Adjunto adnominal, adverbial e o aposto e vocativo das frases

Geralmente, as pessoas tendem a confundir os adjuntos adnominais e Adjuntos Adverbias. Vamos revisá-los agora e tirar as dúvidas para gabaritar nos vestibulares e Enem.

Os adjuntos adnominal, adverbial e o aposto são o que chamamos na língua portuguesa de termos acessórios. Assim como em tudo na gramática, também existem classificações diferentes para o que seriam os termos e como o utilizamos. O vocativo desempenha um papel diferente nas frases que vamos descobrir no decorrer do nosso resumo.

Quando temos um enunciado de sentido completo com uma oração absoluta, ou seja, uma oração onde há apenas um verbo, dizemos que ela é um período simples. Então eles têm sua estrutura formada por termos que são responsáveis por algumas funções específicas.

Esses termos são classificados de acordo com essas funções e assim denominados de: essenciais, integrantes ou acessórios. Para entendermos um pouco dos adjuntos é importante saber antes como se classificam e se dividem os termos.

Termos essenciais, integrantes e acessórios

Você já sabe que maioria das orações traz um sujeito (aquele que realiza ou sofre uma ação ou estado) e um predicado (aquilo que se diz sobre o sujeito). Esses termos são considerados como termos essenciais. Eles são os responsáveis pela estrutura básica da oração. Lembre-se que podem ocorrer orações sem sujeito, mas não sem predicado.

Além dos termos essenciais, costumamos encontrar outros termos na estrutura da oração. Alguns deles têm a função de complementar o sentido de determinados verbos e nomes. Esses são chamados de termos integrativos.

Temos como termos integrativos os seguintes componentes: o objeto direto e o objeto indireto (complementos verbais) o complemento nominal e o agente da passiva. Por fim, temos os termos acessórios que alteram ou especificam outros.

Estes acabam não sendo fundamentais para a estrutura sintática das orações. São eles: o adjunto adnominal, o adjunto adverbial e o aposto. Sua ocorrência nas orações se justifica por motivos de ordem semântica e discursiva.

Adjuntos e sua conexão com os termos acessórios

Quadrinho 1 – dois bonequinhos falam “Somos proféticos! Temos uma profecia!”. Quadrinho 2 – os bonequinhos seguram uma placa onde diz “O fim está próximo”. Quadrinho 3 – Os bonequinhos estão rindo e falam “Sim, sim. O fim dessa tira!adjuntosNa tirinha acima, a observação feita pelas personagens no último quadrinho nos ajuda a compreender uma característica interessante ligada a alguns termos das orações. Eles têm a função de especificar o significado de uma palavra ou expressão previamente utilizada.

O termo “dessa tira” desempenha exatamente essa função: tornar mais preciso o significado do substantivo fim. Portanto, isso é considerado um termo acessório por esse motivo. Como vimos no início desta revisão, os termos acessórios modificam ou especificam outros termos.

Embora eles não sejam fundamentais para a estrutura sintática das orações, participam da construção do sentido dos enunciados. São termos acessórios: os adjuntos adnominal, adverbial e o aposto.

Adjuntos adnominais

O adjunto adnominal é o termo que vem ligado a nomes, substantivos, que ocupam a posição de núcleo de uma função sintática qualquer. Dessa maneira modificando, especificando ou precisando seu sentido no contexto.

A tira trabalhada anteriormente, a frase “dessa tira” especifica o sentido do substantivo fim. É considerado, portanto um adjunto adnominal.

adjuntosTirinha composta de apenas um quadrinho onde vemos duas tartarugas conversando. Uma delas lê um papel e diz “Você foi enganado! Não precisava de um seguro de casa e de saúde!”

No exemplo acima, “de casa e de saúde” são adjuntos adnominais que especificam o sentido do substantivo seguro – núcleo do objeto indireto.

Os adjuntos adnominais, ligados a qualquer função sintática, costumam ser expressos por:

  • Adjetivos: crianças malvadas, políticos honestos.

  • Locuções adjetivas: brincos de ouro, livro de histórias.

  • Artigos definidos e indefinidos: o livro, uns livros.

  • Pronomes adjetivos possessivos (meu livro), demonstrativos (esses livros),

indefinidos (algum livro), interrogativos (qual livro?) e relativos (biblioteca cujos livros estão em mal estado).

  • Numerais adjetivos: duzentos e cinquenta livros.

O que é adjunto adverbial

Adjunto adverbial é o termo (advérbio ou locução adverbial) que vem ligado a verbos, adjetivos ou outros advérbios. Dessa maneira ntensifica seu sentido ou, no caso dos verbos, é possível conferir a eles circunstâncias bem específicas. Por exemplo:

  • Afirmação:
    Sim, ele certamente virá à escola.
    Claro que posso tirar tuas dúvidas.

  • Dúvida:
    Marcos talvez passe por aqui no final da manhã.
    Provavelmente choverá durante a tarde toda.

  • Meio:
    Prefiro viajar de avião porque os riscos de acidente são menores.

  • Fim:
    Estudem bastante para a prova de literatura.
    Corria 10km todos os dias a fim de conquistar o ouro na competição.

  • Condição:
    Não se consegue vencer sem esforço.
    Você pode mudar o rumo dos seus estudos com disciplina.

  • Companhia:
    Gosto de viajar com meus pais.
    Abriu um negócio com a esposa.

  • Assunto:
    Os alunos conversavam a respeito da live da banda.
    Todos falavam sobre o último capítulo da série.

  • Concessão:
    O ginásio ficou lotado, apesar do mal tempo.
    A nota de sua prova foi a maior da turma embora não tenha sequer estudado.

  • Causa:
    Não enfrentei o diretor por medo das consequências.
    A notícia era muito esperada por isso todos os aplausos.

  • Lugar:
    Moro em uma cidade pequena.
    Por dentro ele é uma boa pessoa.

  • Modo:
    As lesmas andam devagar.
    Não faça a redação do Enem às pressas.

  • Instrumento:
    Cortei meu dedo com a faca de cozinha.

  • Intensidade:
    Os candidatos discutiram bastante suas plataformas eleitorais.
    O exame foi extremamente complicado. As lesmas andam muito devagar.

  • Tempo:
    Voltarei da universidade somente às seis da tarde.
    Sempre precisei de um pouco de atenção.

  • Negação:
    Não acho justo alguns alunos que nunca comparecem às aulas virtuais serem dispensados das provas.

  • Conformidade:
    Devemos agir sempre segundo os ditames da nossa consciência.

  • Interesse:
    Por você, sou capaz de fazer qualquer coisa!

  • Frequência:
    Jogadores brasileiros são contratados
    com frequência por times europeus.

Além das circunstâncias mostradas aqui, existem muitas outras ainda que podem ser expressas por adjuntos adverbiais. A especificação da circunstância, em cada caso, é uma questão de natureza semântica e não sintática. Observando do ponto de vista da análise sintática, o importante é identificar, nas orações, os casos em que ocorrem adjuntos adverbiais.

O que é aposto

Tirinha de Laerte. Fonte na imagem. Quadrinho 1 – homens engravatados em uma mesa falam para pessoas em pé: “Olá!… sou Ângelo, o chefe bonzinho! Vou trabalhar junto com Peçanha, o chefe bravo.” Quadrinho 2 – Ângelo fala: “Tem havido muitas queixas sobre o… hã…. temperamento do Peçanha, não é, Peçanha?” Peçanha responde: “É.”. Quadrinho 3 – agora vemos os engravatados por trás e descobrimos que Ângelo é, na verdade, um fantoche manipulado por Peçanha. Ângelo diz “A partir de agora está todo sob controle”.

No primeiro quadrinho, temos uma personagem que se apresenta como “Ângelo, o chefe bonzinho”. Logo após, podemos notar que ao mesmo tempo que apresenta a outra personagem como sendo “Peçanha, o chefe bravo”. Caso quisesse somente se identificar e informar com quem vai trabalhar, essa personagem poderia ter dito: “Sou Ângelo. Vou trabalhar junto com Peçanha”.

Entretanto, a tira tem o efeito de humor criado por uma situação inesperada: É Peçanha (o suposto “chefe bravo”) quem se apresenta assim por meio da fala de um boneco – que representa o “chefe bonzinho”. As informações adicionais (“o chefe bonzinho” e “o chefe bravo”) são introduzidas na oração para caracterizar, de modo mais detalhado, cada personagem.

Embora essas informações não sejam essenciais – por isso, acessórios – à estrutura da oração, oferecem dados importantes para a identificação dessas personagens e para a construção do efeito de humor. Essas informações trabalham, na oração, como apostos.

Tipos de aposto

De acordo com o valor semântico que tem em relação ao termo ao qual se relaciona na oração, o aposto pode ser:

  • Explicativo:
    Assisti a um documentário sobre Machado de Assis, autor de Memórias Póstumas de Brás Cubas, na TV a cabo.

  • Enumerativo:
    Para atingir a nota mil na redação do Enem, são necessárias três coisas: determinação, disciplina e as aulas do Curso Enem Gratuito.

  • Recapitulativo ou Resumidor:
    Lapiseiras, cadernetas, borrachas, canetas, todas essas coisas chamam a atenção das crianças nas lojas.

  • Comparativo:
    O palhaço, operário do riso, nem sempre é capaz de sorrir como todos desejam.

Quando estamos escrevendo um texto, o aposto vem sempre antecedido por vírgula, dois-pontos. O aposto explicativo e o comparativo são antecedidos e seguidos de vírgula ou travessões.

Como identificar o vocativo de uma frase

Vocativo é o termo que, na língua, trabalha como forma de chamamento. Sua função é estabelecer um vínculo explícito com o contexto discursivo. Podemos afirmar que o vocativo é um elemento que possui uma independência sintática no interior das orações e dos períodos.

São três quadrinhos: no primeiro, Armandinho, olhando pra cima conversa com a senhora. No segundo, ele ouve o que ela diz, só aparece o Armandinho no quadrinho. No último, temos a presença do sapo.

A palavra senhora é – como você já deve saber – é um pronome de tratamento e minha, pronome possessivo. Neste caso, Armandinho usa essa expressão para “chamar” pela mulher com quem ele fala.

Eu não tenho amigos por interesse, minha senhora!

Dependendo da entonação, pode soar irônica, respeitosa entre outras situações, mas note, estudante, que o vocativo tem a função de se dirigir ao interlocutor. Esse foi o artigo sobre adjuntos e suas funções, não perca nenhuma aula do CEG.

Video-aula

 

Exercícios

TEXTO: 1 – Comum à questão: 1

Leia e analise a peça publicitária.

adjuntos

Questão 01 – (ETEC SP)

Observe os períodos:

I. Você está no meio desse ambiente.

II. Campanha do meio ambiente.

Sobre o vocábulo “meio”, destacado nos períodos, pode-se afirmar corretamente que:

a) em I, exerce a função de predicativo do sujeito “você”.

b) em I, é substantivo que forma uma locução adverbial indicando lugar.

c) em II, está apresentando a circunstância de lugar onde a campanha ocorre.

d) em II, é um advérbio de intensidade e pode ser substituído por “um pouco”.

e) em I e II, são substantivos que formam locuções adjetivas qualificando “você” e “campanha”.

Questão 02 – (IFMT)

No terceiro quadrinho, a personagem afirma “O acesso às redes sociais é liberado durante o expediente”. Nesta frase, a palavra destacada desempenha a função de:

a) Substantivo que vem acompanhado pela expressão liberado.

b) Adjetivo que caracteriza o substantivo liberado.

c) Pronome que substitui o nome da empresa.

d) Advérbio que intensifica o termo liberado.

e) Verbo de ligação.

Questão 03 – (IFMA)

Analisando as estruturas sintáticas do primeiro quadrinho da tira, podemos inferir que:

a) “este ano” é adjunto adverbial de tempo, “eu” é o sujeito elíptico do verbo prometer.

b) “este ano” é adjunto adverbial de lugar, “eu” é o sujeito elíptico do verbo prometer.

c) “este ano” é complemento nominal, “eu” é o sujeito elíptico do verbo prometer.

d) “este ano” é adjunto adverbial de tempo, “eu” é o sujeito inexistente do verbo prometer.

e) “este ano” é complemento nominal, “eu” é o sujeito simples do verbo prometer.

GABARITO

1 – B

2 – D

3 – A

Compartilhe: