Populismo Latino-Americano entenda seus desdobramentos

O que vem à sua mente quando ouve ou lê o termo “populismo”? De que maneira ele está relacionado com o governo de Vargas no Brasil e de Peron na Argentina? Encontre a resposta para essas e outras perguntas nesta aula do Curso Enem Gratuito.

O Populismo latino-americano vai muito além das figuras caricatas de políticos. Ao ouvir o termo populismo muitas pessoas pensam imediatamente no político que faz suas campanhas nas ruas com discursos cheios de promessas para as massas.

No entanto, este senso comum é raso pois cria uma imagem pronta de uma forma de fazer política que teve aspectos diferentes em contextos específicos. É por isso que na aula de hoje vamos abordar o termo de maneira a evitar o senso comum, acompanhe.

O contexto histórico do populismo latino-americano

Apesar de o termo ser utilizado em outros contextos, o populismo ganhou notoriedade na América Latina como uma forma de fazer política e se relacionar com a opinião pública entre as décadas de 1930 e 1960. No Brasil teve como seu principal representante Getúlio Vargas e na Argentina Juan Domingo Perón. No ramo da disciplina de História, trata-se de um fenômeno político e histórico datado, apesar de o termo ainda ser utilizado por leigos e analistas.

Publicidade

De forma geral o populismo esteve envolvido num contexto de urbanização e industrialização de dois países latino-americanos: a Argentina e o Brasil. Até a primeira metade do século XX ambos países possuíam economias majoritariamente agrárias, ou seja, voltada para o agronegócio. Os trabalhadores também tinham poucos direitos e quase nenhum acesso a serviços públicos.

Esse panorama gerou uma crise que possibilitou a ascensão de governantes carismáticos, que logo mais buscaram centralizar os poderes em si. Ao passo que concediam algumas reformas populares enriqueciam os proprietários e empresários nacionais. Estas foram características comuns no populismo latino-americano.

O nascimento do populismo brasileiro

Até a década de 1930 o Brasil viveu o que se costuma chamar de República Oligárquica. Aliás, nesse contexto a política era influenciada pelos grandes latifundiários brasileiros, sobretudo do sudeste brasileiro, portanto os conhecidos coronéis.

Principalmente as elites agrárias ganharam muito poder com a exportação de café desde o século XX. Conforme os anos passaram, chegaram a investir na atividade industrial com as fortunas que fizeram.

A política do café com leite no Brasil

Consequentemente, esses coronéis eram responsáveis por lançarem os candidatos a diversos cargos políticos, como governadores, por exemplo, que atuavam em favor da manutenção do seu poder. Entretanto durante o período da política do café com leite, o voto não era secreto, portanto o processo eleitoral estava sujeito às interferências indevidas.

Assim sendo, ocorriam então a troca de votos por benefícios para alguns, porém para outros sobrava somente a pressão dos jagunços de coronéis das regiões. A saber que no âmbito nacional os estados de São Paulo e Minas Gerais, ambos eram os maiores produtores de café do Brasil e assim sendo se revezavam na cadeira da presidência.

Enquanto isso as elites dos demais estados brasileiros competiam inutilmente contra a hegemonia do sudeste. Sobretudo, este cenário se altera a partir de 1930, quando Getúlio Vargas lidera uma revolta a partir do Rio Grande do Sul contra as oligarquias paulistas que haviam quebrado o pacto tácito com Minas Gerais.

A era Vargas

Conforme o contexto da Crise de 1929, o preço do café brasileiro caiu drasticamente no mercado, pois o principal consumidor de café eram os Estados Unidos.

populismo da era vargasRetrato oficial de Getúlio Vargas, em preto e branco. Na imagem aparece o busto de Getúlio que traja um paletó escuro, uma camisa branca e o Brasão de Armas da República.

Dessa maneira, Vargas assume como presidente temporário até 1934, assim sendo eleito presidente por mais quatro anos por uma Assembleia Constituinte. Porém, apesar do pouco tempo, ele logo instituiu o voto feminino e estabeleceu a jornada de trabalho de oito horas.

Ocrescimento do populismo no Brasil com o Estado Novo

Então em 1937, por meio de um golpe de estado, Vargas assume o poder novamente, assim como um ditador, no período que fica conhecido como Estado Novo. Portanto, foi nesse período que ele aprofundou a industrialização do país, consolidou mais direitos trabalhistas com a CLT e investiu em sua imagem pública como “o pai dos pobres”.

Assim sendo, Vargas procura se aproximar da população através do rádio, criando o programa A Hora do Brasil, se apropriando do samba e legalizando a capoeira. Por pressão da oposição e perda de apoio externo, o fim do Estado Novo ocorre em 1945.

Contudo, o prestígio de Vargas, fruto da combinação de sua política populista de ampliação da legislação trabalhista e da construção de sua imagem como tutor das massas lhe garantem a eleição em 1950. Vargas também foi responsável pela criação de grandes empresas nacionais como a Vale do Rio Doce e a Petrobrás.

Videoaula

O Populismo na Argentina

Retrato de Juan Domingo Perón, o presidente Argentino traja um smolking preto com a uma faixa por dentro do blazer onde aparece o Sol de Maio,
símbolo argentino.

Assim que o Estado Novo da era Vargas havia chegado ao fim, na Argentina, Juan Domingo Perón era eleito presidente em junho de 1946. Inesperadamente, sua figura entrou para história do país. Dessa maneira vindo a afetar profundamente a política argentina, que até os dias atuais encontra simpatizantes tanto na esquerda como na direita.

Assim como no Brasil que sofreu com a crise de 1929, os argentinos também passaram por dificuldades nesse período. Portanto o povo argentino viu suas exportações de carne e cereais caírem vertiginosamente no mercado internacional. Então esse era o início da crise que foi uma das chaves necessárias para a ascensão de lideranças carismáticas, como Juan Domingo Perón.

O contexto histórico da ascensão do populismo na Argentina

Todavia, até o início de 1930 a União Cívica Radical era o partido que estava no poder desde 1916. Em virtude da crise, o governo é derrubado pelo Tenente General José Felix Uriburu. Sendo assim, a década de 1930 é então marcada na Argentina por uma crise econômica e política em benefício da Inglaterra com o objetivo de manter as exportações agrícolas.

Nesse contexto, ocorrem diversas fraudes eleitorais no país e a política é marcada por diferentes disputas que culminam com um outro golpe militar em 4 de novembro de 1943. Então com o fim da Segunda Guerra Mundial, Juan Domingo Perón que fazia parte do partido golpista, chega ao poder para um mandato de seis anos.

Naquele contexto a Argentina já vivia um processo de industrialização que vinha desde a década passada. Porém, antes de ser eleito, Perón já havia se aproximado dos trabalhadores do campo e da cidade, regulamentando assim as relações trabalhistas.

O governo de Perón e o povo argentino

Dessa maneira dentre diversos feitos Perón criou os tribunais de trabalho e instituiu o décimo terceiro salário. Entretanto, vale lembrar que tanto Vargas quanto Perón também atuaram no sentido de controlar os sindicatos, evitando que estes agissem fora do seu interesse.

Sendo assim, com o apoio das massas de trabalhadores Perón se elege presidente três vezes: em 1946, 1952 e 1973. Dessa forma sua atuação no governo é marcada por um nacionalismo argentino, acompanhada de um crescimento industrial e pela consolidação de direitos trabalhistas.

Nesse sentido diversas obras de infraestrutura e empresas estatais foram criadas no governo de Perón, entre elas as Aerolíneas Argentinas, isto é uma empresa aeronáutica que opera até os dias de hoje. Entretanto seu segundo mandato é marcado por uma crise e acabou com um golpe militar que o levou ao exílio na Espanha.

Por fim, o terceiro mandato de Perón dura menos de um ano, quando o presidente vem a falecer. Então sua terceira esposa, María Estela Martínez de Perón, assume o cargo porém, é deposta em 1976.

Exercícios

Questão 01 – (ESPM SP/2020)
Observe o fragmento de texto e indique a alternativa que completa a lacuna.

Foi nos governos ____________ que ocorreu a criação de uma série de empresas estratégicas focadas no desenvolvimento industrial. Entre outras, destacam-se a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), a Fábrica Nacional de Motores (FNM), a Petrobras, além do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE) e a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf).

Fonte: Geografia em Rede, Edilson Adão & Laércio

Furquim. São Paulo, FTD, 2018.

a) Vargas (1930-1945) e Militar (1964-1989).

b) Vargas (1930-1945) e JK (1956-1961).

c) JK (1956-1961) e Militar (1964-1984).

d) Militar (1964-1984) e FHC (1994-2002).

e) Vargas (1930-1945 e 1951-1954).

TEXTO: 1 – Comum à questão: 2

José de Alencar, o festejado criador de vários romances indianistas, não seria mais nacional que Machado de Assis? A opinião da crítica mais refinada vai em direção oposta: o romancista de Quincas Borba seria o mais profundamente brasileiro dos nossos escritores. (…) A literatura de Machado de Assis seguramente apresenta um brasileirismo de espécie interior, que até certo ponto dispensa a cor local. (…) Digamos, sumariamente, que, em vez de elementos de identificação nacional, Machado buscava relações e formas sociais. A feição nacional destas é profunda, sem ser óbvia.

(SCHWARZ, Roberto. Que horas são? São Paulo: Companhia das Letras, 1987, p. 165-166)

Questão 02 – (PUCCamp SP/2020)

O peronismo buscou promover uma ampla identificação nacional com seu projeto político, mediante um discurso que enfatizava

a) o anti-imperialismo, defendendo o nacionalismo argentino no plano político e econômico, com a declaração de moratória e o rompimento de relações comercias com os Estados Unidos.

b) a justiça social por meio da concessão governamental de benefícios aos trabalhadores, principalmente os operários sindicalizados de todo o país, sua base eleitoral.

c) a substituição da doutrina cristã pela justicialista, uma vez que Perón, desde seu primeiro governo, rompeu com a Igreja Católica, que não o apoiava, e se declarou líder espiritual do povo argentino.

d) a neutralidade na II Guerra Mundial, argumentando que os argentinos eram um povo pacífico, uma vez que não possuía experiência anterior de envolvimento em conflitos bélicos nacionais e internacionais.

e) a distribuição de riquezas na Argentina, então muito concentradas na capital, por meio de reformas trabalhistas, agrária e tributárias, de caráter populista, que contribuiriam para a homogeneização do país.

Questão 03 – (Univag MT/2019)

Com Juan Perón ainda à frente da Casa Rosada (1946-1955) e com Getúlio Vargas novamente no Palácio do Catete (1951-1954), a semelhança que marcaria os dois governos sugeria a possibilidade de um estreitamento das relações entre Argentina e Brasil e de formulação de projetos conjuntos.

(Letícia Pinheiro. “O Brasil no mundo”. In: Angela de Castro Gomes (coord.).

Olhando para dentro: 1930-1964, vol. 4, 2013. Adaptado.)

É correto indicar como semelhanças entre esses governos

a) a legislação para o trabalhador rural e o alinhamento político à Europa.

b) o nacionalismo econômico e a aproximação às massas urbanas.

c) o caráter oligárquico e a ênfase na indústria de bens de consumo.

d) a proposta de mudança na estrutura fundiária e a posição anticlerical.

e) o sindicalismo autônomo e a ruptura diplomática com os Estados Unidos.

GABARITO

1 – Gab: E
2 – Gab: B
3 – Gab: B

Sobre o(a) autor(a):

Os textos acima foram preparados pelo professor Angelo Antônio de Aguiar. Angelo é graduado em história pela Universidade Federal de Santa Catarina, mestrando em ensino de história na mesma instituição e dá aulas de história na Grande Florianópolis desde 2016.

Compartilhe: