Ligações Covalentes

Os átomos podem se ligar de diferentes maneiras. Para isso, na maioria das vezes, compartilham, doam ou recebem elétrons. Entenda como acontecem as ligações covalentes nesse resumo!

Nesta aula, vamos estudar um tipo especial de ligação química: as ligações covalentes. Aprenda como elas ocorrem, que tipos de elementos químicos são capazes de fazê-las e saiba também como representá-las e reconhecê-las. Revise Química neste post para arrebentar em Ciências da Natureza no Enem e nos Vestibulares.

Ligações Covalentes

As ligações covalentes ocorrem quando ambos os átomos envolvidos na ligação tendem a receber elétrons. Mas, como é possível que todos os átomos envolvidos em uma ligação química recebam elétrons sem ceder nenhum?

Para isso esses átomos compartilham seus elétrons, formando pares eletrônicos. Cada par eletrônico é constituído por um elétron de cada átomo, sendo que na ligação química esses elétrons pertencem simultaneamente aos dois átomos.

Sendo assim, nas ligações covalentes não ocorre ganho nem perda de elétrons. Dessa maneira, formam-se estruturas eletricamente neutras, de grandeza limitada, denominadas moléculas. Por esse motivo, essa ligação também é denominada de ligação molecular.

Fique atento(a):

Moléculas são estruturas de massa molar conhecida formadas por um número relativamente pequeno e determinado de átomos (de mesmo elemento ou não) ligados entre si pelo compartilhamento de elétrons de valência.

Como você viu no início dessa aula, os átomos encontram várias maneiras para estabelecerem ligações com outros átomos. Uma dessas maneiras é a formação de uma ligação iônica.

Agora, voltando a ligação covalente, veja um esquema para compreender melhor esse tipo de interação entre átomos.

esquema de ligação covalente

Regra do octeto

A regra do octeto diz que todos os átomos tendem a se combinar entre si para ficarem com oito elétrons na sua camada de valência, tendo assim a mesma configuração de um gás nobre.

Porém, a regra do octeto não é absoluta. Vários compostos estáveis não apresentam oito elétrons em torno de um átomo da molécula. Vamos ver alguns elementos que não seguem essa regra:

  • Boro(B)
    O boro forma compostos estáveis por meio de três ligações simples, estabilizando-se com seis elétrons na camada de valência.

Ex: BF3

ligações covalentes boro

  • Berílio (Be)

O berílio — embora classificado como metal alcalino-terroso, pelo fato de seus dois elétrons da camada de valência apresentarem elevadas energias de ionização, forma compostos moleculares com duas ligações simples. Assim, estabiliza-se com quatro elétrons na camada de valência.

Ex: BeF2

regra do octeto berilio

  • Alumínio (Al)

Como seus elétrons de valência apresentam elevadas energias de       ionização, o alumínio forma, em alguns casos, três ligações simples. Assim, estabiliza-se com seis elétrons na camada de valência. As explicações anteriores baseiam-se em fatos experimentais.

Ex: AlCl3

exemplos de ligações covalentes

Atenção! Compostos como BF3, BeF2 e AlCl3 apresentam TF (temperatura de fusão) e TE (temperatura de ebulição) baixas, quando comparados com compostos iônicos, o que evidencia que eles são moleculares.

Fique ligado(a)! Quando dois átomos estabelecem entre si duas ligações covalente comuns, forma-se uma ligação dupla. A molécula de CO2(g), por exemplo, possui duas ligações duplas. Veja:

ligações covalentes no CO2

Já quando dois átomos estabelecem entre si três ligações covalentes comuns, forma-se uma ligação tripla, como ocorre na molécula de N2(g).

ligações no N2

Ligação covalente dativa ou coordenada

Essa ligação é semelhante à ligação covalente comum, Porém, ocorre entre um átomo que já atingiu a estabilidade eletrônica e outro ou outros que necessitem de dois elétrons para completar sua camada de valência.

ligações covalentes dativas

A ligação dativa pode ser indicada por uma seta (A → B) ou por um traço (A — B).

Temos como exemplo desse tipo de ligação o dióxido de enxofre (SO2). Nesse caso o enxofre estabelece uma ligação dupla com um dos oxigênios, atingindo a estabilidade eletrônica (oito elétrons na camada de valência). A seguir, o enxofre compartilha um par de elétrons com o outro oxigênio, através de uma ligação covalente dativa ou coordenada.

ligação dativa coordenada

E aí? Conseguiu aprender um pouco mais sobre as ligações covalentes nessa aula de Química? Veja aqui um infográfico resumindo a diferença entre ligações covalentes e ligações iônicas:

ligações iônicas e covalentes

Agora, para fixar o conteúdo, estude mais sobre as ligações químicas assistindo ao resumo em vídeo do nosso canal:

Agora, para finalizar sua revisão sobre ligações covalentes, que tal testar seus conhecimentos?

Questão 01 – (UFJF MG)    

O selênio quando combinado com enxofre forma o sulfeto de selênio, substância que apresenta propriedades antifúngicas e está presente na composição de xampus anticaspa. Qual o tipo de ligação química existente entre os átomos de enxofre e selênio?

a) Covalente.

b) Dipolo-dipolo.

c) Força de London.

d) Iônica.

e) Metálica.

Questão 02 – (UNITAU SP)    

A ligação covalente é um tipo de ligação química. Analise as afirmativas abaixo em relação a essa ligação.

I. Quando a ligação covalente ocorre entre átomos de diferentes eletronegatividades, é denominada ligação covalente apolar.

II. Os polos positivos e negativos da molécula, cujos átomos estão unidos por ligação covalente, são representados por e , respectivamente.

III. Numa ligação que é 100 % covalente, a ligação entre dois átomos apresenta um valor de momento dipolar nulo.

Está CORRETO o que se afirma em

a) I, II e III.

b) I e II, apenas.

c) I e III, apenas.

d) II e III, apenas.

e) II, apenas.

Resposta: 1.A, 2. D

 

Sobre o(a) autor(a):

Munique é formada em química pela UFSC, tem mestrado e doutorado em Engenharia Química, também pela UFSC.