Carboidratos ou Glicídios

Você sabe o que são e para que servem os carboidratos ou glicídios? Não? Então veja esta aula e revise este importante conteúdo de bioquímica para o Enem

Todo mundo já ouviu falar dos carboidratos. Nas últimas dietas da moda, o “coitado” do carboidrato é sempre considerado como um vilão e cortado da alimentação de quem quer perder peso rápido. Mas, por quê? Qual a utilidade dos glicídios para as células? Por que reduzir os carboidratos na alimentação ajuda no emagrecimento? Vem comigo nesta aula de Biologia para o Enem para descobrir as respostas para essas e outras perguntas sobre os carboidratos! Mande bem no Enem e aprenda a não vacilar com sua saúde!

O que são carboidratos?

Os carboidratos ou glicídios são também chamados de “açúcares”, apesar de nem todos possuírem sabor adocicado. Os carboidratos são substâncias essencialmente energéticas, pois suas moléculas armazenam energia de “fácil acesso”. Isso quer dizer que por suas características químicas, os carboidratos permitem um rápido processamento pelas células, que retiram a energia contida em suas ligações e a armazenam em ATPs.

Por terem essa característica, os carboidratos são os primeiros nutrientes requisitados pelas células para a produção de energia. A glicose, em especial, é a principal substância utilizada na respiração celular. Mas, fornecimento de energia não é a única função dos glicídios.

Algumas estruturas celulares podem também ser constituídas de carboidratos. Sendo assim, essas substâncias podem também exercer um papel estrutural em nosso organismo. Podemos citar, por exemplo, a composição da glicocálix (revestimento externo da membrana plasmática que ajuda na identificação celular) e também dos ácidos nucleicos.

Onde os carboidratos são encontrados?

Encontramos carboidratos em diversos alimentos. Porém, existem alguns que podemos ressaltar por seus altos teores de carboidrato: cereais como o arroz, a aveia e o trigo; raízes e tubérculos, como a cenoura, a mandioca e a batata; leguminosas, como o feijão e a ervilha; frutas; doces, como chocolates e balas.

Na imagem podemos ver uma grade variedade de frutas (como maçã e manga) expostas em uma feira. As frutas são fontes saudáveis de açúcares.

Como você pode ver, a maior parte dos alimentos ricos em carboidratos são de origem vegetal. A única exceção a esta “regra” seria o mel, produzido pelas abelhas. Isso porque os vegetais costumam armazenar os glicídios em forma de amido dentro das células em organelas chamadas de amiloplastos. Além disso, os vegetais também podem ter muitos açúcares dissolvidos em água, como o que acontece nas frutas.

Classificação dos carboidratos

  • Monossacarídeos: também chamados de açúcares simples ou oses, são os glicídios mais simples que existem. Suas moléculas são tão pequenas que não são quebradas por nenhum dos nossos processos digestórios. Os monossacarídeos podem ser classificados também em subgrupos, de acordo com o número de carbonos que compõem suas moléculas: trioses (cujas cadeias carbônicas têm apenas três átomos de carbono), tetroses (quatro átomos de carbono), pentoses (cinco átomos, como as que encontramos na composição dos nucleotídeos) e as hexoses (com seis átomos de carbono). Entre as hexoses, há três monossacarídeos que merecem destaque:
  1. Glicose: é o açúcar que encontramos livre em nosso sangue e o mais utilizado em nossa respiração celular.
  2. Frutose: como o próprio nome já diz, é encontrada especialmente em frutas maduras.
  3. Galactose: é um monossacarídeo produzido a partir da quebra da lactose, carboidrato presente no leite e em seus derivados.
Dica: As frutas, além de serem fontes de carboidratos, são também ricas em vitaminas! Saiba mais sobre as vitaminas e suas funções nesta aula da professora Juliana.
  • Dissacarídeos: os dissacarídeos são carboidratos que resultam da união de dois monossacarídeos. Os dissacarídeos mais “famosos” são:
  1. Lactose: carboidrato constituído pela união de uma glicose com uma galactose. Está presente no leite e em seus derivados.
  2. Sacarose: também conhecida como açúcar comum (como o proveniente da cana-de-açúcar), é formada pela união de uma glicose com uma frutose.
  • Polissacarídeos: São os glicídios formados por grande quantidade de monossacarídeos unidos. Eles formam o que chamamos de polímeros, substâncias formadas pela união de várias subunidades, os monômeros (neste caso, os monômeros dos polissacarídeos são os monossacarídeos). Entre os polissacarídeos, você precisa lembrar principalmente dos seguintes:
  1. Amido: o amido, como você viu acima, é o carboidrato de reserva dos vegetais. Quando as plantas têm carboidratos sobrando, elas fazem reações de polimerização para reservar energia na forma de amido. O amido também pode ser chamado por alguns autores de “amilo”
  2. Glicogênio: o glicogênio é o carboidrato de reserva das células animais. O glicogênio é formado de cadeias menores e menos ramificadas que o amido.
  3. Quitina: a quitina é o carboidrato que constitui a parede celular das células fúngicas e também o exoesqueleto dos artrópodes.
  4. Celulose: a celulose é o carboidrato que compõe a parede celular das células vegetais. Forma filamentos longos que se arranjam em feixes que chamamos de “fibras”. É importante salientar aqui que nosso organismo não consegue quebrar as cadeias de celulose durante os processo digestórios. Porém, as fibras são úteis em nossa alimentação. Elas absorvem água, amolecendo as fezes e aumentando seu volume. Isso estimula as contrações intestinais, evitando prisão de ventre e outros problemas do sistema digestório.
Dica: Você sabe que o principal componente inorgânico dos organismos é a água, certo? Então, não deixe de revisar as funções da água nesta aula de Biologia para o Enem!

Por que “cortar” os carboidratos ajuda a perder peso?

Como você viu ao longo desta revisão, os carboidratos são os primeiros nutrientes a serem requisitados pelas células quando essas querem obter energia. Sendo assim, nosso organismo só começa a quebrar gordura para liberar energia quando o estoque de carboidratos está bem baixo.

Dessa maneira, ao cortar os carboidratos, você obriga seu organismo a começar a queimar seu estoque de gorduras presentes nas células adiposas (como aquele presente na “bordinha de Catupiry). E, dessa maneira, predemos peso mais rapidamente.

Porém, fique ligado(a)! Há muito debate entre médicos e nutricionistas sobre o efeito das dietas em que há corte rígido de carboidratos. um dos primeiros da eliminação dos carboidratos da alimentação é ter sintomas de hipoglicemia: tontura, dor de cabeça, enjoo. Além disso, a longo prazo, a exclusão desses nutrientes pode também levar à exclusão de outros nutrientes presentes em alimentos ricos em carboidratos, podendo levar à desnutrição.

E aí? Conseguiu aprender um pouco mais sobre os carboidratos? Beleza! Então, para finalizar sua revisão, veja esta videoaula do canal “Biologia com Samuel Cunha”:

Agora que você já aprendeu tudo sobre os carboidratos, que tal testar seus conhecimentos resolvendo as questões que selecionei para você?

Questão 01 – (UFRGS/2019)    

Seres humanos necessitam armazenar moléculas combustíveis que podem ser liberadas quando necessário.

Considere as seguintes afirmações sobre essas moléculas.

  1. Os carboidratos, armazenados sob a forma de glicogênio, correspondem ao requerimento energético basal de uma semana.
  2. A gordura possui maior conteúdo energético por grama do que o glicogênio.

III.    Indivíduos em jejum prolongado necessitam metabolizar moléculas de tecidos de reserva.

Quais estão corretas?

a) Apenas I.

b) Apenas III.

c) Apenas I e II.

d) Apenas II e III.

e) I, II e III.

Questão 02 – (ENEM/2014)    

Meios de cultura são utilizados como fontes de nutrientes para o crescimento de microrganismos em laboratórios. Pesquisadores brasileiros avaliaram a viabilidade da produção de ácido lático pela bactéria Leuconostoc mesenteroides B512F, utilizando na composição do meio de cultura um substrato à base de material obtido do aproveitamento de excedentes da agroindústria tropical local de caju. Os resultados obtidos mostraram que o meio de cultura enriquecido com xarope de caju propiciou um crescimento adequado desta bactéria.

GUILHERME. A.A.; PINTO, G.A.S.; RODRIGUES, S. Avaliação da produção
de ácido lático por Leuconostoc mesenteroides B512F em xarope de caju.
Ciência Tecnologia de Alimentos, 29(4), 2009 (adaptado).

O carboidrato presente no xarope de caju que auxiliou no crescimento desta bactéria foi a

a) celulose.

b) glicose.

c) maltose.

d) lactose.

e) ribose.

GABARITO: 

1) Gab: D

2) Gab: B

Sobre o(a) autor(a):

Juliana é bióloga formada pela Universidade Federal de Santa Catarina e cursa o Mestrado em Educação na mesma instituição. Ministra aulas de Ciências e Biologia em escolas da Grande Florianópolis desde 2007 e é coordenadora pedagógica do Blog do Enem.