Região Sul do Brasil: relevo, clima, vegetação e colonização

A região Sul, formada por Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, é a menor região brasileira e possui uma população de aproximadamente 31 milhões de habitantes.

A região Sul do Brasil é a menor região brasileira, com 576.409,6 quilômetros quadrados. Ela é formada por apenas três estados: Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. As capitais são, respectivamente, Curitiba, Porto Alegre e Florianópolis.

Essa região possui uma população de aproximadamente 31 milhões de pessoas, sendo a segunda região mais populosa do Brasil. Ela se encontra totalmente no hemisfério sul e quase em sua totalidade ao sul do Trópico de Capricórnio, salvo pequena parte do norte do Paraná.

Mapa político da região sulImagem 1: Mapa político da Região Sul

Relevo da região Sul

A região Sul apresenta um quadro físico variado com uma forte influência do planalto meridional, principalmente nos estados do Paraná e Santa Catarina. Sendo assim, o relevo da região Sul é constituído por planícies costeiras, serras e planaltos, e pelos Pampas ou planície gaúcha.

O Planalto Meridional

O Planalto Meridional foi formado na era Mesozoica através de intenso vulcanismo devido à deriva continental. Esse planalto é formado por derrames basálticos e por sedimentos de forma intercalada.

É no Planalto Meridional que encontramos a Bacia Sedimentar do Paraná. Nessa importante região brasileira encontramos solos ricos e jazidas minerais e energéticas. Contudo, a grande riqueza da Bacia do Paraná é o Aquífero Guarani.

Um aquífero é um depósito subterrâneo de água que é acumulado nas fendas e fraturas das rochas. Calcula-se que o Aquífero Guarani possua 45 quatrilhões de litros de água. Por isso é considerado o maior reservatório de água doce da América do Sul.

Litoral

Escudos cristalinos e rochas antigas de formação pré-cambriana compõem a planície litorânea do Paraná até o litoral central de Santa Catarina, e a porção sul do Rio Grande do Sul.

Encontramos nesses escudos rochas metamórficas, como gnaisses e ardósias, e rochas magmáticas, como o basalto e granito. Possuindo grande dureza, o escudo cristalino é menos influenciado pelo tectonismo, o que resulta em um relevo mais estável.

Enquanto isso, o litoral sul de Santa Catarina e os litorais norte e central do Rio Grande do Sul são dominados pela Bacia Sedimentar do Paraná, formada pelos depósitos sedimentares advindos do Planalto Meridional. Encontramos rochas sedimentares como o arenito, siltito e argilito.

Pampas

Por fim, a última grande formação de relevo do Sul são os Pampas ou Planície Gaúcha. O Pampas são formados por campos extensos com pequenas e suaves elevações, chamadas de coxilhas.

É uma formação sedimentar com morros que não ultrapassam 200 metros de altura. Essa configuração de relevo favoreceu a prática da pecuária extensiva no interior do Rio Grande do Sul.

Clima da região Sul

O clima característico da região Sul é o subtropical. Esse tipo climático se caracteriza por possuir quatro estações bem definidas e com a precipitação bem distribuída durante o ano. Assim, os verões são quentes e os invernos amenos.

Observamos no Sul do Brasil uma influência significativa do relevo no clima. O litoral do Paraná e de Santa Catarina, de menor altitude, apresenta uma média de temperatura mais alta em comparação com o interior dominado pelo Planalto Meridional.

Além disso, o regime de chuva também é influenciado pelo relevo, já que devido boa parte da umidade advinda do oceano fica retida no litoral. O extremo norte do Paraná apresenta um clima tropical típico, como duas estações bem definidas

Hidrografia

A hidrografia da região Sul se divide em duas grandes vertentes: uma atlântica, com rios que têm sua foz no Oceano Atlântico, e uma vertente interiorana, com rios que deságuam em outros rios no interior do continente.

Os rios são rápidos e com ravinas fundas com grande potencial para geração de energia, mas com baixo aproveitamento para navegação.

Podemos citar as bacias do Rio Uruguai e do Rio Paraná como as principais da região.

Vegetação

A vegetação da região Sul é variada, apresentando vegetação litorânea, Mata Atlântica, Mata de Araucárias e campos.

A vegetação litorânea se divide em mangues, com uma vegetação semiaquática com raízes aéreas e de baixa estatura, e restingas, com vegetação rasteira e raízes rizomáticas.

Enquanto isso, na planície litorânea, nas encostas de planalto e no extremo norte do Paraná, encontra-se a Mata Atlântica. Esse tipo de vegetação é formado por uma floresta ombrófila densa, ou seja, uma floresta densa e sempre verde com árvores de grande porte e grande biodiversidade.

A Mata de Araucárias, por sua vez, domina o Planalto Meridional. Suas principais características são a presença de árvores aciculifoliadas (com folhas em forma de agulhas) e a formação de grandes bosques separados por campos formados por gramíneas.

Por fim, os campos são grandes extensões de terra dominados por uma vegetação de gramíneas com poucos bosques, normalmente na beira de rios. Essa vegetação se encontra no extremo sul da região na Planície Gaúcha. Devido à ocupação do solo, grande parte dessa vegetação foi devastada. Veremos mais em seguida.

Antes de conhecer mais sobre a colonização, confira esta videoaula sobre os aspectos físicos da região Sul:

Colonização da região Sul

Inicialmente, o Sul não foi uma região que despertou o interesse da coroa portuguesa. Desse modo, a ocupação do interior do Sul do Brasil foi feita inicialmente por jesuítas espanhóis. Eles construíram as chamadas reduções, pequenas aldeias onde os indígenas eram catequizados.

No entanto, por serem uma ordem da Igreja Católica, os jesuítas não respondiam nem a Portugal nem à Espanha, o que fez com que os dois países desconfiassem da ordem. Foi essa desconfiança que levou à Guerra Guaranítica, conflito em que Espanha e Portugal se uniram contra as reduções jesuíticas.

Assim, com o fim da guerra e das reduções, o território ficou desocupado. Isso gerou receio tanto na Coroa Portuguesa quanto no governo brasileiro após a independência. Os governantes temiam que o território seria ocupado por algum país vizinho. A solução encontrada foi incentivar imigração de europeus para os territórios do sul do Brasil.

Os primeiros imigrantes vieram da ilha dos Açores para as cidades de Nossa Senhora do Desterro, hoje Florianópolis, e para Porto Alegre.

Em seguida foram trazidas outras levas de imigrantes, como os germânicos no Vale do Itajaí, em Santa Catarina; no Vale do Sinos, no Rio Grande do Sul; e em Ponta Grossa e Curitiba, no Paraná.

Os italianos foram para a região da Serra Gaúcha, para o sul de Santa Catarina, e para litoral do Paraná, além de Curitiba. A criação bovina foi o principal motor econômico da colonização da região, principalmente do extremo sul.

Economia da região Sul

A região hoje apresenta uma economia diversificada, com uma forte presença do agronegócio, que cresce muito a partir da década de 1960 com a modernização da agricultura e com o início do plantio da soja.

A colonização em pequenas propriedades familiares permitiu a criação de um mercado consumidor importante, gerando demanda para aparição de pequenas indústrias. São essas fábricas que se desenvolveram em grandes indústrias nos dias de hoje, não só voltadas para o beneficiamento agrícola, mas também para bens de consumo e indústria de base.

Por fim, veja a videoaula a seguir sobre os aspectos econômicos da região Sul:

Exercícios

1- (Fuvest)

Os rios são perenes e as chuvas bem distribuídas durante o ano. Possui tanto solos ácidos e pobres em minerais, como manchas de terra roxa bastante exploradas pela agricultura. A floresta aciculifoliada (coníferas), característica deste domínio, foi profundamente alterada pela ocupação humana.

O texto correspondente ao seguinte domínio morfoclimático:

a) Araucária: planaltos subtropicais com araucária.

b) Cerrado: chapadões tropicais interiores com cerrados e florestas galerias.

c) Pradarias: coxilhas subtropicais com pradaria mista.

d) Mares de Morros: áreas mamelonares tropicais-atlânticas florestadas.

e) Amazônico: terras baixas florestadas equatoriais.

2 – (Mackenzie)

Dentre os fatores que diferenciam a Região Sul das demais regiões brasileiras destaca-se:

a) A monocultura da cana-de-açúcar.

b) Predomínio de população branca de origem européia.

c) O clima quente e úmido do tipo equatorial.

d) Os prolongados períodos de seca.

e) O predomínio das atividades extrativas vegetais

3 – (PUC/RS)

Considerando a formação geológica do Rio Grande do Sul, é INCORRETO afirmar que esse estado apresenta:

a) formações cristalinas.

b) derrames e fissuras basálticas.

c) sequência sedimentar antiga.

d) dobramentos modernos.

e) sedimentação recente.

Gabarito:

  1. A
  2. B
  3. D

Sobre o(a) autor(a):

O texto acima foi preparado pelo professor João Garcia Neto para o Blog do Enem. João é graduado em Geografia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) e professor de Geografia em escolas da Grande Florianópolis desde 2012. E-mail para contato: [email protected]

Compartilhe: