Émile Durkheim – Revisão de Sociologia para o Enem

Durkheim é um dos três autores imprescindíveis para se dar bem na prova de Sociologia. Revise sobre o sociólogo francês e gabarite Ciências Humanas no Enem!

Émile Durkheim orientou sua Sociologia pela preocupação de promover a coesão social e a solidariedade, através do estudo da sociedade moderna.

Suas preocupações sociais o levaram a fundar uma ciência social prática e útil, levando em consideração a interiorização dos valores comuns. Seu ponto de vista é de que um indivíduo só existe em função de outro, pelo calor do grupo, pela participação na comunidade.

Abaixo faremos um resumo do pensamento de Durkheim, presente nas suas principais obras: “Da divisão do trabalho social”, “As regras do método sociológico” e “O suicídio”.

A sociologia científica de Durkheim

O objetivo principal da obra de Durkheim é elevar a Sociologia ao grau de ciência, através de um método objetivo, assim como são as ciências naturais.

Durkheim defende que a “ciência das sociedades” deve fugir da reprodução do senso comum e tratar cientificamente seu objeto de estudo: os fatos sociais. Durkheim defende que os fatos sociais como coisas e por isso é possível observá-los, descrevê-los, classificá-los e procurar as leis que os explicam, com a finalidade de resolver problemas práticos de nossa sociedade.

Indivíduo e sociedade

Durkheim procurou determinar o campo da Sociologia, de forma a demonstrar que não é possível compreender as ações de um indivíduo sem observar a sociedade da qual ele faz parte.

Um bom exemplo dessa relação entre indivíduo e sociedade é o seu livro “O Suicídio”. A partir da análise empírica das tendências ao suicídio de determinada sociedade, Durkheim mostra como o coletivo se sobrepõe ao indivíduo e a influência que a sociedade exerce sobre as paixões individuais.

Divisão do trabalho

Para Durkheim, a sociedade funciona como o corpo humano: está dividida em vários membros e o bom funcionamento de cada membro garante o bom funcionamento do todo. Quanto mais complexa é uma sociedade, mais especializada é a divisão do trabalho social e mais as pessoas dependem uma das outras. Diferente de Marx, por sua vez Durkheim vê com bons olhos a divisão do trabalho porque ela é capaz de gerar a solidariedade entre os indivíduos!

Émile Durkheim - Corpo humano, divisão, esqueleto
Para Durkheim, a sociedade é como o corpo humano, cada parte deve realizar bem suas funções para o bom funcionamento do todo!

Assim como pessoas com características diferentes se atraem para se completarem um ao outro, a função moral da divisão do trabalho é criar entre duas ou várias pessoas um sentimento de solidariedade. Para Durkheim, a divisão social do trabalho torna possíveis sociedades que, sem elas, não existiriam.

Solidariedade mecânica e orgânica

Para Durkheim, existem dois tipos de solidariedade: mecânica e orgânica.

A solidariedade mecânica entre os indivíduos se dá pelo fato de eles se verem como semelhantes. Esse tipo de solidariedade é típico de sociedade simples, arcaicas, como sociedades tribais, onde o grau de divisão do trabalho é muito baixo.

Já a solidariedade orgânica é gerada pela a divisão social do trabalho. Este tipo de solidariedade é típico das sociedades complexas, com alto grau de divisão do trabalho, onde cada pessoa exerce uma função social diferente.

Émile Durkheim
Nas sociedades tribais, prevalece a solidariedade mecânica. Com o desenvolvimento das cidades e divisão do trabalho, passa a prevalecer a solidariedade orgânica

Anomia

Vamos seguir o raciocínio de Durkheim: o progresso da divisão social do trabalho produz a cooperação entre os indivíduos e a solidariedade. Entretanto, para que a solidariedade orgânica exista, é necessária também a regulamentação. Se a divisão do trabalho não produz a solidariedade, é porque as relações entre os indivíduos e grupos não são regulamentadas, ou seja, as partes do todo social encontram-se num estado de anomia.

Fazendo outra vez a analogia com o corpo humano, a anomia seria uma doença, uma patologia social. Anomia é a negação da moral, uma crise no conjunto de regras originário de determinada comunidade, uma falta de regulamentação nas mais distintas esferas da vida social.

Émile Durkheim - Anomia, patologia, Mafalda
Durkheim chama de anomia a “doença” das sociedades modernas que resulta da falta de solidariedade

O conceito de anomia foi inicialmente pensado por Durkheim para dar conta das formas anormais da divisão do trabalho e desde então tem sido amplamente utilizado na Sociologia.

Émile Durkheim - Suicídio
Para Durkheim, o suicídio não é uma questão individual, mas social

No seu livro “O Suicídio” o tema da anomia aparece outra vez. Para Durkheim, o suicídio não é uma questão individual, mas social: é resultado da falta de solidariedade e do mal-estar da sociedade moderna.

O “remédio” para a anomia estaria no fortalecimento das instituições. A escola seria uma das principais instituições responsáveis por garantir a coesão social, transmitindo as de regras e valores interiorizados na personalidade dos membros da sociedade.

Para finalizar, assista à viodeaula da prof. Anna sobre o assunto:
Para terminarmos a revisão sobre Durkheim, resolva os exercícios selecionados abaixo. Essas questões cobrem os principais temas relacionados ao pensamento de Durkheim que caem nas provas do Enem. Acompanhe o nosso Curso Enem gratuito e gabarite o Enem!

1 – (ENEM, 2016) A sociologia ainda não ultrapassou a era das construções e das sínteses filosóficas. Em vez de assumir a tarefa de lançar luz sobre uma parcela restrita do campo social, ela prefere buscar as brilhantes generalidades em que todas as questões são levantadas sem que nenhuma seja expressamente tratada. Não é com exames sumários e por meio de intuições rápidas que se pode chegar a descobrir as leis de uma realidade tão complexa. Sobretudo, generalizações às vezes tão amplas e tão apressadas não são suscetíveis de nenhum tipo de prova. (DURKHEIM, E. O suicídio: estudo de sociologia. São Paulo: Martins Fontes, 2000).

O texto expressa o esforço de Émile Durkheim em construir uma sociologia com base na

a) vinculação com a filosofia como saber unificado.

b) reunião de percepções intuitivas para demonstração.

c) formulação de hipóteses subjetivas sobre a vida social.

d) adesão aos padrões de investigação típicos das ciências naturais.

e) incorporação de um conhecimento alimentado pelo engajamento político.

2 – (Ufu 2016) A Sociologia surge no século XIX, momento marcado por uma intensa crise social na Europa. Émille Durkheim não deixou de ser influenciado por esse contexto. Nesse sentido, um dos seus objetivos era fazer da Sociologia uma disciplina científica capaz de criar repostas aos desafios enfrentados pela sociedade moderna.

Entre os desafios, colocava-se a crescente contradição entre capital e trabalho, entendida pelo autor como um exemplo dos efeitos de um estado de anomia, caracterizado

a) pela excessiva regulamentação estatal sobre as atividades econômicas.

b) pela intensificação dos laços de solidariedade mecânica no interior das corporações.

c) pela ausência de instituições capazes de exercerem um poder moral sobre os indivíduos.

d) pelo aprofundamento da desigualdade econômica

 

3 – (UEG, 2014) A sociologia surge como ciência no século XIX. Ela nasce numa época marcada pela ideia de criar ciências positivas da sociedade, período em que são criadas as ciências humanas. Alguns sociólogos discutem a relação entre a sociologia e filosofia. Durkheim, por exemplo, apresenta Montesquieu e Rousseau como precursores da sociologia. Nesse sentido, a sociologia

a) objetiva ser uma ciência particular e, por isso, necessita distinguir-se de outras ciências e da filosofia, criando objeto e método próprios.

b) surge no interior de um movimento intelectual que nasce com o racionalismo e o iluminismo, visando negar a filosofia e ocupar o seu lugar.

c) busca juntar filosofia e sociologia para criar uma nova ciência, a física social, que seria o positivismo inspirado em Augusto Comte e Durkheim.

d) abarca a filosofia e as ciências naturais, criando uma síntese que supera ambas, ao mostrar que a fonte do conhecimento é a sociedade.

4 – (UEG, 2013) O sociólogo Durkheim, em sua teoria do conhecimento, realizou a crítica do apriorismo e do empiricismo. O seu objetivo era constituir não apenas uma sociologia do conhecimento, mas uma nova teoria do conhecimento que superasse os limites dessas duas concepções. No que se refere a essa discussão, verifica-se que

a) o empirismo surgiu com o filósofo Kant e o apriorismo com o positivismo de Comte e suas leis dos três estados, teológico, metafísico e positivo.

b) Durkheim considerava que as formas do saber, as representações coletivas e até as categorias do entendimento possuem origem social.

c) o empirismo é a teoria do conhecimento apresentada por Marx em oposição ao idealismo, sendo conhecida como “materialismo”.

d) o apriorismo tem suas origens na filosofia kantiana e em Max Scheller, e o empiricismo na filosofia de Hegel e Feuerbach.

Gabarito:

1 – D

2 – C

3 – A

4 – B