Ato comunicativo e os 6 elementos da comunicação

Revise os elementos que constituem o ato comunicativo humano, um conteúdo sempre presente na prova de Linguagens, Códigos e Tecnologias do Enem

Nesta aula de Português para o Enem vamos te apresentar os elementos que constituem o ato comunicativo humano, manifestado em diferentes linguagens e circunstâncias discursivas. Trata-se de um conteúdo utilizado nos vestibulares e, especialmente, na prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias do Enem. O conteúdo também encontra relevância pelo fato de ser essencial ao estudo de outra matéria da área de Língua Portuguesa: as funções da linguagem.

A linguagem é a base da interação humana por excelência. É por meio de diferentes linguagens, verbais e não verbais, que o ser humano se comunica e transmite suas mensagens.

O ato comunicativo

A comunicação manifesta-se de inúmeras formas, como, por exemplo, um gesto, um olhar, palavras, símbolos, pelas artes de uma forma geral, sinais sonoros, pela escrita, por contatos físicos, como um aperto de mão ou um abraço, entre outros. Ela condiciona-nos a desempenharmos determinadas funções enquanto seres sociais, seja expressando desejos e opiniões, trocando informações, aprimorando nossos conhecimentos, retratando sentimentos, enfim, participando efetivamente de uma coletividade.

As questões da prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias do Enem contemplam quase que em todas as edições do exame o conteúdo desta aula. São questões que não privilegiam somente os conhecimentos gramaticais da Língua Portuguesa Brasileira, mas tematizam o campo da linguagem humana e as diferentes linguagens – cinema, teatro, HQs, pintura, dança… Também podemos verificar questões que mobilizam conhecimentos referentes às novas tecnologias de informação e comunicação e, consequentemente, novas linguagens e novas maneiras de interação humana.

Entendemos que, seja qual for o tipo de comunicação utilizada, sempre há uma mensagem a ser transmitida e, sobretudo, uma finalidade específica que se deseja obter diante do ato comunicativo.

O professor Pasquale adora explicar o conteúdo que estamos estudando. Vamos conferir?

 

Vamos ilustrar com um exemplo:

Uma mulher fofoqueira vê sua vizinha saindo com um garoto e fica com a pulga atrás da orelha, pois o garoto em questão não é o namorado de sua vizinha. Mesmo não tendo nada a ver com a vida desses jovens, a mulher espalha para todos os moradores da rua que sua vizinha namora dois caras.

Os elementos comunicativos

Agora vamos analisar mentalmente a situação que você acabou de ler:

  • Em que contexto surgiu a fofoca?
  • A mulher fofoqueira espalhou uma fofoca entre os moradores de sua rua. Que mensagem (fofoca) ela espalhou?
  • Como você imagina que a mulher relatou o ocorrido para seus vizinhos? Será que ela focou apenas no que viu, ou ela pode ter se empolgado e mencionado coisas que não viu, frutos de sua imaginação? Pense em um possível diálogo entre ela e suas amigas.
  • Quem emitiu e quem recebeu a mensagem, ou a fofoca?
  • Qual o código, isto é, conjunto de signos linguísticos que a mulher utilizou para contar a fofoca?
  • E qual foi o canal utilizado para estabelecer o contato e efetuar a comunicação, ou seja, qual foi o meio pelo qual ela transmitiu a fofoca?

O exemplo da mulher fofoqueira poderia ser substituído por inúmeras outras situações comunicativas: um adolescente lendo o mangá dos Cavaleiros do Zodíaco e se divertindo; uma tia ensinando uma receita de cupcake para seu sobrinho; um diálogo entre dois estudantes surdos por meio da LIBRAS sobre suas expectativas para com a prova do Enem; o Presidente da República discursando em rede nacional sobre o desmatamento da Amazônia; uma conversa entre você e alguém em seu WhatsApp, com palavras digitadas, áudios e emojis; e até mesmo a leitura que você está efetuando agora, a fim de aprender sobre o ato comunicativo e os elementos que o constituem… Enfim, todas as situações comunicativas aqui mencionadas, e milhões de outras também, possibilitariam que cheguemos às seguintes conclusões:

– A linguagem é estritamente social, ou seja, sempre estamos dialogando com o “outro” (mesmo quando estamos escrevendo um diário ou lendo um livro);

– Para que o ato comunicativo aconteça, alguns elementos são preponderantes diante deste propósito.

Posto isso, é importante que nos familiarizemos com os elementos que constituem o ato comunicativo, conhecendo cada um deles e sua respectiva funcionalidade. Assim sendo, o ato comunicativo é constituído por seis elementos:

  • O emissor (ou locutor) – É a pessoa que emite a mensagem.
  • Receptor (ou interlocutor) – É a pessoa a quem a mensagem é remetida.
  • A mensagem – Constitui a essência do que se propõe a dizer, ou seja, o conteúdo contido na informação.
  • O código – Representa o conjunto de signos linguísticos combinados entre si, de acordo com o conhecimento do falante em relação à língua materna.
  • O canal – Trata-se do meio pelo qual a mensagem é transmitida, seja por livros, meios de comunicação de massa, entre outros.
  • O contexto ou referente – É o objeto, assunto ou lugar a que a mensagem faz referência.
Vamos aprofundar nossos conhecimentos sobre o ato de comunicação e seus elementos com esta videoaula?

Agora que você conhece os seis elementos do ato comunicativo e suas respectivas funcionalidades, retome o caso da mulher fofoqueira e verifique se você acertou as respostas das questões mentais. Naquele contexto temos:

  • Emissor: a mulher fofoqueira;
  • Receptor: os moradores da rua;
  • Mensagem: “A minha vizinha, que tem namorado, está saindo com outro cara. Pode isso?”;
  • Código: a língua portuguesa;
  • Canal: a voz, ou a modalidade oral da língua;
  • Contexto: a vizinha, que possui namorado, estava saindo com outro cara.

Esses seis elementos também podem ser verificados nas situações exemplificadas anteriormente e em qualquer ato comunicativo. Transpondo-os em um esquema onde esses elementos estabelecem um movimento de inter-relação, teremos:

ato comunicativo

Todos os fatores envolvidos no esquema acima são imprescindíveis para a efetivação da comunicação humana. Quando elaboramos uma mensagem, pensamos também nos sentidos que queremos atribuir a ela, pois todo ato comunicacional é permeado por intenções. Nesse momento, quando a comunicação é perpassada por sentidos e finalidades, surgem as funções da linguagem:

ato comunicativo

Os elementos da comunicação estão intrinsecamente relacionados com as funções da linguagem. Para melhor exemplificar a relação existente entre esses dois fatores fundamentais da comunicação, observe o esquema:

ato comunicativoObservando o último esquema, é possível notar a relação existente entre os elementos da comunicação e as funções da linguagem. É importante ressaltar que, embora em uma mesma mensagem verbal possam conviver diferentes funções, sempre uma delas irá se destacar, estabelecendo uma diferente ordem hierárquica de funções.

Exercícios

Questão 1 (Enem-2017)

TEXTO I

Fundamentam-se as regras da Gramática Normativa nas obras dos grandes escritores, em cuja linguagem as classes ilustradas põem o seu ideal de perfeição porque nela é que se espelha o que o uso idiomático estabilizou e consagrou.

LIMA. C. H. R. Gramática normativa da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: José Olympio. 1989.

 TEXTO II

Gosto de dizer. Direi melhor: gosto de palavrar. As palavras são para mim corpos tocáveis, sereias visíveis, sensualidades incorporadas. Talvez porque a sensualidade real não tem para mim interesse de nenhuma espécie – nem sequer mental ou de sonho –, transmudou-se-me o desejo para aquilo que em mim cria ritmos verbais, ou os escuta de outros. Estremeço se dizem bem. Tal página de Fialho, tal página de Chateaubriand, fazem formigar toda a minha vida em todas as veias, fazem-me raivar tremulamente quieto de um prazer inatingível que estou tendo. Tal página, até, de Vieira, na sua fria perfeição de engenharia sintáctica, me faz tremer como um ramo ao vento, num delírio passivo de coisa movida.

PESSOA. F. O livro do desassossego. São Paulo: Braziliense, 1986.

A linguagem cumpre diferentes funções no processo de comunicação. A função que predomina nos textos I e II:

a) destaca o “como” se elabora a mensagem, considerando-se a seleção, combinação a sonoridade do texto.

b) coloca o foco no “com o que” se constrói a mensagem, sendo o código utilizado o seu próprio objeto.

c) focaliza o “quem” produz a mensagem, mostrando seu posicionamento e suas impressões pessoais.

d) orienta-se no “para quem” se dirige a mensagem, estimulando a mudança de seu comportamento.

e) enfatiza sobre “o quê” versa a mensagem, apresentada com palavras precisas e objetivas.

 

Questão 2 (Enem-2013)

XAVIER, C. Disponível em: www.releituras.com.

Os objetivos que motivam os seres humanos a estabelecer comunicação determinam, em uma situação de interlocução, o predomínio de uma ou de outra função de linguagem. Nesse texto, predomina a função que se caracteriza por:

a) tentar persuadir o leitor acerca da necessidade de se tomarem certas medidas para a elaboração de um livro.

b) enfatizar a percepção subjetiva do autor, que projeta para sua obra seus sonhos e histórias.

c) apontar para o estabelecimento de interlocução de modo superficial e automático, entre o leitor e o livro.

d) fazer um exercício de reflexão a respeito dos princípios que estruturam a forma e o conteúdo de um livro.

e) retratar as etapas do processo de produção de um livro, as quais antecedem o contato entre leitor e obra.

 

Questão 3 (Enem-2015)

14 coisas que você não deve jogar na privada

Nem no ralo. Elas poluem rios, lagos e mares, o que contamina o ambiente e os animais. Também deixa mais difícil obter a água que nós mesmos usaremos. Alguns produtos podem causar entupimentos:

  • cotonete e fio dental;
  • medicamento e preservativo;
  • óleo de cozinha;
  • ponta de cigarro;
  • poeira de varrição de casa;
  • fio de cabelo e pelo de animais;
  • tinta que não seja à base de água;
  • querosene, gasolina, solvente, tíner.

Jogue esses produtos no lixo comum. Alguns deles, como óleo de cozinha, medicamento e tinta, podem ser levados a pontos de coleta especiais, que darão a designação final adequada.

MORGADO, M.; EMASA. Manual de etiqueta. Planeta Sustentável, jul.-ago. 2013 (adaptado).

O texto tem objetivo educativo. Nesse sentido, além do foco no interlocutor, que caracteriza a função conativa da linguagem, predomina também nele a função referencial, que busca:

a) despertar no leitor sentimentos de amor pela natureza, induzindo-o a ter atitudes responsáveis que beneficiarão a sustentabilidade do planeta.

b) informar o leitor sobre as consequências da destinação inadequada do lixo, orientando-o sobre como fazer o correto descarte de alguns dejetos.

c) transmitir uma mensagem de caráter subjetivo, mostrando exemplos de atitudes sustentáveis do autor do texto em relação ao planeta.

d) estabelecer uma comunicação com o leitor, procurando certificar-se de que a mensagem sobre ações de sustentabilidade está sendo compreendida.

e) explorar o uso da linguagem, conceituando detalhadamente os termos utilizados de forma a proporcionar melhor compreensão do texto.

 

Gabarito:

1- B 

2- D 

3- B

Sobre o(a) autor(a):

Texto produzido pelo Professor João Paulo Prilla para o Curso Enem Gratuito. JP é licenciado em Letras- Português, Inglês e respectivas Literaturas (2010) pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões e mestrando em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina. Ministra aulas de Literatura, Língua Portuguesa e Redação em escolas da Grande Florianópolis desde 2011.