Texto literário e não literário 

Você herdou uma livraria, mas deve levar só livros literários. Há diferença entre texto literário e não literário? Vamos revisar esse tema para acertar tudo no Enem!  

Um livro de receitas, um manual de instruções, um livro-jogo, um exemplar de Dom Casmurro. Todos esses exemplos podem ser vistos como textos, pois trazem informações e têm uma função. Mas a dúvida aqui é: o que é um texto literário e o que é um texto não literário?  

Texto não literário 

Para entendermos essa questão, vamos pensar na função de um texto. Ele pode informar, fazer refletir, vender um produto, persuadir e até entreter. Enfim, as finalidades de um texto podem ser muitas. 

Se estamos diante de um texto jornalístico, é fácil notar que sua função é informar, ter um compromisso com a verdade – pelo menos deveria. Além disso, o texto jornalístico está, na maioria dos casos, lidando com um assunto atual e de interesse público. Não podemos nos esquecer de que esse tipo de texto obedece a uma forma de produção, tem um lead 

Já um manual de instruções tem a finalidade de nos guiar na montagem de algum objeto. Pode ser um quebra-cabeças, um guarda-roupas ou uma casinha de gatos. Pode servir, ainda, para explicar as regras de um jogo ou a configuração de algum aparelho eletrônico. Você já teve contato com esse tipo de texto, certo?   

Quanto à maneira de ser escrito, um manual de instruções precisa cumprir com alguns critérios. Geralmente, os verbos estão no modo imperativo ou no infinitivo. Veja este exemplo do modo de preparo de um bolo de cenoura: 

1- Misturar com a cenoura, os ovos e o óleo no liquidificador.

2- Depois, misturar com o açúcar, farinha e fermento e as sementes.

3- Levar ao forno por 45 min a 180 graus .

Fonte: https://bit.ly/2Vpl2fW

Esses exemplos correspondem a textos não literários. Se você ainda não entendeu as características desse tipo de texto, vamos a mais um exemplo: a bula de medicamentos. Quem escreve uma bula tem a responsabilidade de passar as informações corretas acerca de um medicamento. 

bula - texto não literário
Imagem 1: Exemplo de texto não literário.

Nesse tipo de texto, assim como nos manuais, podemos encontrar algumas instruções. Algo como: “consumir a cada oito horas”, ou “armazenar em local longe da luz do sol”. 

Texto literário 

O texto literário pode assumir muitas formas. Uma peça de teatro, uma letra de música, um poema, um conto, uma crônica ou, ainda, um romance. Todos esses exemplos aqui têm uma forma de produção, bem como um objetivo estético. Ou seja, existe para causar emoções variadas em quem lê. 

Um texto literário pode fazer refletir, rir, chorar, passar raiva e até um calafrio. Já parou para pensar como um texto pode nos causar medo? De que maneira uma autora, um dramaturgo, enfim, um escritor ou escritora consegue nos despertar determinada emoção? Ou, às vezes, várias delas? 

Muitas vezes eles lançam mão de figuras de linguagem como metáfora, assonância, aliteração etc. Além disso, a função da linguagem como poética e a presença de rimas são algumas características presentes em textos literários. 

Outra informação importante sobre esse tipo de texto é que não há necessidade de um compromisso com a verdade. Ou seja, a ficção é outra característica de um texto literário. 

O texto literário é um trabalho artístico. Por isso, quem opta por escrever literatura precisa dominar algumas figuras de linguagem, criar metáforas, fazer uso de sentidos figurados. O autor ou a autora precisa ter o domínio de recursos estilísticos para atingir o emocional de quem lê. 

Veja esse exemplo, um soneto de Camões: 

Transforma-se o amador na cousa amada

Transforma-se o amador na cousa amada, 

por virtude do muito imaginar; 

não tenho, logo, mais que desejar, 

pois em mim tenho a parte desejada. 

 

Se nela está minha alma transformada, 

que mais deseja o corpo de alcançar? 

Em si somente pode descansar, 

pois consigo tal alma está ligada. 

 

Mas esta linda e pura semideia, 

que, como um acidente em seu sujeito, 

assim como a alma minha se conforma, 

 

está no pensamento como ideia: 

[e] o vivo e puro amor de que sou feito, 

como a matéria simples busca a forma. 

Que diferenças marcam esses tipos de texto?

Agora que você leu o soneto de Camões (texto literário), vamos pensar: o que difere esse soneto dos textos citados anteriormente como não literários (bula, manual de instruções, texto jornalístico)?   

Provavelmente, você já notou as diferenças ao longo da nossa conversa, mas vou destacar alguns aspectos. Esse soneto é um trabalho artístico. Nele, as palavras foram selecionadas criteriosamente para caberem nos versos e rimarem ao final de cada um desses versos. Amada/desejada e Imaginar/desejar, por exemplo. 

Além disso, mesmo que você tenha lido o soneto e não concordado com Camões sobre o que é dito ali, isso não importa para o momento. Isso porque a função de um texto literário vai além disso. Para Camões, como bem vimos, o “amador” acaba por se transformar “na cousa amada”.  

Essa reflexão de Camões é posta em forma de soneto – forma fixa, vale lembrar –, pois foi uma opção do poeta. Sendo assim, ele precisa respeitar a forma de se criar um soneto para expressar o que pensa. Equilibrar razão e emoção. Entendeu o motivo de compreender o texto literário como uma das formas de manifestação artística? 

Diferenças entre texto literário e não literário

Depois dessa breve explicação, vamos enumerar alguns critérios que nos ajudam a diferenciar texto literário de um texto não literário.

diferenças entre texto literário e não literárioCom essas dicas não há como confundir ou ter dificuldade em diferenciar um texto literário de um texto não literário, não é mesmo? Lembre-se que o texto literário tem uma função estética, artística por assim dizer. Então, Dom Casmurro, obra do escritor realista Machado de Assis, é um texto literário.  

Outro lindo exemplo de texto literário: a obra O Jogo da Amarelinha, do escritor argentino Julio Cortázar. Essa obra não precisa nem ser lida de uma forma linear, pois você tem a opção de ler pulando e voltando os capítulos como quem brinca de amarelinha. Percebeu a metáfora? Também é um grande trabalho artístico.  

 Já o seu jornal preferido, aquele site com informações sobre seu time do coração ou aquela sinopse de um filme que você quer muito assistir, não são textos com uma função artística. Como sua função é informar, você deve classificá-los como textos não literários. 

Vale lembrar que o texto literário também pode nos dar uma informação sobre um determinado assunto, não é mesmo? Se durante a obra, por exemplo, o narrador nos explica sobre um quadro de Van Gogh, por exemplo, isso não torna a obra não literária. Afinal, o objetivo maior se mantém: entretenimento.  

Agora que você já estudou um pouco sobre os dois tipos de texto que podem aparecer no Enem, que tal ver uma videoaula da professora Camila para fixar melhor esse conteúdo?

Exercícios:

1- ENEM 2016 (Segunda Aplicação)  

Poema tirado de uma notícia de jornal 

 João Gostoso era carregador de feira livre e morava no morro da Babilônia num barracão sem número. 

Uma noite ele chegou no bar Vinte de Novembro 

Bebeu
Cantou
Dançou

Depois se atirou na lagoa Rodrigo de Freitas e morreu afogado. 

BANDEIRA, M. Estrela da vida inteira: poesias reunidas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1980. 

No poema de Manuel Bandeira, há uma ressignificação de elementos da função referencial da linguagem pela: 

a) atribuição de título ao texto com base em uma notícia veiculada em jornal. 

b) utilização de frases curtas, características de textos do gênero jornalístico. 

c) indicação de nomes de lugares como garantia da veracidade da cena narrada. 

d) enumeração de ações, com foco nos eventos acontecidos à personagem do texto. 

e) apresentação de elementos próprios da notícia, tais como quem, onde, quando e o quê. 

GABARITO: E 

 Mesmo sendo um poema, texto literário, podemos notar a presença de elementos próprios da notícia, como “quem”, “onde”, “quando” e “o quê”.  

2- (Questão criada para o Curso Enem Gratuito)

Leia o texto extraído do site Mapa do Brincar 

Jeito de brincar 

Uma criança tem que esconder o rosto e contar até 30 enquanto as outras se escondem. Depois, ela tem que encontrar todos os outros para ganhar a brincadeira. Sempre que achar alguém, tem que correr e bater no pique, dizendo: “Chicotinho queimado, 1,2,3,4, (nome da criança encontrada) atrás da árvore”. 

Se a pessoa que foi encontrada conseguir chegar primeiro até o pique, ela ganha. Quem estava procurando continua a procurar. 

 Pode-se afirmar sobre o texto que  

a) trata-se de um texto narrativo, pois conta a história de uma criança que precisa encontrar seus amigos, logo temos um texto literário. 

b) tem como objetivo ensinar uma brincadeira popular de forma artística, sendo assim, a função da linguagem que predomina é a poética. 

c) trata-se de um manual com regras de uma brincadeira popular, por tanto, se enquadra como texto não literário. 

d) a função da linguagem que predomina é a referencial, pois uma das etapas é encontrar as crianças que participam da brincadeira. 

e) a presença da metáfora “Chicotinho queimado” é suficiente para classificar o texto “Jeito de Brincar” como texto literário. 

GABARITO: C 

A predominância dos verbos no infinitivo aliada à explicação de como brincar, leva-nos a perceber que se trata de um texto não literário, a fim de esclarecer as regras do jogo de forma objetiva. 

3- (Questão criada para o Curso Enem Gratuito)

Leia o fragmento da música de Chico Buarque, O Meu Guri 

[…] 

Chega suado e veloz do batente 

E traz sempre um presente pra me encabular 

Tanta corrente de ouro, seu moço 

Que haja pescoço pra enfiar 

 

Me trouxe uma bolsa já com tudo dentro 

Chave, caderneta, terço e patuá 

Um lenço e uma penca de documentos 

Pra finalmente eu me identificar, olha aí 

[…] 

Com base no fragmento lido, podemos afirmar que 

a) A assonância é uma figura de linguagem de linguagem que consiste na repetição proposital do som de vogais. Podemos percebê-la em ouro, moço e pescoço 

b) Trata-se de um texto predominantemente descritivo, pois sabemos quais são os objetos que existem dentro da bolsa trazida pelo personagem. 

c) Por se tratar de um texto literário, há a presença de rimas, o que dificulta o entendimento das ações da personagem. 

d) Com base neste fragmento, percebemos que o eu-lírico faz um relato sobre alguém que traz uma bolsa com vários objetos, sendo assim, podemos classificar este excerto como não literário. 

e) A linguagem informal é característica marcante no texto informativo, como podemos ver em seu moço. Por isso, trata-se de um texto não literário. 

GABARITO: A 

Está correta a alternativa, pois podemos identificar facilmente as figuras de linguagem apontadas. Características que podem aparecer em textos literários como uma música.

Sobre o(a) autor(a):

Anderson Rodrigo da Silva é professor formado em Letras Português pela UNIVALI de Itajaí. Leciona na rede particular de ensino da Grande Florianópolis.