A impessoalidade na redação do Enem

Todo mundo ouve e lê sobre a impessoalidade que se deve ter na escrita do texto-dissertativo do Enem. Mas o que é, afinal, essa tal de impessoalidade? Como produzir um texto dissertativo-argumentativo de maneira impessoal? Essas e outras dúvidas serão esclarecidas ao longo deste texto, preparado especialmente para você arrasar na Redação do Enem.

Esta aula tem o objetivo de esclarecer aspectos referentes à impessoalidade da linguagem, fornecendo dicas e técnicas de como produzir um texto de maneira impessoal. Trata-se de uma competência exigida na produção do texto dissertativo-argumentativo do Enem e de redações de outros vestibulares brasileiros.

Dominar esse recurso linguístico é muito significativo na produção do texto dissertativo-argumentativo do Enem, sendo um dos critérios avaliados para a tão sonhada nota 1000.

A impessoalidade da linguagem é uma técnica indispensável quando falamos na produção de um texto dissertativo-argumentativo. O objetivo principal de escrever um texto de maneira impessoal é eliminar marcas de subjetividade do discurso, isto é, evitar opiniões e juízos de valores pessoais.

Como você já deve saber, o texto dissertativo-argumentativo requer a defesa de um ponto de vista (tese) a partir de um dado assunto ou tema polêmico e atual. A defesa desse ponto de vista se dará no desenvolvimento do texto, com a apresentação de argumentos consistentes capazes de sustentá-lo.

De certo modo, não é errado afirmar que esse texto possui um viés opinativo. Entretanto, não podemos cair no simplismo de achar que opinião é sinônimo de argumento. O argumento vai além da opinião: é crítico, pretende estabelecer uma reflexão acerca do assunto polêmico tematizado no texto, buscando seu embasamento em informações concretas, dados estatísticos oficiais, testemunhos de autoridades (sejam elas pessoas ou instituições) no assunto, entre outros.

impessoalidade

A impessoalidade deve se fazer presente desde o início de seu texto, na apresentação da tese, passando pelo desenvolvimento – que nada mais é que a construção dos argumentos – até chegar à conclusão, ao fechamento do texto, onde você apresenta uma proposta de intervenção ao problema que foi discutido. Em outras palavras, a impessoalidade deve estar nas três partes – introdução, desenvolvimento, conclusão – que estruturam o texto dissertativo-argumentativo.

O que é impessoalidade?

Na construção de um texto dissertativo-argumentativo, o autor faz um esforço para se distanciar do assunto abordado, isto é, ele faz uso da impessoalidade. Esse recurso é uma regra exigida nesse gênero textual. A sua utilização proporciona maior credibilidade ao texto, principalmente na defesa do ponto de vista sobre o problema que se está discutindo, a qual se dá por meio da argumentação.

Como já foi exposto, no texto dissertativo-argumentativo, o que prevalece é a opinião do autor, fundamentada com uma argumentação consistente que, além de sustentar a sua tese, respeite a diversidade cultural e os direitos humanos.

Sabemos que os temas propostos nas redações do Enem são sempre atuais e polêmicos, de relevância social elevada, os quais mobilizam as mais diferentes opiniões e pontos de vista dos indivíduos. Entretanto, o respeito aos direitos humanos e à diversidade cultural são essenciais para a escrita de um bom texto. Desrespeitá-los pode resultar em uma redação com nota zero.

A impessoalidade no texto dissertativo-argumentativo

Observe as frases a seguir:

“Eu acho que precisamos ter cuidado, pois o número de assaltos aumentou nesse bairro.”

 “Na minha opinião, precisamos ter cuidado, pois o número de assaltos aumentou nesse bairro.”

Se um texto dissertativo-argumentativo já é, em si mesmo, um tipo de texto no qual o autor expõe a sua opinião, torna-se desnecessário marcas como “eu acho” e “na minha opinião”.

Teremos a impessoalidade no uso dos verbos na 3ª pessoa do singular e do plural (geralmente acompanhados do pronome “se”). Evite as construções com 1ª pessoa do singular (eu) e do plural (nós).

Outros exemplos de construções que devem ser evitadas:

  • Eu considero esse tipo de abordagem inapropriada…” (Eu considero = 1ª pessoa do singular [eu]);
  • Nós podemos manifestar nossos desejos de uma sociedade mais justa e igualitária…” (Nós podemos = 1ª pessoa do plural [nós]);
  • Espero que a mudança não aconteça tardiamente…” (Espero = a 1ª pessoa do singular está implícita nesse verbo [eu]);
  • Queremos que nossos direitos sejam assegurados…” (Queremos = a 1ª pessoa do plural está implícita nesse verbo [nós]).

É importante ressaltar que, caso tenha começado a escrever o texto usando uma pessoa gramatical (1ª ou 3ª), deve permanecer assim até o final, para não mudar os pontos de vista defendidos na argumentação.

O uso da impessoalidade

Não é difícil de deixar o seu texto impessoal. Para isso, existem algumas regras que poderão lhe ajudar na hora da escrita:

1- Substitua expressões como “eu acho”, “na minha opinião”, “do meu ponto de vista” etc., por outras mais gerais, como “é bom lembrar”, “é preciso considerar”, “é importante”, “convém observar”, entre muitas outras;

2- Evite ao máximo o uso da primeira pessoa do singular. Assim, em vez de escrever “Considero que as contribuições sociais foram importantes para…”, você deve optar por “As considerações sociais foram importantes para…”. Ou seja, o autor deve ser mais direto, não há a necessidade de usar a primeira pessoa, pois já se sabe que se trata de um texto essencialmente opinativo;

3- Indetermine o sujeito, usando o verbo intransitivo ou transitivo indireto ou de ligação + pronome “se”. Adotando esse recurso linguístico, você não permitirá que o leitor identifique com precisão o agente da ação. Trata-se de uma técnica muito útil, sobretudo quando surge, no momento da escrita do seu texto, alguma informação da qual você desconhece a exata procedência. Exemplos:

Aprende-se na universidade a relevância da ciência e da pesquisa no Brasil”.

“Buscava-se a erradicação da pobreza e da fome através de programas sociais e de políticas públicas a longo prazo”.

“Debate-se muito sobre a questão das novas mídias e tecnologias em sala de aula”.

Esta aula sobre a linguagem da redação vai te ajudar a colocar a impessoalidade em prática 😉

 

A Professora Dani também apresenta alguns temas que poderão ser contemplados na redação do Enem 2019

Sobre o(a) autor(a):

Texto produzido pelo Professor João Paulo Prilla para o Curso Enem Gratuito. JP é licenciado em Letras- Português, Inglês e respectivas Literaturas (2010) pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões e mestrando em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina. Ministra aulas de Literatura, Língua Portuguesa e Redação em escolas da Grande Florianópolis desde 2011.