Os valores sociais enquanto instrumento de manutenção ou transformação da sociedade

Você sabe o que são valores sociais e como eles agem na sociedade? Neste post trataremos deste assunto. Aprofunde seus conhecimentos neste tema e arrase no vestibular e no Enem!

Os valores sociais são valores compartilhados coletivamente e, geralmente, ocupam uma função normativa na sociedade. Muitas vezes tais valores sociais têm como intuito melhorar ou manter a ordem social e os padrões estabelecidos no âmbito de uma determinada sociedade. Neste sentido, podemos considerá-los como instrumentos de transformação ou manutenção da sociedade.

Desde que nascemos, a partir de nossa convivência em sociedade, recebemos um conjunto de ensinamentos como, por exemplo, sobre o que é considerado certo e o que é considerado errado. Assim, pouco a pouco, vamos aprendendo alguns valores que ao mesmo tempo em que são impostos a nós pela própria sociedade, também acabam por moldar nossa forma de entender a realidade, agir nela e nos relacionarmos uns com os outros.

Os valores sociais são estabelecidos com o intuito de melhorar o convívio em sociedade. Eles são postulados dentro de uma comunidade tendo em vista uma vida segura e tranquila para todas as pessoas. Além de influenciar diretamente na forma como as pessoas interagem entre si, já que orientam as condutas e comportamentos dos indivíduos.

É neste sentido que podemos relacionar os valores sociais vigentes numa sociedade às normas sociais que são estabelecidas por ela. As normas sociais, por sua vez, agem no âmbito do que é permitido ou não fazer em sociedade e, assim, fornecem coesão ao grupo.

As normas sociais podem ser diretas, quando são estabelecidas através das leis; ou até mesmo indiretas, como em casos em que sabemos que devemos agir de uma determinada maneira, mesmo que isto não seja uma determinação legal, mas sim moral e/ou ética.

Necessário destacar o papel exercido pelas instituições sociais para o estabelecimento e perpetuação desses valores e normas sociais vigentes e/ou desejados. Instituições sociais como a religião, a escola, a família, o direito, e, inclusive o Estado, por exemplo, funcionam de modo a ensinar e impor tais valores através de suas regras e sanções aplicadas aos comportamentos considerados dissidentes. Lembrando que tais sanções podem ser físicas, psicológicas ou sociais. Se quiser saber mais sobre como os valores sociais agem na sociedade, leia a reportagem de 2012.

Por exercerem um importante papel na composição e na configuração das sociedades, as normas sociais sempre foram ponto de diversas reflexões e considerações de autores/as da Sociologia. Para o francês Émile Durkheim, por exemplo, a sociedade só existe devido à padronização das condutas dos indivíduos em torno da ordem e do bem comum que são estabelecidas através da imposição das normas sociais.

Já o alemão Karl Marx, ressalta que as normas servem para manter o status quo da sociedade uma vez que são estabelecidas pela classe dominante com o objetivo de manterem-se em sua posição de poder. Enquanto que para o alemão Max Weber, as normas sociais são entendidas como o resultado das ações e das intenções dos indivíduos.

Importante lembrar que, ainda que os valores e normas sociais sejam uma construção coletiva, o indivíduo tem sua capacidade de escolha individual. Neste sentido, na medida em que suas ações e escolhas estão de acordo com tais valores e normas compartilhados coletivamente, este indivíduo se adequa aos padrões de legalidade e/ou inclusão. Em contrapartida, ao se distanciar destes valores e normas caminha-se para situações de ilegalidade/criminalidade, marginalização e/ou exclusão.

Desta forma, podemos considerar que certos valores e normas podem ser vistos como instrumentos de manutenção da ordem e do padrão estabelecidos para o funcionamento da sociedade.

Por outro lado, temos que considerar, também, que alguns valores e normas, muitas vezes, perduram por gerações e, em certo momento, deixam de corresponder às transformações ocorridas na própria sociedade e às expectativas dos indivíduos.

Sendo assim, através de reivindicações e manifestações sociais, por exemplo, ou através do estabelecimento de novas leis e regras oficiais, observamos a possibilidade de revisão e, até mesmo, alteração dos valores sociais e das normas vigentes na sociedade. Neste sentido, podemos considerá-los meios de transformação da sociedade.

movimento lgbt valores sociais
Marcadores: valores sociais; transformação social; movimentos sociais; manifestação; movimento lgbt

Outra forma de relacionar os valores sociais às possibilidades de transformação da sociedade, diz respeito àqueles valores cuja determinação não é de cunho legal (ou seja, não é prevista por lei). Mas sim estabelecidos através de valores éticos ou morais que regem aquela coletividade.

Como por exemplo o respeito, a tolerância, a solidariedade ou a honestidade. Neste sentido, não é incomum ouvirmos ou conhecermos alguém que diga que “vivemos uma crise de valores na sociedade” e, sendo assim, necessitamos retomar e reativar os mesmos. Assim, seria possível não somente alterar o curso da sociedade – que, com a perda de tais valores, se encaminharia para a destruição – como, consequentemente, também transformá-la.

Por fim, é importante considerar que os valores sociais e as respectivas normas sociais estabelecidas, são compartilhados no âmbito de uma determinada sociedade e podem variar culturalmente e geracionalmente.

Assista a videoaula e saiba mais sobre a relação entre os valores sociais e os processos de socialização:

Agora teste seus conhecimentos com as questões abaixo:

Questão 01 – (UESB/2018)

A denominada civilização ocidental é o resultado histórico de uma construção baseada em um conjunto de valores morais e éticos, que contou com o papel fundamental empreendido pela Igreja Católica, ao longo de cerca de quinze séculos.

Em relação à ação da Igreja Católica nas sociedades ocidentais, é correto inferir que ela

01) contribuiu para a fragmentação do poder medieval, ao estabelecer a superioridade do poder secular dos nobres feudais sobre o poder temporal da Igreja Católica, legalizando, assim, o sistema feudal.

02) justificou a centralização do poder real através da teoria do direito divino dos reis, buscando manter seus privilégios e a permanência da estrutura estamental da sociedade.

03) perdeu poder e importância política com a expansão do renascimento cultural, que defendeu o ateísmo, e com o racionalismo, que pregou a extinção das religiões.

04) sofreu uma significativa diminuição de sua influência política, em decorrência do movimento iluminista, que liderou um processo de fechamento de ordens religiosas, responsabilizadas pela divulgação do misticismo e do sincretismo.

05) fortaleceu o seu poder com o surgimento do socialismo cristão, que teve grande penetração no meio operário, ao defender a abolição da propriedade privada e o retorno ao cristianismo primitivo.

Gabarito: 02

Questão 02 – (UNESP SP/2017)

Deveis saber, portanto, que existem duas formas de se combater: uma, pelas leis, outra, pela força. A primeira é própria do homem; a segunda, dos animais. Como, porém, muitas vezes a primeira não seja suficiente, é preciso recorrer à segunda. Ao príncipe torna-se necessário, porém, saber empregar convenientemente o animal e o homem. […] Nas ações de todos os homens, máxime dos príncipes, onde não há tribunal para que recorrer, o que importa é o êxito bom ou mau. Procure, pois, um príncipe, vencer e conservar o Estado.

(Nicolau Maquiavel. O príncipe, 1983.)

O texto, escrito por volta de 1513, em pleno período do Renascimento italiano, orienta o governante a

a) defender a fé e honrar os valores morais e sagrados.

b) valorizar e priorizar as ações armadas em detrimento do respeito às leis.

c) basear suas decisões na razão e nos princípios éticos.

d) comportar-se e tomar suas decisões conforme a circunstância política.

e) agir de forma a sempre proteger e beneficiar os governados.

Gabarito: D

Questão 03 – (UEL PR/2018)

Leia a charge a seguir.

exercício de valores sociais
(Disponível em: <https://www.revistaforum.com.br/mariafro/2012 /05/24/ laerte-dia-do-orgulho-reacio-nario/>. Acesso em: 15 jun. 2017.)

A charge remete a um conjunto de questões que apontam, senão para a morte, ao menos para o refluxo do espírito democrático na modernidade, em diversos países. Nessas manifestações, verifica-se

a) a intensificação do nacionalismo e a defesa de políticas protecionistas animadas pela crise mundial dos empregos, disputados em maior intensidade no contexto dos deslocamentos de grandes contingentes populacionais.

b) a defesa intransigente do Estado laico, capaz de concretizar os valores da ciência e da razão, em detrimento da vinculação aos ideais fornecidos pelos diversos matizes de religião existentes no mundo moderno.

c) a recusa aos princípios da meritocracia, uma vez que esta atende a algumas centenas de privilegiados contemplados com as políticas compensatórias conduzidas pelos governos nacionais das mais variadas tendências.

d) o tratamento das questões sociais via valorização da perspectiva dialógica, eliminando, assim, o uso de medidas coercitivas nos espaços público e privado.

e) a necessidade de politização do ensino, trazendo para o âmbito escolar temas polêmicos, como a educação sexual, gênero e tratamento humanizado na questão das drogas.

Gabarito: A

Questão 04 – (UFTM MG/2007)

O Renascimento cultural teve sua origem nas mudanças políticas, econômicas e sociais ocorridas a partir da Baixa Idade Média. Foram transformações dos padrões de comportamento, das crenças, das instituições, dos valores espirituais e materiais transmitidos coletivamente e que atingiram a alta burguesia e a nobreza, excluindo os demais segmentos da sociedade.

(Myriam Mota e Patrícia Braick, História: das cavernas ao Terceiro Milênio)

Dentre as transformações a que as autoras se referem, é correto mencionar

a) a afirmação dos Estados liberais, sob controle da burguesia, a partir da retomada do estudo do Direito Romano nas universidades.

b) o desenvolvimento das atividades mercantis, que fez surgir uma nova camada social interessada em valorizar o indivíduo e a razão.

c) o fortalecimento da autoridade dos doutores da Igreja católica, que defendiam a fé como meio de compreensão da realidade material.

d) a ascensão política das camadas populares, que questionaram a visão de mundo centrada em Deus e incentivaram a crítica e a experimentação.

e) a consolidação do sistema fabril, substituindo as corporações medievais, devido às novas exigências da economia auto-suficiente.

Gabarito: B

Sobre o(a) autor(a):

O texto acima foi escrito por Natália Lima para o Curso Enem Gratuito. Natália é formada em Ciência Sociais pela Universidade Federal de Santa Catarina, e mestre em Sociologia Política pela mesma instituição. Atualmente, trabalha como professora de Sociologia na rede estadual de educação.

Compartilhe: