Cartografia e projeções cartográficas

Cartografia é a ciência e a arte de elaborar mapas. Quer saber um pouco mais sobre esse universo dos mapas?

Tudo começou quando o homem pré-histórico passou a desenhar no interior de cavernas a localização de seu entorno. Foi assim que surgiram os primeiros mapas. À medida em que o homem foi conquistando novos espaços, cruzando mares, aprimorando as técnicas de cartografia e os mapas foram se tornando mais sofisticados.

Com o passar dos anos, os mapas tiveram importantes funções estratégicas, como a expansão marítima comercial europeia no século XV, e atualmente são fundamentais para que as administrações públicas desenvolvam projetos de organização territorial.

Os mapas possibilitam o levantamento de dados de diversos temas. Por isso, eles são imprescindíveis ao estudo da Geografia física e humana e à compreensão de vários aspectos que movem o mundo.

Elementos de um mapa

A cartografia é dotada de uma linguagem própria, com símbolos, indicadores e representações. Dentro de um mapa deve conter alguns elementos importantes para interpretação, são eles:

  • Título: Mostrando o tema da análise.
  • Fonte: demonstrando a origem das informações e dados utilizados para compor o mapa.
  • Legenda: o elemento mais importante, pois dá significados aos elementos apresentados, como cores, símbolos, siglas, etc.
  • Escala: indica a relação entre o espaço verdadeiro e seu correspondente no mapa. Quantas vezes a imagem real foi reduzida (em alguns casos ampliados) para caber no mapa.
  • Norte: indicação de orientação do Norte Magnético ou Verdadeiro, para fins de localização.

Coordenadas geográficas

Para encontrar determinado lugar, como a casa de alguém ou um órgão público, precisamos de um endereço, certo? Sabendo o nome da cidade, do bairro  da rua e o número da casa, chegaremos ao destino.

No entanto, nem todas as regiões do planeta têm um endereço com essas informações. Por isso, para obtermos a localização de qualquer ponto ou área da superfície terrestre, utilizamos as coordenadas geográficas. Trata-se de um sistema obtido a partir do cruzamento de uma rede de linhas imaginárias – os meridianos e paralelos.

  • Os meridianos cruzam a Terra no sentido norte-sul, de um polo ao outro do globo. Os meridianos nos indicam a Longitude, que é a distância expressa em graus entre um local no mapa e o meridiano de Greenwich.
  • Os paralelos são linhas perpendiculares aos meridianos, que cruzam a Terra no sentido leste-oeste. Eles determinam a latitude, também expressa em graus, e nos indicam a distância entre um local no planisfério e a linha do Equador.

cartografia coordenadas geográficas

Linha do Equador

A linha do Equador é equidistante (distancia igual) em relação aos polos Norte e Sul da Terra e servem como referência para traçar os paralelos, como o trópico de Câncer e o Circulo Polar Ártico (que estão ACIMA da linha do Equador) e o Trópico de Capricórnio e o Circulo Polar Antártico (que estão ABAIXO da linha do Equador). Ela divide o planeta em porção Norte, ou Setentrional, e Sul, ou Meridional.

cartografia mapa 3

As linhas que partem do Equador são divididas de 0 a 90 graus para as duas direções. Quanto mais longe a linha estiver da latitude estiver da linha do equador, mais alta é a latitude do ponto.

Meridiano de Greenwich

O meridiano de Greenwich divide o planeta entre Ocidente e Oriente. A partir dele, as distâncias são contabilizadas de 0 a 180 graus, tanto para leste quanto para oeste. A longitude de um lugar é a sua distância até o meridiano de Greenwich. Quanto mais distante, maior será sua longitude.

Tipos de projeções cartográficas

Ao longo dos séculos, os cartógrafos vêm se empenham em desenvolver mapas-múndi (mapa do mundo todo) da forma mais fiel possível.

O problema é que a Terra tem um formato esférico, com um leve achatamento nos polos. O maior desafio na criação dos mapas, portanto, é representar este planeta esférico em uma superfície plana. Para termos a ideia da dificuldade de realizar essa transposição, no decorrer dos anos surgiram mais de 200 tipos de projeções cartográficas e todas apresentam algum tipo de distorção da realidade.

Dependendo da figura geométrica utilizada para desenvolver o mapa, as projeções podem ser classificadas da seguinte forma:

projeções cartográficas

  • Projeção Cilíndrica

Este tipo de projeção é produzido como se um cilindro envolvesse a esfera terrestre e fosse então planificado. A projeção cilíndrica ainda consegue representar como menos distorções as baixas latitudes e mais distorção nas altas latitudes.

  • Projeção Cônica 

Neste tipo de projeção, a representação é feita como se um cone envolvesse o planeta e depois fosse planificado. Esta projeção é utilizada para mapas de latitudes médias, pois nessa região a distorção é menor.

  • Projeção Plana ou Azimutal 

O mapa é construído sobre um plano que tangencia algum ponto da superfície terrestre. Seu uso mais comum é para melhorar a visibilidade, menor distorção, das regiões polares e de suas proximidades.

As projeções também podem ser classificadas de acordo com os parâmetros utilizados para conservar ou distorcer as áreas:

  • Conforme

Prioriza a forma, ou seja, o contorno dos continentes e oceanos e distorce a área, principalmente nas latitudes maiores. Na Projeção de Mercator ao lado, a Groelândia, que tem cerca de 2,8 milhões de Km², aparece no mapa com quase o mesmo tamanho da África, com seus mais de 30 milhões de Km².

  • Equivalente:

Mantém a equivalência da área, ou seja, a proporção entre as áreas reais e sua representação no mapa. No entanto, as formas ficam distorcidas, como a América do Sul e a África, que aparecem mais alongadas no mapa, como se nota na Projeção de Peters.

cartografia mapa 3

  • Arbitrária ou Afilática:

Não se prende totalmente a nenhuma regra, distorcendo tanto a área como a forma, porém sem exagerar essas distorções, buscando um resultado mais equilibrado. O exemplo mais representativo é a Projeção de Robinson, utilizada na maior parte dos atlas e livros escolares.

Projeção de Robinson Cartografia
Projeção de Robinson
Para complementar a revisão de Cartografia, assista esta super videoaula do professor Raphael Carrieri que preparamos para você:

Agora responda às questões sobre Cartografia selecionadas pelo professor.

Questão 1

Abaixo é reproduzido um mapa-múndi na projeção de Mercator.

exercício cartografia
Mapa com a Projeção de Mercator

É possível afirmar que, nesta projeção:

a) os meridianos e paralelos não se cruzam formando ângulos de 90°, o que promove um aumento das massas continentais em latitudes elevadas.

b) os meridianos e paralelos se cruzam formando ângulos de 90°, o que distorce mais as porções terrestres próximas aos polos e menos as porções próximas ao equador.

c) não há distorções nas massas continentais e oceanos em nenhuma latitude, possibilitando o uso deste mapa para a navegação marítima até os dias atuais.

d) os meridianos e paralelos se cruzam formando ângulos perfeitos de 90°, o que possibilita a representação da Terra sem deformações.

Questão 2

Os conhecimentos sobre projeções cartográficas e uso de mapas possibilitam afirmar:

a) A projeção azimutal fornece uma visão eurocêntrica do mundo e, por isso, ela não é mais utilizada.

b) As distorções da representação, nas projeções cilíndricas, são maiores no Equador e menores nos polos.

c) A projeção de Peters é a única que não pretende privilegiar nenhum continente, porque ela reproduz rigorosamente a realidade.

d) A projeção cônica só pode ser utilizada para representar grandes regiões, porque as distorções são pequenas entre os trópicos, não representando, portanto, a realidade das áreas mapeadas.

e) As projeções cartográficas permitem que, na construção dos mapas temáticos, os meridianos e os paralelos terrestres sejam transformados de uma realidade tridimensional para uma realidade bidimensional.

Questão 3

Como se chama a parte explicativa do mapa, que indica as cores, os significados dos símbolos e desenhos usados no mapa?

a) legenda

b) abscissa

c) escala topográfica

d) fonte

e) orientação

Respostas:

1) B

2) E

3) A

Sobre o(a) autor(a):

Priscila é formada em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina.