Verbo to be: aprenda a usa-lo em frases afirmativas, negativas e perguntas

Vem com a gente revisar o assunto mais famoso do inglês! Estude o verbo TO BE para interpretar melhor os textos de língua inglesa do Enem. Todo ano têm 5 questões. Bora gabaritar!

O verbo to be é um dos maiores memes da Língua Inglesa. Virou uma piada porque muitos professores acabavam dando aulas e aulas sobre este verbo, já que é, de fato, um verbo importante para a língua. Sendo assim, depois de algum tempo dando aula, resolvi começar um experimento com novas turmas.

No primeiro dia eu pergunto, antes de qualquer coisa, o que eles esperam aprender na aula. 100% das vezes uma das coisas primeiras coisas ditas é “verbo to be”!  E, claro, tem sempre quem lembre da clássica frase construída por William Shakespeare:

 Como você pode ver, ele tornou-se sinônimo de aula de inglês no imaginário popular.

Publicidade

Então, como não poderia deixar de ser, o nosso Curso Enem Gratuito também tem uma aula sobre verbo To Be. Nesse texto irei mostrar as primeiras coisas que você precisa saber sobre este famoso verbo, para que você veja que lidar com ele não é difícil, e que não é preciso ter tantas aulas sobre um verbo apenas. Vamos lá?

Introdução ao verbo To Be

Confira agora com o professor Guilherme, do canal do Curso Enem Gratuito:

Reconhecendo o verbo To Be

A primeira coisa que precisamos aprender é a reconhecer e entender esse verbo. Ele pode ter duas traduções distintas no português, que são SER ou ESTAR. Assim podemos traduzir a seguinte frase de duas maneiras diferentes:

I am happy.
Eu sou feliz OU Eu estou feliz

Fácil, não é mesmo? Beleza! Agora vamos aprender a reconhecer o verbo to be, para que ele não passe despercebido. Dê uma olhada na seguinte tabela:

diferentes conjugações do verbo to be

Construindo frases afirmativas com o verbo To Be

A tabela acima mostra todas as maneiras que o verbo to be pode ser conjugado. Como você pode ver, no presente ele pode ser conjugado como am, are, ou is dependendo do sujeito. Você já viu essas palavras várias vezes em textos em inglês, não é mesmo? Mas, e as outras colunas?

Logo mais iremos falar das colunas que restaram. Primeiro precisamos ver as diferentes conjugações no presente, para termos uma boa base de estudo. Na tabela a seguir, veja como o verbo concorda com cada sujeito diferente:

Sujeito Subject To be Contração
Eu I Am I’m
Você You Are You’re
Ele He Is He’s
Ela She Is She’s
Isso It Is It’s
Nós We Are We’re
Vocês You Are You’re
Eles/Elas They Are They’re

Vamos ver isso de maneira mais prática, montando algumas frases no presente simples e contínuo.

Eu estou cansado
I am tired

Ele é meu amigo
He is my friend

Nós estamos estudando
We are studying

Construindo frases negativas com o verbo To Be

Todos os exemplos acima eram frases afirmativas. Precisamos também ver como ficam as frases negativas, pois existem contrações únicas que temos que conhecer.

As frases negativas seguem a mesma regra de formação de qualquer outro tempo verbal do Inglês, basta botar a partícula negativa “not” depois do primeiro auxiliar da frase, e ficar ligado em algo muito importante: o to be já é um verbo auxiliar por natureza! Não está muito claro o que isso significa ainda, né? Vamos por partes:

I am tired → I am not tired

You are studying → You are not studying

Não precisa se preocupar muito com o que é o “1º verbo auxiliar” por enquanto, já que nestes exemplos estaremos sempre usando o verbo “to be”.

Voltando ao exemplo, vimos que o “not” aparece após o verbo to be para transformar a frase em negativa. Podemos também contrair a palavra “not” com o verbo para encurtar a nossa frase, economizando preciosos segundos do nosso dia!

Sujeito Contração no Presente
I Ain’t (raramente usado)
You Aren’t
He Isn’t
She Isn’t
It Isn’t
We Aren’t
You Aren’t
They Aren’t

Fazendo perguntas usando o verbo To Be

Agora para formarmos perguntas usando o verbo to be, basta seguirmos a mesma regra de qualquer tempo verbal do Inglês, que é jogar o 1º auxiliar da oração para antes do sujeito. Como estamos falando do verbo to be, vamos sempre colocá-lo antes do sujeito, e isso quase sempre significa colocá-lo no começo da frase.

David is busy → Is David busy?

You are working too much → Are you working too much?

Outros tempos verbais

Agora que falamos do presente, vamos dar uma rápida atenção para as outras maneiras que o verbo pode ser utilizado:

Passado:

nosso verbo de estudo pode ser utilizado no passado com os tempos verbais do passado simples e passado contínuo, indicando uma ação (ou estado) finalizada no passado, ou uma ação com duração prolongada no passado.

Infinitivo:

O infinitivo é usado diversas vezes na língua inglesa. Não iremos falar especificamente do uso do infinitivo neste texto, mas vale saber que você verá o verbo desta maneira quando usar o Futuro e o Imperativo principalmente.

Ing”:

O “ing” (também chamado de Particípio do Presente (não confunda com o gerúndio!) aparece em todos os tempos Contínuos (presente contínuo, passado contínuo, entre outros diversos), no gerúndio (que é diferente no inglês e no português!) e algumas outras palavras.

Particípio:

O Particípio (ou Particípio do Passado, para ser mais correto) é muito usado nos tempos Perfeitos (Presente Perfeito, Passado Perfeito…).

Como você pode ver ao longo desta aula, o verbo to be pode aparecer em diversas frases, acompanhado de outros verbos ou até mesmo de outro verbo to be, e é muito importante para a construção da Voz Passiva no Inglês.

Veja os Verbos modais

Aproveite o embalo  e avance mais um pouco para mandar bem nas questões de Inglês doEnem. Confira agora com o professor Eduardo Asbun um resumo sobre os verbos MODAIS.

Exercícios

Agora que você já revisou o conteúdo, vamos a alguns exercícios:

.

E você, conseguiu mandar bem nas respostas dos Exercícios? Se ainda faltou alguma coisa para você gabaritar geral, veja aqui um reforço para o seu domínio de Inglês nas provas do Enem: aula gratuita sobre as Classes de Palavras.

Sobre o(a) autor(a):

O texto acima foi criado pelo professor Guilherme Plucenio para o Curso Enem Gratuito. Guilherme é professor de Inglês e analisa os vestibulares do país desde 2015. Atualmente cursa Letras – Inglês na Universidade Federal de Santa Catarina. Facebook: https://www.facebook.com/guilherme.martinsplucenio

Compartilhe: