomyces cerevisiae - Reino Fungi
Fotomicrografia feita a partir de microscópio eletrônico de varredura e colorida artificialmente. Fonte: Science Photo Library.

Na imagem acima há várias células de leveduras aglomeradas. É possível notar que há algumas células com brotos, realizados por essas células como reprodução assexuada.

As espécies de fungos do gênero Tuber

São conhecidas popularmente como trufas. As trufas são fungos muito apreciadas na alta gastronomia. Elas crescem em simbiose com a raiz de algumas árvores, como os carvalhos.

Seus corpos reprodutivos, que ficam sob o solo a uma profundidade de aproximadamente 20 cm, são utilizados para dar sabor a diversos alimentos. Um quilo desse fungo pode chegar a custar mais de R$ 30.000,00.

Trufas negras
Fotografia de trufas negras (Tuber melanosporum). As trufas são fungos muito aromáticos e saborosos, muito apreciados na gastronomia.
Bolores de pão do gênero Neurospora

São muito utilizados como modelos celulares em estudos genéticos.

Algumas espécies do gênero Penicillium

São utilizadas na produção do antibiótico conhecido como penicilina. Esse antibiótico tem uma grande importância científica, já que além de ser largamente utilizado no tratamento de várias infecções, a penicilina foi o primeiro antibiótico da história.

Além disso, alguns fungos classificados dentro do gênero Penicillium são utilizados para dar sabor a queijos, como o roquefort e o camembrert.

Queijo roquefort
Fotografia de um pedaço de queijo roquefort. As partes escuras são fungos do gênero Penicillium. Fonte: Getty Images.
Filo Ascomycota

Podemos citar ainda dentro do Filo Ascomycota uma série de espécies que parasitam plantas e causam destruições em lavouras, de amendoim, milho e nozes, como as do gênero Aspergillus.

Quando ingeridos ou inalados, esses fungos podem ser extremamente tóxicos, pois produzem um grupo de substâncias chamadas de aflatoxinas, capazes de provocar câncer nos seres humanos.

Claviceps purpúrea

Por fim, podemos citar ainda os parasitas de planta da espécie Claviceps purpúrea. Esses fungos, quando ingeridos ou inalados, podem causar um sério envenenamento conhecido como ergotismo.

Nesse sentido, uma pessoa terá confusão mental, alteração do ritmo cardíaco e a da pressão arterial, espasmos, desmaios, coma e morte.

Trigo com um fungo Claviceps purpúrea - Reino Fungi
Fotografia de uma haste de trigo com um fungo Claviceps purpúrea. Fonte: Getty Images.

Na década de 1940, foi descoberto que o esporão-do-centeio possui uma substância alucinógena que é utilizada até hoje na produção da droga ilícita que conhecemos como LSD.

Características dos Ascomicetos

O grupo dos ascomicetos é um grupo de fungos monofilético. Isso quer dizer que as características das espécies desse grupo levam os cientistas a acreditarem que todas pertencem a um único ramo evolutivo, com um único ancestral comum.

Dentro do Filo Ascomycota encontramos tanto espécies unicelulares, como as leveduras, como também espécies pluricelulares, como os bolores e as trufas. Nas espécies pluricelulares há a formação de um emaranhado de hifas, conhecido como micélio.

Nos ascomicetos pluricelulares as hifas são septadas, ou seja, possuem uma divisão entre uma célula e outra. Contudo, apesar de terem essa divisão, não ficam completamente isoladas, uma vez que geralmente há poros nos septos. Através desses poros, as células conseguem trocar substâncias rapidamente.

Reprodução dos ascomicetos

Como falamos, a reprodução no Reino Fungi é bastante interessante. Assim, a principal característica dos ascomicetos é a formação de estruturas reprodutivas chamadas de ascos, durante seus ciclos de vida.

Os ascos são estruturas reprodutivas formadas por pequenas bolsas nas pontas de hifas e são formados a partir da fusão de duas hifas haploides.

Após a fusão das hifas, o núcleo diploide no interior dos ascos sofre meiose e, em seguida, sucessivas mitoses. Essas divisões formam esporos haploides, chamados de ascósporos.

Esses ascósporos, por sua vez, são dispersados e, ao encontrarem ambientes favoráveis, dão origem a novas hifas.

Em algumas espécies de ascomicetos pluricelulares, pode ocorrer a formação de uma estrutura vegetativa chamada de ascoma. Essa estrutura envolve conjuntos de ascos e podem ter formato de taças ou de elevações com um pequeno poro no topo por onde saem os ascósporos.

Ascomas - Reino Fungi
Fotografia de vários ascomas sobre um galho de árvore. Fonte: Getty Images.

Basidiomicetos ou Filo Basidiomycota

Representantes dos Basidiomicetos

Há cerca de 2500 espécies de fungos classificados como basidiomicetos. Dentro desse grupo estão os fungos que conhecemos popularmente como cogumelos e orelhas-de-pau. Veja a seguir algumas espécies bem conhecidas.

Algumas espécies de basidiomicetos são amplamente consumidas como alimentos. Além de muito saborosos, esses fungos são ricas fontes de proteínas e outros nutrientes.

Dentre as espécies de basidiomicetos mais consumidas estão as do gênero Agaricus, conhecidas popularmente como cogumelos-paris ou champignon. Além disso, temos a espécie Lyophyllum shimeji, conhecida popularmente como cogumelos shimeji. Bem como a espécie Lentinula edodes, conhecida popularmente como shitake.

Shimeji - Reino Fungi
Fotografia de cogumelos shimeji sobre uma mesa. Fonte: Langan Photo.
Reino Fungi e os fungos tóxicos

Há também muitas espécies de basidiomicetos que podem ser extremamente tóxicas para os seres humanos, como algumas espécies do gênero Amanita.

A mais famosa delas talvez seja o cogumelo da espécie Amanita muscaria. Esse cogumelo vermelho com pintinhas brancas aparece em várias mídias da cultura pop, como o jogo “Super Mario” e na animação “Alice no país das maravilhas”.

Cogumelo - Reino fungi
Fotografia de um exemplar de Amanita muscaria em meio à serapilheira. Fonte: Getty Images.

Olha só a imagem. É tão fofinho! Mas, não se engane! É extremamente tóxico. Pessoas que ingeriram esse cogumelo relatam alucinações e a sensação de parecer estar crescendo.

Esses relatos foram utilizados como inspiração para o cogumelo do jogo Super Mario, onde o personagem “cresce” ao capturar cogumelos e para cenas do filme de Alice no País das Maravilhas.

Esse cogumelo, além de ser muito belo, possui substâncias psicoativas e alucinógenas para seres humanos. Dessa forma, é muitas vezes ingerido em chás com objetivos psicodélicos. Todavia, se ingerido de maneira inadequada, pode causar séria intoxicação.

Além disso, há ainda algumas espécies de basidiomicetos que são parasitas de vegetais, como certas espécies de cerais e café. As doenças causadas por essas espécies são popularmente conhecidas como ferrugens e causam sérios danos às lavouras.

Características dos Basidiomicetos

Dentre todas as espécies do Reino Fungi, os basidiomicetos talvez sejam os mais populares. Isso se deve, principalmente, a seus corpos reprodutivos, conhecidos como basidiocarpos. Como você viu acima, além de muito bonitos, os basidiocarpos são amplamente utilizados como alimento.

Assim como os ascomicetos, os basidiomicetos possuem hifas septadas, com poros que facilitam a passagem de substâncias entre as células.

Entretanto, há uma particularidade interessante nas hifas desses fungos: em certas formas do seu ciclo vital, podem ser formadas hifas dicarióticas. Ou seja, hifas em que encontramos dois núcleos dentro da mesma célula.

Ciclo reprodutivo dos basidiomicetos

As hifas vegetativas dos fungos basidiomicetos são, em geral, hifas haploides. Quando germina, o basidiósporo, muitas vezes, dá origem a hifas com vários núcleos. À medida que crescem, septos surgem separando os núcleos, formando hifas com apenas um núcleo.

Quando estão maduras, as hifas de um organismo/ linhagem podem se fundir a outras, formando hifas dicarióticas (com dois núcleos). A partir de então, começa uma multiplicação dessas células, formando os corpos reprodutivos chamados de basidiocarpos, que muitas vezes chamamos de cogumelos.

Nos basídios, ocorre a fusão desses núcleos. E, em seguida, ocorre a meiose e a produção dos esporos.

Quitridiomicetos ou Filo Chytridiomycota

Representantes dos quitridiomicetos

Neste grupo estão pouco mais de 800 espécies de fungos. Entre essas espécies, podemos destacar a Batrachochytrium dendrobatidis. Essa espécie de fungo parasita anfíbios e é apontada como um dos fatores da diminuição de populações desses animais.

Características dos quitridiomicetos

Nesse grupo são encontradas as espécies mais primitivas de fungos, com uma grande diversidade morfológica e ecológica. Sendo assim, encontramos várias espécies que se apresentam com formas unicelulares durante todo o seu ciclo de vida, e muitas outras que formam hifas cenocíticas.

Muitas espécies de quitridiomicetos agem como decompositores, mas há também muitas espécies de parasitas. Assim como a espécie citada acima, que parasita anfíbios, e a espécie Rhizophydium sphaerotheca, que parasita algumas espécies de algas.

Reprodução dos quitridiomicetos

Boa parte das espécies de quitridiomicetos são aquáticas. Por conta disso, é comum que essas espécies produzam esporos que possuem flagelos, utilizados no deslocamento dessas células. Esses esporos são chamados de zoósporos.

Diagrama demonstrando a filogenia do Reino Fungi.
Diagrama demonstrando a filogenia do Reino Fungi. Fonte: montagem da autora.
Resumo sobre Reino Fungi:

Por fim, teste os seus conhecimentos com os exercícios abaixo.

Exercícios sobre o Reino Fungi
1- (UCB DF/2020)    

Os fungos são organismos eucarióticos heterotróficos, cuja parede celular contém quitina, substância também presente em alguns animais. Assim, a respeito da reprodução e da classificação dos fungos, assinale a alternativa correta.

a) Nos fungos, o processo de formação da primeira hifa, a partir de um esporo, é conhecido como esporulação.

b) Os liquens são formados pela associação cooperativa de zigomicetos com algas ou com cianobactérias. O corpo do líquen contém duas camadas externas constituídas por hifas do fungo, bem unidas e compactadas, e uma camada interna formada por células da alga e por hifas do fungo frouxamente entrelaçadas.

c) Os basidiomicetos vivem em ambientes terrestres e são fungos dotados de hifas cenocíticas que não formam corpo de frutificação. Um representante do grupo é o Rhyzopus stolonifer, popularmente conhecido como o bolor que cresce sobre superfícies de alimentos ricos em carboidratos. Algumas espécies podem causar infecções em seres humanos.

d) Os quitridiomicetos formam corpos de frutificação denominados ascocarpos, conhecidos popularmente como cogumelos. Há diversas espécies comestíveis que são largamente empregadas na culinária, entre elas o cogumelo do gênero Agaricus, os champignons.

e) Os quitrídios, filo Chytridiomycota, podem ser uni ou multicelulares, e a sua principal substância de reserva é o glicogênio. Em sua maioria, são fungos saprofágicos e possuem espécies parasitas de plantas, protozoários e animais, como o quitrídio Batrachochytrium dendrobatidis, apontado como o responsável pelo desaparecimento de anfíbios em vários continentes e cuja ocorrência já foi relatada no Brasil.

2 – (UEG GO/2019)    
Reino Fungi - Exercício
Disponível em:  http://www.ivoviuauva.com.br/tag/cogumelo/
Acesso em: 26 mar. 2019.

O ser vivo apresentado como a moradia dos “smurfs” tem diferentes espécies. Popularmente, esta “casinha de cogumelo” pode se referir também às espécies conhecidas como “orelhas-de-pau”, que apresentam um corpo frutífero, e, às vezes, com a forma de chapéu, apresentando hifas, que são “mofos”. Esses seres vivos possuem sofisticado conjunto de enzimas, muitas vezes, de interesse da indústria de biorremediação de solos contaminados e no tratamento de efluentes.

De acordo com a taxonomia desses seres vivos, verifica-se que eles são considerados:

a) zigomycota

b) ascomicota

c) ascomicetos

d) basidiomicetos

e) deuteromicetos

3- (PUC RS/2016)    

Os fungos são organismos que possuem características que tornam este grupo de seres vivos bastante peculiar, pois evoluíram de maneira tal que, atualmente, apresentam uma grande diversidade de formas corporais, de ciclos de vida e de estruturas reprodutivas, o que favorece a sua adaptação a variadas condições ambientais.

Portanto, sobre os fungos é correto afirmar que

a) cada um de seus filamentos é denominado de micélio.

b) o cogumelo corresponde ao corpo de frutificação nos Basidiomicetos.

c) são seres procariotos e fermentadores que decompõem a matéria orgânica.

d) seus esporângios produzem esporos – células diploides (2n) envolvidas no processo de reprodução sexuada.

e) a fusão de hifas, também conhecida como plasmogamia, corresponde à parte assexuada do seu ciclo reprodutivo.

GABARITO: 

1) Gab: E

2) Gab: D

3) Gab: B

Sobre o(a) autor(a):

Juliana Evelyn dos Santos é bióloga formada pela Universidade Federal de Santa Catarina e cursa o Mestrado em Educação na mesma instituição. Ministra aulas de Ciências e Biologia em escolas da Grande Florianópolis desde 2007 e é coordenadora pedagógica do Blog do Enem e do Curso Enem Gratuito.