Gêneros Literários

Conheça os Gêneros Literários, a linguagem e o que os distingue. Esses conteúdos vão te auxiliar nos estudos de Literatura, Redação e Língua Portuguesa. Estude com o Curso Enem Gratuito!

Os Gêneros Literários classificam e especificam o estilo de uma obra, sendo capazes de apontar a função desse discurso numa determinada linguagem verbal. Ao longo da história, houve diversas classificações de gêneros literários, de maneira que não se pode determinar uma categorização de todas as obras seguindo um mesmo critério.

Precede, contudo, a classificação que provém da Grécia Antiga por meio das obras dos filósofos Platão (A República) e Aristóteles (A Poética) – narrativo ou épico, lírico e dramático – e que abarcam também outros vários subgêneros menores.

Como você poderá perceber, não existe uma forma pura ou definitiva de gêneros literários, podendo eles, inclusive, serem combinados ou impregnados por outros. O que não diminui a utilidade dessas classificações no momento da análise e compreensão do estilo de uma dada obra e de sua linguagem. Quer saber mais sobre os gêneros literários? Então revise Literatura para o Enem com esta aula do Curso Enem Gratuito!

Gêneros ficcionais

Antes de mais nada temos a divisão entre os gêneros ficcionais e não-ficcionais. Assim sendo, os textos não-ficcionais formam-se a partir da realidade empírica, e os ficcionais criam uma realidade, composta pelos seus próprios parâmetros de verdade. Em ambos os casos se cultiva a noção, cunhada por Aristóteles, da Verossimilhança, ou seja, da coerência ou nexo dos fatos e ideias narrados num texto em relação à dada realidade.

Épico

O gênero épico pode designar um relato histórico ou lenda, normalmente centrado na figura de um personagem histórico ou herói. Inicialmente era composto de uma narrativa em versos (poesia ou teatro épico) sobre um grande feito ou ação de um sujeito lendário (epopeia), representante de um povo ou de uma época. Exemplos são Os Lusíadas, de Luís de Camões, Ilíada e Odisseia, de Homero.

O gênero também nomeia narrativas em prosa, como romances, contos, novelas, poesias épicas, crônicas e fábulas, e os temas podem ser históricos, policiais, de amor, de ficção-científica, etc.

A estrutura que identifica o texto épico contém elementos como foco narrativo, enredo, personagens, tempo e espaço, conflito e desfecho. Veja agora algumas características e exemplos do gênero épico-narrativo:

Gêneros Literários - 1
Fonte: https://bit.ly/2Uf5ibV

Conto: é uma narrativa breve e ficcional, que aborda situações cotidianas ou fantásticas, detém poucas ações e personagens, girando, normalmente, em torno de um único conflito. Existem obras que levam compilações dessas narrativas como o Decamerão de Giovanni Boccaccio, O Aleph, de Jorge Luís Borges, Sagarana, João Guimarães Rosa, dentre outros.

Novela: é um gênero intermediário entre o romance e o conto, não sendo tão longo quanto o primeiro e nem tão breve quanto o segundo. Normalmente carrega um único conflito, que possui, no entanto, uma divisão em capítulos e por isso um desenvolvimento maior que o do conto. Exemplos de novelas são as obras O Alienista, de Machado de Assis, A Metamorfose, de Franz Kafka, A Hora da Estrela, de Clarice Lispector e Morte em Veneza, de Thomas Mann.

Romance: com uma extensão e complexidade maior que a dos gêneros novela e conto, o Romance possui também diversos subgêneros como o Romance policial, Romance psicológico, romance histórico, de terror, de costumes, ficção científica, fantasia, etc. Exemplos de romance muito conhecidos temos Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, O Ateneu, de Raul Pompéia, Macunaíma, de Mário de Andrade, e muitos outros.

Crônica: é uma narrativa informal, crítica, feita em linguagem coloquial, breve (alguns poucos parágrafos), ligada a fatos e acontecimentos do cotidiano. No Brasil temos vários autores célebres por escrever neste gênero como Machado de Assis, Rubem Braga e Fernando Sabino.

Fábula: é um texto de caráter fantástico, em que os personagens principais são animais ou objetos, o enredo sempre conduz a alguma lição de moral. La Fontaine (Fábulas), Raimundo Lúlio (O Livro das Bestas) e George Orwell (revolução dos Bichos), são exemplos notórios.

Histórias em Quadrinhos ou Graphic Novels: Trata-se de um gênero cuja imagem surge combinada ao texto, as palavras (falas, narração e pensamentos dos personagens) são destacadas por balões, nuvens e retângulos, e as ações são divididas por quadros (quadrinhos).

Gênero lírico

Na maioria das vezes se apresenta em versos, como um poema, mas pode também vir na forma de uma prosa curta (poema em prosa). Trata dos sentimentos e emoções de um eu-lírico, e explora a musicalidade e a potência semântica das palavras. Os temas definem modalidades da lírica como:

Écogla e idílio: situações bucólicas e pastoris.
Elegia: temática da morte ou do sofrimento.
Epitalâmio: homenageia as núpcias.
Hino: exaltação da pátria ou dos deuses.
Ode: exaltação de pessoas, lugares ou objetos. Exemplo:

Amo o que Vejo
Amo o que vejo porque deixarei
Qualquer dia de o ver.
Amo-o também porque é.

No plácido intervalo em que me sinto,
Do amar, mais que ser,
Amo o haver tudo e a mim.

Melhor me não dariam, se voltassem,
Os primitivos deuses,
Que também, nada sabem.

Ricardo Reis, in “Odes”

Sátira: ironiza as fraquezas e os defeitos humanos.

Gênero dramático

Na maioria das vezes o Drama, como também é chamado, visa uma encenação, na forma de uma peça de teatro, sendo capaz de ser adaptado para cinema ou televisão.

Gêneros Literários - 2
Teatro Grego

A principal característica do texto dramático é que a ação se desenrola através da fala dos atores. Contudo, podem estar presentes também um locutor – menos comum, ele pode ser introduzido como um personagem – e, no texto físico, as rubricas e didascálias, que são as partes do texto contendo indicações cênicas e a descrição das peculiaridades (como a intensidade das falas, modo de andar) e movimentos dos atores. As ações da peça costumam ainda ser divididas em atos, quadros ou cenas. Alguns subgêneros do drama são:

Comédia: drama focado no humor, normalmente extraído de uma situação de engano, pela qual passa um ou mais de seus personagens. Subgêneros ligados à comédia: Comédia musical, Commedia dell’arte, Farsa, Sátira (também presente no drama, possui a intenção de ridicularizar, ou criticar um fato ou uma pessoa. A anedota é um exemplo popular de sátira), Teatro de marionetes, Teatro de improvisação, Vaudeville e outros.

Tragédia: representação de um fato trágico, normalmente culminando na morte de algum personagem central. Tende a provocar compaixão, catarse e terror. Subgêneros ligados à tragédia: Tragicomédia, Melodrama e Pantomima.

No teatro grego, a tragédia cultivava personagens nobre e figuras importantes, enquanto a comédia continha figuras comuns, camponeses e trabalhadores.

Gêneros não literários

Assim como existem tipos de textos que são próprios da Literatura, ocorrem outros que não o são, como o Ensaio Acadêmico, o texto analítico, argumentativo ou dissertativo (redação), o didático, o laudo médico, a notícia, a biografia, e outros, que possuem uma finalidade informativa e descritiva.

Por último, é importante salientar que qualquer gênero literário pode ser combinado a outro, não sendo, claro, obrigatório o uso de um único gênero numa obra, o que, inclusive, é uma prática muito comum na modernidade.

Agora que você já revisou tudo sobre os gêneros literários, que tal ver uma videoaula para reforçar o conteúdo? Veja esta aula do canal “Sora me ajuda”:

Exercícios:

1- (Enem 2009)

Gêneros Literários - 3

As Histórias em Quadrinhos constituem um gênero textual bastante utilizado nas provas do Enem.

Os quadrinhos exemplificam que as Histórias em Quadrinhos constituem um gênero textual.

a) em que a imagem pouco contribui para facilitar a interpretação da mensagem contida no texto, como pode ser constatado no primeiro quadrinho.

b) cuja linguagem se caracteriza por ser rápida e clara, que facilita a compreensão, como se percebe na fala do segundo quadrinho: “</DIV> </SPAN> <BR CLEAR = ALL> < BR> <BR> <SCRIPT>”.

c) em que o uso de letras com espessuras diversas está ligado a sentimentos expressos pelos personagens, como pode ser percebido no último quadrinho.

d) que possui em seu texto escrito características próximas a uma conversação face a face, como pode ser percebido no segundo quadrinho.

e) em que a localização casual dos balões nos quadrinhos expressa com clareza a sucessão cronológica da história, como pode ser percebido no segundo quadrinho. 

2- (Enem 2010)

Machado de Assis

Joaquim Maria Machado de Assis, cronista, contista, dramaturgo, jornalista, poeta, novelista, romancista, crítico e ensaísta, nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 21 de junho de 1839. Filho de um operário mestiço de negro e português, Francisco José de Assis, e de D. Maria Leopoldina Machado de Assis, aquele que viria a tornar-se o maior escritor do país e um mestre da língua, perde a mãe muito cedo e é criado pela madrasta, Maria Inês, também mulata, que se dedica ao menino e o matricula na escola pública, única que frequentou o autodidata Machado de Assis.

Considerando os seus conhecimentos sobre os gêneros textuais, o texto citado constitui-se de

a) fatos ficcionais, relacionados a outros de caráter realista, relativos à vida de um renomado escritor

b) representações generalizadas acerca da vida de membros da sociedade por seus trabalhos e vida cotidiana.

c) explicações da vida de um renomado escritor, com estrutura argumentativa, destacando como tema seus principais feitos.

d) questões controversas e fatos diversos da vida de personalidade histórica, ressaltando sua intimidade familiar em detrimento de seus feitos públicos.

e) apresentação da vida de uma personalidade, organizada sobretudo pela ordem tipológica da narração, com um estilo marcado por linguagem objetiva.

3- Leia o texto a seguir para responder à questão:

A outra noite

Outro dia fui a São Paulo e resolvi voltar à noite, uma noite de vento sul e chuva, tanto lá como aqui. Quando vinha para casa de táxi, encontrei um amigo e o trouxe até Copacabana; e contei a ele que lá em cima, além das nuvens, estava um luar lindo, de lua cheia; e que as nuvens feias que cobriam a cidade eram, vistas de cima, enluaradas, colchões de sonho, alvas, uma paisagem irreal.

Depois que o meu amigo desceu do carro, o chofer aproveitou o sinal fechado para voltar-se para mim:

– O senhor vai desculpar, eu estava aqui a ouvir sua conversa. Mas, tem mesmo luar lá em cima?

Confirmei: sim, acima da nossa noite preta e enlamaçada e torpe havia uma outra – pura, perfeita e linda.

– Mas, que coisa…

Ele chegou a pôr a cabeça fora do carro para olhar o céu fechado de chuva. Depois continuou guiando mais lentamente. Não sei se sonhava em ser aviador ou pensava em outra coisa.

– Ora, sim senhor…

E, quando saltei e paguei a corrida, ele me disse um “boa noite” e um “muito obrigado ao senhor” tão sinceros, tão veementes, como se eu lhe tivesse feito um presente de rei.

Rubem Braga

Analisando as principais características do texto lido, podemos dizer que seu gênero predominante é:

a) Conto.
b) Poesia.
c) Prosa.
d) Crônica.
e) Drama.

Fonte: https://bit.ly/2EmzoDE

Gabarito:

1.d
2.e
3.d

Sobre o(a) autor(a):

Renato Luís de Castro é graduado em Letras/Francês pela Unesp-Araraquara, e mestrado em Estudos Literários também na Unesp, atualmente concluindo Licenciatura pela UFSC.