Diplópodes e quilópodes: Veja as características desses animais

Diplópodes e quilópodes são representados pelos piolhos-de-cobra e pelas centopeias. Estude esses artrópodes nesta aula de biologia para o Enem.

Os quilópodes e os diplópodes fazem parte do Filo dos Artrópodes onde encontramos uma variedade enorme de animais. Alguns são muito famosos pelo seu interesse médico, como os aracnídeos peçonhentos, outros por serem amplamente consumidos como alimentos, como os crustáceos.

Entretanto, dentro desse filo há também animais menos conhecidos, porém não menos interessantes, como os quilópodes e os diplópodes. E por isso vamos falar sobre eles no resumo de hoje.

Quem são os diplópodes e os quilópodes?

Os diplópodes e os quilópodes são duas classes de artrópodes que pertencem ao subfilo Myriapoda. O nome Myriapoda (ou Miriápodes) vem justamente da principal característica desses animais: a presença de um grande número de patas (dezenas de patas).

Dentro do grupo dos diplópodes encontramos os animais conhecidos popularmente como piolhos-de-cobra ou embuás. Já os principais representantes dos quilópodes são conhecidos popularmente como lacraias ou centopeias.

quilópodes e diplópodes fazem parte do filo dos artrópodes Fotografia de um quilópode da Ordem Scutigeromorpha. Os quilópodes, assim como os diplópodes, são caracterizados pela presença de muitos segmentos e muitos apêndices locomotores. Fonte da imagem: Getty Images.

Características gerais dos diplópodes e quilópodes

Como os diplópodes e os quilópodes são artrópodes, podemos dizer que as características mais evidentes desses animais é o fato de apresentarem o copo segmentado com apêndices articulados. Entre esses apêndices, os que se destacam são os apêndices locomotores (patas) muito numerosos.

O piolho-de-cobra ou embuá também faz parte do filo dos artrópodes como quilópodeFotografia de piolho-de-cobra ou embuá. Esses animais, como você pode observar na imagem, possuem uma grande quantidade de patas. Tanto é que em alguns países eles são chamados de milípedes ou milípodes, nome que significa “mil pés”. Fonte da imagem: Getty Images.

Além disso, os diplópodes e quilópodes possuem o corpo revestido por um exoesqueleto quitinoso. Essa estrutura dá sustentação e proteção ao corpo desses animais, auxiliando também a evitar a perda excessiva de água para o ambiente.

Assim como nos demais artrópodes, esse exoesqueleto não cresce juntamente com esses animais. Sendo assim, é necessário que eles realizem de tempos em tempos a troca dessa estrutura, em um processo chamado de ecdise.

Quem são os Quilópodes

Os quilópodes pertencem à Classe Chilopoda, grupo que contém os artrópodes terrestres mais antigos conhecidos. Dentro desse grupo há cerca de 3.300 espécies descritas, representados pelas lacraias ou centopeias.

São animais de corpo alongado, achatado dorsoventralmente e dividido em vários segmentos, cujo número varia de espécie para espécie. (em geral, 14 ou mais segmentos).

Em cada um desses segmentos encontramos um par de patas, o que caracteriza o grupo.

Além disso, podemos destacar que o corpo desses animais pode ser divido em tronco, composto pelos segmentos com apêndices locomotores, e cabeça. Na cabeça encontramos a boca mandibulada posicionada ventralmente, um par de antenas longas e um par de olhos simples.

A lacraia é um quilópode que faz parte do filo dos artrópodesFotografia de uma lacraia sobre um galho de árvore. Note que no segmento logo após a cabeça há “patinhas” um pouco mais grossas. Essas estruturas são as forcípulas utilizadas para a inoculação de peçonha. Fonte da imagem: Getty Images.

No primeiro segmento do tronco das lacraias encontramos um par de apêndices chamados de forcípulas. Essas estruturas têm a função de inocular peçonha. Em geral, a peçonha de quilópodes não é letal para os seres humanos, porém pode causar dor intensa e inchaço no local da picada.

Como são os Diplópodes

Os diplópodes pertencem à classe Diplopoda, onde encontramos animais conhecidos popularmente como piolhos-de-cobra ou embuás.

Dentro desse grupo existem mais de 12.000 espécies de animais descritas que se caracterizam por possuírem um corpo muito alongado e cilíndrico, dividido em muitos segmentos (em geral, 20 ou mais segmentos).

Em cada um desses segmentos encontramos dois pares de patas (apêndices locomotores), característica que dá nome ao grupo. Assim como o número de segmentos, o número de patas também varia bastante, podendo chegar a até 750 apêndices.

Assim como os quilópodes, podemos dividir os corpos dos diplópodes em dois tagmas: o tronco e a cabeça. Na cabeça dos quilópodes encontramos um par de antenas curtas e um par de olhos compostos, formados por vários pequenos ocelos. Há também uma boca voltada para baixo e circundada por uma mandíbula.

Ao contrário dos quilópodes, não encontramos nos animais desse grupo glândulas de peçonha e forcípula inoculadora. Porém, algumas espécies quando se sentem ameaçadas podem liberar uma substância que ao entrar em contato com a pele humana pode causar manchas arroxeadas ou pequenas irritações.

montagem a respeito do que pode acontecer com a pele humana se encostar nesses animaisMontagem com duas fotografias. Na primeira fotografia podemos ver em detalhes o corpo cilíndrico do animal. Já na segunda, vemos manchas roxas no pé de uma pessoa provocadas pelas substâncias liberadas por um piolho-de-cobra.

Habitat natural e seus hábitos

Os quilópodes e diplópodes são encontrados especialmente em ambientes úmidos. Sendo, em geral, mais biodiversos em regiões de climas mais quentes. Em relação à alimentação, esses dois grupos divergem bastante.

Os quilópodes são animais carnívoros. Sendo assim, locomovem-se rapidamente e são excelentes predadores. Utilizam a peçonha injetada pelas forcípulas para paralisar suas presas que vão desde invertebrados até pequenos vertebrados.

Uma lacraia se alimentando de uma tarântula, um quilópode se alimentando de um aracnídeoFotografia de uma lacraia se alimentando de uma tarântula. Os quilópodes são animais rápidos e vorazes predadores. Fonte da imagem: Getty Images.

Já os diplópodes são animais detritívoros ou herbívoros que se deslocam de maneira mais lenta. Como dito acima, quando se sentem ameaçados podem liberar substâncias para distrair seus predadores ou ainda se enrolarem sobre si mesmos.

 um piolho-de-cobra é um quilópodeFotografia de um piolho-de-cobra enrolado como comportamento de defesa. Fonte da imagem: Getty Image.

Desenvolvimento embrionário

Os quilópodes e diplópodes, assim como os demais artrópodes, são animais triblásticos. Sendo assim, apresentam três folhetos embrionários (ectoderme, mesoderme e endoderme) durante a fase de gástrula.

Além disso, os miriápodes são considerados animais celomados, já que possuem uma cavidade interna que abriga os órgãos desses animais e é derivada da mesoderme.

Por fim, é importante ressaltar que esses grupos são animais protostômios. Ou seja, durante o desenvolvimento embrionário dos quilópodes e diplópodes, a boca irá se formar antes do ânus.

Anatomia e fisiologia dos miriápodes

Tanto os diplópodes quanto os quilópodes são animais que apresentam simetria bilateral. Isso quer dizer que se os dividirmos longitudinalmente obteremos duas partes iguais ou simétricas.

  • Sistema digestório

Assim como os demais artrópodes, os quilópodes e os diplópodes possuem sistema digestório completo, terminado em ânus.

Como dito acima, esses animais têm bocas ventrais localizadas no primeiro segmento, com mandíbulas que permitem o corte do alimento. Já seus ânus se localizam no último segmento, chamado de télson.

Nos quilópodes esse último segmento não tem patas e é comum encontrar em volta do ânus estruturas chamadas de válvulas anais, que fecham o orifício anal. Já os quilópodes podem apresentar no último segmento um par de patas anais.

  • Respiração

A respiração dos quilópodes e diplópodes é traqueal, da mesma maneira que ocorre nos insetos.

Sendo assim, há nesses animais uma série de túbulos finos que permeiam os tecidos e trocam gases com as células. Esses túbulos se abrem para o exterior em orifícios chamados de espiráculos. Em geral, a cada segmento encontramos dois espiráculos.

  • Circulação

Assim como ocorre em todos os artrópodes, a circulação nos miriápodes é aberta.

Isso quer dizer que a hemolinfa desses animais sai dos vasos e permeia os espaços intercelulares (hemoceles). Para que isso ocorra, um grande vaso dorsal bobeia a hemolinfa.

Como nesses animais as traqueias trocam gases diretamente com os tecidos, a hemolinfa não precisa transportar gases. Sendo assim, o seu papel é principalmente transportar nutrientes.

  • Excreção

Da mesma maneira que a circulação, a excreção dos quilópodes e diplópodes também é semelhante à dos insetos.

Nesses animais, a excreção é realizada por túbulos de Malpighi. Esses órgãos excretores são tubinhos longos e finos. Uma de suas pontas desemboca nos intestinos e a outra se encontra nas hemoceles, de modo a filtrar a hemolinfa retirando dela as excretas.

  • Sistema Nervoso

O sistema nervoso dos quilópodes e dos diplópodes é ganglionar. Há gânglios concentrados na cabeça que se ligam ao restante do corpo através de um cordão nervoso ventral.

  • Reprodução

Os quilópodes e os diplópodes são animais dioicos. Ou seja, apresentam sexos separados. Eles realizam reprodução sexuada através de fecundação interna e são ovíparos.

Nos quilópodes é comum que a transferência de espermatozoides dos machos para as fêmeas seja feita de maneira indireta. Sendo assim, o macho produz uma espécie de bolsinha de seda onde deposita os espermatozoides. Depois do comportamento de cópula, a fêmea se posiciona sobre a bolsinha para que os espermatozoides possam entrar em seu corpo.

Muitas espécies de miriápodes apresentam cuidado parental, construindo ninhos e defendendo os ovos antes de sua eclosão e nos estágios iniciais de desenvolvimento.

Veja no vídeo a seguir uma centopeia protegendo seus filhotes:

Os filhotes que saem dos ovos são semelhantes aos adultos. Sendo assim, consideramos que o desenvolvimento desses animais é direto. Porém, é importante ressaltar que tanto os filhotes de quilópodes quanto de diplópodes, em geral, nascem com apenas três segmentos no tronco e três pares de patas. À medida que vão realizando ecdises, o número de segmentos vai aumentando.

Videoaula

E aí? Conseguiu aprender um pouco mais sobre os miriápodes? Beleza! Então, para fixar o conteúdo e tirar todas as suas dúvidas, veja essa videoaula do canal Biologia Prof Guilherme:

Para finalizar sua aula, que tal testar seus conhecimentos com os exercícios que selecionei para você?

Exercícios

01 – (UCS RS/2015)    

Relacione as características, apresentadas na COLUNA A, ao seu respectivo grupo animal, listado na COLUNA B.

COLUNA A

1       Corpo dividido em cabeça, tórax e abdome; 3 pares de patas e um par de antenas.
2       Exoesqueleto quitinoso, cefalotórax e abdome; apresenta dois pares de antenas.
3       Cefalotórax e abdome; 4 pares de patas e quelíceras.
4       Corpo cilíndrico segmentado em três tagmas e dois pares de pernas por segmento no abdome.
5       Corpo dividido em dois tagmas: cabeça e tronco; duas pernas por metâmero.

(    )  Diplopoda
(    )  Insecta
(    )  Arachnidea
(    )  Crustacea
(    )  Chilopoda

Assinale a alternativa que preenche correta e respectivamente os parênteses, de cima para baixo.

a) 1 – 2 – 3 – 5 – 4
b) 2 – 1 – 3 – 5 – 4
c) 5 – 4 – 3 – 2 – 1
d) 4 – 3 – 2 – 1 – 5
e) 4 – 1 – 3 – 2 – 5

02 – (UECE/2003)      

Com relação aos Artrópodes, é verdadeiro afirmar:

a) Os quilópodos são capazes de produzir veneno
b) Os insetos possuem 3 pares de patas em cada parte do corpo
c) O corpo dos crustáceos é dividido em cabeça, cefalotórax e abdome
d) Os diplópodos são carnívoros

03 – (ACAFE SC/2017)    

Prefeitura de Formiga inicia campanha de prevenção contra escorpiões

Relatos recentes feitos à Prefeitura de Formiga (MG) sobre aparecimento de escorpiões em algumas regiões colocaram a cidade em situação de alerta. Apesar de ainda não ter havido registro de pessoa picada pelo artrópode neste ano no município, a Secretaria de Saúde informou que começou uma campanha nos postos de saúde com o objetivo de informar a população sobre os cuidados necessários.

Fonte: g1.globo, 03/05/2017
Disponível em: http://g1.globo.com.br

Em relação aos grupos de animais pertencentes ao filo Arthropoda, correlacione as colunas a seguir.

(1)    Insecta
(2)    Crustacea
(3)    Arachnida
(4)    Diplopoda
(5)    Chilopoda

(   )   Podem ser encontrados em ambientes marinhos, dulcícolas e terrestres, possuem dois pares de antenas e, grande parte dos animais pertencentes a este grupo apresenta corpo dividido em cefalotórax e abdome.
(   )   Possuem o corpo alongado e achatado, dividido em duas partes principais: cabeça e tronco; com um número variável de segmentos corporais apresentando um par de patas por segmento.
(   )   Possuem o corpo dividido em cabeça, tórax e abdômen, três pares de patas articuladas, olhos compostos e um par de antenas.
(   )   Vivem em lugares escuros e úmidos. Possuem um par de antenas na cabeça e o corpo segmentado, sendo que na maioria dos segmentos há dois pares de patas.
(   )   Possuem quatro pares de patas ou apêndices locomotores inseridos no cefalotórax e um par de apêndices modificado em quelícera.

A sequência correta, de cima para baixo, é:

a) 2 – 5 – 1 – 4 – 3
b) 4 – 2 – 1 – 5 – 3
c) 5 – 3 – 1 – 2 – 4
d) 3 – 4 – 5 – 1 – 2

GABARITO: 

1) Gab: E
2) Gab: A
3) Gab: A

Sobre o(a) autor(a):

Juliana Evelyn dos Santos é bióloga formada pela Universidade Federal de Santa Catarina e cursa o Mestrado em Educação na mesma instituição. Ministra aulas de Ciências e Biologia em escolas da Grande Florianópolis desde 2007 e é coordenadora pedagógica do Blog do Enem e do Curso Enem Gratuito.

Compartilhe: