Socialismo e Capitalismo: Histórico, características e diferenças.

A polarização causada pelas eleições de 2018 fez com que palavras, pouco conhecidas por muitos, se tornassem correntes na boca do povo. Socialismo e capitalismo são grandes exemplos disso. Mas o que é o socialismo? O que significa ser capitalista? Vamos tentar explicar o que são esses termos e de onde eles surgem pra que você arrase no Enem!

Entender os conceitos de socialismo e capitalismo só é possível se entendermos o contexto onde surgem essas ideias. Ambas surgem da necessidade de mudança de regime político e econômico que uma determinada classe social vê frente a evolução da mesma. A necessidade de mudança cria ideias que têm como objetivo remover os obstáculos que impedem a classe social de evoluir suas forças produtivas.

No caso do capitalismo, ou liberalismo, era a monarquia decadente que atrapalhava sua evolução. Já no caso do socialismo, é a própria burguesia que é entendida como obstáculo pelos socialistas.

O capitalismo surge num contexto em que a burguesia, vinculada inicialmente à manufatura, se revolta contra o regime absolutista, ligado à exploração de metais preciosos e a troca de produtos oriundos das colônias. Esse período ficou conhecido como “período mercantilista” e foi marcado pelo surgimento do estado moderno e pelo fortalecimento e subsequente decadência das monarquias absolutistas.

O mercantilismo se baseava na manutenção de uma balança comercial favorável através do protecionismo, na exploração de colônias e no acúmulo de metais preciosos, oriundos das colônias ou da troca entre metrópoles. Esse acúmulo de metais preciosos, o fortalecimento da burguesia nacional, tanto pelo comércio externo como interno, e o surgimento das primeiras máquinas a vapor vão criar o momento propício para a superação do mercantilismo e da monarquia pela revolução industrial e burguesia.

O capitalismo vai se fortalecer como ideologia dominante a partir do século XVIII. Ele substitui o absolutismo e prega principalmente a manutenção da propriedade privada como melhor forma de organização econômica. Podemos dizer que a propriedade privada é o pilar do capitalismo, sendo sua principal expressão a propriedade privada dos meios de produção.

O principal filósofo do capitalismo, ou liberalismo, é o pensador britânico Adam Smith, que fornece as bases teóricas para o desenvolvimento da economia moderna. Adam Smith explica em sua obra que o mercado é movido por leis naturais e que é melhor para a burguesia que o estado não interfira nas movimentações do mercado, já que o mesmo se autorregularia.

Adam Smith também entende que aquilo que é melhor para os indivíduos seria melhor para a sociedade como um todo. Ou seja, o indivíduo deve buscar a realização das suas necessidades e vontades de forma a melhorar a sua vida e que isso traria a paz social.

A revolução industrial ocorre primeiramente na Inglaterra, espalhando-se posteriormente para outros países europeus e do mundo. Essa revolução se utiliza da tecnologia a vapor e dos bens acumulados pela exploração colonialista para desenvolver as indústrias e fábricas na Europa. A partir dela, muitos produtos que antes eram consumidos somente pela nobreza europeia chegam até os plebeus, o que se dá principalmente pelo aparecimento de máquinas que aumentaram o potencial produtivo dos trabalhadores.

O início da revolução industrial foi marcado por muitas “confusões sociais”, sendo a mais famosa delas a Revolução Francesa, que causou a substituição do absolutismo pela república. O estado, agora controlado pela burguesia, vai servir para dar condições para que as indústrias se estabeleçam, não só através da não interferência no mercado de trocas, mas também através de leis que liberem mão de obra para as fábricas – tais como as leis de terras e as leis contra vadiagem.

queda da bastilha socialismo e capitalismo
Queda da Bastilha, em 1789.

As leis citadas aumentam a oferta de trabalhadores para as indústrias, fazendo com o que os salários e as condições de trabalho piorem. O início da revolução industrial é também marcado pela não regulamentação do trabalho, onde podíamos observar turnos de 12 a 16 horas, exploração do trabalho infantil e salários de fome. Tudo isso trouxe um grande empobrecimento para a classe trabalhadora. É justamente nesse cenário que o socialismo ganha força em meio à classe trabalhadora.

modos de produção socialismo e capitalismo
No início da revolução industrial, trabalhadores tinham jornadas extenuantes de mais de 12 horas por dia.

O socialismo prega a igualdade entre os seres humanos através do fim da propriedade privada, especialmente dos meios de produção. É a partir do contexto acima descrito que tais ideias tomam força de forma difusa na classe trabalhadora, sendo que não existia uma forma de organização para essas ideias.

Somente através dos escritos de Karl Marx e Friederich Engels que essas ideias vão ser organizadas num programa político e econômico, com o “Manifesto do Partido Comunista”. Esse manifesto defendia o fim da propriedade privada dos meios de produção e a tomada do estado pelos proletários, ou classe trabalhadora.

Marx e Engels acreditavam que o trabalhador era a principal peça da produção e, portanto, deveria ser quem controlaria a produção e mais se beneficiaria dela. O movimento socialista vai se espalhar pela Europa a partir do século XIX e pelo mundo de acordo com a evolução da revolução industrial.

O debate entre socialismo e capitalismo é extenso. Há muitas diferenças entre os dois modos de organização da sociedade, mas podemos citar a questão da propriedade privada como central nessa discussão. De um lado, o capitalismo defende a propriedade privada como a melhor forma de organização econômica; de outro, os socialistas defendem a coletivização dos meios de produção como a melhor forma de acabar com a desigualdade social.

Prepare-se ainda mais estudando socialismo e capitalismo com as videoaulas a seguir:

Referências sobre socialismo e capitalismo:

CATANI, Afrânio Mendes, O que é capitalismo. Coleção primeiros passos. 7ªedição. São Paulo: editora Brasiliense s.a. 1981

SPINDEL, Arnaldo. O Que é Socialismo. Coleção Primeiros passos. 25a edição. São Paulo: editora Brasiliense. 1980

TAMDJIAN, James Onnig; MENDES, Ivan Lazzari. Geografia geral e do Brasil: estudos para a compreensão do espaço. São Paulo: FTD, 2013.

Sobre o(a) autor(a):

O texto acima foi preparado pelo professor João Garcia Neto para o Blog do Enem. João é graduado em Geografia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) e professor de Geografia em escolas da Grande Florianópolis desde 2012. E-mail para contato: [email protected]