A vida em sociedade: grupos e relações sociais

Saiba mais sobre as relações sociais e como elas contribuem para a construção da vida em sociedade. Revise Sociologia para o Enem!

Neste post vamos falar sobre o principal objeto de estudo da sociologia: as relações sociais. Sabemos que as pessoas vivem juntas, ou seja, em sociedade, mas o que significa viver em sociedade? Por que as pessoas de uma mesma sociedade são, em geral, parecidas? Como a diferença entre os indivíduos de uma mesma sociedade é tratada pelo coletivo? Quais fatores diferenciam os grupos sociais? Para responder a essas e a outras perguntas, convido você a mergulhar neste texto comigo. Vamos lá?

Os primeiros pensadores da sociologia, Comte e Durkheim, viam a sociedade como o objeto de estudo da sociologia e, por muito tempo, ninguém questionou essa afirmação. Eles pensavam desta forma, pois viam a sociedade como algo externo ao indivíduo, como um todo que era diferente das partes – os indivíduos – e possuía vida própria.

Com o desenvolvimento do pensamento sociológico, alguns autores e algumas autoras começaram a perceber que a sociedade não tem vida própria e que para compreender a vida em sociedade é necessário estudar as relações sociais entre os indivíduos, pois são elas que fazem a sociedade.

relações sociais - diversidade
Diversidade
Fonte: https://bit.ly/2N8qNGT

As relações sociais, assim como a sociedade, são construídas e reconstruídas a partir da experiência. Podemos dizer que as relações sociais, embora sigam determinados padrões culturais, não são fixas, mas sim móveis e adaptáveis.

Traduzindo: o modo como nos relacionamos dentro da nossa sociedade está diretamente ligado ao modo como as outras pessoas se relacionam na mesma sociedade que nós, mas não pode ser determinado por este modo.

Se por um lado temos um senso de obrigação moral que nos impele a ser, agir, pensar e sentir de determinada forma, por outro, vivemos em um mundo onde as relações sociais são vivas, elas se transformam, nem sempre podemos prevê-las; por isso, para compreender a vida em sociedade precisamos investigar a forma como as pessoas se relacionam no dia a dia.

Com frequência a sociedade é definida como um conjunto de pessoas que compartilham hábitos de vida em um dado território. Esta definição não está errada, porém ela é limitada. A sociedade é bem mais que isso. A sociedade é concreta, mas também é abstrata, pois ela não tem vida própria, ela é a vida dos sujeitos que vivem nela. Alguns teóricos vão dizer que o conceito de sociedade já está tão carregado como algo estático, como uma coisa palpável, concreta, que é melhor falar em relações sociais para entender a vida em sociedade.

relações sociais - grupos sociais
Grupos sociais
Fonte: https://bit.ly/2xWOtbD

As relações sociais são a convivência social, é o que dá sentido ao cotidiano das pessoas, o que mostra e esconde semelhanças e diferenças entre as pessoas.

Por exemplo, o desejo de consumir determinado serviço ou produto é um desejo que aparentemente é individual, mas que, na verdade, é estimulado pela sociedade capitalista, que faz com que todas pessoas, ou quase todas, queiram ter um Iphone, um carro do ano ou uma casa própria.

Nós aprendemos, nos relacionando nesta sociedade, que é bom ter coisas e que o poder de compra nos coloca em uma situação de vantagem social.

Mas o que acontece com as pessoas que não podem ter estes produtos? Elas estão fora da sociedade? Elas são excluídas? Como as relações sociais destas e com estas pessoas são afetadas pela não possibilidade de adquirir certo produto?

relações sociais - transformação social
Transformação social. Fonte: https://bit.ly/2DESms0

Se pararmos para observar, iremos perceber que as diferenças entre as pessoas na nossa sociedade geram desigualdades sociais e essas desigualdades afetam e são afetadas pelas relações sociais.

Alguns grupos sociais lidam bem com a diferença, inclusive vendo a mesma como algo positivo para a sociedade, um fator que faz com que as pessoas aprendam coisas novas, vivam novas experiências e se desenvolvam como indivíduos e como coletividade. No entanto, na maioria das sociedades capitalistas as diferenças são motivo de exclusão e violência.

Mas por que excluímos o diferente? Esta é uma pergunta complexa que têm muitas respostas possíveis, mas uma pista está na forma como construímos nossas relações sociais desde que surgiu o dinheiro. O dinheiro ou capital se tornou o centro das nossas relações, desumanizando um pouco – ou muito – nossa vida em sociedade.

A dominação dos seres humanos sobre os animais e sobre a natureza como um todo também pode nos ajudar a entender a exclusão social e os preconceitos. Ao longo do tempo, o desejo da conquista de território e do poder passou a guiar as relações sociais transformando nossa vida em sociedade.

No entanto, ao mesmo tempo, proliferam movimentos de resistência ao poder e ao capital, nos mostrando que nada é definitivo ou estático. A sociedade está em constante transformação, pois as pessoas e as relações sociais que estas estabelecem estão em movimento.

Para saber mais sobre este tema, assista a esta a videoaula:

Exercícios:

1. (ENEM – 2016)

relações sociais - exercício

A figura do inquilino ao qual a personagem da tirinha se refere é o(a)

a) constrangimento por olhares de reprovação.

b) costume imposto aos filhos por coação.

c) consciência da obrigação moral.

d) pessoa habitante da mesma casa.

e) temor de possível castigo.

2. Assinale a alternativa INCORRETA sobre as relações sociais:

a) As relações sociais são a convivência social, o que dá sentido ao cotidiano das pessoas

b) As relações sociais são móveis e indeterminadas

c) Existe uma tendência de que as relações sociais representem o modo de vida da sociedade onde estas relações se estabelecem

d) As relações sociais são o objeto de estudo da sociologia

e) As relações sociais são determinadas pelo modo de vida de um povo

3. Como tendem a ser as relações sociais nas sociedades capitalistas?

a) harmônicas e igualitárias

b) sempre conflituosas e violentas

c) indiferentes

d) marcadas pela valorização do capital e dos bens materiais que ele pode comprar

e) amorosas e sutis

Gabarito:

1. c

2. e

3. d

Sobre o(a) autor(a):

Os textos e exemplos acima foram preparados pela professora Juliana Ben para o Blog do Enem. Juliana é graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e especialista em Ensino de Sociologia para o Ensino Médio pela mesma universidade. Atua como professora de sociologia no RS e em SC desde 2010. Facebook: https://www.facebook.com/juliana.ben.brizola