Divisão da Alemanha: o que foi, causas e muro de Berlim

Você sabia que o Muro de Berlim começou a ser construído em 1961, mas a Alemanha já estava dividida desde o final da Segunda Guerra? Venha ver mais detalhes desta história aqui, no Curso Enem Gratuito.

A divisão da Alemanha, diferente do que muitos pensam, não marca apenas a construção do muro de Berlim. A consolidação dessa divisão política aconteceu logo no final da Segunda Guerra Mundial.

A divisão da Alemanha no pós-guerra

Em 1945, os líderes das nações Aliadas (União Soviética, Estados Unidos e Grã-Bretanha) participaram de conferências para definir os rumos da política europeia no pós-guerra. Foram realizadas as conferências de Yalta, em fevereiro, e de Potsdam, entre julho e agosto. Além disso, também foi discutida a reorganização das fronteiras, em especial da Alemanha.

Divisão da Alemanha
Mapa da Alemanha dividida pelas zonas de influência dos países Aliados.

Ficou estabelecido que o território alemão ficaria dividido em quatro zonas de influência. Elas ficariam sob responsabilidade da Grã-Bretanha, França, Estados Unidos e União Soviética. O estabelecimento das fronteiras considerou o avanço das tropas durante o esforço de guerra. Isso fez com que a capital, Berlim, ficasse situada dentro da zona de influência da União Soviética.

Publicidade

Dada a importância da cidade, ficou decidido também que ela seria dividida em zonas de influência controladas pelas mesmas potências que dividiram o país. Contudo, no contexto da Guerra Fria, esta divisão da Alemanha passa a ser compreendida de outra forma.

Divisão da Alemanha Ocidental e Oriental
Mapa de Berlim dividida entre as potências aliadas.

Início da Guerra Fria

Ao fim da guerra, ficou evidente que tanto os Estados Unidos quanto a União Soviética saíram como as maiores potências do planeta. Além disso, era claro que ambos os países possuíam projetos de sociedade profundamente divergentes. A segunda metade do século XX foi, então, marcada pela bipolaridade de uma guerra ideológica, tecnológica e geopolítica.

Já em 1946 se delineavam os contornos da Guerra Fria. Em 5 de março daquele ano, o então ex-primeiro-ministro britânico, Winston Churchill, afirmava que a Europa estava dividida por uma cortina de ferro. Como as tensões entre os dois blocos continuaram aumentando, o termo acabou se popularizando e a cortina virou, literalmente, um muro.

Alemanha Oriental e Ocidental

O futuro da Alemanha era incerto durante os primeiros anos do pós-guerra. Políticos das quatro nações que coordenavam as zonas de influência e personalidades alemãs debatiam o destino do país. As zonas de influência dos Estados Unidos, França e Grã Bretanha uniram-se, dando origem à República Federal da Alemanha (RFA), em maio de 1949.

Em outubro de 1949, surge a República Democrática Alemã (RDA), que será uma extensão da União Soviética. As duas unidades políticas ficaram conhecidas popularmente como Alemanha Ocidental, de influencia capitalista, e Alemanha Oriental, comunista.

Construção do Muro de Berlim

A construção do muro de Berlim foi iniciada em 13 de agosto de 1961, por iniciativa da RDA. A migração para a zona de influência ocidental já ocorria e era, inclusive, proibida desde 1952, antes mesmo do muro. Sua construção, realizada ao redor da cidade de Berlim, tratava-se de mais uma medida de contenção de um fluxo que já existia.

Muro de Berlim - divisão da Alemanha
Fotografia da construção do muro de Berlim.

As migrações passaram a ser cada vez mais utilizadas como propaganda anticomunista pela Guerra Fria. Destaca-se o caso do jovem pedreiro Peter Feccher, que foi alvejado tentando atravessar o muro em 17 de agosto de 1962.

Videoaula

Revise esta aula com este vídeo do canal Leitura ObrigaHistória, apresentado pelo Icles Rodrigues que é quase um documentário sobre o tema: 

A queda do muro e fim da divisão da Alemanha

A partir da década de 1970, a RFA e a RDA começaram a demonstrar sinais de aproximação. Após reconhecerem um ao outro como Estados, puderam, enfim, ocupar assentos na ONU. Mesmo assim, o muro de Berlim continuava atrelado à imagem da Guerra Fria e da União Soviética.

Em novembro de 1989, é permitida a travessia de cidadãos da Alemanha Oriental para a Republica Federal da Alemanha. As populações dos dois lados reagem rapidamente indo em direção ao muro para derrubá-lo e se reencontrarem.

A queda do muro representava, naquele momento, os últimos suspiros da União Soviética. O processo de dissolução da grande nação comunista iniciou-se no governo de Mikhail Gorbachev através de duas reformas, uma econômica e outra política, que ficaram conhecidas como Perestroika e Glasnost, respectivamente. Em novembro de 1991 a União Soviética chegava ao fim.

Filme “Adeus, Lênin”

O filme alemão “Adeus, Lênin”, de 2003, dirigido por Wolfgang Becker tem como temática a queda do muro de Berlim e o fim da divisão da Alemanha. De forma bem humorada e inteligente, o filme conta a história de um jovem que tenta esconder de sua mãe o fato de que o muro e a URSS ruíram.

Isso mantém relação com a postura da RDA naqueles anos, que chegou a censurar publicações da URSS a fim de esconder os sinais da mudança que ocorria.

Exercícios sobre a divisão da Alemanha

Texto para questões 1 e 2:

As noções de colonialismo, imperialismo, dependência e interdependência, assim como as de projeto nacional, via nacional, capitalismo nacional, socialismo nacional e outras, envelhecem, mudam de significado, exigem novas formulações. Na medida em que se desfazem as hegemonias construídas durante a Guerra Fria, declinam as superpotências mundiais, envelhecem ou apagam-se as alianças e acomodações estratégicas e táticas sob as quais se desenhava o mapa do mundo até 1989, quando caiu o Muro de Berlim, o emblema do mundo bipolarizado.

Simultaneamente, começam a emergir novos polos de poder, revelam-se os primeiros traços de outros blocos geopolíticos, manifestam-se as primeiras acomodações e tensões entre os estados-nações preexistentes, bem como entre os que se formam com a desagregação da Iugoslávia, Tchecoslováquia e União Soviética.

(Disponível em: IANNI, Octávio. A era do globalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999. p. 12)

1 – (PUCCamp SP/2019)

O Muro de Berlim, mencionado no texto, foi construído

a)  em decorrência da reação da Alemanha Ocidental ao Tratado de Versalhes, que a responsabilizava pelos ônus causados durante a guerra, provocando a cisão com a parte oriental do país, que havia aceitado o Tratado.

b) com recursos norte-americanos, pelo governo da Alemanha Ocidental, procurando isolar economicamente a parte oriental do país, dominada pela URSS desde o fim da II Guerra, de modo a inviabilizar o avanço do regime socialista no território germânico.

c) pela República Democrática Alemã, procurando instituir uma barreira que circunscrevia e isolava a parte de Berlim vinculada à República Federal da Alemanha, capitalista, do resto do território da Alemanha comunista, evitando as fugas e migrações constantes da parte oriental da capital para a ocidental.

d) em comum acordo entre a Alemanha Oriental e a Ocidental, no auge da Guerra Fria, nos anos 1960, após longo período de conflitos internos, dividindo a capital situada na fronteira entre esses dois países.

e) devido à preocupação da Alemanha comunista em criar um obstáculo às forças militares ex-nazistas da parte ocidental da Alemanha, que pregavam o revanchismo em relação à URSS, ameaçando invadir a parte oriental, a despeito da separação legal entre as duas Alemanhas desde 1946.

2 – (PUCCamp SP/2019)

…quando caiu o Muro de Berlim […] Simultaneamente, começam a emergir novos polos de poder…

Os novos polos de poder surgem

a) em um momento em que cessam os conflitos políticos em várias partes do mundo devido à ação decisiva da Otan e à formação do G-7, congregando os novos centros de decisão.

b) com o advento da globalização, processo mundial que teve início em meados da década de 1990 e se alastrou de forma expansionista e irreversível por todo o planeta.

c) atrelados ao fim das ideias neoliberais que pregavam a ampliação do papel do Estado na economia e facilitando o surgimento de novas potências econômicas.

d) como resultado de um intenso processo de regionalização econômica e da ampliação do poder geopolítico de países que se mantiveram em estado latente durante as décadas da bipolaridade.

e) a partir de uma nova fase da globalização que, embora não linear, representou a integração global dos fenômenos econômicos, financeiros, ambientais e culturais, fato inédito na bipolaridade.

3 – (UECE/2018)

No ano de 1963, John F. Kennedy proferiu um discurso na cidade de Berlim. Com um charmoso sotaque americano, ele disse a frase que entrou para a História: “Há dois mil anos o maior orgulho era poder dizer-se: Civis Romanus Sum [Sou cidadão romano]. Hoje, no mundo livre, o maior orgulho é poder dizer-se Ich bin ein Berliner [Sou um berlinense]”. A visita do presidente americano a essa cidade ocorreu em um contexto difícil, iniciado em 1961, com a construção do muro que significou a

a) materialização da Guerra Fria em Berlim.

b) idealização do desenvolvimento capitalista alemão.

c) efetivação da expansão comunista europeia em Berlim.

d) marca da superioridade expansionista alemã.

Gabarito:

  1. C
  2. E
  3. A

Sobre o(a) autor(a):

Os textos acima foram preparados pelo professor Angelo Antônio de Aguiar. Angelo é graduado em história pela Universidade Federal de Santa Catarina, mestrando em ensino de história na mesma instituição e dá aulas de história na Grande Florianópolis desde 2016.

Compartilhe: