Aprenda a escrever os parágrafos de desenvolvimento da redação do Enem

Veja formas de redigir bons parágrafos de desenvolvimento para a sua redação. Entenda como elaborar uma argumentação consistente, apresentando diferentes pontos de vista e sem fugir do tema!

Muitos candidatos ficam perdidos na hora de escrever os parágrafos de desenvolvimento da redação. Alguns, por pensarem que não sabem nada sobre o tema, acham que não conseguirão desenvolvê-lo. Outros, por terem mil ideias do que escrever e poucas linhas restantes, acabam fugindo do tema.

Informação e argumentação

Durante o desenvolvimento da redação, é importante perceber que apenas informações sobre o tema não são o suficiente para argumentar. Da mesma forma que somente críticas sem comprovação não cumprem o papel de um texto dissertativo. Logo, é essencial que haja tanto o posicionamento do autor, quanto a corroboração por meio de fatos, dados ou exemplos.

Observe o parágrafo dissertativo sobre o tema “Detox da Internet”.

Diante do uso excessivo da internet e da dificuldade de manter-se desconectado, o detox digital é uma maneira relevante de reduzir os malefícios.Uma prova da necessidade dessa ‘limpeza’ é o número de horas que os brasileiros fiam conectados; são em média 650 horas por mês, de acordo com os dados da Comsoare.

Além disso, as circunstâncias atuais impõem a dependência da internet a inúmeras profissões como bancários, advogados, operadores de telemarketing, entre outros e o resultado disso são doenças como depressão, ansiedade e transtornos de personalidade, segundo a Associação Americana de Psiquiatria.”

Na primeira frase, a autora determina de maneira geral o raciocínio crítico que será desenvolvido e especificado durante o parágrafo, isto é, o tópico frasal: “Diante do uso excessivo da internet e da dificuldade de manter-se desconectado, o detox digital é uma maneira relevante de reduzir os malefícios.”. Observe que ela ainda precisa comprovar essa afirmação.

Em seguida, há a comprovação da análise, mostrando que o detox da internet é importante: “Uma prova da necessidade dessa ‘limpeza’ é o número de horas que os brasileiros fiam conectados; são em média 650 horas por mês, de acordo com os dados da Comsoare.”

Finalmente, há a articulação do dado apresentado com a crítica, reafirmando a relevância do detox da internet por meio da listagem de malefícios: “Além disso, as circunstâncias atuais impõem a dependência da internet a inúmeras profissões como bancários, advogados, operadores de telemarketing, entre outros e o resultado disso são doenças como depressão, ansiedade e transtornos de personalidade, segundo a Associação Americana de Psiquiatria.”

Dessa forma, o parágrafo do desenvolvimento da redação relaciona-se com o gênero dissertativo por meio de suas três partes:

  • Tópico Frasal: introdução da ideia central a ser defendida.
  • Comprovação: apresentação de fatos, dados ou exemplos que justifiquem de forma objetiva a crítica inicial.
  • Fechamento do parágrafo: finalização do parágrafo que relaciona a informação apresentada ao Tópico Frasal.

Vamos ver mais um exemplo referente ao tema “Liberdade de expressão – Limites do humor em tempos de intolerância”.

Como consequência da liberdade de expressão diante dos limites do humor, a cidadania atribuída à palavra é efetivamente cumprida. Primeiramente, é importante salientar que a liberdade de expressão deve ser vista numa perspectiva humanitária e solidária, diferentemente do individualismo que tanto se prega em ‘a liberdade de uma pessoa termina quando a da outra começa’.

Diante disso, reforçar ideias opressoras através do humor, na verdade, já é a perda total da liberdade de expressão, já que a risada é conquistada por meio de desumanidades. Felizmente, há possibilidade de fazer o público gargalhar de modo mais sensível, como muitos comediantes já estão se motivando.

Por exemplo, a cartunista Laerte considera que fazer humor é uma questão de compaixão, alguns a reforçam como é o seu caso, já outros ignoram.Esse zelo que comediantes cidadãos estão aderindo é, portanto, a mais plena liberdade de expressão, porque prefere batalhar pela expansão de vozes do que calá-las.”.

Observe o Tópico Frasal: “Como consequência da liberdade de expressão diante dos limites do humor, a cidadania atribuída à palavra é efetivamente cumprida. Primeiramente, é importante salientar que a liberdade de expressão deve ser vista numa perspectiva humanitária e solidária, diferentemente do individualismo que tanto se prega em ‘a liberdade de uma pessoa termina quando a da outra começa’.”. Assim, a autora apresenta a relação entre humor e liberdade de expressão como o exercício da cidadania.

Para comprovar a sua afirmação, ela estabelece uma reflexão e o exemplo: “Diante disso, reforçar ideias opressoras através do humor, na verdade, já é a perda total da liberdade de expressão, já que a risada é conquistada por meio de desumanidades. Felizmente, há possibilidade de fazer o público gargalhar de modo mais sensível, como muitos comediantes já estão se motivando. Por exemplo, a cartunista Laerte considera que fazer humor é uma questão de compaixão, alguns a reforçam como é o seu caso, já outros ignoram.

Então, há o fechamento do parágrafo, que concatena a crítica à comprovação: “Esse zelo que comediantes cidadãos estão aderindo é, portanto, a mais plena liberdade de expressão, porque prefere batalhar pela expansão de vozes do que calá-las.”.

Assim, o parágrafo fica completo, o que possibilita a construção de uma estratégia argumentativa.