Hipertensão arterial e prática de exercício físico

A pressão arterial é a força que o sangue exerce nas paredes das artérias. Já a hipertensão arterial é quando um indivíduo desenvolve uma doença crônica em que a pressão arterial atinge valores superiores a 140/90mmHg. Saiba mais!

A hipertensão arterial atinge cerca de um bilhão de pessoas em todo o mundo. Entenda mais sobre essa doença e como o exercício físico pode ajudar a prevenir ou reverter esse quadro.

O que é hipertensão arterial

A hipertensão arterial, chamada popularmente de pressão alta, é uma doença crônica não transmissível, de caráter degenerativo.

A hipertensão arterial está entre os quadros mais comuns de doenças cardiovasculares. Essa doença muitas vezes é silenciosa, mas oferece diversos riscos à vida do portador. Afinal, é o principal fator de risco para o desenvolvimento de outras doenças cardiovasculares.

Publicidade

Um estilo de vida saudável, com exercícios físicos regulares e uma dieta balanceada, pode ajudar a prevenir e a curar esta doença.

Dados da Organização da Saúde (OMS) apontam que cerca de um bilhão de pessoas no mundo apresentam o quadro de hipertensão arterial. De acordo com o Ministério da Saúde, 35% das pessoas apresentam hipertensão arterial no Brasil.

O que é pressão arterial

A pressão arterial é a força que o sangue exerce nas paredes dos vasos sanguíneos das artérias.

A unidade de medida usada para representar a pressão arterial é milímetros de mercúrio, abreviado por mmHg. Uma pressão arterial em condições normais de indivíduos saudáveis é de 120/80mmHg.

O primeiro e maior número sempre representa a pressão exercida durante a sístole, quando o coração se contrai para bombear o sangue para o corpo através das artérias. Enquanto isso, o menor número, que vem em sequência, representa a pressão exercida durante a diástole, quando o coração se relaxa para ser preenchido por sangue.

Se você não se lembra da sístole e da diástole, aproveite para ver nossa videoaula sobre sistema circulatório:

Sintomas da hipertensão

Para ser considerada hipertensão, a medida precisa estar igual ou superior a 140/90mmHg, de acordo com a OMS.

A hipertensão pode ser uma doença silenciosa, sendo percebida geralmente quando o quadro está mais avançado. Por isso, é preciso conhecimento dos sintomas para a percepção dos mesmos.

Dentre os sintomas mais comuns estão dor no peito, tontura, visão turva, zumbido no ouvido e dor na nuca.

Caso não haja um tratamento no tempo certo e adequado, a hipertensão arterial pode levar à insuficiência cardíaca, doença arterial periférica, AVC, doença renal crônica, entre outras doenças.

Hipertensão arterial
Dor de cabeça e dor na nuca são sintomas de pressão alta.

Fatores de risco

Dentre os principais fatores de risco que aumentam a chance de desenvolvimento de hipertensão arterial estão:

  • Tabagismo;
  • Sobrepeso;
  • Alta ingestão de sódio;
  • Dieta inadequada;
  • Inatividade física;
  • Componente genético.

Fisiopatologia da hipertensão arterial

A pressão arterial (PA) é produto do débito cardíaco (DC) e da resistência vascular periférica (RP), de acordo com a fórmula a seguir:

PA = DC x RP

O Débito Cardíaco (DC) corresponde à quantidade de sangue que é bombeado do coração por minuto. Ele pode receber influência da frequência cardíaca (FC), da contratilidade e relaxamento do miocárdio (músculo cardíaco), do volume sanguíneo e do retorno venoso.

Já a resistência vascular periférica (RP) diz respeito à dificuldade que o sangue encontra ao passar pelos vasos sanguíneos. A RP pode ser influenciada por mecanismos que dilatam ou causam constrição dos vasos sanguíneos, e por alguns mecanismos renais de retenção de sódio ou água.

Influência do sódio na pressão arterial

O sódio é um sal mineral que atua como um vasoconstritor. Ou seja, ele aumenta a pressão nas paredes dos vasos sanguíneos, fazendo com que haja mais dificuldade para o sangue passar.

Além disso, o excesso de sódio aumenta a retenção hídrica no organismo. Isso aumenta o volume de líquidos que precisa ser bombeado, existindo, assim, uma sobrecarga do coração e dos rins.

Esses dois mecanismos podem causar um aumento da pressão arterial. A recomendação diária de sódio é de 5g por pessoa. Mas a média que o brasileiro consome por dia é de 12g! Muita coisa, né?

Consequências da hipertensão arterial

A hipertensão arterial pode levar ao desenvolvimento de outras doenças, principalmente cardiovasculares.

Lembrando que as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo. Cerca de 31% das mortes são causadas por essas doenças.

A aterosclerose é uma patologia que pode ser causada ou agravada pela hipertensão. Ela caracteriza-se pelo acúmulo de gordura na parede dos vasos sanguíneos.

A aterosclerose é classificada como uma doença crônica e sistêmica, causada por uma resposta inflamatória na parede das artérias. Em seguida, veja como ocorre a sua progressão:

  1. O primeiro passo para o surgimento da aterosclerose é uma lesão na parede vascular. Essa lesão geralmente ocorre por altos níveis de colesterol ruim ou triglicerídeos no sangue.
  2. Essa lesão abre a chance de lipídeos de aderirem ao local.
  3. As células do sistema imune entram em ação causando um processo inflamatório que se torna crônico.

Essas substâncias formam uma espécie de placa nas paredes dos vasos sanguíneos e são chamadas de ateromas. Os ateromas, por sua vez, podem acabar obstruindo totalmente o vaso sanguíneo.

Outra situação que pode acontecer é o desprendimento desses ateromas, fazendo com que eles se desloquem na corrente sanguínea e venham a obstruir outros vasos, podendo causar infartos ou AVC, dependendo do local que obstruírem.

Hipertensão arterial e exercício físico

O exercício físico acaba sendo usado como tratamento da hipertensão arterial, sozinho ou combinado a medicamentos. O exercício por si só possui efeito hipotensor, fazendo com que a pressão arterial diminua com apenas uma única sessão.

Mas, com exercícios físicos realizados de maneira regular, esse efeito hipotensor pode ser crônico, revertendo quadros de hipertensão. Isso porque exercícios regulares podem reduzir a pressão arterial de repouso cerca de 5-7 mmHg em indivíduos hipertensos.

Segundo as diretrizes do Colégio Americano de Medicina do Esporte (ACSM), recomenda-se que os hipertensos pratiquem exercícios aeróbios todos os dias e o treinamento de força muscular de 2 a 3 vezes por semana.

A intensidade dos exercícios aeróbios deve ser moderada, equivalendo entre 40% e 60% da frequência cardíaca máxima.

Além disso, as sessões devem durar pelo menos 30 minutos, podendo se estender em até 60, respeitando a progressão individual.

O exercício físico também contribui para o controle do colesterol. Como já vimos, a combinação de colesterol alto e hipertensão arterial pode ser muito prejudicial à saúde, causando aterosclerose, por exemplo.

Cuidados com as atividades físicas em hipertensos

Os hipertensos devem tomar alguns cuidados durante a prática de exercícios físicos.

Primeiramente, é importante destacar que é necessário um acompanhamento profissional, que irá aferir a pressão arterial antes e após a sessão de treino. Caso a pressão se apresente em números maiores que 20/11 mmHg, recomenda-se evitar a atividade física naquele momento.

O controle da intensidade também é um fator muito importante. Alguns hipertensos fazem o uso de medicamentos betabloqueadores. Os betabloqueadores mascaram a frequência cardíaca, diminuindo-a. Logo, se a intensidade for controlada pela FC, ela pode ser subestimada.

Nesses casos, o acompanhamento da intensidade pode ser feito por percepção subjetiva de esforço.

Videoaula

Para complementar o assunto, assista o vídeo a seguir do canal Pergunte ao Cardiologista, e em seguida, responda às questões propostas. Bons estudos!

Exercícios

1- (IFPE – 2017)

A hipertensão arterial é um dos problemas que afeta o sistema cardiovascular. Entre as causas mais comuns dessa doença é possível destacar alimentação inadequada, estresse e vida sedentária. Algo curioso sobre um dos medicamentos usados para o controle da hipertensão arterial e que a maioria dos hipertensos não sabe é que o captopril é desenvolvido a partir de uma substância encontrada no veneno da Jararaca Brasileira. Sobre a hipertensão arterial e o sistema cardiovascular, podemos afirmar que:

A) as veias são vasos que transportam apenas sangue arterial rico em gás oxigênio.

B) a pressão que o sangue exerce sobre as paredes das veias é denominado pressão arterial.

C) Na grande circulação, o sangue percorre um trajeto entre coração – pulmão – coração.

D) É considerada hipertensa a pessoa que apresenta uma pressão arterial de 120/80 mm Hg.

E) a artéria aorta é um vaso que transporta sangue arterial rico em gás oxigênio.

2- (FUVEST – 1997)

Em caso de hipertensão, recomenda-se uma dieta sem sal porque este atua

A) diminuindo o volume de sangue circulante.

B) aumentando o volume de sangue circulante.

C) reduzindo o calibre dos vasos sanguíneos.

D) dilatando o calibre dos vasos sanguíneos.

E) obstruindo os capilares arteriais com placas de ateroma.

3) (UNIFOR – 2013)

O estudo “A pessoa idosa, sua família e a hipertensão arterial: cuidados num programa de treinamento físico aeróbio” objetivou mostrar a importância de avaliar a pressão arterial em pessoas idosas, antes e após um programa de exercício aeróbio, junto com familiar cuidador. Os resultados demonstraram que a prática de exercício aeróbio regular junto com a família diminuiu a pressão arterial das pessoas idosas hipertensas. Assim, sobre a importância da família no contexto da saúde, podemos afirmar que:

A) a família é um sistema no qual são restringidos valores, crenças, conhecimentos e práticas, por meio do qual a família limita-se à dinâmica de funcionamento, promovendo a saúde, prevenindo e tratando a doença de seus membros.

B) as mudanças ocorridas na unidade familiar, no mundo contemporâneo, fizeram com que a família perdesse sua função como principal grupo social na formação do indivíduo e no atendimento às necessidades biopsíquicas e socioculturais de cada um de seus componentes.

C) é importante ressaltar que mesmo devido ao ritmo, intensidade e vulnerabilidade desse processo de mudanças, as crianças têm sofrido poucas alterações em seu cotidiano, tornando-se mais resistentes aos problemas de saúde, que, consequentemente, poderiam afetas os desenvolvimentos físico e emocional.

D) entendendo que é na unidade familiar que está o principal foco na promoção do desenvolvimento da criança, a creche tem pouca influência na promoção das condições de saúde da criança. Assim, a família e a creche intervêm separadamente de modo a proporcionar um ambiente saudável para a criança.

E) no mundo contemporâneo, os diversos papeis da família refletem diretamente no processo de saúde e doença de seus membros, pois a família tem que dispor de condições necessárias para promover as soluções eficazes para situações adversas em que possa se encontrar.

Gabarito:

  1. E
  2. B
  3. E

Sobre o(a) autor(a):

O texto foi escrito pela professora Milena Boeng, bacharela em Educação Física pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) e pós-graduanda em Musculação e Condicionamento Físico.

Compartilhe: