Arte barroca na Europa: características e principais artistas

A Arte Barroca surgiu no século XVII como uma resposta da Igreja Católica às Reformas Protestantes. Contudo, a ousadia dos artistas nem sempre agradava os religiosos. Entenda!

A Arte Barroca surgiu na Itália, no final do século XVI, como uma forma de contrapor os ideais renascentistas. A Europa passava por um período de mudanças significativas, e a arte acompanhou este movimento. Hoje vamos compreender o contexto em que o velho continente se encontrava e de que forma a arte sofreu essas influências.

O surgimento da arte barroca

As mudanças que vinham ocorrendo na Europa, especialmente a partir do início do século XVII, foram muito marcantes. Na política, os europeus acompanharam a ascensão de líderes e governantes tirânicos que ostentavam sua riqueza.

Em contrapartida, cientistas como Newton e Galileu difundiam seus pensamentos que foram muito bem aceitos na comunidade científica, já que produziram pesquisas e inovações que viriam a ressoar até os dias atuais. Enquanto isso, o filósofo Descartes colaborou no sentido de trazer à tona a mudança de pensamento a respeito do lugar que o homem ocupa no mundo.

Publicidade

Assim, é possível perceber que a sociedade não era mais a mesma. Mas o acontecimento que mais teve um teor de transformação foi no âmbito religioso: a liderança da Igreja pelos papas em Roma passou a ser muito questionado pela Reforma Protestante.

Para contextualizar, essa Reforma cristã ocorrida no século XVI e liderada por Martinho Lutero ocasionou a divisão do cristianismo ocidental. Diante do ocorrido, a Igreja Católica procurou recuperar seu poder indo contra a fé protestante, de forma a se reestruturar, formar novos conceitos e expressar todo o novo através da arte, gerando uma contrarreforma.

Esse movimento da Igreja foi difundido através do Concílio de Trento (1545-1563), que tinha o objetivo de reafirmar os dogmas do catolicismo em oposição ao protestantismo. Uma das estratégias do Concílio foi divulgar seus ideais religiosos através de imagens com narrativas de histórias bíblicas. Eram, ainda, abordados temas que giravam em torno da religião e que poderiam trazer um fervor religioso renovado.

Origem do termo “Barroco”

Quanto à origem do termo Barroco, inicialmente recebeu esta alcunha de forma depreciativa por parte dos críticos da época, que consideravam um fazer artístico  disforme e grotesco.

Se formos à etimologia da palavra, que tem sua origem um tanto incerta, constataremos que vem de um vocábulo português e faz referência à uma pérola embutida nas rochas com aparência irregular.  Assim, o termo é utilizado para cercear a arte, a arquitetura e a música que sucederam o período da Baixa Renascença e precedeu o Rococó.

O estilo é considerado, ainda, uma reação ao Maneirismo, que defendia o idealismo do clássico, mas se apropriava do uso de silhuetas alongadas e cores que não correspondiam à realidade.

Já na Arte Barroca, as obras apresentam uma sensação de bonança, calma, tranquilidade. Essas características foram encomendadas pela Igreja Católica com intenção de fazer oposição ao protestantismo. Em contrapartida, apesar das expressões de tranquilidade, a decoração é pesada e complexa, além da rica aplicação de luzes e sombras. Esta é, inclusive, uma das características mais relevantes da Arte Barroca.

Grandes artistas do Barroco

A cidade com mais manifestações do estilo é Roma. Por ter se tornado o local do papado, virou um importante centro internacional de produção e de debates artísticos, gerando diversas encomendas de arte.

Como se tornou esta grande referência, artistas viajavam até a cidade a fim de estudar antiguidades clássicas e artistas como Michelangelo (1475-1564) e Rafael (1483-1520). Foi através dessas trocas culturais que os artistas que defendiam os ideais e a estética da Arte Barroca se espalharam pela Europa.

Os irmãos Carracci

Na cidade de Bolonha, na Itália, os artistas Annibale Carracci (1560-1609), seu irmão Agostino (1557-1602) e o primo Ludovico (1555-1619) fundaram uma academia de arte que tinha como premissa o compromisso com o mundo real, com a verdade. Dessa forma, estimulavam o desenho das coisas vivas e o estudo das antiguidades clássicas.

A obra de Carracci, embora tenha uma temática religiosa com certo alegorismo, traz algumas características do período. Observe:

Adoração dos pastores - Arte Barroca“A adoração dos pastores” (1611-1612), Annibale Carracci. Óleo sobre tela. Fonte: https://bit.ly/36oiZOe.

A obra acima deixa evidente o estilo de Carracci, que inclui bastante movimento e uso intenso de cores. A partir de seu vasto conhecimento acerca da escultura clássica, o artista representa as figuras enfatizando a beleza; existe uma dualidade interessante entre o apelo à beleza e, ao mesmo tempo, o chamado à emotividade. As roupas bem estruturadas e esvoaçantes também são uma característica importante do artista.

Caravaggio

Um dos mais revolucionários artistas, não apenas do período Barroco quanto da história da arte, foi o também italiano Michelangelo Merisi da Caravaggio (1571-1610). O artista desejava retratar de forma fiel o mundo, criando imagens que buscavam o real. O aspecto mais evidente e vanguardista é o intenso uso da luz e sombra. Dada sua ousadia, seu estilo foi imitado por toda a Europa.

A conversão de São Paulo - Arte barroca“A conversão de São Paulo” (1600-1601), Caravaggio. Óleo sobre tela. Fonte: https://bit.ly/2JBBTrL.

A pintura acima foi produzida no auge da carreira de Caravaggio e narra o momento da conversão de Saulo ao cristianismo. Na imagem, observamos que ele está no chão, pois foi derrubado de seu cavalo por conta de uma luz celestial que surgiu na estrada, durante a viagem que o conduziria a Damasco.

É interessante observar que a maior parte da obra está preenchida pelo cavalo. A luz intensa incide sobre o animal e sobre as pessoas que ali estão. A obra foi encomendada por Tibério Cesari, tesoureiro do papa Clemente VII. Ela foi levada para a Igreja de Santa Maria del Popolo, em Roma, onde encontra-se até os dias de hoje.

Diante da forma como o artista abordou o tema, recebeu muitas críticas e gerou polêmica quando a obra foi exibida pela primeira vez. A representação do religioso foi vista como inadequada e grosseira. Não foi diferente com outras obras de Caravaggio: o artista abarca composições ousadas (como a já citada, em que o cavalo recebe maior destaque), atração pelo suspense e acentuado grau de realismo, tudo isso somado à forma como representa luz x sombra.

Bernini

Quanto às esculturas e arquitetura, o artista que mais se destacou foi Gianlorenzo Bernini (1598-1680). Ele executou projetos exuberantes, teatrais e dinâmicos na cidade de Roma. Uma de suas obras mais importantes é a escultura que veremos a seguir:

 

O êxtase de Santa Teresa - Arte Barroca“O êxtase de Santa Teresa”, (1645-1652), Gianlorenzo Bernini. Mármore. Fonte: https://bit.ly/33B4On7

A escultura de Bernini encontra-se no altar da Capella Cornaro, em Roma. Foi construída em mármore, bronze, vidro e afresco. Possui muito movimento, tanto nas vestimentas quanto nas posições em que as duas pessoas se encontram, em uma atmosfera de sensualidade. A obra se mistura à arquitetura do lugar e a luz possui um papel indispensável sobre a escultura.

Dentre os artistas da Arte Barroca que tiveram maior destaque encontram-se, ainda, Artemisia Gentileschi (1597-1653), Nicholas Poussin (1594-1665), Claude Lorrain (1604-1682). Ainda que cada artista mantivesse suas particularidades, a expressividade contida no rebuscamento e na temática Barroca conduz em um fio invisível a relação entre todos eles que, através de suas obras, deixam evidente como se vivia e em que se acreditava na época.

Videoaula sobre arte barroca

Por fim, assista ao vídeo do Canal Vivieuvi tratando um pouco mais a arquitetura do movimento Barroco!

Exercícios

1- (UFGD – 2017)

Com base na obra Narciso de Caravaggio (1571-1610) e em sua releitura sem título, reproduzidas abaixo, é correto afirmar:

Narciso - Arte Barroca

a) A primeira pertence ao período Barroco italiano e alude a um mito da antiguidade clássica sobre a criação do homem à imagem e semelhança das águas.

b) Tanto a primeira quanto a segunda fazem referência ao abuso de equipamentos tecnológicos na sociedade contemporânea.

c) A segunda pode ser considerada uma paródia da primeira e sugere uma leitura atual do individualismo e do amor à autoimagem.

d) A primeira é uma obra de arte Renascentista e apresenta uma crítica ao sistema de tratamento de água na Idade Média.

e) A primeira serviu de modelo à segunda, porém, a ideia do reflexo não foi preservada na imitação.

2- (IFMT/2015)    

O barroco se expandiu, através de Roma, e prosperou no mundo cristão. Um representante do barroco na pintura produzida na península Itálica é Michelangelo Caravaggio, mestre do claro/escuro, que deu origem ao caravaggismo.

Sobre o assunto, analise as afirmativas.

I. A Espanha contou com nomes como Diego Velázquez e Bartolomé Murillo no cenário da arte barroca.

II. De modo geral, o barroco possui um estilo leve e foi amplamente utilizado pela igreja católica para catequisar os fiéis durante a Idade Média.

III. A mentalidade barroca foi uma reação à ousadia estética, filosófica e científica do renascimento, resultando também numa reação à Reforma protestante, sendo designada de arte da Contra Reforma.

Está Correto o que se afirma em:

a) Apenas I.

b) Apenas II.

c) Apenas III.

d) Apenas I e II.

e) Apenas I e III.

3- (UEM PR/2013)    

A recente exposição Caravaggio e seus seguidores, no Museu de Arte de São Paulo (MASP), trouxe ao Brasil, pela primeira vez, seis importantes obras do famoso pintor italiano. Acerca de Caravaggio, assinale o que for correto.

01. Ao contrário de seus contemporâneos, Caravaggio não seguia os ideais de beleza clássica, preferindo conferir aos temas tratados em seus quadros a rudeza da realidade.

02. Esse artista é considerado um dos grandes expoentesda pintura renascentista, rivalizando, em fama, com Sandro Botticelli.

04. A pintura da corrente artística que ele representava fazia intenso uso do contraste proporcionado pelo chiaroscuro, o que acentuava a dramaticidade das cenas retratadas.

08. Suas pinturas de temas religiosos chamavam a atenção e chegavam a escandalizar a igreja e o público, por retratar os santos como pessoas comuns de sua época.

16. Ele empregava a luz de um modo revolucionário, não como um reflexo da luz solar, mas criada arbitrariamente de maneira a direcionar a atenção do observador para o foco da pintura.

GABARITO: 

  1. C
  2. E
  3. 29

Sobre o(a) autor(a):

Renata Gambagorte é formada em Licenciatura em Artes Visuais pela Universidade Estadual do Paraná com pós graduação em Cenografia pela Universidade Federal do Paraná. Atualmente atua na rede de ensino em Curitiba. Facebook: https://www.facebook.com/renatagmbgrt

Compartilhe: