Substantivo, adjetivo e artigo

Conhecer as classes de palavras pode ajudar a ler e interpretar textos com maior habilidade. Revise Português para arrebentar as questões de Linguagens no Enem!

Pode parecer básico, mas você sabe conceituar e diferenciar substantivo, adjetivo e artigo? Para fazer a prova do Enem, você deve dominar bem o assunto!

Substantivo

Um substantivo é uma palavra que dá nome algo. São nomes de lugares, pessoas, objetos, sentimentos e ações. Logo, reconhecer um substantivo é fácil: nomeia algo e pode ser acompanhado por artigo (o, a, os, as).

Substantivo e suas classificações

Saber a classificação de um substantivo ajuda a perceber a maneira que classificamos e percebemos o mundo. Ademais, os gêneros textuais podem enfatizar ora um ou outro tipo de substantivo. Por exemplo, provavelmente, um texto filosófico contará com muitos substantivos abstratos para descrever ideias.

Concreto: nomeiam seres que possam gerar em nosso pensamento uma imagem, podendo ser imaginários (anjos, alma, bruxa) ou reais (casas, Rio de Janeiro,).

Abstrato: são conceitos que não podem ser atingidos por nenhum dos cinco sentidos: não podem ser tocados, vistos ou ouvidos, apenas percebemos os seus efeitos. São os sentimentos, as ações, as emoções: vida, amor, ódio, frio, beleza.

Próprio: dá nome aos seres e é representado pela letra inicial maiúscula. Exemplo: Maria, Terra, São Paulo.

Comum: nomeia um ser que participa de certa classe, genericamente. Exemplo: homem, cachorro, cidade, mesa, telefone.

Primitivo: são palavras que se encaixam numa família etimológica e dão origem a outras. Exemplo: pedra, flor.

Derivado: surge de outra palavra já existente na Língua. Exemplo: pedreira, florista.

Simples: possui somente um radical, ou seja, é formado por apenas uma palavra. Exemplo: água, tempo, rádio, caixa.

Composto: possui mais de um radical, isto é, é formado por mais de uma palavra. Exemplo: guarda-chuva, couve-flor, lança-perfume.

Coletivo: é o substantivo que expressa o plural de determinada palavra, mesmo estando no singular. Exemplo: Alcatéia (agrupamento de lobos), Malhada (agrupamento de ovelhas) Molho (agrupamento de chaves ou verduras).

Flexão:
Outra informação importante é saber que os substantivos podem variar em gênero, número e grau (aumentativo – gatão e diminutivo – gatinho).

  • Flexão de Gênero

O gênero dos substantivos é dividido em dois grandes grupos:

Biformes: o gênero da palavra é reconhecido pela terminação em -a ou -o: menina, menino.

Uniformes: não apresentam variação de gênero no substantivo em si.
Epiceno: diferencia o sexo dos animais através dos adjetivos macho e fêmea. Exemplo: jacaré macho, jacaré fêmea.

Comum de dois gêneros: diferencia o gênero do substantivo através de um determinante, ou seja, artigo, pronome ou adjetivo. Exemplos: o gerente / a gerente, ele é um estudante / ela é uma estudante, belo personagem / bela personagem.

Sobrecomuns: é usada somente uma forma para o feminino e o masculino. Exemplo: a criança, a vítima, o animal, o sujeito.

Logo, não é exclusividade do inglês possuir substantivos sem variação de gênero, certo?

  • Flexão de Número

Geralmente, é essa que gera mais dúvidas quando os substantivos são compostos. Guardas – roupas? Guardas – roupa? Guarda-roupas?

Somente é alterado o primeiro elemento quando:
O segundo elemento é um substantivo que indica finalidade. Exemplo: pombos-correio, salário-família.

Os dois elementos estiverem unidos por uma preposição: Exemplo: pés-de-mole, mulas-sem-cabeça.

Somente é alterado o segundo elemento quando:
O primeiro elemento for um prefixo ou uma palavra invariável. Exemplo: ex-alunos, contra-ataques.

O primeiro elemento for um verbo. Exemplo: guarda-costas.

Se o substantivo é formado por palavras repetidas ou onomatopeias. Exemplo: reco-recos, tico-ticos, bem-te-vis, tique-taques, corre-corres, pisca-piscas.

  • Flexão de Grau

O uso de aumentativo e diminutivo costuma ser mais próximo do cotidiano dos alunos. A única observação aqui é prestar atenção à intenção comunicativa. Muitas vezes, quando utilizamos a variação de grau também atribuímos valor e podemos expressar, inclusive, preconceitos. Por exemplo, na frase: “Ele está saindo com aquela mulherzinha.” Aqui, o uso de diminutivo poderia indicar “mulher pequena”, mas geralmente indica “mulher de caráter duvidável”. É interessante notar que o mesmo não ocorre com o contrário: homenzinho.

Adjetivos

É a classe gramatical que modifica o substantivo, atribuindo qualidade ou estado. Por isso, são chamados de determinantes do substantivo, concordando com eles em gênero e número: meninas bonitas.

Locução Adjetiva

É uma expressão constituída por mais de uma palavra para caracterizar o substantivo, tendo a mesma função de um adjetivo. Geralmente, é formada por preposição + substantivo. Por isso a importância do contexto para reconhecer uma locução adjetiva. Por exemplo:

Amor de pai (locução adjetiva)
Amor paterno (adjetivo)

Na locução adjetiva, o substantivo tem o seu próprio gênero e número, não concordando com a locução: máscaras de cabelo. Já o substantivo concorda em gênero e número em relação ao adjetivo: máscaras capilares.

Classificação dos adjetivos

É interessante destacar a existência dos adjetivos pátrios, que se referem à origem ou nacionalidade: brasileiro, paulistano, santista.

Mas e a frase: “o brasileiro precisa ser estudado”? É substantivo ou adjetivo?

Nesse caso, temos uma palavra substantivada. Originalmente, “brasileiro” é um adjetivo pátrio. Contudo, nesse contexto, ao ser acompanhado pelo artigo “o”, passa a nomear algo e torna-se uma palavra substantivada.

Flexão

Aqui, é importante ressaltar a flexão de número dos adjetivos compostos, em que o último elemento sofre a flexão. Exemplo: sabores doce-amargos, caminhos récem- abertos, problemas sócio- econômicos.

Artigos

Artigo é a palavra que transmite a ideia de generalização ou especificidade a um substantivo. Por isso, também é chamado de determinante.

Classificação dos artigos

Definidos: a, o, as, os – transmitem a noção de algo específico.

Indefinidos:  um, uma, uns, umas – indicam generalização.

Na canção de Chico Buarque, “Esse cara”, há um verso que afirma: “Ele é o homem, eu sou apenas uma mulher.” Você percebe que nesse caso, o uso de artigos também transmite valores sociais por meio dos conceitos de especificidade e generalização? “O homem” indica alguém distinto dos outros, diferente, melhor. Já “uma mulher”, por meio da generalização, indica “uma mulher como todas as outras”, numa relação de inferioridade com o outro elemento. Logo, o uso gramatical também perpassa as relações culturais. Língua é poder.

O texto acima foi produzido pela professora Jéssica Forini. Graduada em Letras (Português / Alemão) pela UNESP, atua como English Teacher desde 2010 e Professora de Português desde 2012. Atualmente, sobrevive ao mestrado em Linguística na UFSC, com ênfase em Análise do Discurso e Estudos de Gênero.

Para revisar, assista à aula abaixo:

Exercícios

1- Leia o seguinte trecho de uma entrevista concedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa:

Entrevistador: O protagonismo do STF dos últimos tempos tem usurpado as funções do Congresso?

Entrevistado: Temos uma Constituição muito boa, mas excessivamente detalhista, com um número imenso de dispositivos e, por isso, suscetível a fomentar interpretações e toda sorte de litígios. Também temos um sistema de jurisdição constitucional, talvez único no mundo, com um rol enorme de agentes e instituições dotadas da prerrogativa ou de competência para trazer questões ao Supremo. É um leque considerável de interesses, de visões, que acaba causando a intervenção do STF nas mais diversas questões, nas mais diferentes áreas, inclusive dando margem a esse tipo de acusação. Nossas decisões não deveriam passar de duzentas, trezentas por ano. Hoje, são analisados cinquenta mil, sessenta mil processos. É uma insanidade.
Veja, 15/06/2011.

No trecho “dotadas da prerrogativa ou de competência”, a presença de artigo antes do primeiro substantivo e a sua ausência antes do segundo fazem que o sentido de cada um desses substantivos seja, respectivamente,

a) figurado e próprio.
b) abstrato e concreto.
c) específico e genérico.
d) técnico e comum.
e) lato e estrito.

RESPOSTA: C

2- Uma campanha alegre, IX

Há muitos anos que a política em Portugal apresenta este singular estado:
Doze ou quinze homens, sempre os mesmos, alternadamente possuem o Poder, perdem o Poder, reconquistam o Poder, trocam o Poder… O Poder não sai duns certos grupos, como uma pela* que quatro crianças, aos quatro cantos de uma sala, atiram umas às outras, pelo ar, num rumor de risos. Quando quatro ou cinco daqueles homens estão no Poder, esses homens são, segundo a opinião, e os dizeres de todos os outros que lá não estão — os corruptos, os esbanjadores da
Fazenda, a ruína do País! Os outros, os que não estão no Poder, são, segundo a sua própria opinião e os seus jornais — os verdadeiros liberais, os salvadores da causa pública, os amigos do povo, e os interesses do País. Mas, coisa notável! — os cinco que estão no Poder fazem tudo o que podem para continuar a ser os esbanjadores da Fazenda e a ruína do País, durante o maior tempo possível! E os que não estão no Poder movem-se, conspiram, cansam-se, para deixar de ser o mais depressa que puderem — os verdadeiros liberais, e os interesses do País! Até que enfim caem os cinco do Poder, e os outros, os verdadeiros liberais, entram triunfantemente na designação herdada de esbanjadores da Fazenda e ruína do País; em tanto que os que caíram do Poder se resignam, cheios de fel e de tédio — a vir a ser os verdadeiros liberais e os interesses do País. Ora como todos os ministros são tirados deste grupo de doze ou quinze indivíduos, não há nenhum deles que não tenha sido por seu turno esbanjador da Fazenda e ruína do País…
Não há nenhum que não tenha sido demitido, ou obrigado a pedir a demissão, pelas acusações mais graves e pelas votações mais hostis… Não há nenhum que não tenha sido julgado incapaz de dirigir as coisas públicas — pela Imprensa, pela palavra dos oradores, pelas incriminações da opinião, pela afirmativa constitucional do poder moderador… E todavia serão estes doze ou quinze indivíduos os que continuarão dirigindo o País, neste caminho em que ele vai, feliz, abundante, rico, forte, coroado de rosas, e num chouto** tão triunfante!

(*) Pela: bola.
(**) Chouto: trote miúdo.

(Eça de Queirós. Obras. Porto: Lello & Irmão-Editores, [s.d.].)

Assinale a alternativa cuja frase contém um numeral cardinal empregado como substantivo.

(A) Há muitos anos que a política em Portugal apresenta…
(B) Doze ou quinze homens, sempre os mesmos, alternadamente possuem o Poder…
(C) … os cinco que estão no Poder fazem tudo o que podem
para continuar…
(D) … são tirados deste grupo de doze ou quinze indivíduos…
(E) … aos quatro cantos de uma sala…
Instrução: As questões de números 06 a 10 tomam por base um artigo de Don Tapscott (1947-).

RESPOSTA: C