O que foi a Revolução Cubana, quais suas causas e consequências

A Revolução Cubana foi um movimento guerrilheiro revolucionário liderado por Fidel Castro e que culminou na instalação do sistema socialista em Cuba no ano de 1959. Saiba mais!

Você sabia que Cuba já foi um protetorado dos Estados Unidos? E que a Revolução de Fidel não era socialista desde o início? Descubra mais sobre a Revolução Cubana com esta aula de História do Curso Enem Gratuito.

Contexto histórico e Guerra Fria

Desde o início da Guerra Fria, ou seja, após 1945, os Estados Unidos capitanearam um projeto de contenção do socialismo nos países ocidentais. O principal campo de batalha desta guerra ideológica ocorreu na Europa, com a reconstrução do continente logo após a Segunda Guerra Mundial. Para os estadunidenses era importante evitar que a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) dominassem os enfraquecidos países da Europa.

Toda essa atenção à disputa ideológica fez com que a potência norte-americana deixasse de lado a América Latina. No século XIX, os EUA se preocuparam em expulsar a presença europeia no continente para que eles mesmos pudessem exercer a hegemonia neste território. Mas, com a mudança de foco na segunda metade do século XX, projetos nacionalistas começaram a ganhar força nos países latinos.

Publicidade

Cuba, a maior ilha do Mar do Caribe, obteve sua independência da Espanha na última década do século XIX. Durante sua guerra de independência, os Estados Unidos enviaram tropas para expulsar os espanhóis. Entretanto, em 1902 o governo dos EUA instituiu a emenda Platt, que deu bases legais para os EUA intervirem e, se necessário, ocuparem o território Cubano em nome da “independência”. Assim, Cuba se tornou um protetorado dos Estados Unidos até 1959.

Fidel Castro

Desde o início do século XX, a política cubana passou a ser intensamente influenciada pelos interesses estadunidenses. A ilha recebia gigantescas somas de capitais dos EUA. No entanto, quase não tinha indústrias, tendo sua economia baseada principalmente na cultura canavieira e produção de açúcar. Nesse contexto, em 1952, Fulgêncio Batista chegou ao poder na ilha por meio de um golpe militar e passou a impedir o acesso de outros grupos à política.

Fidel Castro - Revolução CubanaFotografia de Fidel Castro em Washington, 1959. Fonte: https://cutt.ly/1fd1aiD.

Todavia, Fidel Castro, um advogado de formação e político, era um intenso crítico do governo de Batista e da situação de economia primária da ilha. Perdendo as esperanças de mudança política pelos meios institucionais, optou pela luta armada junto com outros oposicionistas do governo. Assim, em julho de 1953, Fidel e seus parceiros tentaram assaltar os quartéis Moncada e Bayamo, mas fracassaram. Como consequência, Fidel, seu irmão e outros envolvidos acabaram presos e, posteriormente, saíram da ilha.

Exílio e Sierra Maestra

Os irmãos Castro foram para o México após saírem da prisão, e formaram um novo grupo para tentar tomar o poder em Cuba. Lá eles conheceram Ernesto Guevara de la Serna, que ficaria conhecido como Che Guevara. Ele era um médico argentino e estava familiarizado com a desigualdade social da América Latina. Junto com outros 79 homens armados, eles partiram para Cuba em um barco de nome Granma no dia 25 de novembro de 1956.

Che Guevara - Revolução CubanaRetrato icônico em preto e branco do busto de Che Guevara intitulado Guerrillero Heroico, tirada por Alberto Korda em Havana, 1960. Fonte: https://cutt.ly/Rfd1Ed4

Contudo, as tropas do governo cubano previram o desembarque dos guerrilheiros e prepararam uma emboscada na Praia dos Colorados. Dos 82 homens, apenas 12 sobrevivem ao ataque e se refugiam em Sierra Maestra. Em grande desvantagem, os sobreviventes iniciam uma estratégia de guerrilha, aproximando-se e estabelecendo relações de confiança com os camponeses pobres.

A guerrilha começa a ganhar tamanho, vitórias e popularidade, passando a contar com as ações de outros grupos opositores do governo nas cidades. Através de um documento intitulado “Manifesto da Sierra Maestra”, em junho de 1957 os guerrilheiros exigiram a convocação de novas eleições e o fim da intervenção externa na política cubana.

Tomada de Havana, Cuba Libre e Baía dos Porcos

A resistência guerrilheira impôs derrotas às tropas de Batista e passou a ganhar mais apoio. Dessa maneira, em agosto de 1958 iniciou-se um movimento de tomada de Havana. Por fim, em 31 de dezembro, Fulgêncio Batista acabou fugindo da ilha, o que configurou a vitória dos guerrilheiros.

Os Estados Unidos, que se beneficiavam do controle da ilha, não viram com bons olhos a ascensão de um governo nacionalista em Cuba. Ainda mais pelo fato de que uma das primeiras medidas do governo revolucionário foi a criação de uma lei de reforma agrária. A partir de então, inicia-se uma retaliação estadunidense ao novo governo.

Gradualmente a potência estadunidense passa a cortar os investimentos e o comércio com a ilha caribenha. Em contrapartida, Cuba passa a nacionalizar as empresas estrangeiras e nacionais, bem como as propriedades rurais. O fim das relações diplomáticas ocorreu em janeiro de 1961 por parte dos Estados Unidos, que passaram a realizar ofensivas militares contra Cuba.

No dia 17 de abril de 1961, os EUA, que eram presididos por John Kennedy, organizam a Invasão da Baía dos Porcos. A ofensiva era composta por cubanos exilados pela revolução, e acabou sendo má sucedida. Dessa forma, a derrota virou descrédito para os Estados Unidos, que passaram a impor um bloqueio naval à ilha. Além disso, a decisão servia como ameaça aos países que estabelecessem relações comerciais com Cuba.

É justamente por conta das retaliações estadunidenses que o novo governo de Cuba, que inicialmente não havia adotado o socialismo, passa a manter relações comerciais e políticas com a URSS. Tal aproximação resulta no momento mais tenso da Guerra Fria: a crise dos mísseis. Isso ocorreu em 1962, quando a URSS quis instalar ogivas nucleares na ilha, que está a menos de 200 km dos Estados Unidos.

Videoaula sobre a Revolução Cubana

Revise esta aula com o vídeo do canal Leitura ObrigaHistória sobre o livro A Revolução Cubana, de Luis Fernando Ayerbe, que serviu de referência bibliográfica para a escrita deste texto. Em seguida, resolva os exercícios.

Exercícios sobre a Revolução Cubana

1 – (UCB DF/2019)

A Revolução Cubana incentivou a esquerda em toda a América Latina. Para muitos, ela era o primeiro passo de um ciclo de revoluções sociais no continente. Em vários países, surgiram movimentos que pregavam a luta pela igualdade social por caminhos institucionais ou armados.

CAMPOS, Flávio de. Oficina de história. V. 3. 2. ed. São Paulo: Leya, 2016.

A respeito da influência socialista na América Latina, desde a Revolução Cubana até os dias de hoje, assinale a alternativa correta.

a) Salvador Allende (1908-1973), no Chile, impediu a ascensão da esquerda, alinhando-se com os Estados Unidos da América (EUA).

b) Os setores sociais hegemônicos nos países latino-americanos viam Cuba como uma ameaça às liberdades e à propriedade privada.

c) A Guatemala, desde o início da década de 1950, buscou proteção norte-americana contra a invasão socialista no respectivo território.

d) Para apoiar os revolucionários latino-americanos, Cuba instalou a Operação Condor com o objetivo de dar suporte aos movimentos socialistas em luta.

e) Hugo Chávez coordenou o golpe militar na Venezuela, em 1950, recebendo apoio direto dos EUA.

2- (UCB DF/2019)   

E então chegou Fidel

Aqui pensavam que continuariam

Engolindo e engolindo a terra

Sem suspeitar que na serra

Iluminava-se o porvir

[…]

E então chegou Fidel

PUEBLA, Carlos. Y en eso llegó Fidel. Disponível em: <https://www.letras.mus.br>. Acesso em: 2 maio 2019, com adaptações.

Marcada por nomes como Fidel Castro e Che Guevara, a Revolução Cubana representou uma transformação no continente latino-americano, bem como estabeleceu uma ruptura em relação à tradicional forma de controle da propriedade. Com base no exposto, acerca da Revolução Cubana, assinale a alternativa correta.

a) A adoção da tática militar da guerrilha, o nacionalismo e o anti-imperialismo foram elementos que colaboraram para a existência da Revolução.

b) No início, causou a queda do governo do general Porfirio Díaz e, posteriormente, implicou na criação dos ejidos.

c) Com a remoção da Emenda Platt, que garantia autonomia ao governo cubano em relação aos Estados Unidos da América (EUA), as tensões entre os dois países aumentaram, contribuindo para a eclosão da Revolução.

d) A Revolução ganhou forças com a Invasão da Baía dos Porcos, que consistiu na chegada de tropas aliadas da União Soviética para garantir suporte e auxiliar na expulsão da influência dos EUA na região.

e) Entre os objetivos da Revolução, figurava-se chegar à independência de Cuba, rompendo o controle exercido pela Espanha, metrópole da ilha à época.

3- (UECE/2011)

A tentativa frustrada de derrubar o ditador Fulgêncio Batista por meio do ataque ao Quartel de Moncada, em julho de 1953, culminou na captura de Fidel Castro que optou por defender-se no julgamento. Sobre a autodefesa de Fidel Castro é correto afirmar que

a) considerada brilhante, foi totalmente acatada pelo tribunal que absolveu o réu.

b) foi publicada clandestinamente e conhecida como “A história me absolverá”.

c) o tribunal não aceitou a autodefesa de Fidel e indicou um advogado para fazer sua defesa.

d) sua inconsistência jurídica provocou o arquivamento do processo.

Gabarito:

  1. B
  2. A
  3. B

Compartilhe: